Sobre o Orgulho – Parte 2

0

O orgulho está na dianteira daqueles pecados que Deus odeia, e são uma abominação para ele: “Um olhar orgulhoso”, que raramente é dissociado de um coração orgulhoso. Deus “olha para longe do orgulhoso com um desprezo santo.” Ele resiste aos soberbos. O orgulho é o mais pernicioso de todos os vícios; porque qualquer vício é o oposto de sua virtude contrária: impureza expulsa castidade; a cobiça, a liberalidade; o orgulho, como uma doença infecciosa, mancha as partes sadias, corrompe as ações de todas as virtudes, e as priva de sua verdadeira graça e glória.

O orgulho é tão ofensivo a Deus, que Ele às vezes permite que os seus filhos caiam em pecados de um outro tipo para corrigir o orgulho. Quando o apóstolo esteve perante a tentação do orgulho, por suas visões celestiais, foi permitido a um mensageiro de Satanás esbofeteá-lo.
Os exemplos terríveis da ira de Deus sobre os orgulhosos, deve provar de forma convincente quão odioso eles são aos seus olhos. Os anjos caíram por orgulho, e são as criaturas mais amaldiçoadas da criação, e estão amarrados com cadeias nas trevas para o juízo do grande dia. Adão esteve doente da mesma doença, que envolveu ele e sua descendência sob a sentença da primeira e da segunda morte.

Quantos grandes reis, para o esquecimento insolente de sua condição frágil, eram por vingança divina derrubados a partir da altura de sua glória, e feitos espetáculos de miséria vergonhosa! O faraó orgulhoso e teimoso, que desafiou o Todo-Poderoso, e disse: “Quem é o Senhor, que eu deveria obedecê-lo, e deixar ir Israel?”, que ameaçou: “Eu vou perseguir, eu alcançarei, repartirei os despojos.”, este orgulhoso rei foi domado por sapos e moscas, e, finalmente, se afogou com o seu exército no Mar Vermelho. Senaqueribe voou tão alto com a presunção de sua força irresistível, que ele desafiou o céu: “quem é o seu Deus?

Que ele seja capaz de livrá-los das minhas mãos?”, descobriu que havia um poder acima, que em uma noite destruiu seu poderoso exército, e depois o matou em sua idolatria. Nabucodonosor, a cabeça de ouro na figura representando os impérios do mundo, foi por causa do seu orgulho pastar entre os animais.

O orgulho é muito odioso aos olhos dos homens e por isso, muitas vezes empresta a máscara da humildade para obter seus fins, mas é sempre odioso a Deus, que vê o funcionamento mais íntimo dele no coração. Um homem orgulhoso é um inimigo para o mais excelente e digno; ele está satisfeito com os vícios e as infelicidades dos outros, como se eles oferecessem uma vantagem para exaltar-se acima deles.

O orgulho é o pai da discórdia, que exagera o sentido de uma pequena ofensa, coloca uma vantagem em cima da raiva, e tem muitas vezes oferecido espetáculos, que encheram as cenas com sangue e lágrimas. A humildade produz paciência, porque ela faz um homem se sentir inferior aos seus próprios olhos, daquilo que ele é, na opinião dos outros. O orgulho trata os outros com desprezo e censura, e, assim, os provoca para transformar a reverência em desprezo e o amor em ódio; quando um homem orgulhoso cai em miséria, ele é o menos lamentado.

Que a cura deste pecado é muito difícil, ficará evidente por uma variedade de considerações.
O orgulho é o pecado do qual os anjos e os homens em seu melhor estado foram particularmente responsáveis. Os anjos que contemplavam a glória divina, e refletiam sobre suas excelências, foram intoxicados com a auto-admiração. É estranho espantoso, que deveriam tão repentinamente abandonar suas naturezas, e renunciar ao seu Criador, que os cumulou com seus excelentes benefícios, e os levantou para aquela eminência brilhante acima das outras criaturas.

O homem, no estado de inocência imaculada, quando todas as perfeições do corpo e da mente entraram em sua constituição, com todos as suas graças, foi corrompido pelo orgulho. “Sereis como deuses”, foi a tentação que lhe corrompeu. Desordem prodigiosa! Seu orgulho começa quando termina sua verdadeira glória, e sua humildade termina quando começa a sua vergonha.

Na natureza depravada do homem, o orgulho é o pecado radical reinante, que primeiro vive e depois morre. É chamado de “o orgulho da vida.”, I Jo 2.16. Orgulho brota no coração de uma criança, e continua até a velhice. Outros vícios têm suas épocas, que quando expiram eles murcham e decaem. Prazeres carnais mudam suas naturezas, e tornam-se desagradáveis, com o passar do tempo, mas o orgulho floresce e cresce em todas as idades, Eclesiastes 12. Agora, é geralmente em vão dar conselhos de sabedoria para aqueles que estão afundados em orgulho.

Alguns vícios são odiosos pela sua visível materialidade, a intemperança, a impureza e a injustiça, por fraudar e oprimir os outros, mas o orgulho é muitas vezes incentivado e oriundo das mesmas coisas em que as virtudes são exercidas. Um homem pode visivelmente desprezar a pompa e as vaidades do mundo, e isso pode levantar a estima nas mentes dos verdadeiros santos, e da prática externa da bondade será produzido o louvor da bondade pelos outros; mas isso vai permitir uma forte tentação de orgulho. Em todas as operações de virtudes, até o exercício de humildade, que são a matéria e argumento de louvor, pode haver incentivos de orgulho, e essas doenças são extremamente perigosas, que são alimentadas por esse alimento que é necessário para sustentar a vida.

A antiga Serpente, quando não pode seduzir os homens por tentações carnais, que são facilmente descobertas, inspira-os com tão suave respiração de opinião de suas próprias virtudes, que insensivelmente lhes contamina.
O desejo de honra externa e poder além do que eles merecem ser desejados, e que é devido às pessoas desejosas deles, não é facilmente descoberto: em parte, porque aspirar por dignidade é, no consenso universal dos homens, um argumento e indicação de um espírito sublime, e que a modesta recusa dela, expõe à infâmia, como se o recusador tivesse uma alma de chumbo.

Todo homem é um estranho para si mesmo; assim como o olho vê as coisas de fora, mas é cego para ver a si mesmo. Homens estudam e se aplicam para saber mais dos outros do que de si mesmos e, portanto, se conhecem menos.
1. Considere as coisas que podem aliviar o tumor de orgulho e vaidade. A razão é a perfeição do homem, e o conhecimento de Deus e de nós mesmos é a perfeição da razão; a partir do que procede a magnificência de Deus, e a nossa vileza.

Deus é o eterno Jeová, “e não há outro além dele.” Somente Ele tem uma existência independente e infinita. Todas as criaturas são dependentes de sua eficiência: cada centelha de vida e grau de ser é dele. Sem o mínimo esforço de seu poder, ele fez o mundo, e como facilmente o governa. Ele habita em luz inacessível, não somente aos olhos mortais, mas para os anjos imortais. Ele é o único ser sábio, bom, e imortal. Não há ninguém absolutamente grande, senão Deus, que é verdadeiramente infinito. No céu, onde os espíritos bem-aventurados têm a vista mais imediata e plena da divindade “somente o Senhor é exaltado.”

2. Considere-se que todo o mundo intelectual e sensível, comparado a Deus, é como “um pingo que cai de um balde”, e em que parte estamos neste pingo? Se considerarmos os homens no estado de sua natureza primitiva, é um princípio evidente escrito em seus corações, com caracteres da luz mais clara, que é seu dever mais razoável, renunciar inteiramente a si mesmos, e dedicar-se à glória de Deus.

“Todo dom perfeito e bom vem do Pai das luzes.”, e são continuados por irradiações dele. Existe uma diferença entre as impressões de sons, e as emanações de luz no ar. Os sons são propagados pelo movimento sucessivo de uma parte do espaço em outra, depois que cessa a primeira causa, o instrumento de som é silenciado. Mas um raio de luz que se estende através do ar, depende inteira e necessariamente do ponto original de onde a luz procede. Os raios de luz que enchem o ar, no primeiro instante em que o sol se retira no horizonte, desaparecem. Assim, todos os dons espirituais dependem continuamente da presença de Deus que é a fonte da luz espiritual.

Agora, como é que podemos estar orgulhosos de Seus dons mais preciosos, dos quais fazemos um confisco e não podemos possuir sem humildade? As vantagens mais eminentes que alguns têm acima dos outros, são as marcas brilhantes da sua generosidade divina. Que absurdo é que alguém se orgulhe de riqueza, quando vive diariamente vive de esmolas recebidas de Deus? Quanto mais recebermos, maiores são as nossas obrigações, e quão mais pesada será a nossa conta.

Para ser mais instrutivo, vamos considerar o que são os incentivos usuais de orgulho, e vamos descobrir que a ignorância e a vaidade são sempre misturadas com eles.
Há mulheres, que quando idolatradas por homens ímpios, ficam orgulhosas de sua beleza e mais zelosas para não deixarem suas faces serem deformadas, do que suas almas.
Agora, o que é carne e sangue, senão uma mistura de terra e água? O que é a beleza, a aparência superficial, uma flor atingida por milhares de acidentes? Quanto tempo as cores e encantos do rosto resistem ao desvanecimento? Quantas vezes o desvanecimento as trai punindo-as por seu pecado de orgulho com deformidade e podridão? A mais bela não é menos mortal do que as outras; elas devem logo serem presas da morte, e servirão de pasto aos vermes, e pode um brinquedo com tal desvanecimento inspirar orgulho para elas?

Alguns são inchados com a vaidade de suas riquezas, mas isso é muito irrazoável, porque nenhum bem externo pode agregar valor real a uma pessoa; somente tolos adoram um bezerro de ouro. Se todo o ar de orgulho sobe em um possuidor de riquezas, ele pode justamente provocar a Deus por reclamarem suas bênçãos como ele liberalmente as concedeu a eles.
Não há nada que os homens mais valorizem do que o relato de seus conhecimentos; todavia, o “conhecimento incha”. Mas quão pouco sabemos! O orgulho é o efeito de grande presunção, e pouco conhecimento.

2. Será um excelente meio para curar o orgulho, convencer as mentes dos homens, o que é a verdadeira honra, e direcionar seus desejos a ela.
O mais sábio dos reis nos disse “que diante da honra vai a humildade.” O orgulho é uma paixão degenerada, degrada um homem, e o traz em miserável cativeiro. Depende da opinião e aplausos das pessoas, cujos humores são muito mutáveis; é tão inquieto, que os ambiciosos muitas vezes mordem suas cadeias pesadas, embora às vezes eles as beijem porque são douradas. Mas a humildade preserva a liberdade verdadeira e nobre da mente do homem, assegura sua querida liberdade, paz e domínio de si mesmo. Este é o efeito da sabedoria excelente.

3. A humildade é o ornamento mais precioso aos olhos de Deus, e aprovado pela mente divina, e aceito pela vontade divina, é a maior honra, mais digna de nossa ambição.
A humildade é especialmente recomendada no evangelho como a mais amável e excelente graça. Recebemos o mandamento de “não fazer nada por contenda ou por vanglória, mas por humildade, considerando cada um os outros superiores a si mesmos.” Fp 2.3. Isto pode parecer uma lição irrazoável, e inconsistente com a sinceridade. Mas, embora a diferença entre os homens em coisas temporais e em capacitação intelectual seja notória, todavia, em qualidades morais, nós conhecemos nossos próprios defeitos e falhas secretas, e podem ser preferidos outros, cujas excelências ocultas são visíveis a Deus, antes de nós mesmos.

O apóstolo Paulo ainda que de modo excelente, representasse o Rei dos santos em sua vida, reconheceu-se ser o principal dos pecadores. É observável que Pedro na conta de sua queda e arrependimento, registrada por Marcos, que escreveu o evangelho por sua direção, agrava o seu pecado mais do que está expresso no evangelho de Lucas e João, onde sua negação é citada não somente com o seu praguejar e com juramentos, dizendo: “Eu não conheço este homem”, e seu arrependimento não é tão plenamente declarado; porque os outros evangelistas nos dizem, “ele chorou amargamente” na reflexão da sua negação de Cristo, mas isso só é dito em Marcos, quando “ele pensou nisso, ele chorou.”

Muitas excelentes promessas são feitas aos humildes. Eles são declarados bem-aventurados por nosso Salvador, que não são ricos em tesouros terrenos, mas pobres em espírito; Deus revivificará o espírito dos humildes; ele vai dar graça aos humildes, e ouvir as suas orações. Estamos certos de que o Senhor é elevado, mas ele se inclina para os humildes; ele afirma sua estima e amor por eles, e os conforta; a humildade atrai o olhar e o coração do próprio Deus. Jó nunca foi mais aceito por Deus do que quando ele abominou a si mesmo.

Vou acrescentar esta consideração, que deve ser de peso infinito para nós: o Filho de Deus desceu do céu, para estabelecer diante de nós um modelo de humildade. Ele de uma maneira especial nos instrui nesta lição: “aprendei de mim, porque sou manso e humilde.” Nunca a glória poderia subir mais alto do que em Sua pessoa, nem a humildade descer mais baixo do que em Suas ações. Há registradas as mais profundas passagens de humildade em todo o curso da sua vida desprezada e com sofrimentos ignominiosos. O que pode ser mais honroso do que imitar o humilde Rei da Glória?

Tradução e adaptação feitas pelo Pr Silvio Dutra, de um texto de William Bates, em domínio público.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here