Toda Suficiência

0

Partes de um sermão de Charles Haddon Spurgeon, traduzidas e adaptadas pelo Pr Silvio Dutra.

“Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece.” –  (Filipenses 4.13)

A primeira parte da frase seria uma impudente ousadia sem a última parte para interpretá-la. Há alguns homens que, inchados de vaidade, têm dito em seus corações: “Eu posso fazer todas as coisas.” A sua destruição tem sido certa!

E o que diremos do nosso Apóstolo, pequeno em estatura, gaguejando no discurso, sua presença pessoal fraca, e a sua palavra desprezível, quando ele vem para a frente e se orgulha: “Eu posso fazer todas as coisas”? Ó presunção insolente! O que você pode fazer, Paulo? O líder de uma seita odiada, todos eles condenados por um édito imperial até a morte! Você, você, que se atreve a ensinar o dogma absurdo que um homem crucificado é capaz de salvar almas, que Ele é realmente o Rei do Céu, e praticamente o rei na terra! Você diz: “Eu posso fazer todas as coisas.” O quê? Tem Gamaliel te ensinado tal arte da eloquência, que você pode confundir todos que se lhe opõem? Você confia em si mesmo? Não! “Eu posso fazer todas as coisas”, diz ele, “através de Cristo que me fortalece.” Olhando corajosamente em torno dele, volta os olhos de sua fé com humildade para o seu Deus e Salvador, Jesus Cristo, e se atreve a dizer, não impiamente, nem com arrogância, mas com reverência piedosa e coragem destemida, “Eu posso fazer todas as coisas em Cristo que me fortalece.”

Meus irmãos e irmãs, quando Paulo disse estas palavras, ele lhes queria dizer, de fato, que ele teve uma grande medida já comprovada ou a força da qual ele agora afirma! Alguma vez você já pensou quão variada eram as provações, e quão inúmeras eram as conquistas do Apóstolo Paulo? Chamado pela graça de uma forma súbita e milagrosa, imediatamente, não consultou carne e sangue para pregar o Evangelho! Em seguida, ele se ausentou um pouco, para que pudesse entender melhor a Palavra de Deus. Desde o deserto da Arábia, onde ele cingiu os lombos, e se fortaleceu por meio da meditação e da mortificação pessoal, ele sai, não para tomar conselho com os que já eram apóstolos, nem para pedir a sua orientação ou sua aprovação, mas com coragem singular, começou a proclamar o nome de Jesus, e proclamando que ele era também um apóstolo de Cristo! Você vai se lembrar que depois disso, ele realizou muitas coisas difíceis – ele resistiu a Pedro na cara, e em seguida, registra as suas próprias realizações, como ele descreve a si mesmo:

“em trabalhos, muito mais; em açoites, mais do que eles; em prisões, muito mais; em perigo de morte, muitas vezes.

Recebi dos judeus cinco quarentenas de açoites menos um. Três vezes fui açoitado com varas, uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, uma noite e um dia passei no abismo;

Em viagens muitas vezes, em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos dos da minha nação, em perigos dos gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigos entre os falsos irmãos;

Em trabalhos e fadiga, em vigílias muitas vezes, em fome e sede, em jejum muitas vezes, em frio e nudez.
Além das coisas exteriores, me oprime cada dia o cuidado de todas as igrejas.” (2 Coríntios 11.23-28)
Quando o apóstolo diz “todas as coisas”, quer se referir a que podia suportar todas as provações. Não importa o que os seus perseguidores pudessem fazer-lhe, ele sentia que era muito capaz, pela graça divina, de suportá-lo.

“Posso suportar todas as coisas”, diz ele, “por amor a Cristo”. Ele esperava diariamente que poderia ser levado a morrer, e a expectativa diária da morte é mais amarga do que a morte, em si, porque o que é a morte? É apenas uma pontada, e acabou! Paulo podia dizer: “Eu morro todos os dias”, e ele ainda estava firme e inamovível na expectativa da hora de uma dolorosa partida! Ele estava pronto para ser oferecido como um sacrifício por causa de seu Mestre. Cada filho de Deus, pela fé, pode dizer: “Eu posso sofrer todas as coisas.” Tenhamos bom ânimo sob qualquer tentação ou sofrimento que possamos ser chamados a experimentar por amor de Cristo, pois podemos sofrer tudo isso por meio de Cristo que nos fortalece.

Com as palavras do nosso texto Paulo também queria se referir a que poderia desempenhar todas as tarefas. Ele foi chamado para pregar? Ele era suficiente para isto, com a força de Cristo – ele foi chamado para dirigir e governar as igrejas – para ser, por assim dizer, um superintendente viajante e bispo do rebanho? Ele sentia que estava bem qualificado para qualquer serviço que pudesse ser colocado sobre ele, por causa da força que Cristo certamente dá. E você, meu querido irmão, se você é chamado hoje a algum dever que é novo para você, também pode dizer: “Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece.”

Isto também é verdade quanto às lutas internas do cristão com suas corrupções. Paulo, uma vez disse: “Miserável homem que sou, quem me livrará do corpo desta morte?” Mas Paulo não parou por aí – sua música não era toda em tom menor! Rapidamente ele toca os acordes maiores e canta: “Mas graças a Deus que nos dá a vitória por intermédio de nosso Senhor Jesus Cristo.” Posso estar abordando algum cristão que tem naturalmente um temperamento muito violento, e diz que não pode controlá-lo. “Você pode fazer todas as coisas através de Cristo que lhe fortalece.” Posso estar falando com outro que sentiu uma fraqueza peculiar de disposição, uma propensão a ser tímido. Meu irmão, minha irmã, você não deve renegar o seu Senhor, por meio de Cristo que lhe fortalece, a pomba pode vencer a águia, e você que é tímido como um cordeiro pode ser forte e corajoso como um leão! Não há fraqueza ou propensão má que o cristão não possa vencer.

O apóstolo se sentia capaz de servir a Deus em toda e qualquer circunstância.

“Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade.” – (Filipenses 4.12)

Alguns cristãos são chamados a mudanças bruscas, e eu observei muitos deles que foram arruinados por suas mudanças. Eu vi o pobre homem extremamente espiritual de espírito, eu o vi cheio de fé em relação à Divina Providência, e vivendo uma vida feliz esperando na recompensa de seu Deus. Eu tenho visto homens que têm adquirido riquezas e observei que ficaram mais mesquinhos, do que eram, na verdade, mais angustiados do que eram antes! Tinham menos confiança em Deus, menos liberalidade de alma. Mas isso não precisa ser assim!

Cristo, fortalecendo o cristão, ele está pronto para todos os lugares.

Como é que Cristo fortalece o seu povo? Nenhum de nós pode explicar as misteriosas operações do Espírito Santo, só podemos explicar um efeito por outro. Não tenho a pretensão de ser capaz de mostrar como Cristo comunica força ao seu povo pela energia que flui do Espírito, mas deixe-me mostrar o que o Espírito faz, e como esses atos do Espírito tendem a fortalecer a alma para “todas as coisas”.

Não há dúvida de que Jesus Cristo faz o seu povo forte, reforçando a sua fé. Juntamente com esta fé, acontece frequentemente que o Espírito Santo também dá uma singular firmeza de espírito. E não somente dá uma espécie de tenacidade sagrada, e obstinação de espírito combinada com fé, mas frequentemente os cristãos antecipam as alegrias do céu justamente quando suas dores são maiores.
Mas, a fim de permitir que o seu povo possa fazer todas as coisas, Cristo também vivifica as faculdades mentais. É impressionante o poder que o Espírito Santo pode conceder à mente dos homens! Você deve ter observado, eu não duvido, as controvérsias que os confessores antigos da fé tiveram com os hereges, e a perseguição sofrida por parte de reis e bispos, a maneira singular com que pobres analfabetos foram capazes de refutar seus adversários. Como as faculdades foram vivificadas para fazer cada confessor aproveitar todas as oportunidades para valer-se de todos os erros de seu oponente, e lançar mão de textos da Escritura que eram como espadas para cortar em pedaços aqueles que ousassem se opor a eles, é realmente uma questão de admiração!

Somado a isso, sem dúvida, também, grande parte do poder de fazer todas as coisas reside no fato de que o Espírito de Deus capacita o cristão a vencer a si mesmo. Ele pode perder todas as coisas, porque ele já está preparado para fazê-lo, ele pode sofrer todas as coisas, porque não valoriza seu corpo como o mundano faz – pode ser corajoso para Cristo, porque aprendeu a temer a Deus, e, portanto, não tem motivos para temer o homem. Um corpo saudável pode suportar muito mais fadiga, e pode trabalhar muito mais poderosamente do que um corpo doente. Agora, Cristo coloca o homem em um estado saudável, e ele está preparado para injúrias longas, para tarefas difíceis, e para privações severas.
No entanto, você não pode fazer nada espiritualmente sem a força de Cristo. Não saia a Seu serviço até que tenha orado primeiro, porque o esforço que se inicia sem oração vai acabar sem louvor! Essa batalha que começa sem uma dependência santa de Deus, certamente acabará em uma terrível derrota!


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here