Sobre Orgulho

PROPAGANDA
PROPAGANDA

Sobre Orgulho – Estudos bíblicos

“Tendo, pois, ó amados, tais promessas, purifiquemo-nos de toda impureza, tanto da carne como do espírito, aperfeiçoando a nossa santidade no temor de Deus.” (2 Coríntios 7.1)

O orgulho (soberba) da vida se une com a concupiscência da carne e dos olhos. O orgulho destruiu dois mundos, ele transformou anjos em demônios, e os expulsou do céu; ele degradou o homem da honra de sua criação, para a condição dos animais que perecem, e o expulsou do paraíso.

Irei considerar a natureza, vários tipos e graus do orgulho, e os meios para nos purificar disso.
A natureza deste vício consiste em um apetite irregular e imoderado de superioridade; e tem duas partes: uma é a afetação de honra, dignidade e poder, além de seu valor e dignidade real, a outra é atribuição de tudo isto a uma pessoa além do seu justo merecimento.

Os tipos de orgulho são moral e espiritual, que às vezes são ocultados à mente e à vontade, mas muitas vezes aparecem nas ações. Assim sendo, é a arrogância de alguém que atribui a si mesmo uma proeminência indevida, e exige indevidamente respeito de outras pessoas; ou a vanglória, que é afetada e alimentada com louvor ou ambição, que ardentemente aspira por lugares elevados, e por títulos de precedência e poder; enfim, tudo o que é compreendido pelo nome universal de orgulho.

1. O orgulho inclui um conceito secreto de nossas próprias excelências, que é a raiz de todos os seus ramos. O amor próprio é natural, e profundamente imprimido no coração, que não há adulador mais sutil e oculto, mais facilmente e de bom grado crido, do que essa afeição. O amor é cego para com os outros, e ainda mais para si mesmo. Nada pode ser tão íntimo e querido, como quando o amante, e a pessoa amada são as mesmas.

Este é o princípio da alta opinião e sentimentos secretos entretidos pelos homens de seu próprio valor especial. “Enganoso é o coração acima de todas as coisas”, e, acima de todas as coisas enganoso para si mesmo. Os homens olham para o espelho encantador de suas próprias fantasias, e ficam encantados com o falso reflexo de suas excelências. O amor próprio dificulta a visão dessas imperfeições; que descobertas, iriam diminuir a estima exagerada de si mesmo.

A alma é um mero objeto obscuro para o seu olho, mais do que as mais distantes estrelas nos céus. Sêneca fala de alguns que tiveram uma enfermidade estranha em seus olhos, que para onde quer que eles se voltassem, eles encontravam a visível imagem em movimento de si mesmos. Para o que ele dá esta razão, “Isto procede da fraqueza da faculdade da visão, que por falta de impulsos provenientes do cérebro, não pode atravessar o ar diáfano, para ver objetos; senão que cada parte do ar é um espelho fugaz de si mesmos” O que ele conjeturou para ser a causa da fraqueza natural é a mais pura verdade em relação à fraqueza moral, que é o tema do nosso discurso.

É a partir da fraqueza da mente, que a faculdade judicativa não descobre o valor das outras pessoas, e o homem vê apenas o seu próprio ego, como sendo singular em perfeições, e ninguém sendo superior, ou igual, ou próximo a ele.

Um homem orgulhoso terá uma elevação em qualquer vantagem para fomentar o seu orgulho: alguns com a perfeições do corpo, beleza e força, e alguns por suas circunstâncias e condições: riquezas, ou honra, e cada um se julga suficientemente equipado com compreensão; porque a razão é a excelência que distingue um homem dos brutos, pois o título de tolo é muito vergonhoso, a reprovação mais pungente, como é evidente pela gradação do nosso Salvador: “Todo aquele que se encolerizar contra seu irmão sem causa é susceptível ao juízo, quem diz “Raca”, que expressa sua raiva desrespeitosa, “está sujeito ao sinédrio, mas quem o chamar de tolo, será punido com o fogo do inferno.”

Portanto os homens estão aptos a presumirem das suas capacidades intelectuais: um diz, eu não tenho o nível de aprendizagem, como o daqueles que estão pálidos com o estudo, mas eu tenho um estoque de razão natural, ou eu não tenho uma apreensão rápida, mas eu possuo um sólido julgamento; não tenho eloquência, mas eu esbanjo bom senso.

O elevado conceito dos homens de seu próprio valor é manifestado de várias maneiras: às vezes transparece no semblante; “Há uma geração, oh quão altivos são os seus olhos, e as suas pálpebras são levantadas para cima.” Às vezes, se manifesta em arrogância; se os outros não expressam aspectos eminentes deles, ficam ressentidos como uma negligência e injúria.

2. Um incomum desejo de reputação e louvor, é outro ramo do orgulho. O desejo de louvor é semeado na natureza humana para fins excelentes, para contê-los daquelas paixões sedutoras que irão arruinar sua reputação, e incentivá-los a fazer coisas nobres e benéficas para o público. Louvor, a recompensa de fazer o bem, é um poderoso incentivo para melhorar e garantir a felicidade temporal. O rei sábio nos diz: “Um bom nome é melhor para ser escolhido do que grandes riquezas.” É uma recompensa que Deus prometeu: “Os retos serão louvados.”

O apóstolo nos incentiva a lutar pela santidade universal, por motivos de reputação, bem como da consciência; “Tudo o que é verdadeiro”, por consciência, honesto, de fama, “tudo o que é justo e puro”, por consciência, “tudo o que é amável”, por estima, “se há alguma virtude em nós mesmos, e louvor de outros”, para propagá-la, “nisso pensai.” Mas o desejo inflamado de louvor dos homens, fica indignado contra os outros como sendo inimigos ou invejosos por o negarem, a assumir que haja causas indignas, (onde não há verdadeira virtude, não há somente elogios) e exterminá-las em nós mesmos, e não transferi-las para Deus, são os efeitos de uma mente vangloriosa.

O orgulho desvaloriza a bondade em si mesma. O louvor é uma música tão encantadora, que inclina os homens a acreditar que seja verdade o que é agradável, e que eles desejam que os outros acreditem que seja verdade. Um filósofo, quando uma caixa de unguento de composição preciosa foi apresentada a ele, sentindo seu espírito revivido com a sua fragrância, irrompeu com indignação contra as pessoas que se perfumavam habitualmente para fins malignos, e faziam um uso dele vergonhoso. Mas quando o louvor, que é tão doce e poderoso, é um motivo para incentivar mentes generosas para a virtude, é usado por pessoas sem valor, isto é mais detestável.

As flores venenosas de falsos elogios são perniciosas para aqueles que estão enganados e satisfeitos com eles. É a infelicidade daqueles que estão na mais alta dignidade, para quem é desconfortável para descer em si mesmos, e ter uma visão séria e sincera de seu estado interior, e para quem a verdade é dura e desagradável, eles estão em grande perigo de serem corrompidos por bajuladores.

A bajulação é a figura familiar daqueles que se dirigem aos governantes; às vezes com multas fraudes e artifícios insuspeitos dão o rosto de verdade para uma mentira, para representá-los para se destacarem em sabedoria e virtude. Mas se os governantes forem tão vangloriosos que o louvor moderado é considerado como uma diminuição de sua grandeza, e apenas os perfumes mais fortes afetam seu sentido, eles vão representá-los como semi-deuses, como um segundo sol para o mundo.

Foi a observação criteriosa de Galba no seu discurso com Piso, que projetou para ser seu sucessor no império de Roma. “Nós falamos com simplicidade entre nós; mas outros falarão bastante com a nossa posição do que com nossas pessoas”.

Em suma, todos os que têm uma vantagem eminente para conceder favores e benefícios são passíveis de serem enganados por bajuladores, que são como lentes de aumento, que representam pequenos objetos num tamanho exorbitante; eles vão alimentar os humores daqueles dos quais eles dependem, e falarão coisas agradáveis para eles, e proveitosas para si mesmos. Isto é certamente para a sua maior segurança, lembre-se, que bajuladores tem uma língua dupla, e falam com uma para eles, e com a outra deles.
Em suma, a virtude como o sol é coroada com os seus próprios raios, e não precisa de brilho externo; e argúi uma mente sadia para estimar o louvor como um resultado da virtude, e da virtude para si mesma, mas um homem orgulhoso enquanto orgulhoso, prefere o louvor e a sombra da virtude antes do que a realidade; como uma mulher vaidosa prefere usar um colar falso que é estimado como verdadeiro, do que uma das melhores pérolas orientais, que é estimada como falsa.

3. A ambição, ou a ardente aspiração por posições elevadas e títulos de precedência e poder, é outro ramo do orgulho. O desejo de superioridade neste caso, é tão natural e universal, que se manifesta em pessoas do mais baixo nível: funcionários, pastores, trabalhadores, desejosos de exercer poder sobre os outros em sua condição. Isto é como o fogo, que quanto mais é alimentado, mais aumenta.

A ambição, se reforçada por emulação, se aventurará por caminhos de erros, pela traição, pela opressão, e indignidade, para obter dignidade. Se qualquer acidente estragar os seus planos para atingirem o seu alvo, eles caem em melancolia; se for preterido por algum concorrente, eles estão prontos para dizer: não foi virtude ou mérito, mas favor e fortuna que os elevou; e o seu próprio deserto o torna infeliz; de acordo com as duas propriedades do orgulho, para exaltar a si mesmos e rebaixar os outros.

O orgulho espiritual se distingue do moral, uma vez que mais direta e imediatamente desonra a Deus. É verdade, que o orgulho é o veneno de cada pecado, pois transgredindo a lei divina, os homens preferem agradar suas vontades corruptas e apetite depravado, antes que obedecer à vontade soberana e santa de Deus, mas em alguns pecados, há um mais imediato desprezo explícito de Deus, e especialmente no orgulho. Pecados desta natureza o provocam extremamente e acendem seu descontentamento.

Esse pecado foi imputado a Senaqueribe, “Por isso, acontecerá que, havendo o Senhor acabado toda a sua obra no monte Sião e em Jerusalém, então, castigará a arrogância do coração do rei da Assíria e a desmedida altivez dos seus olhos; porquanto o rei disse: Com o poder da minha mão, fiz isto, e com a minha sabedoria, porque sou inteligente; removi os limites dos povos, e roubei os seus tesouros, e como valente abati os que se assentavam em tronos.” (Is 10.12,13).

Este orgulho é consumado com a confiança em sua própria direção para planejar e capacidade para realizar seus desígnios; e por atribuir a glória de todo o seu sucesso inteiramente a si. O orgulhoso gere os seus assuntos de forma independente em relação à providência de Deus, que é o autor de todas as nossas faculdades, e da eficácia delas, e negligencia totalmente as duas partes essenciais da religião natural, oração e louvor, ou muito ligeiramente executa a parte externa, sem aquelas afeições internas que são o espírito e a vida deles.

Deus adverte rigorosamente o seu povo contra este pecado perigoso, “Guarda-te, não esqueças do Senhor, e digas no teu coração: A minha força, e a fortaleza do meu braço me adquiriram estas riquezas; lembre-se que é ele que dá o poder de obter riquezas.”
Quando os homens têm uma presunção vã da santidade de seu estado espiritual, dos graus de sua santidade e sua estabilidade em Deus, não sendo sensíveis à contínua falta de renovação das fontes do céu, eles são culpados de orgulho espiritual. Disto existem duas instâncias nas Escrituras; uma na morna igreja de Laodiceia, e a outra no fariseu, citado por nosso Salvador.

Do primeiro Jesus disse: “pois dizes: Estou rico e abastado e não preciso de coisa alguma, e nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu.”, Apo 3.17. O fariseu, elevou a estima de sua própria piedade, comparando-se com outros, ele disse: “Eu não sou como os demais homens, roubadores, adúlteros, nem ainda como este publicano”. É verdade, ele agradece a Deus superficialmente, mas o ar de orgulho transparece através de sua devoção, valorizando-se acima dos outros piores do que ele, como se suas próprias virtudes fossem a causa produtiva de sua piedade distintiva. Se a humildade não for misturada no exercício de todas as graças, é de nenhum valor na estima de Deus; o publicano injusto humilde foi justificado e não o fariseu orgulhoso.

Este orgulho espiritual é muito observável no supersticioso, que mede as coisas divinas como se fossem humanas, e fazendo uma mistura com a imaginação, introduzir ritos carnais para a adoração de Deus, e valorizam a si mesmos quanto à sua santidade opinativa; eles confundem o inchaço de um tumor como sendo um crescimento substancial e presumem-se ser mais santos do que os outros, por sua singularidade orgulhosa. A superstição é como a hera, que enrosca sobre a árvore, e é o seu ornamento aparente, mas drena sua seiva vital, e debaixo de suas folhas verdes cobre uma carcaça; assim cerimônias carnais parecem adornar a religião, mas realmente desencorajam e enfraquecem a sua eficácia.

O orgulho farisaico é fomentado por uma observância zelosa de coisas não ordenadas na Palavra, nem agradáveis a Deus, nem rentáveis para os homens. Pelo contrário, alguns visionários fingem possuir tal sublimidade da graça e de uma eminente santidade, que estão acima do uso das ordenanças Divinas; eles fingem viver em comunhão imediata com Deus, como os anjos, e deslumbrados com espiritualidades ilusórias, eles negligenciam a oração, ouvir a palavra, e se exercitarem nos meios de crescimento na graça, como se estivessem chegado à perfeição. Este é o efeito de orgulho espiritual e ilusão.

Para a mortificação desta disposição viciosa, considere que o orgulho está em um alto grau prejudicial e provocando a Deus. Um malfeitor comum quebra as leis do rei, mas um rebelde ataca a sua pessoa e coroa. O primeiro e grande mandamento é honrar a Deus com a mais alta estima e amor, com a adoração mais humilde e, consequentemente, o maior pecado é o desprezo da sua majestade, e obscurecimento da sua glória. Não há pecado mais claramente contrário à razão e religião, porque o dever mais importante e de caráter de uma criatura racional, é dependência e observância de Deus como causa primeira e fim último de todas as coisas; receber com gratidão os seus benefícios, e encaminhá-los todos para a sua glória.

O orgulho contradiz a justiça natural, interceptando a subida afetuosa e grata da alma a Deus, ao celebrar a sua grandeza e bondade. Um homem orgulhoso construtivamente, coloca a si mesmo fora do número de criaturas de Deus, e merece ser excluído da sua terna providência. O zelo de Deus, o seu atributo mais severo e sensível, se acendeu para esta revolta da criatura quanto ao seu dever, e que o privou de Sua glória. É verdade, que glória declarativa de Deus não é rentável para ele, mas ele não dará sua glória a outro, nem permitirá que outro a usurpe; a sua concessão e autorização seria diretamente contrária à regra eterna da justiça, e, portanto, impossível sem a negação de si mesmo.

O orgulho está na dianteira daqueles pecados que Deus odeia, e são uma abominação para ele: “Um olhar orgulhoso”, que raramente é dissociado de um coração orgulhoso. Deus “olha para longe do orgulhoso com um desprezo santo.” Ele resiste aos soberbos. O orgulho é o mais pernicioso de todos os vícios; porque qualquer vício é o oposto de sua virtude contrária: impureza expulsa castidade; a cobiça, a liberalidade; o orgulho, como uma doença infecciosa, mancha as partes sadias, corrompe as ações de todas as virtudes, e as priva de sua verdadeira graça e glória. O orgulho é tão ofensivo a Deus, que Ele às vezes permite que os seus filhos caiam em pecados de um outro tipo para corrigir o orgulho. Quando o apóstolo esteve perante a tentação do orgulho, por suas visões celestiais, foi permitido a um mensageiro de Satanás esbofeteá-lo.

Os exemplos terríveis da ira de Deus sobre os orgulhosos, deve provar de forma convincente quão odioso eles são aos seus olhos. Os anjos caíram por orgulho, e são as criaturas mais amaldiçoadas da criação, e estão amarrados com cadeias nas trevas para o juízo do grande dia. Adão esteve doente da mesma doença, que envolveu ele e sua descendência sob a sentença da primeira e da segunda morte. Quantos grandes reis, para o esquecimento insolente de sua condição frágil, eram por vingança divina derrubados a partir da altura de sua glória, e feitos espetáculos de miséria vergonhosa!

O faraó orgulhoso e teimoso, que desafiou o Todo-Poderoso, e disse: “Quem é o Senhor, que eu deveria obedecê-lo, e deixar ir Israel?”, que ameaçou: “Eu vou perseguir, eu alcançarei, repartirei os despojos.”, este orgulhoso rei foi domado por sapos e moscas, e, finalmente, se afogou com o seu exército no Mar Vermelho. Senaqueribe voou tão alto com a presunção de sua força irresistível, que ele desafiou o céu: “quem é o seu Deus? Que ele seja capaz de livrá-los das minhas mãos?”, descobriu que havia um poder acima, que em uma noite destruiu seu poderoso exército, e depois o matou em sua idolatria. Nabucodonosor, a cabeça de ouro na figura representando os impérios do mundo, foi por causa do seu orgulho pastar entre os animais.

O orgulho é muito odioso aos olhos dos homens e por isso, muitas vezes empresta a máscara da humildade para obter seus fins, mas é sempre odioso a Deus, que vê o funcionamento mais íntimo dele no coração. Um homem orgulhoso é um inimigo para o mais excelente e digno; ele está satisfeito com os vícios e as infelicidades dos outros, como se eles oferecessem uma vantagem para exaltar-se acima deles.

O orgulho é o pai da discórdia, que exagera o sentido de uma pequena ofensa, coloca uma vantagem em cima da raiva, e tem muitas vezes oferecido espetáculos, que encheram as cenas com sangue e lágrimas. A humildade produz paciência, porque ela faz um homem se sentir inferior aos seus próprios olhos, daquilo que ele é, na opinião dos outros. O orgulho trata os outros com desprezo e censura, e, assim, os provoca para transformar a reverência em desprezo e o amor em ódio; quando um homem orgulhoso cai em miséria, ele é o menos lamentado.
Que a cura deste pecado é muito difícil, ficará evidente por uma variedade de considerações.

O orgulho é o pecado do qual os anjos e os homens em seu melhor estado foram particularmente responsáveis. Os anjos que contemplavam a glória divina, e refletiam sobre suas excelências, foram intoxicados com a auto-admiração. É estranho espantoso, que deveriam tão repentinamente abandonar suas naturezas, e renunciar ao seu Criador, que os cumulou com seus excelentes benefícios, e os levantou para aquela eminência brilhante acima das outras criaturas. O homem, no estado de inocência imaculada, quando todas as perfeições do corpo e da mente entraram em sua constituição, com todos as suas graças, foi corrompido pelo orgulho. “Sereis como deuses”, foi a tentação que lhe corrompeu. Desordem prodigiosa! Seu orgulho começa quando termina sua verdadeira glória, e sua humildade termina quando começa a sua vergonha.

Na natureza depravada do homem, o orgulho é o pecado radical reinante, que primeiro vive e depois morre. É chamado de “o orgulho da vida.”, I Jo 2.16. Orgulho brota no coração de uma criança, e continua até a velhice. Outros vícios têm suas épocas, que quando expiram eles murcham e decaem. Prazeres carnais mudam suas naturezas, e tornam-se desagradáveis, com o passar do tempo, mas o orgulho floresce e cresce em todas as idades, Eclesiastes 12. Agora, é geralmente em vão dar conselhos de sabedoria para aqueles que estão afundados em orgulho.

Alguns vícios são odiosos pela sua visível materialidade, a intemperança, a impureza e a injustiça, por fraudar e oprimir os outros, mas o orgulho é muitas vezes incentivado e oriundo das mesmas coisas em que as virtudes são exercidas. Um homem pode visivelmente desprezar a pompa e as vaidades do mundo, e isso pode levantar a estima nas mentes dos verdadeiros santos, e da prática externa da bondade será produzido o louvor da bondade pelos outros; mas isso vai permitir uma forte tentação de orgulho.

Em todas as operações de virtudes, até o exercício de humildade, que são a matéria e argumento de louvor, pode haver incentivos de orgulho, e essas doenças são extremamente perigosas, que são alimentadas por esse alimento que é necessário para sustentar a vida. A antiga Serpente, quando não pode seduzir os homens por tentações carnais, que são facilmente descobertas, inspira-os com tão suave respiração de opinião de suas próprias virtudes, que insensivelmente lhes contamina.

O desejo de honra externa e poder além do que eles merecem ser desejados, e que é devido às pessoas desejosas deles, não é facilmente descoberto: em parte, porque aspirar por dignidade é, no consenso universal dos homens, um argumento e indicação de um espírito sublime, e que a modesta recusa dela, expõe à infâmia, como se o recusador tivesse uma alma de chumbo.

Todo homem é um estranho para si mesmo; assim como o olho vê as coisas de fora, mas é cego para ver a si mesmo. Homens estudam e se aplicam para saber mais dos outros do que de si mesmos e, portanto, se conhecem menos.
1. Considere as coisas que podem aliviar o tumor de orgulho e vaidade. A razão é a perfeição do homem, e o conhecimento de Deus e de nós mesmos é a perfeição da razão; a partir do que procede a magnificência de Deus, e a nossa vileza.

Deus é o eterno Jeová, “e não há outro além dele.” Somente Ele tem uma existência independente e infinita. Todas as criaturas são dependentes de sua eficiência: cada centelha de vida e grau de ser é dele. Sem o mínimo esforço de seu poder, ele fez o mundo, e como facilmente o governa. Ele habita em luz inacessível, não somente aos olhos mortais, mas para os anjos imortais. Ele é o único ser sábio, bom, e imortal. Não há ninguém absolutamente grande, senão Deus, que é verdadeiramente infinito. No céu, onde os espíritos bem-aventurados têm a vista mais imediata e plena da divindade “somente o Senhor é exaltado.”

2. Considere-se que todo o mundo intelectual e sensível, comparado a Deus, é como “um pingo que cai de um balde”, e em que parte estamos neste pingo? Se considerarmos os homens no estado de sua natureza primitiva, é um princípio evidente escrito em seus corações, com caracteres da luz mais clara, que é seu dever mais razoável, renunciar inteiramente a si mesmos, e dedicar-se à glória de Deus.

“Todo dom perfeito e bom vem do Pai das luzes.”, e são continuados por irradiações dele. Existe uma diferença entre as impressões de sons, e as emanações de luz no ar. Os sons são propagados pelo movimento sucessivo de uma parte do espaço em outra, depois que cessa a primeira causa, o instrumento de som é silenciado. Mas um raio de luz que se estende através do ar, depende inteira e necessariamente do ponto original de onde a luz procede.

Os raios de luz que enchem o ar, no primeiro instante em que o sol se retira no horizonte, desaparecem. Assim, todos os dons espirituais dependem continuamente da presença de Deus que é a fonte da luz espiritual. Agora, como é que podemos estar orgulhosos de Seus dons mais preciosos, dos quais fazemos um confisco e não podemos possuir sem humildade? As vantagens mais eminentes que alguns têm acima dos outros, são as marcas brilhantes da sua generosidade divina. Que absurdo é que alguém se orgulhe de riqueza, quando vive diariamente vive de esmolas recebidas de Deus? Quanto mais recebermos, maiores são as nossas obrigações, e quão mais pesada será a nossa conta.

Para ser mais instrutivo, vamos considerar o que são os incentivos usuais de orgulho, e vamos descobrir que a ignorância e a vaidade são sempre misturadas com eles.
Há mulheres, que quando idolatradas por homens ímpios, ficam orgulhosas de sua beleza e mais zelosas para não deixarem suas faces serem deformadas, do que suas almas.

Agora, o que é carne e sangue, senão uma mistura de terra e água? O que é a beleza, a aparência superficial, uma flor atingida por milhares de acidentes? Quanto tempo as cores e encantos do rosto resistem ao desvanecimento? Quantas vezes o desvanecimento as trai punindo-as por seu pecado de orgulho com deformidade e podridão? A mais bela não é menos mortal do que as outras; elas devem logo serem presas da morte, e servirão de pasto aos vermes, e pode um brinquedo com tal desvanecimento inspirar orgulho para elas?

Alguns são inchados com a vaidade de suas riquezas, mas isso é muito irrazoável, porque nenhum bem externo pode agregar valor real a uma pessoa; somente tolos adoram um bezerro de ouro. Se todo o ar de orgulho sobe em um possuidor de riquezas, ele pode justamente provocar a Deus por reclamarem suas bênçãos como ele liberalmente as concedeu a eles.

Não há nada que os homens mais valorizem do que o relato de seus conhecimentos; todavia, o “conhecimento incha”. Mas quão pouco sabemos! O orgulho é o efeito de grande presunção, e pouco conhecimento.
2. Será um excelente meio para curar o orgulho, convencer as mentes dos homens, o que é a verdadeira honra, e direcionar seus desejos a ela.

O mais sábio dos reis nos disse “que diante da honra vai a humildade.” O orgulho é uma paixão degenerada, degrada um homem, e o traz em miserável cativeiro. Depende da opinião e aplausos das pessoas, cujos humores são muito mutáveis; é tão inquieto, que os ambiciosos muitas vezes mordem suas cadeias pesadas, embora às vezes eles as beijem porque são douradas. Mas a humildade preserva a liberdade verdadeira e nobre da mente do homem, assegura sua querida liberdade, paz e domínio de si mesmo. Este é o efeito da sabedoria excelente.

3. A humildade é o ornamento mais precioso aos olhos de Deus, e aprovado pela mente divina, e aceito pela vontade divina, é a maior honra, mais digna de nossa ambição.

A humildade é especialmente recomendada no evangelho como a mais amável e excelente graça. Recebemos o mandamento de “não fazer nada por contenda ou por vanglória, mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmos.” Fp 2.3. Isto pode parecer uma lição irrazoável, e inconsistente com a sinceridade. Mas, embora a diferença entre os homens em coisas temporais e em capacitação intelectual seja notória, todavia, em qualidades morais, nós conhecemos nossos próprios defeitos e falhas secretas, e podem ser preferidos outros, cujas excelências ocultas são visíveis a Deus, antes de nós mesmos.

O apóstolo Paulo ainda que de modo excelente, representasse o Rei dos santos em sua vida, reconheceu-se ser o principal dos pecadores. É observável que Pedro na conta de sua queda e arrependimento, registrada por Marcos, que escreveu o evangelho por sua direção, agrava o seu pecado mais do que está expresso no evangelho de Lucas e João, onde sua negação é citada não somente com o seu praguejar e com juramentos, dizendo: “Eu não conheço este homem”, e seu arrependimento não é tão plenamente declarado; porque os outros evangelistas nos dizem, “ele chorou amargamente” na reflexão da sua negação de Cristo, mas isso só é dito em Marcos, quando “ele pensou nisso, ele chorou.”

Muitas excelentes promessas são feitas aos humildes. Eles são declarados bem-aventurados por nosso Salvador, que não são ricos em tesouros terrenos, mas pobres em espírito; Deus revivificará o espírito dos humildes; ele vai dar graça aos humildes, e ouvir as suas orações. Estamos certos de que o Senhor é elevado, mas ele se inclina para os humildes; ele afirma sua estima e amor por eles, e os conforta; a humildade atrai o olhar e o coração do próprio Deus. Jó nunca foi mais aceito por Deus do que quando ele abominou a si mesmo.

Vou acrescentar esta consideração, que deve ser de peso infinito para nós: o Filho de Deus desceu do céu, para estabelecer diante de nós um modelo de humildade. Ele de uma maneira especial nos instrui nesta lição: “aprendei de mim, porque sou manso e humilde.” Nunca a glória poderia subir mais alto do que em Sua pessoa, nem a humildade descer mais baixo do que em Suas ações. Há registradas as mais profundas passagens de humildade em todo o curso da sua vida desprezada e com sofrimentos ignominiosos. O que pode ser mais honroso do que imitar o humilde Rei da Glória?

Tradução e adaptação feitas pelo Pr Silvio Dutra, de um texto de William Bates, em domínio público.

PROPAGANDA
PROPAGANDA

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here