A Compaixão do Senhor, o Conforto dos Aflitos

0

Partes de um sermão de Charles Haddon Spurgeon, traduzidas e adaptadas pelo Pr Silvio Dutra.

“Eis que temos por bem-aventurados os que perseveraram firmes. Ouvistes da paciência de Jó, e vistes o fim que o Senhor lhe deu; porque o Senhor é cheio de terna misericórdia e compassivo.” (Tiago 5.11)

Nós somos muito aptos a entreter pensamentos rígidos a respeito de Deus. O ateísmo horrível da nossa natureza terrena continuamente decaída pelo pecado, contende com o Altíssimo e, quando estamos sob Sua mão afligidora e as coisas se tornam uma cruz para a nossa vontade, o mal da nossa natureza torna-se tristemente evidente. Quando muito aflitos, estamos muito inclinados a pensar e a falar como não deveríamos, sobre o Altíssimo.

Nunca nos esqueçamos de que nossos discursos duros foram todos falsos discursos e que as nossas suspeitas de nosso Deus sempre foram calúnias sobre ele. Quando não temos pensado e falado bem do Seu nome, temos pensado e falado errado!
Ao fazermos um levantamento de toda a nossa vida, veremos que a bondade e misericórdia de Deus nos seguiram todos os nossos dias, sempre nos perseguindo, mesmo quando temos perversamente fugido delas.

Mesmo os nossos males aparentes têm sido verdadeiras bênçãos. Eu não sei se bendigo mais a Deus por minhas tristezas ou por minhas alegrias. A melhor peça de mobiliário que eu já tive na minha casa é a cruz da aflição! A adversidade é o campo mais rico em toda a fazenda da vida. Nós nunca temos feito uma maior colheita de qualquer semente, senão daquela que caiu de nossas mãos enquanto as lágrimas caíam dos nossos olhos. Quando saímos chorando, semeando a preciosa semente, temos invariavelmente voltado, mais uma vez, cheios de júbilo, trazendo os feixes conosco!

Oh Sofredor, quando sua cama endureceu sob você e sua dor foi muito grande, pode ser que seus gemidos e reclamações não foram completamente aqueles de tristeza, mas uma medida de rebelião se misturou a eles! Por isso ficou envergonhado e confundido! Confesse essas rebeliões! Reconheça que seus pensamentos duros foram todos fundados em erro e peça a graça de estar sempre em harmonia com o seu Senhor.

“O Senhor é cheio de misericórdia e compassivo.” O que quer que possa ser ou não ser, o Senhor deve ser bom! Defina o seu selo para com a Verdade de Deus. Levante a cabeça e sua mão como quem pode falar bem de seu nome e dizer: “Bendirei o Senhor em todos os momentos! Seu louvor estará continuamente na minha boca!”
Que cada homem restaurado possa dizer: “Ele cura todas as minhas enfermidades”. Que cada um tente agora dizer: “Muitas são as aflições do justo, mas o Senhor o livra de todas.”

Nós nada temos realmente para reclamar – até mesmo nossas decepções ainda serão causas de louvor! Oh, que o Espírito de Deus agora faça-nos sábios para evitar tais erros precipitados no futuro e nos ensine a conhecer o Senhor tão bem que possamos a partir de agora estar em paz com Ele!
Note-se que quando Tiago está nos exortando à plena confiança em Deus na hora da provação, ele nos dá uma instância instrutiva. Ele cita a história de Jó.
“Tome, meus irmãos, os profetas, que falaram em nome do Senhor, para ver um exemplo de paciência no sofrimento e na aflição… Você já ouviu falar da paciência de Jó”.
Observe que, quando este apóstolo apresenta Jó é com o objetivo de apontar a misericórdia de Deus em seu caso. Ele começa dizendo: “Eis que temos por bem-aventurados os que sofreram.” A compaixão e a misericórdia de Deus podem ser vistas na felicidade daqueles que são chamados a sofrer.

Bem-aventurados os que são considerados dignos de sofrer por amor de Cristo.
Como pode uma vida nobre ser edificada, se não há nenhuma dificuldade para vencer, nenhum sofrimento para suportar com paciência?
Quando olhamos para o fim da aflição, quando vemos todos os seus frutos pacíficos de justiça, quando marcamos o que ela corrige e observamos o que ela produz, julgamos que não é nenhuma bênção pequena! Feliz é o homem que foi habilitado a perseverar! Ele se levanta das profundezas da miséria como uma pérola rica do mar, rica além de toda comparação. Ele ganhou mais do que perdeu, apesar de ter perdido tudo, se ele ganhou o contentamento, a conformidade com a vontade de Deus, uma experiência profunda e uma esperança mais segura.

Nós nunca chegamos tão perto da fonte de toda a consolação celestial, como quando o conforto terrestre é removido para longe.
Está escrito: “Bem-aventurado é aquele que confia no Senhor e cuja esperança é o Senhor.” Assim você vê como a tristeza nos obriga à confiança que faz com que sejamos abençoados, porque se diz que são “bem-aventurados os que sofreram.”
A tristeza santificada é uma geada afiada que mata os germes da doença espiritual. Nossas dores, como uma tempestade de granizo, rompem os brotos dos ramos do pecado, para que eles não produzam o fruto maldito de transgressão real! Quanto devemos à faca que corta o cancro e a gangrena!
Vamos bendizer a Deus porque, embora, antes estivéssemos afligidos, mas agora, pelos processos de santificação de Sua providência e da graça, nós aprendemos a guardar a Sua Palavra!

Além disso, a aflição é enviada com vistas à Graça. Nossas graças repousam adormecidas dentro de nós, como soldados adormecidos até que a aflição bata o tambor terrível e as desperte.
Você considera-se rico, mas no fogo o seu ouro é provado. Você acha que sua casa é bem construída, mas as chamas revelam a madeira, o feno e a palha. Portanto, bem-aventurados os que sofrem porque eles são menos propensos a ser enganados. Deus seja louvado pela descoberta de nossas graças, porque assim a aflição torna-se uma bênção sem disfarce.
Amados, vocês não devem esquecer que “o fim do Senhor” ao enviar a provação ao seu povo é sempre o de dar-lhes maior felicidade como o resultado da mesma.
Ele irá restaurar a sua alma, mesmo nesta vida e dar-lhe alegria e descanso de sua tristeza!
Quanto à vida futura, os sofrimentos do tempo presente são, no máximo, uma mera picada de alfinete, ao contrastá-los com a alegria eterna! O que devemos pensar desses inconvenientes temporários quando alcançarmos a felicidade eterna?


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here