Porque não é mais sobre o monte (pensamentos sobre João 4)

1

Jesus olha para a mulher e pede uma bebida. É um pedido bastante simples – afinal, que mal pode haver em um copo de água? Mas suas palavras são como dinamite, e a mulher sabia que ela podia ter problemas se falasse com certos homens. Então ela tenta se esquivar.

Mas este homem não é como todos os outros, e suas palavras são um tipo diferente de dinamite. Ele conhece sua vida e vê através de suas mentiras. Ela vê somente os problemas, mas ele vê o potencial. Ela menciona o direito e a convenção social, mas Jesus fala sobre a fonte da verdadeira satisfação e a promessa de vida eterna. É uma daquelas histórias bonitas que dizem muito a respeito de Jesus: sobre o seu amor, sua graça, seu perdão e sua capacidade de ver além das nossas falhas e tolices. É uma conversa que muda a vida da mulher para sempre; e no coração dela existe uma discussão sobre adoração.

Enquanto Jesus e a mulher conversam – o que é em si uma afirmação muito chocante – algo surpreendente acontece. Sua vida é uma bagunça – uma bagunça de cinco maridos, uma bagunça de mentiras, uma bagunça de empurrão-para-fora-da-sociedade. Mas é o tipo de bagunça a partir da qual algo maravilhoso pode ser feito.

“Senhor”, disse a mulher: “Vejo que és profeta. Nossos pais adoraram neste monte, e vós dizeis que é em Jerusalém o lugar onde se deve adorar.” João 4:19-20

Instintivamente, a mulher sabe que todo esse potencial para que as coisas melhorem está amarrado à ideia de adoração. Mas, em sua mente a adoração é limitada a determinados locais, ligados por certas regras, definidas por certas estruturas.

Jesus a corrige: “Mulher, crê-me que a hora vem, em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai.” João 4:21

Com Jesus vem grande mudança. Com Jesus a vida se transformou e a esperança se transforma, a adoração se transforma. Nada pode ser o mesmo de novo, como Jesus explica:

“Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem.” João 4:23

Achamos que entendemos adoração. Quando ouvimos falar sobre algo surpreendente acontecendo em uma determinada cidade desejamos visitá-la para estar na ação. Quando ouvimos um certo tipo de música que move nossos corações, queremos aprender a copiar os sons. Quando ouvimos falar de algo novo, queremos obter o molde e aprender como fazê-lo nós mesmos.

Mas Jesus diz que está errado ficar tão focado em lugares, rituais e fórmulas. A verdadeira adoração, ele diz, é sobre Ele. Sempre que João usa a palavra “Verdade” é para descrever Jesus – suas palavras, suas ações, seu ministério. A forma como João diz; Jesus nunca nos deixa ficar muito longe da verdade e que o mais verdadeiro de tudo nesta vida é o próprio Deus. Não são rituais ou estruturas, e nem topos de montanhas ou vales, nossa meta, o que devemos buscar é o próprio Deus, e é isso o que faz a verdadeira adoração.

Às vezes podemos pensar que a adoração é sobre as medidas que tomamos – o levantar das mãos, a progressão dos acordes, a chegada ao topo de algumas montanhas musicais onde ficamos sem fôlego com a beleza e a pureza do ponto de vista. E, sim, é bom falar sobre a produção, valorizar nossa música e nos esforçar nas manhãs de domingo, mas tudo fica inexpressivo sem o coração por trás disso tudo.

Se nos lembrarmos de uma coisa simples – que Jesus mudou tudo sobre nossa forma de adorar – talvez nossa adoração aproxime ainda mais pessoas à Deus.

Por Case Crayenord
Fonte: www.kingsway.co.uk/ Adorando


1 COMENTÁRIO

  1. I like the important deatils you furnish in your own content.I’ll bookmark your web site and look at once more listed here repeatedly.I’m very definitely sure I’ll be taught considerably of recent stuff right listed here! Great luck to the upcoming!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here