A Queda e a Restauração de Pedro

0

Partes de um sermão de Charles Haddon Spurgeon, traduzidas e adaptadas pelo Pr Silvio Dutra.

“Então, voltando-se o Senhor, fixou os olhos em Pedro, e Pedro se lembrou da palavra do Senhor, como lhe dissera: Hoje, três vezes me negarás, antes de cantar o galo. Então, Pedro, saindo dali, chorou amargamente.” (Lucas 22.61,62)

Não há, em qualquer um dos registros dos evangelhos, uma única palavra dita por meio de tratamento paliativo da grande culpa de Pedro.
Por que, você acha que é esta triste recordação, dada assim, por três vezes? Não é, de modo que devemos ter uma atenção triplicada? Isto merece esta menção especial, em primeiro lugar, porque deve ter aumentado bastante o sofrimento do Senhor Jesus Cristo por saber que, enquanto ele estava suportando humilhações indizíveis em nome do Seu povo, o seu mais proeminente discípulo estava negando-o com juramentos e imprecações. Eu não posso imaginar que qualquer das torturas que Ele sofreu de seus inimigos poderia ter-lhe causado tanta dor como essa negação ímpia por um de seus amigos mais próximos.
Mas, também, eu acho que a queda e restauração de Pedro estão, portanto, totalmente gravadas para expor a grandeza de nossa salvação.

Não é maravilhoso pensar que, antes de morrer, Jesus restaurou a este grande apóstata, eu quase digo, “este apóstata aberto”, que ele foi, de acordo com sua própria língua? Eu posso, na imaginação, ver o pobre Pedro dobrar-se diante da cruz do Calvário e olhando para cima, em meio a lágrimas de tristeza e alegria, como ele lamenta a sua grande culpa e vê tudo perdoado!

Em seguida, vem o ladrão morrendo, para representar uma outra classe de pessoas que trazem grande glória ao nosso Senhor morrendo. Pedro é o desviado restaurado – o ladrão moribundo é o pecador salvo às 11 horas. Ele estava à beira do inferno, mas o Mestre estendeu a mão para salvá-lo, dizendo: “Hoje estarás comigo no Paraíso”. Eu não posso imaginar dois incidentes revelarem maior Graça Divina do que estes dois, que tão ricamente adornam e embelezam a cruz!

Além disso, você não acha que há, nesta negação tripla, uma lição instrutiva para nós sobre a fragilidade do melhor dos homens? A Sagrada Escritura não nos diz muito sobre os melhores dos homens que viveram nos velhos tempos, sua história dos santos é um pouco escassa, mas é especial na gravação de suas falhas, como se o seu propósito especial fosse o de nos lembrar que o melhor dos homens é ainda pecador!

A queda de Pedro parece dizer a cada um de nós: “Você também é fraco. Você, também, vai cair se você é deixado a si mesmo. Portanto confie inteiramente em seu Mestre, mas nunca confie em si mesmo. Olhe sempre para Ele e não confie em sua própria experiência, ou na firmeza de sua própria resolução, porque você certamente cairá, como Pedro, a não ser que a mão onipotente de Cristo o segure.”
A queda de Pedro foi uma queda muito triste, porque era a queda de um dos mais favorecidos dos discípulos de Cristo.

Nosso Senhor tinha muitos discípulos, mas Ele disse aos Apóstolos: “Eu vos escolhi a vós doze.” Desses doze, ele havia evidentemente escolhido três – Pedro, Tiago e João, que tiveram o privilégio de estar com ele em várias ocasiões, quando todos os outros foram expulsos.
Pedro tinha sido especialmente favorecido, de modo que, provavelmente, nem mesmo João o superou na honra que o seu Mestre tinha colocado sobre ele. Depois de sua declaração relativa à messianidade e divindade de Cristo, Jesus disse-lhe: “Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, a carne e o sangue não o revelou a ti, mas meu Pai que está nos céus.” Então você vê que Pedro era um homem altamente favorecido e para ele, negar seu Mestre era um pecado muito terrível. Quanto maior for o nosso privilégio, queridos amigos, maior é a nossa responsabilidade! Quanto mais nobre é a nossa vocação, mais horrível é o nosso pecado quando caímos nela.

Em segundo lugar, a queda de Pedro foi especialmente triste porque ele tinha sido fielmente avisado sobre isso. Nosso Senhor tinha dito aos onze, “Todos vocês se escandalizarão de mim esta noite.” E então, quando Pedro declarou que ele não o faria, nosso Senhor claramente predisse sua tripla negação. Quando Jesus, após a primeira parte de sua agonia no jardim, voltou para os três discípulos especialmente favorecidos e encontrou-os dormindo, disse a Pedro: “Simão, você dorme? Não pudeste vigiar uma hora? Vigie e ore para que não entre em tentação.” Assim, Pedro sabia a qual perigo ele estava exposto. Ele não era, como algumas pessoas inexperientes são, surpreendidas de repente, deslocadas de seus pés por um tornado feroz da tentação.

Se ele não vigiasse e orasse – ele deveria ter feito isso, pois tinha sido expressamente advertido, sim, e dito que naquela mesma noite, não somente estaria em perigo, mas que ele realmente iria cair na armadilha que Satanás, o grande caçador, estava montando para ele! Após esse aviso, ele não seria como um pássaro preso em uma armadilha que não tivesse visto, mas como aquele que voa corajosamente na direção da armadilha. Isso fez com que o seu pecado fosse ainda maior!

Além disso, a culpa do pecado de Pedro é reforçada pelo fato de que ele retrucou a advertência de Seu Mestre dizendo que ainda que todos se escandalizassem, ele não o faria. Agora, note que essa declaração foi feita durante a noite e o sol não tinha ainda nascido, o galo não havia cantado antes de ele ter negado três vezes o seu Mestre!
Há outro agravante do pecado de Pedro, que devo mencionar que é que tudo isto foi feito muito perto de onde seu Senhor e Mestre estava sofrendo naquele momento. E para você e para mim – pecar na presença da Majestade do Céu, (e todo o pecado faz isso), é um crime enorme.

Qual foi a razão pela qual Pedro pecou de tal forma – eu respondo, em primeiro lugar, por causa de seu medo do homem. O ousado Pedro tornou-se um covarde delirante! E, ah, como muitos têm negado seu Mestre, porque eles têm medo de uma brincadeira ou uma zombaria! Foi apenas uma empregada e outra fofoqueira com ela, e algumas mulheres e homens ociosos ao redor do fogo ao ar livre, mas Pedro estava com medo deles e, portanto, ele não teve medo de negar seu Mestre.
Talvez a principal razão para a negação de seu Senhor era a sua confiança em si mesmo. Se Pedro se sentisse mais fraco, ele realmente teria sido mais forte. Mas, porque se sentia tão forte em si mesmo, portanto, provou ser fraco como a água e por isso negou o seu Mestre.

Sabemos, também, que a negação foi causada pela falta de vigilância e oração por parte de Pedro. Ele estava fora de sua guarda, quando estava sentado ou em pé confortavelmente junto ao fogo e, portanto, ele caiu tão tristemente. Sua queda foi causada, espero, por uma falta geral de firmeza em seu caráter. Ele era impetuoso, impulsivo, rápido, pronto, bravo, corajoso, mas, ao mesmo tempo, ele não tinha domínio próprio. Mesmo depois disso, faltou-lhe esse elemento essencial de um caráter forte, pois Paulo teve de “resistir-lhe na cara, porque era repreensível.” Mas, neste momento do teste, ele manifestou uma triste falta de solidez de caráter. Ele foi levado por circunstâncias e, mesmo quando passou a ser contra o seu Senhor e Mestre, ele ainda foi levado com eles!
Agora, em segundo lugar, observe os MEIOS DA RECUPERAÇÃO de Pedro. Eles valem de aviso prévio para nós.

O primeiro meio foi o cantar do galo. Isso aconteceu depois que Pedro havia negado seu Mestre. Oh, aquele canto tocou o coração de Pedro! Sua mensagem forçou seu caminho para a consciência de Pedro! Deus tem muitas maneiras de atingir a consciência do homem.
Mas isso não era suficiente, nem era a metade do suficiente para trazê-lo ao arrependimento.
A próxima coisa que tocou Pedro, a principal, foi o olhar de Cristo. Não é possível para qualquer um de nós dar um olhar assim. Era um olhar como o Senhor deu à escuridão primitiva, quando disse: “Haja luz”, e a escuridão foi dissipada por uma vista de olhos de Jeová. Assim, a escuridão, que o diabo tinha lançado sobre a alma de Pedro, foi expulsa por um lampejo dos olhos de Jesus!

Havia volumes de significado naquele olhar. Não somente lembrou-lhe da dor profunda que causara a sua negação, mas foi também um olhar de ternura inexprimível, como se o Mestre dissesse: “eu ainda te amo, Pedro, então volte para mim e eu ainda o restaurarei!” Acho que foi um olhar de coração partido e ferido – um olhar que revelou a Pedro a escuridão do pecado e também a ternura do coração do Seu mestre em sua direção.
Aquele olhar foi o grande meio de recuperação de Pedro.

Então, o que veio em seguida foi a lembrança das palavras de Cristo, para que o olhar despertasse sua memória e lembrasse de tudo o que Seu mestre lhe dissera, e de toda a comunhão feliz que tivera com Ele, e das maravilhas que ele tinha visto Jesus fazer. Eu ouso dizer que Pedro se lembrou de como ele uma vez caminhou sobre a água e como começou a afundar até que Jesus estendeu a mão para salvá-lo. De qualquer forma, a memória fez o seu trabalho, porque, “Pedro lembrou-se das palavras que Jesus lhe dissera: Antes que o galo cante, você me negará três vezes. E quando ele pensava sobre isso, ele chorou.” Então, essas três coisas cooperaram na produção da recuperação de Pedro.

Mas havia uma coisa que, na parte de trás de tudo isso, que nunca devemos esquecer, isto é, a oração de Cristo por Pedro. Ele lhe disse: “Eu orei por você”, e o efeito daquela oração foi feito evidente na restauração do Apóstolo. Aquele olhar era eficaz para Pedro, porque o Senhor Jesus teve, em particular, intercedido por ele. Assim, sua fé não falharia e ele sairia da peneira do diabo.

Esse foi o grande meio que Cristo utilizou para a recuperação de Pedro e eu lhes peço, queridos amigos, a imitarem o exemplo de seu Salvador a este respeito. Orem pelos caídos, olhem com amor para os caídos, porque o seu próprio olhar pode fazer-lhes bem. Falem com o caído, procurem orientá-lo a voltar para Cristo e quem sabe quantos deles você pode ajudar a restaurar?


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here