O Que é Ser Confirmado em Toda Boa Obra e Palavra

0

Tradução e adaptação elaboradas pelo Pr Silvio Dutra, de citações extraídas do comentário de autoria de Thomas Manton, sobre o verso 17 do segundo capítulo da epístola de 2 Tessalonicenses.

“vos confirmem em toda boa obra e palavra” (2 Tes 2.17)

A sã doutrina é aqui designada por “toda boa palavra” e a santidade da vida por “toda boa obra”.
A confirmação na fé e santidade é uma bênção necessária, e deve ser sinceramente buscada em Deus.
1. O que é esta confirmação?
2. Quanto é necessária?
3. Por que deve ser buscada em Deus?

I. O que é esta confirmação?
Resposta: Confirmação na graça que temos recebido. Agora essa confirmação deve ser distinguida:
1. Em relação ao poder com o qual estamos assistidos; há confirmação habitual, e confirmação real.
[1] A confirmação habitual é quando os hábitos da graça são mais estáveis e aumentados: 1 Pedro 5.10, “Ora, o Deus de toda a graça, que em Cristo vos chamou à sua eterna glória, depois de terdes sofrido por um pouco, ele mesmo vos há de aperfeiçoar, confirmar, fortificar e fundamentar.”

Deus lhes chamou eficazmente e lhes converteu, e ele começou o fortalecimento da graça que haviam recebido. Agora, portanto, estamos confirmados, quando a fé, o amor e a esperança são aumentados em nós, pois estes são os princípios de todas as operações espirituais, e quando eles têm obtido boa força em nós, um cristão está mais confirmado.
A fé é necessária, pois estamos em pé pela fé: Rom 11.20, “Por causa da incredulidade foram quebrados, e tu estás em pé pela fé.” Nós não apenas vivemos por ela, mas estamos de pé por ela, e somos mantidos por ela: 1 Pedro 1.5: “Que são mantidos pelo poder de Deus mediante a fé para a salvação.” Aquele que é forte, é o que é forte na fé, como Abraão, que creu no evangelho.

O aumento e a estabilidade do amor são também necessários. O amor é forte. Somos informados em Cant 8.6,7, “Que o amor é forte como a morte, as muitas águas não podem apagá-lo: se um homem lhe desse todos os bens de sua casa, seria de todo desprezado.” Não será subornado ou saciado. Nosso desviar-se vem de se perder a nossa complacência ou o desejo de Deus: há uma aversão ao pecado e de zelo contra ele, enquanto nós temos um senso de nossas obrigações para com Deus, e uma estima ao valor de sua graça em Cristo, então nós continuamos na agradável obediência a ele, e no direcionamento de nossas ações para a sua glória.

A esperança é também necessária para o confirmação da alma, com a promessa da vida eterna, pois esta é a âncora segura e firme da alma: Heb 6.19, “a qual temos como âncora da alma, segura e firme”. Se a esperança for forte e viva, as coisas atuais não nos moverão muito.
[2] A Confirmação Real, quando esses hábitos, estão fortalecidos e aumentados pela influência real de Deus. Como Deus faz para confirmar por esses princípios habituais, pelas operações reais de seu Espírito, pois caso contrário nem a estabilidade de nossas resoluções nem dos hábitos da graça irão nos manter.
Não estabilidade de resoluções – Sl 73.2, “Quanto a mim, os meus pés quase que se desviaram, os meus passos quase escorregaram.”

Não hábito – Apo 3.2, “Sê vigilante e consolida o resto que estava para morrer, porque não tenho achado íntegras as tuas obras na presença do meu Deus.”
Isto é verdade, Deus comumente opera mais fortemente com as graças mais fortes, porque seus corações estão mais preparados, mas às vezes os cristãos fracos passaram por grandes tentações quando os fortes falharam: Apo 3.8, “que tens pouca força, guardaste a minha palavra, e não negaste o meu nome.” Às vezes, o cristão forte tropeça e cai quando o fraco permanece de pé. Deus pode em um instante confirmar uma pessoa fraca em alguma tentação particular, por sua assistência livre, mas normalmente concorre com a graça mais forte. Assim, no que diz respeito ao poder com o qual somos assistidos.
2. Com relação à estabilidade na doutrina da fé e prática da piedade.

[1] Na doutrina da fé. É uma grande vantagem na vida espiritual ter bom senso. Alguns homens nunca estão bem firmados na verdade e na natureza e motivos da religião que eles professam, e, em seguida, são sempre deixados numa incerteza errante, porque não são resolutos de modo evidente; como os homens normalmente não param no local para o qual eles foram movidos por uma tempestade, ou pela correnteza das marés: 1 Tes 5.21, “provai todas as coisas, retende o que é bom.”

Certamente a religião no geral deve ser tomada por escolha e não por acaso, não porque não conhecemos outra, mas porque sabemos que não há melhor: como Jer 6.16 “Ponde-vos nos caminhos, e vede, e perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho, e andai por ele.” E o mesmo é verdade quanto às opiniões particulares e controvérsias sobre religião, até que tenhamos ἰδιον στηριγμα, “vossa própria firmeza”, 2 Pedro 3.17.
Quando estamos de pé com a firmeza dos outros, quando nós professamos a verdade apenas por causa da companhia deles, quando a corrente é quebrada, todos nós caímos aos pedaços.

Enquanto clamamos por constância, não devemos acalentar preconceito teimoso, que fecha a porta sobre a verdade. No entanto, para evitar a opinião superficial, antes de as pessoas religiosas professarem alguma coisa, sua garantia precisa estar muito clara, tanto para o bem do mundo e o seu próprio, para que não criem problemas desnecessários, e depois mudem de ideia, e escandalizem outros, e a sua própria causa: ἀνὴρ δίψυχος, Tg 1.8 “o homem de coração dobre é inconstante em todos os seus caminhos.”
E nós temos necessidade de ter o cuidado de estar certos, porque cada erro tem uma influência sobre o coração e a prática: sobre o coração, pois enfraquece a fé e o amor; e a prática: algumas opiniões não têm maldade em si, mas a profissão delas pode dividir a igreja, e nos fazer, por causa de contendas, inimigos do crescimento e progresso do reino de Cristo.

Agora, se desejamos ser confirmados na verdade, temos que ver o que influencia cada verdade relativa à nova natureza, ou como isto opera em direção a Deus pela fé, para acompanhar nosso respeito a ele, ou aos homens, por amor.
Um homem não deixará ir facilmente a verdade com a qual está acostumado a transformá-la em prática, e o modo de viver como ele crê. Mais uma vez, precisamos ser confirmados na presente verdade; isto não é zelo para lutar com os fantasmas e erros antigos, mas para participar de Deus em nossa própria época.

[2] Em toda boa obra, ou em santidade de vida. Aqui se necessita de maior confirmação, para que possamos nos manter em nossa jornada para o céu.
Isto fica doente, quando a mente está contaminada, mas é pior quando o coração está alienado de Deus, e geralmente é a perversa inclinação da vontade que macula a mente. Portanto, a grande confirmação deve ser estabelecida num curso de piedade: 1 Tes 3.13, “que os vosso corações sejam confirmados irrepreensíveis em santidade diante de nosso Deus e Pai, até a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, com todos os seus santos.” Agora, esta confirmação é muito difícil.

Primeiro, por causa da contrariedade dos princípios que residem dentro de nós: Gál 5.17, “Porque a carne luta contra o Espírito, e o Espírito contra a carne, e estes são contrários um ao outro, para que não façais o que quereis.” A guarnição não está livre de perigo porque tem um inimigo dentro do quartel. O amor do mundo e da carne estavam no coração antes do amor de Deus e da santidade, e este não é totalmente erradicado. Sim, isto é natural para nós, ao passo que a graça é uma planta plantada em nós, contrária à natureza; e à terra que produz as ervas daninhas e cardos de sua própria vontade, mas as flores e boas ervas com muito preparo e cultivo, se houver negligência, as ervas daninhas em breve crescerão demais.

Em segundo lugar, porque é mais difícil continuar na conversão do que nos convertermos pela primeira vez. Em nossa primeira conversão somos mais passivos; é Deus que nos converte, colhendo-nos a si mesmo, e nos planta em Cristo, mas na perseverança e cumprindo nosso dever, estamos mais ativos, é o nosso trabalho, apesar de fazemos isso pela graça de Deus. Uma criança no ventre da mãe é alimentada pela alimentação da mãe, mas depois ela deve mamar e buscar seu próprio alimento, e quanto mais envelhecer, estará mais entregue a si mesma no que tange ao cuidado com a sua vida. Agora, aquilo que é o nosso trabalho, é mais difícil. É verdade que Deus, concluirá a boa obra que começou em nós, mas, a aperfeiçoará, não sem o nosso cuidado, Fp 1.6, daí se dizer “desenvolvei… com temor e tremor”.

Quando estamos prontos e preparados para as boas obras, Deus o espera de nós para que possamos andar nelas. Deus nos confirma na palavra, mas isto está em toda boa obra. Além disso, na conversão, fazemos aliança com Deus, mas pela perseverança podemos manter nossa aliança com ele. Agora é mais fácil concordar com as condições do que cumpri-las; as cerimônias, num primeiro momento da celebração do casamento, não são tão difíceis quanto o exercício das funções da aliança do casamento propriamente dito. É mais fácil construir um castelo num tempo de paz do que mantê-lo num tempo de guerra. Pedro mais facilmente consentiu em vir a Cristo sobre a água, mas quando ele começou a experimentá-lo, seus pés estavam prontos para afundar, Mat 14.29,30.

Quando os ventos e as ondas são contra nós, ai!, quão rapidamente falhamos! Portanto, uma boa primavera não é sempre garantia de uma colheita proveitosa, nem de abundância de flores na floricultura. Estamos vivendo com sinceridade seguindo a Cristo em determinada época, mas quando nos deparamos com dificuldades imprevistas, ficamos desfalecidos e desencorajados.
3. Com respeito ao assunto em que isto está assentado, o qual é a alma com as suas faculdades. A força do corpo é conhecida por experiência e não por descrição, mas a força da alma deve ser determinada por sua constituição para o bem e o mal. As faculdades da alma são o entendimento, a vontade e os afetos ou emoções.

[1] A mente (ou entendimento) é confirmada quando temos uma clara, correta e plena apreensão da verdade do evangelho; isto é chamado de conhecimento; a certeza, e a saudável apreensão disso é chamado de fé, ou assentimento intelectual, ou “a plena certeza do entendimento” Col 2.2, quando há um devido conhecimento do que Deus tem revelado, com uma correta persuasão da verdade disto, operada em nós pelo Espírito Santo. Agora, nós conhecemos certamente essas coisas, e quanto mais poderosamente elas afetem o coração, somos mais confirmados. Aquele que tem pouco conhecimento e pouca certeza é chamado fraco na fé: Rom 14.1,e aqueles que têm uma compreensão mais clara são chamados fortes, como se vê em Rom 15.1: “Nós que somos fortes, devemos suportar as fraquezas dos fracos,” significando aqui forte no conhecimento. Assim também pela certeza de persuasão, se diz em Rom 4.20, Abraão foi “forte na fé, dando glória a Deus,” quando em todos as suas aflições as suportou com confiança na palavra e na promessa de Deus. Bem, então, a mente é confirmada quando temos um bom estoque de conhecimento, e cremos firmemente no que conhecemos de Deus, de Cristo e da salvação eterna.

[2] Falemos agora sobre a vontade, que é outra faculdade da alma. Agora, a confirmação da vontade é conhecida quando ela está completamente firme e resoluta para Deus e contra o pecado. Para Deus: como em Atos 11. 23 – Barnabé – “Tendo ele chegado e, vendo a graça de Deus, alegrou-se e exortava a todos a que, com firmeza de coração, permanecessem no Senhor.” A vontade, primeiro escolhe, depois se apega a seus princípios, e isso com propósito completo, quando a vontade está tão fixada no conhecimento e na fé do evangelho que ela resolve respeitar a sua escolha: Sl 27.4, “Uma coisa pedi ao Senhor, o que eu vou buscar.”. Quando a resolução espiritual coloca a força e autoridade de um princípio na alma, e nada pode quebrá-lo: 1 Pedro 4.1 “armai-vos também vós do mesmo pensamento.” Assim como Cristo perseverou constantemente no trabalho de mediação, assim também você no trabalho de obediência, não obstante as suas dificuldades.

Tenha esta poderosa vontade, que se opõe às tentações, e aos maiores impedimentos no caminho para o céu, de modo que você preferiria tirar vantagem da oposição do que ficar desanimado por ela, quando o que é sensual ou carnal exerce pouca força sobre você, e você pode desprezar as mais agradáveis ​​iscas do pecado.
[3] As afeições ou emoções da alma, nos excitam e nos estimulam a fazer o que a mente está convencida e a vontade deliberada quanto às funções necessárias do evangelho, tendo em vista a felicidade eterna. Nós nunca funcionamos melhor do que quando trabalhamos com a força de alguma afeição eminente, quando o coração está dilatado: Sl 119.32, “eu vou percorrer o caminho dos teus mandamentos, se tu alegrares o meu coração.”
Amor ou esperança. O amor nos enche de alegria, vencendo a nossa indolência e lentidão natural nos caminhos de Deus: Sl 40.8, “Agrada-me fazer a tua vontade, meu Deus, sim, o teu amor está dentro do meu coração,” 1 João 5.3, “pois este é o amor de Deus, que guardemos os seus mandamentos, e os seus mandamentos não são penosos”, Sl 112.1, “Bem-aventurado o homem que teme ao Senhor, que tem grande prazer nos seus mandamentos.”

A esperança nos dá testemunho em desprezo às concupiscências e terrores dos sentidos: Heb 3.6, “a qual casa somos nós, se guardarmos firme, até ao fim, a ousadia e a exultação da esperança.”, de modo que servimos a Deus com vigor e entusiasmo. Quando nossos afetos são amortecidos, a graça cai e definha, se você perder o seu sabor, sua prática irá definhar também, e o serviço de Deus não será tão uniforme. É uma grande parte da nossa confirmação manter o vigor e fervor de nossas afeições.
4. Com relação aos usos para os quais a confirmação serve, quanto aos deveres, sofrimentos, conflitos.

[1] Fazer a vontade de Deus, ou realizarmos nossas obras com prazer, alegria e constância, porque toda força é para realizar um trabalho: Ef 3.16, “para que, segundo a riqueza da sua glória, vos conceda que sejais fortalecidos com poder, mediante o seu Espírito no homem interior;”. Para que possamos fazer o nosso trabalho com prontidão de espírito torna-se necessária a fé em Cristo e o amor a Deus. Isso é muitas vezes mencionado nas escrituras: Fp 2.13, “Porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade”.
A omissão frequente de boas obras, ou o exercício raro da graça, produz necessariamente uma decadência, como o ferrugem na chave que raramente é usada na fechadura, assim, perdemos a vida e o conforto da religião, e finalmente a lançamos fora como algo desnecessário e inútil.

[2] A confirmação é necessária para suportarmos as aflições, e passarmos por todas as condições com honra para Deus e segurança para nós mesmos: Fp 4.13, “posso fazer todas as coisas através de Cristo, que me fortalece”; – são as palavras do apóstolo que estava confirmado na palavra e nas boas obras. Col 1.11, “sendo fortalecidos com todo o poder, segundo a força da sua glória, em toda a perseverança e longanimidade; com alegria,”. O grande uso da confirmação é para nos fortalecer contra todos os males e inconvenientes da vida presente, para que possamos cumprir nossa jornada para o céu no caminho justo e estreito, e não por sermos grandemente movidos por tudo o que nos suceda em nossa caminhada.

[3] A confirmação é necessária para os conflitos com as tentações do diabo, do mundo e da carne. O diabo procura trabalhar em cima de nossas afeições e inclinações, e a carne nos inclina para satisfazê-las. Como, então, o cristão pode vencê-las? Sendo confirmado por Deus: Ef 6.10, “Finalmente, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder.” Um cristão está aqui embaixo num estado militar, mas, de nós mesmos, somos como canas agitadas por qualquer vento, temos necessidade de confirmação no que diz respeito à nossa própria fraqueza, e à força de nossos inimigos. Devemos ser confirmados contra tudo o que o diabo solicita; contra o mundo, com o seu argumento silencioso pelo qual ele nos solicita a nos afastarmos de Deus e do céu; contra a carne, o princípio de rebelião que está na nossa velha natureza terrena. Bem, então, esta confirmação é para que a graça nos capacite a realizar as funções da religião (nossa fé cristã) com constância, frequência e prazer, para cumprirmos todos os inconvenientes da religião com paciência e fortaleza, e para sermos mais surdos e resolutos contra todas as sugestões do diabo, ou as maquinações da carne, provocadas pelo mundo.

5. Para evitar os escândalos e os atalhos: 1 Coríntios 15. 58, “Sejam firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor”, e Ef 3.17, “para que sejais arraigados e alicerçados em amor”, e Col 1.23: “Se permanecerdes na fé, fundados e firmes, não vos deixando apartar da esperança do evangelho.” Se não olharmos para o grau da nossa confirmação, a nossa fraqueza e instabilidade crescerão em nós e teremos uma mente inquieta: Ef 4.14, “levados ao redor por todo vento de doutrina”. Eles nunca foram bem fundamentados na verdade, e, portanto, pela sua própria fraqueza e em razão da astúcia e diligência dos sedutores, são atraídos para o erro.
Em matéria de prática, se nós consentirmos com os nossos primeiros declínios, o mal irá crescer e prevalecerá sobre nós, quando o nosso julgamento condescende mais com pecado do que antes, e a vontade se opõe a ele com menor resolução, ou com maior fraqueza e indiferença, ou quando a oposição mais nos desencoraja.

Não; deve haver uma vitória resoluta sobre as tentações que lhe pervertem; e isto nos ajudará neste propósito: Heb 12.3 “Considerai, pois, atentamente, aquele que suportou tamanha oposição dos pecadores contra si mesmo, para que não vos fatigueis, desmaiando em vossa alma.”. Quando nosso primeiro amor se for, nossas primeiras obras em grande medida cessarão: Apo 2.4,5, ‘No entanto, tenho contra ti, que deixaste o teu primeiro amor. Lembra-te, portanto, de onde caíste, e arrepende-te, e faz as tuas primeiras obras.” Bem, então, o grau deve ser lembrado; porque um homem pode ser firme no principal, e ainda ser um pouco movido e abalado, mas um cristão não deve apenas ser firme, mas inabalável, caso contrário seremos muito incertos em nosso posicionamento.
Como a Providência é a continuação da criação, de igual modo a confirmação na graça é a continuação da nova criação. A mesma graça que nos coloca no estado da nova criação, é a que nos confirma.

Mesmo em estado de graça, somos como um copo sem fundo, quebrado, e, portanto, somente Deus é capaz de nos fazer ficar de pé, e perseverar nesta graça que recebemos: 2 Coríntios 1.21, “Mas aquele que nos confirma convosco em Cristo e nos ungiu é Deus,”. Depois que estivermos em Cristo, a nossa estabilidade estará somente em Deus.
2. Devemos considerar a indisposição de nossa natureza, tanto para toda boa obra quanto para toda boa palavra.

(1) Para toda boa palavra. As verdades do evangelho são sobrenaturais. Agora, as coisas que são plantadas em nós contra a natureza dificilmente podem subsistir e serem mantidas. O evangelho depende de revelação, por isso há tantas heresias contra o evangelho, mas nenhuma contra a lei. Portanto, como o conhecimento das verdades do evangelho dependem de uma revelação divina, devem ser aplicadas em nossos corações por um poder divino, e por um poder divino que as preserve ali. A fé é um dom de Deus: Ef 2.8 , “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus;”, tanto quanto ao seu início, quanto para a sua preservação e aumento.
(2) Para toda boa obra. Não há somente lentidão e atraso de coração para os deveres do evangelho, mas um pouco da velha inimizade e aversão da natureza terrena que ainda remanesce em nós. Nossos corações não são apenas inconstante e instáveis, mas muito rebeldes: Jer 14.10, “Assim diz o Senhor a este povo: Pois que tanto gostam de andar errantes”, Sl 95.10: “É um povo que erra de coração.” Moisés havia ido mais cedo para o lado de Deus no monte, mas os israelitas, depois de seu pacto solene, caíram na idolatria. Antes de que a lei fosse escrita, eles a quebraram.
Agora, temos que ter um princípio guerreando dentro de nós como devemos ter, a menos que Deus nos confirme?

III. Por que deve ser buscado de Deus?
1. Somente ele é capaz de nos confirmar: Rom 14.25, “Ora, àquele que é poderoso para vos confirmar segundo o meu evangelho e a pregação de Jesus Cristo,”. Deus é capaz de derrotar o poder dos inimigos, e de preservar os seus filhos em meio às tentações. Então, Judas 24, “Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeços e para vos apresentar com exultação, imaculados diante da sua glória,”. Os santos acham nisto um alívio para os seus pensamentos contra a oposição terrível e poderosa do mundo, eles não têm nenhuma razão para duvidar do amor de seu Pai.

2. Deus não nos abandou, quando demos as costas para ele e estávamos prontos para abandoná-lo, mas nos guardou de perigos e riscos, sim, ele chamou a sua graça, e nos confirmou até agora. Por que teríamos que duvidar de sua graça para o futuro? 2 Coríntios 1.10 : “Quem nos livrou de tão horrível morte, e livrará; em quem nós confiamos que ele ainda nos livrará,” 2 Tim 4.17,18: “Não obstante, o Senhor esteve ao meu lado e me fortaleceu, para que por mim a pregação fosse totalmente conhecida, e que todos os gentios a ouvissem, e fui libertado da boca do leão. E o Senhor me livrará de toda má obra, e me levará salvo para o seu reino celestial, ao qual seja glória para todo o sempre. Amém “.

3. Ele fez promessas de sustentação e preservação: Sl 73.23, “Todavia estou de contínuo contigo; tu me sustentaste pela minha mão direita.” Ainda que caia, não ficará prostrado, porque Deus o sustém com a sua mão. Se Deus tem prometido preservar essa graça que ele tem uma vez nos dado, não deveríamos orar para a sua continuação com maior encorajamento?
Aplicação. Isto deve nos pressionar em todos os momentos para olharmos para Deus em busca de confirmação, e especialmente em duas ocasiões:

1. Quando começamos a declinar, e a ficar mais omissos e indiferentes na prática da piedade. Se a graça está em você, você deve buscar fortalecê-la. Quando você fica mais ousado ​​na prática do pecado, e mais estranho para Deus e Jesus Cristo, e tem pouco conversado com ele no Espírito, oh! é hora de instar com seriedade com Deus, para que ele lhe restaure. Embora você tenha desviado a sua força, você tem tratado com um Deus misericordioso; vá até ele para ajuda: Sl 17.5, “Os meus passos se afizeram às tuas veredas, os meus pés não resvalaram.” Você tem perdido os socorros mais abundantes da graça, mas peço-lhe que não a abandone completamente. Você deve confessar o pecado, mas Deus deve remediar o mal: Sl 119.133: “Ordena os meus passos na tua palavra, e não deixe qualquer iniquidade ter domínio sobre mim.” Senhor, estou apto a ser levado por seduções mundanas; meu gosto espiritual está destemperado com vaidades carnais, mas: “não deixe a iniquidade ter domínio sobre mim.”

2. Devemos também buscar a Deus em tempos incertos, quando estamos cheios de temores, e achamos que nunca conseguiremos nos manter no caminho da santidade. Deus, que nos guarda em tempos de paz, vai nos guardar em momentos de dificuldade: Sl 16.8 “Tenho posto o Senhor continuamente diante de mim, porque ele está à minha mão direita, não serei abalado.”


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here