Contentamento

0

Partes de um sermão de Charles Haddon Spurgeon, traduzidas e adaptadas pelo Pr Silvio Dutra.

“…porque aprendi a viver contente em toda e qualquer situação.” (Filipenses 4.11)

O apóstolo Paulo era um homem muito culto, mas não menos importante entre suas aquisições múltiplas em conhecimentos encontrava-se esta: ele tinha aprendido a estar contente em quaisquer circunstâncias. Esse aprendizado é muito melhor do que tudo que aprendemos nas escolas.
Você vai ver a partir da leitura do texto que o contentamento em todos os estados, não é uma tendência natural do homem. Ervas daninhas crescem em ritmo acelerado, a cobiça, descontentamento e murmuração, são tão naturais ao homem como os espinhos são ao solo. Você não tem necessidade de semear espinhos e cardos, pois eles brotam naturalmente, porque são indígenas à terra, sobre a qual repousa a maldição, assim você não tem necessidade de ensinar aos homens a se queixarem, pois se queixam rápido o suficiente, sem qualquer educação. Mas as coisas preciosas da terra devem ser cultivadas. Se quisermos ter trigo, devemos arar e semear, se queremos flores, deve haver o jardim, e todos os cuidados do jardineiro. Agora, o contentamento é uma das flores do céu, e se quisermos tê-lo, deve ser cultivado. Ele não vai crescer em nós por natureza, é somente a nova natureza gerada pelo Espírito Santo, que pode produzi-lo, e mesmo assim temos que ser especialmente cuidadosos e vigilantes para manter e cultivar a graça que Deus semeou nele.

Paulo diz: “Eu aprendi a viver contente, ” mas isto custou-lhe algumas dores para atingir o mistério dessa grande verdade. Sem dúvida, ele às vezes pensava que tinha aprendido, e, em seguida, quebrava. Frequentemente também descobriu que não era fácil aprender esta tarefa, e quando finalmente a tinha alcançado podia dizer: ” aprendi a viver contente em toda e qualquer situação.”, quando era um homem velho de cabelos grisalhos em cima das fronteiras do túmulo, um pobre prisioneiro encarcerado no calabouço de Nero em Roma.
Nós, meus irmãos, podemos muito bem estarmos dispostos a suportar as fraquezas de Paulo, e compartilhar a masmorra fria com ele, se também pudermos, por qualquer meio, alcançar um tal grau de contentamento. Não abrigue nenhum de vocês, a noção tola de que pode estar contente sem aprender, ou aprender sem disciplina. Não é um poder que pode ser exercido naturalmente, mas uma ciência a ser adquirida de forma gradual. Nós não precisamos ser ensinados a murmurar, mas temos de ser ensinados a concordar com a vontade e o bom prazer do Senhor, nosso Deus.

Quando o apóstolo tinha pronunciado estas palavras, ele imediatamente fez um comentário sobre elas. Leia o versículo 12: “Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez;”.
Observe em primeiro lugar, que o apóstolo disse que sabia como ser humilhado. Um conhecimento maravilhoso é isso. Quando todos os homens nos honram, então podemos muito bem estar contentes, mas quando o dedo de desprezo é apontado, para nós, quando a nossa pessoa é tida em má reputação, e os homens nos ridicularizam à beira do caminho, isto exige conhecimento do evangelho para sermos capazes de suportar isso com paciência e com alegria.

Deve haver algo de nobre no coração do homem que é capaz de colocar todas as suas honras para baixo como de bom grado e que pode tão alegremente submeter-se a Cristo, para humilhá-lo, como para levantá-lo e sentá-lo num trono. Devemos estar dispostos a ir para baixo, a fim de que o nome de Cristo possa subir mais e mais, em ser conhecido e glorificado entre os homens. “Eu sei como ser humilhado”, diz o apóstolo.
Sua segunda parte do conhecimento é igualmente valiosa: “tanto de abundância quanto de escassez.” Há muitos homens que sabem algo sobre como ser humilhado, que não sabem nada quando têm abundância. Quando eles são colocados no poço com José, eles olham para cima e veem a promessa estrelando, e a esperança de uma fuga. Mas quando eles são colocados no topo de um pináculo, suas cabeças ficam tontas, e estão prontos para cair.

O homem não sabe como viver em abundância, pois fica orgulhoso, e se exalta acima da medida. Houve homens que foram levantados por uma temporada em popularidade na Igreja. Eles têm pregado com sucesso, e feito alguns poderosos trabalhos. Para isso o povo é honrado, e com razão. Mas, então, eles tornaram-se tiranos; eles cobiçaram a autoridade, pois têm olhado aos outros com desdém, como fossem pequenos pigmeus, e eles, enormes gigantes. Sua conduta ficou insuportável, e foram logo expulsos dos seus lugares altos, porque não sabiam como viver com abundância.
Quando um homem descobre que sua riqueza aumenta, fica maravilhado com o ouro em seus dedos. O homem que tinha apenas o suficiente, pensava que se tivesse mais do que o necessário que ele seria extremamente liberal.

Oh, quantos cristãos têm havido, que parece que foram destruídos por sua riqueza! Que lentidão de alma e negligência relativas às coisas espirituais ocorreram em meio às próprias misericórdias e graças de Deus! No entanto, esta não é uma questão de necessidade, pois o apóstolo Paulo nos diz que ele sabia como viver com abundância. Quando ele tinha muito, ele sabia como usá-lo. Ele pediu a Deus que ele pudesse ser mantido humilde que, na época de abundância pudesse estar pronto para dar àqueles que precisavam e que, como um mordomo fiel, pudesse administrar tudo o que tivesse, à disposição de seu Senhor. Este é o aprendizado divino. “Sei tanto como estar abatido, e sei também ter abundância.”

O apóstolo continua a dizer, “em todos os lugares e em todas as coisas estou instruído, tanto para estar farto como a ter fome.” Isto é uma lição divina. Quando os homens têm muitas misericórdias providenciais de Deus, muitas vezes acontece que eles têm, senão pouco da graça de Deus, e pouca gratidão para as bênçãos que receberam. Eles estão cheios, e se esquecem de Deus; satisfeitos com a terra, se contentam em viver sem o céu. Tenham certeza, meus queridos leitores, é mais difícil saber como estar com fartura do que saber como estar com fome. Tão desesperadora é a tendência da natureza humana ao orgulho e esquecimento de Deus! Assim como sempre quando temos um duplo estoque de maná, e começamos a guardá-lo, gera vermes e um mau cheiro nas narinas de Deus.
Posso facilmente imaginar o apóstolo sendo pobre e estando contente na sua pobreza, pois ele estava acostumado a isso. Ele é como um pássaro que nasceu em uma gaiola, e não sabe o que significa liberdade. Mas para um homem que teve muito de bens deste mundo e, portanto, tem sido farto, se for trazido à penúria absoluta, ele é como o pássaro que voava muito alto, mas agora está aprisionado. São como aquelas pobres cotovias que às vezes você vê nas lojas, sempre parecem como se estivessem olhando para cima, ansiosas e batendo suas asas, querendo voar para longe.

Assim será com você, a menos que a graça o impeça. Se você tem sido rico e é levado a ser pobre, vai achar que é difícil saber “como estar com fome.” Na verdade, meus irmãos, isto deve ser uma lição afiada. Nós nos queixamos, por vezes, dos pobres, que murmuram. Ah! Devemos murmurar muito mais do que eles, se a sua sorte cair sobre nós. Porque sentar-se à mesa, onde não há nada para comer, e cinco ou seis filhos pequenos clamando por pão é o suficiente para quebrar o coração do pai. Ou para a mãe, quando seu marido foi levado para o túmulo, e olhar em volta na casa atingida pela escuridão, pressionando seu bebê recém-nascido ao peito, e olhando para os outros, com o coração enlutado lembra que eles estão sem pai para buscar o seu sustento. Oh! É preciso muita graça para saber como estar com fome.
Ah! Irmãos e irmãs, parece uma lição fácil quando você lê isto num livro, mas não é tão fácil quando você tem que colocá-lo em prática. É difícil saber como estar farto, mas é uma coisa afiada saber como estar com fome. Nosso apóstolo tinha aprendido tanto, a não ter falta, quanto padecer necessidade “.

Há ainda uma terceira razão por que Paulo estava contente, vou ilustrá-la. Muitos velhos veteranos têm grande prazer em contar os perigos e sofrimentos de suas vidas passadas. Eles olham para trás com muito contentamento, muitas vezes, com autogratulação, sobre os terríveis perigos e angústias de suas carreiras heroicas. No entanto, o sorriso que ilumina seu olho, e o orgulho que se sente em sua testa enrugada sublime quando narra suas histórias, não estava lá quando estava vivendo as cenas que está descrevendo. É só uma vez que os perigos têm passado, que os temores diminuíram, e os problemas foram resolvidos, que seu entusiasmo se acendeu. Mas Paulo estava em posição vantajosa aqui. “Em todas estas coisas”, disse ele, “nós somos mais do que vencedores.” Vejam em sua viagem à Roma. Quando o navio em que navegava naufragou e antes, por muitos dias nem sol nem estrelas apareciam na terrível tempestade que lhes sobreveio no mar, e quando a esperança falhava em cada coração; somente ele suportou com coragem viril. E por quê? O anjo do Senhor estava junto dele, e disse: Não tema. Sua fé era predestinada e, como tal, ele tinha tanto contentamento pacífico em seu peito enquanto a tribulação durava como quando tinha acabado.

Lembre-se, que se você é pobre neste mundo, seu Senhor também foi. Seu Mestre usava vestimenta de um camponês, e falou sotaque de um camponês. Seus companheiros eram os pescadores que labutam. Ele não era alguém que se vestia de púrpura e linho fino, e se regalava esplendidamente todos os dias. Ele sabia o que era estar com fome e com sede, ou melhor, ele era mais pobre do que você, pois ele não tinha onde reclinar a cabeça. Deixe isto lhe consolar. Por que um discípulo estará acima de seu Mestre, ou um servo acima do seu Senhor? Em sua pobreza, além disso, você é capaz de ter comunhão com Cristo e pode dizer: “Cristo foi pobre? Agora posso simpatizar com ele na sua pobreza. Ele estava cansado, e ele se sentou assim junto ao poço? Estou cansado demais, e eu posso ter comunhão com Cristo, quando o suor me escorre na testa.”
A pobreza voluntária é maldade voluntária. Mas na medida em que Deus lhe fez pobre, você tem uma facilidade para caminhar com Cristo, onde outros não podem. Você pode acompanhá-lo através de todas as profundidades de cuidado e aflição, e segui-lo no deserto da tentação, quando você está em seus estreitos e em dificuldades por falta de pão. Que isto sempre o alegre e o console, e o faça feliz na sua pobreza, porque o seu Senhor e Mestre é capaz de simpatizar, bem como socorrer.

Permita-me lembrá-lo de novo, que você deve estar contente, porque senão você vai desmentir as suas próprias orações. Você ajoelha-se na parte da manhã, e diz: “Seja feita vossa vontade!” Suponha que você se levante e quer a sua própria vontade, e se rebele contra a dispensação do seu Pai celeste – isto não o torna um hipócrita? A linguagem da sua oração está em desacordo com o sentimento de seu coração.
Ele ordenou tudo para o nosso bem, e isto pode ser esquecido por nós? Vamos acreditar que tudo o que Ele designa é o melhor, vamos escolher mais a Sua vontade do que a nossa. Se houvesse dois lugares – um lugar de pobreza, e outro, um lugar de riquezas e honra, e se eu pudesse ter minha escolha, eu tenha o privilégio de dizer: “Todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres.”

E, com certeza, meus queridos irmãos, se eu precisar adicionar outro argumento por que deve estar contente, seja qual for seu problema, isto não é por muito tempo, você não pode ter nenhuma propriedade permanente sobre a terra, mas você tem uma grande no céu e, talvez, esta propriedade no céu será tanto maior por causa da pobreza que teve que suportar aqui embaixo. Você pode ter apenas uma casa para cobrir sua cabeça, mas você tem uma mansão no céu, uma casa não feita por mãos humanas. Sua cabeça pode muitas vezes se encontrar sem travesseiro, mas deve usar um dia uma coroa. Suas mãos podem estar empoladas com labuta, mas devem tocar as cordas de harpas douradas. Você pode ter que ir para casa muitas vezes para jantar ervas, mas você deve comer pão no reino de Deus, e sentar-se à ceia das bodas do Cordeiro.

E agora, apenas uma ou duas palavras aos sofredores. Todos os homens nascem para a tristeza, mas alguns homens nascem para uma dupla porção da mesma. Como entre as árvores, por isso entre os homens, há diferentes classes. O cipreste parece ter sido criado especialmente para ficar na cabeça do túmulo e ser um chorão, e existem alguns homens e algumas mulheres, que parecem ter sido feitos de propósito para que pudessem chorar. Há os Jeremias de nossa raça, pois eles muitas vezes não passam uma hora livre da dor. Seus corpos cansados pobres têm sido arrastados através de uma vida miserável, doente, talvez, até mesmo desde seu nascimento, sofrendo alguma enfermidade dolorosa que não vai deixá-los conhecer até mesmo a alegria e os folguedos da juventude. Eles estão aptos a murmurar, e dizem: “Por que eu sou assim? Eu não posso desfrutar dos prazeres da vida como os outros – por que isto?”

Eu digo que não os julgo pelo seu questionamento, mas digo que quando eu vejo um homem que sofre e, sofrendo bravamente, muitas vezes eu me sinto pequeno em sua presença. Pergunto-me, sim, eu admiro e amo este homem que pode suportar a dor. Nós, que somos naturalmente saudáveis e fortes, quando chamados a sofrer, não podemos suportar.
Calvino, durante toda a sua vida foi vítima da doença, ele tinha uma complicação de doenças. Seu rosto, quando era um jovem, como pode ser julgado a partir de diferentes retratos dele, exibia os sinais de decadência e, embora ele tenha vivido um longo tempo, parecia como se estivesse sempre pronto a morrer amanhã. No mais profundo de sua agonia, sofrendo de dores da coluna vertebral e doença aguda, o único grito que ele poderia ter proferido era, “Domine usquequo? Até quando, Senhor? Até quando, Senhor?” Uma expressão de descontentamento que ele nunca usou. Ah! Mas ficamos chutando contra os aguilhões, murmurando e reclamando. Irmãos e irmãs, a exortação para vocês é para estarem contentes. Suas dores são fortes, mas “suas dores são menores do que os seus pecados, e mais leves que a sua culpa.” Desde as dores do inferno Cristo lhes libertou. Por que um homem deve viver reclamando? Enquanto estiver fora do inferno, a gratidão pode se misturar com os seus gemidos.

Lembre-se que todas estas provações trabalham para o seu bem, porque cada golpe da vara de disciplina de seu Pai está lhe trazendo mais perto da perfeição. Lembre-se também, que a tua dor e doença têm sido tão grandemente abençoadas para ti, e por isto nunca deves te rebelar. “Antes de ser afligido andava errado, mas agora tenho guardado a tua palavra.” Você já viu mais do céu através de sua doença, do que você jamais poderia ter visto se você estivesse bem. Quando estamos bem, somos como os homens em uma cabana de barro, não podemos ver tanta luz, mas quando a doença vem e sacode a cabana, abre-se uma fenda ou duas, e a luz do sol do céu brilha. Homens doentes podem ver muito mais da glória do que os homens que estão em plena saúde.
Deus lhes conceda novos corações e espíritos retos, uma fé viva no Jesus vivo, e então eu lhes diria: em quaisquer circunstâncias em que vocês estejam, sejam contentes.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here