Por que não guardo o sábado?

28
206

O verdadeiro significado do descanso sabático

A questão da guarda do sábado tem sido ao longo da história um dos temas mais controversos entre as mais variadas correntes cristãs. Desde o início do cristianismo o assunto divide opiniões, tanto de teólogos e eruditos renomados, quanto de pessoas simples e anônimas, como você e eu.
Algumas denominações defendem veementemente a obrigatoriedade da observância do sétimo dia como sendo válida ainda para os dias atuais, uns inclusive, alegando ser a prática (de guardar o sábado) ponto inexorável de salvação, como é o caso da Igreja Adventista do Sétimo Dia.
Em uma de suas obras literárias mais conhecidas, a famosa escritora Ellen G. White (1827-1915), tida como profetisa pelos adventistas, preconiza categoricamente a importância do quarto mandamento (guarda do sábado) para o cristão.

“Santificar o sábado ao Senhor importa em salvação eterna”. ( Testemunhos seletos, volume 3, página 23).

Não obstante, a grande maioria das igrejas cristãs comunga de uma visão completamente oposta quanto à observância do sétimo dia. Creem que com o advento da nova aliança, confirmada pelo sangue do Senhor Jesus Cristo, toda a lei mosaica, incluindo os dez mandamentos, foi abolida (aperfeiçoada), dando lugar a uma lei muito mais excelente, gravada não em pedras, mas no coração do homem.

Mas e então… Quem está com a razão? Devo ou não guardar o dia de sábado? Muitos têm feito essas perguntas, seja por inexperiência na vida cristã, no caso dos novos convertidos, ou até mesmo por falta de leitura bíblica. Devo confessar que por longo tempo fiz essas mesmas indagações.

* O que a Bíblia diz?

Nas linhas que se seguem estarei compartilhando com os irmãos aquilo que pela misericórdia de Deus tenho aprendido (na Bíblia) no tocante ao verdadeiro descanso sabático, e respondendo com base nas escrituras, à pergunta título desta postagem: POR QUE NÃO GUARDO O SÁBADO, pelo menos não da maneira que os sabatistas o guardam.
Há várias referências no antigo testamento que deixam bem claro que a guarda do sábado era uma ordenança direcionada exclusivamente ao povo judeu do antigo pacto, dentre as quais podemos citar Êxodo 31:12-18, Deuteronônio 5:1-3,12, Ezequiel 20:10-12, etc…
Alguns tentam argumentar que desde a criação Deus ordenou a guarda do sábado, afirmando inclusive que Adão e Eva já o guardavam. Todavia esse argumento é fraco e infundado, além de não ter a menor base nas escrituras, haja a vista que Deus, na criação, embora tenha cessado sua obra no sexto dia e descansado no sétimo, em momento algum orientou Adão e Eva a guardá-lo. A única ordem expressa dada por Deus ao homem no jardim do Éden, segundo o relato bíblico, foi de que não comessem do fruto proibido. Se realmente já houvesse, naquela ocasião, um mandamento referente à guarda do sábado, será que Deus não advertiria Adão e Eva quanto a não o desobedecerem? É um caso a se pensar.

* Ilustração do pai e seus filhos

Para uma melhor compreensão vejamos uma pequena ilustração. Digamos que um pai está conversando com seus dois filhos, um de seis e outro de oito anos de idade. Num dado momento o pai diz para eles: Vou dormir, pois já são oito horas da noite.
Agora vem a pergunta: Será que o fato de o pai ter comunicado a seus filhos que já iria dormir significa que eles também teriam que ir dormir naquele mesmo horário? Claro que não! A não ser que ele dissesse: Vamos dormir, pois já são oito horas da noite. Aí sim o pai estaria ordenando seus filhos a irem para a cama na mesma hora em que ele.
Antes que alguém me julgue, quero deixar bem claro que esse exemplo é apenas uma ilustração. Todos sabemos que Deus não dorme, assim como sabemos que Ele jamais se cansa. Quando a Bíblia diz que no sétimo dia Deus descansou, está dizendo simplesmente que Ele cessou sua obra, ou seja, concluiu a criação.
Voltando à ilustração, assim como o fato de o pai ter ido dormir às oito horas da noite não significa que os filhos deveriam ir dormir no mesmo horário, o fato de Deus ter descansado no sétimo dia não significa que Ele estava ordenando a Adão e Eva a também descansarem.
Além de tudo isso há um número considerável de versículos no novo testamento que provam cabalmente que na nova aliança, tanto os cristãos gentios quanto os judeus que aceitam a Cristo, estão completamente desobrigados de guardar o sábado, bem como de observar qualquer outra ordenança da lei mosaica. Vide: Efésios 2:14-15, Gálatas 3:24-25­, Romanos 7:4-7, 2 Coríntios 3:6-11, Colossenses 2:16-17. Esses são só alguns poucos versículos. Há muitos outros.

* O que é uma sombra?

E para desmistificar de vez a questão da observância do dia sétimo como dia de repouso para o cristão, quero usar aqui mais uma ilustração, não minha, mas que se encontra justamente em um dos versículos citados no parágrafo anterior, (Colossenses 2:16-17), onde o apóstolo Paulo instrui os cristãos da cidade de Colosso a não se preocuparem com as acusações daqueles que os julgavam pelo fato de não cumprirem os rituais e cerimônias da lei (mosaica).
O texto diz: “Ninguém, pois, vos julgue por causa de comida e bebida, ou dia de festa, ou lua nova, ou sábados, porque tudo isso tem sido sombra das coisas que haviam de vir; porém o corpo é de Cristo.” (Colossenses 2:26-27).
Apesar do texto se referir a uma série de ordenanças, quero me ater ao nosso foco, que por hora é a guarda do sábado. Pois bem, apesar de parecer à primeira vista, não é tão difícil entender o que Paulo estava querendo dizer quando afirmou que tudo aquilo (as ordenanças da antiga aliança) vinham sendo sombra das coisas futuras, assim como também não é tão difícil entender o que ele queria dizer com: “porém o corpo é de Cristo”. Para entendermos tudo isso basta observarmos bem o contexto e prestarmos bastante atenção.
Mas o que seria então essa sombra? Ora, para que haja uma sombra é indispensável a presença de um corpo material, seja uma árvore, um carro, uma casa, uma pessoa, enfim… não tem como aparecer uma sombra onde não existe um corpo. E o que vemos quando olhamos, por exemplo, para a sombra de uma pessoa? É possível ver perfeitamente como a pessoa realmente é através de sua sombra? Evidente que não! Tudo que conseguimos enxergar é a silhueta, ou seja, o contorno da pessoa. Esse contorno nos dá uma ideia de como a pessoa é, porém não reproduz sua imagem perfeita. A sombra é só um reflexo, o corpo, porém, é a realidade.

* Explicando…

Talvez você esteja se perguntando: Mas o que tudo isso tem a ver? Ora, quando Deus ordenou a guarda do sábado ao povo de Israel, ele estava demonstrando a eles a sua misericórdia, dando-lhes um dia de repouso para que pudessem lembrar-se do Criador, pois aquele povo ainda era tão carente de discernimento espiritual que precisava de uma lei solene para aprenderem a honrar a Deus. Todavia a função principal do sábado era apontar aos filhos de Israel o verdadeiro sábado, o Messias, aquele que lhes daria o verdadeiro descanso, o descanso que eles tanto esperavam. O sábado semanal era apenas uma sombra do repouso pelo qual todo ser humano suspira, e que só Jesus pode dar; um símbolo que apontava para o descanso que hoje podemos encontrar em Cristo. A lei do sábado não foi inútil, muito pelo contrário, ela foi aperfeiçoada, ganhando um novo sentido, ou melhor, o seu real sentido, que é espiritual. Assim como os judeus descansavam ao sétimo dia da jornada dura de trabalho, nós descansamos das nossas más obras, a saber, dos nossos pecados, em Jesus Cristo, nosso redentor. Foi Ele mesmo que disse: “Vinde a mim todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.” (Mateus 11.28-30).

* Conclusão:

O cristão verdadeiro não guarda tão somente um dia da semana, mas guarda sua fé todos os dias para não cair em tentação, e repousa tranquilo nos braços do Senhor Jesus, pois sabe que Ele (Jesus) é o verdadeiro sábado (descanso).
Um grande abraço a todos, e que Deus os abençoe superabundantemente em nome do
Senhor Jesus.

Erismar Oliveira Silva

28 COMENTÁRIOS

  1. Concordo com o senhor Erismar.Se entrar no texto que a Welfany escreveu(O sabado para o judeu,o Domingo para o cristão), e que esta disponivel noutro link aqui na sua pagina mesmo.Vai ver varios enxertos que fiz para provar que muito antes do governo de Constantino I que começou em 309 DC aprox, os primeiros cristãos já guardavam o Domingo por ser o dia da ressureição de Cristo Jesus.
    Além disto,vc pode bem imaginar que os primeiros cristãos são pessimos seguidores de Cristo se comparados com Elen White e seus apoiadores.

    Contudo,não adianta falar isto pros sabatistas.Sempre vão dizer que é invenção da “Igreja que veio de Roma”. E te lembrar que Jesus e os apostolos guardavam o sabado tambem.

    Eles esquecem que so faz sentido guardar o Domingo após a Nova Pascoa que é a ressureição de Jesus.Se os apostolos descansassem antes disto,seria o mesmo que um hebreu guardar a Lei Mosaica antes de Moises nascer.

  2. Irmão,

    Creio que este assunto não esteja esgotado… Por qual motivo foi que Jesus falou que é Senhor do Sábado? Para explicar aos Judeus que Ele deixou o sábado para o homem descansar e não idolatrar o sábado como os JUdeus faziam, pois como bem sabes, os Judeus fizeram inumeras leis em cima da Lei de Deus para tornar a Lei como um fardo, mas Jesus veio para abolir a Lei? Não! Ele veio para cumprir a Lei, conforme Mateus 5-17 e em Tiago 2:10 menciona parte dos 10 Mandamentos e diz que quem tropeçar em um só ponto, é culpado de todos. Ou seja, se eu guardar os 9 mandamentos e me esquecer de 1 deles (o sábado por exemplo), serei culpada de todos. E o que dizer daquele jovem rico que perguntou a Jesus o que faria para herdar o reino dos céus? Ele falou que dava o dízimo e guardava os mandamentos e se ele estivesse errado, Jesus diria claramente que ele estava errado. Contudo, Jesus viu que o seu coração estava no dinheiro. Em suma, as leis cerimoniais como sacrifício de animais foi abolida sim, pelo sangue de Jesus, que é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, mas a lei moral não, se assim fosse, Jesus deixaria escrito expressamente: vamos deixar de guardar o sábado para guardar o domingo ou outro dia qualquer! O fato é que, para quem abre o coração para a verdade, verá que o NT tem inumeras referencias sobre a guarda do sábado… O próprio Jesus guardava o Sábado, pois ia à Sinagoga ensinar no Dia Santificado pelo seu Pai. QUem quer abrir os olhos, leia Lucas 4:16 e outras passagens. O fato é que, se a Lei do Decálogo foi abolida, então posso roubar, matar, adulterar e não será pecado, correto?

    • e quando que guardar o sabado era vista com lei moral?eu vejo mais como cerimonial,jesus nao gurdava o sabado,muito pelo contrario fazia questao de realizar a maioria dos milagres no sabado ,contrariando os judeos que queriam a todo custo apedreja-lo.e as cartas de Paulo,o concilio de trento que ficou confirmado que os gentios deveriam apenas se guardar dos idolos e carnes sacrificadas ,e seguir adiante com os ensinamentos do senhor jesus.

    • Será que eram os judeus idolatravam o sábado? Ou são os adventistas que fazem isto hoje? Será que foram os judeus que colocaram um fardo na guarda do sábado? Leia: Êxodo 31.14-15″ Portanto guardareis o sábado, porque santo é para vós; aquele que o profanar certamente morrerá; porque qualquer que nele fizer alguma obra, aquela alma será eliminada do meio do seu povo. Seis dias se trabalhará, porém o sétimo dia é o sábado do descanso, santo ao Senhor; qualquer que no dia do sábado fizer algum trabalho, certamente morrerá.” Foram os judeus que disseram isto?
      Será que em Mateus 5.17 Jesus esta falando que veio cumprir a lei no sentido de guardá-la? Não! Pois Ele inclui os profetas tem como alguém guardar os profetas? Como enteder então quando Jesus diz que veio cumprir a lei e os profetas? Simples como vemos em “Lucas 24.25-27 25 E ele lhes disse: Ó néscios, e tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram! Porventura não convinha que o Cristo padecesse estas coisas e entrasse na sua glória? E, começando por Moisés, e por todos os profetas, explicava-lhes o que dele se achava em todas as Escrituras”. Oh glória que maravilha Jesus não veio para cumprir a Lei de ordenanças, mas aquilo que Dele estava escrito na Lei e nos profetas, ele mesmo disse isto aos seus discípulos “Lucas 24.41-45 E por não crerem ainda, tão cheios estavam de alegria e de espanto, ele lhes perguntou: “Vocês têm aqui algo para comer?” Deram-lhe um pedaço de peixe assado, e ele o comeu na presença deles. E disse-lhes: “Foi isso que eu falei enquanto ainda estava com vocês: Era necessário que se cumprisse tudo o que a meu respeito está escrito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos”. Então lhes abriu o entendimento, para que pudessem compreender as Escrituras.” Será que não esta na hora dos adventistas de abrirem os olhos também? O engraçado é que vocês adventistas sempre dizem que se a lei moral foi abolida então posso matar, roubar, mas vocês também dizem que a lei cerimonial foi abolida então podemos Furtar, mentir e usar de falsidade com o próximo, Levítico 19.11 e não será pecado,correto? Se a Lei cerimonial foi abolida então porque Jesus citou dois mandamentos da lei cerimonial como sendo os dois grandes mandamentos? Deuteronômio 6.5 e Levítico 19.18, Jesus, ia na sinagoga nos sábados porque era o dia que os judeus se reuniam, você queria que ele fosse no primeiro dia da semana?

  3. Amados irmãos, muitos no nosso meio tem se embaraçado com coisas sem muita valia e principalmente por não buscarem a verdade na Palavra de Deus.
    Na Sua Palavra existem direcionamentos, instruções e promessas específicas para Israel.
    Ora, podemos perceber que a maioria dos milagres que JESUS fez em Seus dias como homem na terra, foram em dia de sábado. Será que foi por acaso?
    Ele cumpriu toda a lei em Si e nos fez uma Nova Aliança com 2 e não mais 10 mandamentos. É bem verdade que esses dois englobam muito mais que 10 ordens a seguir.
    Nos esforcemos em aprofundarmos mais no conhecimento das Sagradas Escrituras.

    • Sem comentários, mas o que JESUS quer dizer em Mt 12:1 ao 8…Mc 2:23…Lc 4:16…Lc 13:14 ao 17…Lc 14:1 ao 6…Jo 5:10 e 11..Jo 7:23…Jo 9:14,15,16…portanto eu não falo, mas Jesus fala, e quem duvidar de sua palavra que duvide, e se você está guardando o sábado para louvar ao Senhor tudo bem, mas se vc guarda o sábado porque não está confiando na palavra de Jesus, aí é grave a sua situação,esses versículos, deixa muito claro a palavra de Jesus dizendo que o sábado é um dia como os outros, “LÊ A BÍBLIA E JESUS TE ENSINARÁ” 1Jo 2:27 Jr 31:33 e 34..Jo 6:45— AMÉM!!!

      • Querido Irmão Leonildo.
        estes versos que você postou confirma que o próprio jesus guardava o sábado,por várias vezes é mencionado que Jesus ia a sinagoga como de costume,se o sábado não era para ser guardado, por que Ele ia a sinagoga no sábado? se era errado por que Jesus não informou?…
        Os textos mostram que jesus era contra a forma com que os fariseus guardavam o sábado ,para os fariseus no sábado não podia fazer nada que fosse exigir algum esforço,nem andar longas distancias e muito menos ajudar alguém,os fariseus tornavam o sábado um fardo e não uma benção.Jesus queria mostrar que o sábado era um dia para se fazer o bem.

  4. Parabéns!

    Porém que isto não nos transforme em cristões ladrãos!
    Não guardo o sábado, e creio também na nova aliança. Porém, vejo muitos cristãos sem um pingo de vergonha na cara não guardar o sábado e nenhum outro dia. Não dar o dízimo e nada do que pode!

    E usam isso como desculpa para não fazer!

    O Senhor, não é Senhor só do sábado, mas de todos os dias. Quem vive pela revelação do Espírito tem vida com Deus todos os dias e entende que a guarda do sábado era tão fraca perto do que Deus tinha como propósito. Mas que a um povo sem possibilidade de receber o Espírito Santo, sem Sangue, sem nova aliança era o mínimo que Deus pedia a eles…e msm assim, muitas vezes falhavam.

    Não vivemos mas a sombra, mas de fato!
    Não vivemos mas por trás do véu, mas, ele se rasgou!

    Viva a plenitude de Deus!

    Parabéns pelo doc. Muito bem explanado.

  5. O QUE VOCE PRECISA SABER SOBRE O SÁBADO DOS ADVENTISTAS

    Estou lhe enviei esses textos do meu livro que estou preparando para ser publicado até no final deste ano, como resposta da critica que você fez ao erismar.

    Antonio Jose ribeiro neto
    SHABAT: O SÁBADO QUE OS ADVENTISTAS NÃO GUARDAM

    É importante o amigo leitor ficar sabendo algo sobre o sábado dos adventistas como de outros sabadistas. Também é importante você saber que o sábado chamado de shabat na lei e no idioma hebraico não é o mesmo sábado do calendário gregoriano católico. Esse livro “O que você precisa saber sobre o sábado dos adventistas” desvenda varias dúvidas que os adventistas e mais os outros sabadistas põem na cabeça de muita gente evangélica por aí. Mas antes de prosseguir lendo essa obra, de uma olhada para o calendário que está pendurado na parede da sua sala, lá você vai ver que os nomes dos dias da semana são puramente católicos. Os nomes “feira” para cada dia da semana; o nome domingo e o nome sábado o de origem do latim litúrgico o “sabbatum” são tudo invenção do catolicismo romano. Você viu que lá tem um dia da semana com o nome “sábado” é aquilo que já tenho dito; não é o verdadeiro sábado. E se esse sábado está lá nesse calendário é porque foi a igreja católica que o colocou lá certo? Esse sábado não foi parar lá sozinho, é lógico que teve todo o encaminhamento dos padres e bispos quando a igreja católica criou o calendário eclesiástico. Foi nessa época que foi criado o sabbatum litúrgico o domingo que vem de “dies Dominica” e os dias com o nome de “feira”, por exemplo: segunda-feira, terça-feira, quarta-feira, quinta-feira e sexta-feira. Como de fato já falei e provei que existem dois sábados; o sábado da lei chamado de shabat, e o sábado do calendário gregoriano que tem o vocábulo no latim litúrgico de “sabbatum” e é justamente esse sábado que os adventistas usam como dia de descanso corporal. Ou seja, eles usam o falso sábado. Isso demonstra que eles não guardam o verdadeiro sábado chamado de shabat.
    Não quero e não estou fazendo um julgamento de suas religiosidades e nem de suas crenças e convicções e nem tão pouco difamando. Afinal de contas eles tenta guardar um dia como se fosse o verdadeiro sábado o shabat. Porém eles não guardam o verdadeiro sábado, porque o verdadeiro sábado sempre será o shabat, e nunca o sabbatum litúrgico que foi criado pela igreja católica.
    O estou apenas trazendo esclarecimento sobre o tema e revelando a verdade de que eles não guardam o verdadeiro shabat, o sábado que o povo judeu Observam e guardam literalmente conforme Deus ordenou na lei. E isso esta escrito em LV.23.2-44.
    Afinal de contas eu tenho vários amigos que são adventistas e tenho muita estima por eles. O que na verdade estou afirmando neste comentário, é com base na comparação do shabat dos judeus com o sábado que eles dizem que guardam.
    Que se realmente averiguarmos e se acompanharmos o modo que o povo judeu guarda e repousam o shabat, com o modo e sistema dos adventistas e dos outros sabadistas; veremos que eles não guardam e sim apenas folgam no sábado gregoriano; o sábado do calendário gregoriano que é um calendário pagão e católico que presumivelmente é o sabbatum o sábado do latim litúrgico.
    E por ser o sábado que os adventistas usam como dia de descanso apenas corporal pode denominar de o sábado de folga dos adventistas e dos outros sabadistas. E por eles terem optado pelo sábado gregoriano e rejeitado o shabat do decálogo.
    O sábado gregoriano foi introduzido no calendário eclesiástico, e cujo sábado atualmente se encontra inserido no atual calendário, que todos nós usamos no nosso dia-a-dia na nossa vida social e econômica e cotidiana, ou seja, o calendário gregoriano católico.
    E é justamente o sábado que se encontra neste calendário que eles tanto falam comenta e pregam, e até batem no peito que guardam “os mandamentos de Deus” só porque eles folgam seus corpos socialmente neste suposto sábado do calendário gregoriano.
    E mandamento de Deus não é isso que eles falam por aí. Eles falam tanto em mandamentos de Deus que nem mesmo eles que se dizem portadores da lei de Deus não à guardam como O próprio Deus manda.
    Na verdade quem deu origem no sabbatum litúrgico foi realmente a igreja católica, essa religião criou o sabbatum litúrgico no latim litúrgico, a língua oficial da igreja católica, cuja língua muito usada no passado cujo idioma ainda é usado nas celebrações litúrgicas.
    Pois digo sem medo de errar; esse é o sábado dos adventistas e dos outros sabadistas das outras seitas que professam o sabadismo latino. Eu digo que eles não guardam o shabat da lei, porque o shabat da lei não está no calendário gregoriano, o shabat da lei ou do decálogo, está originalmente no calendário hebraico.
    O shabat é o verdadeiro sábado ordenado por Deus com as cerimônias descritas em LV.23.2-4. E que foi entregue por Moisés diretamente com exclusividade ao povo de Israel.
    Porque nós como leitores da bíblia basta a gente comparar, e se vê que eles desviam desses versículos, de LV.23.2-44. E é justamente nesses versículos onde diz que o sábado do sétimo dia é chamado de cerimônia. Então onde estão as cerimônias que estão vinculadas no sábado, que é mandamentos de Deus,
    Cujos mandamentos vieram de Deus para Moisés escrever no livro de levítico e no livro de êxodos?Estão escritos em vários textos desde o livro de êxodos até ao livro de deuteronômio. Nestes textos bíblicos falam literalmente de cerimonialismo e esses cerimonialismos foram ordenados como mandamentos de Deus ao povo de israel. Esses versículos bíblicos estarei mostrando nos próximos capítulos.
    Atualmente os adventistas dizem que o sábado que eles dizem que guardam, é um mandamento moral. Mas o amigo leitor vai conhecer logo adiante em outros capítulos deste livro; onde estarei provando que o shabat do decálogo não é mandamentos moral.
    A invenção e imitação do sabbatum litúrgico frente ao shabat da lei foram usadas para não distanciar muito dos preceitos bíblicos do velho testamento, cuja artimanha é procedente do catolicismo romano.
    Porém essa imitação ou clonagem foi apenas no nome. O amigo leitor pode até comparar sábado; sabbatum e shabat são vocábulos que aparentemente tem os mesmo significados nos nomes, porém na prática há procedimentos diferentes. Se você estudar o significado de shabat vai descobrir que shabat tem o nome sábado na língua portuguesa.
    Também da mesma forma acontecem com o sabbatum litúrgico católico copiado do shabat com o nome de sabbatum no latim litúrgico católico. O sabbatum foi transliterado para a língua portuguesa também tem o nome “sábado” No entanto se você pesquisar a fundo você vai ver que literalmente na prática o shabat da lei é diferente do sábado do calendário gregoriano.
    O sábado deste calendário é o mesmo sabbatum que veio do calendário eclesiástico da igreja católica. Eu descobri que quando o sabbatum litúrgico foi copiado do shabat do primeiro (antigo) testamento somente foi copiado apenas no nome.
    Esse sábado chamado de sabbatum no latim não tem as cerimônias ordenadas por Deus, como tem no shabat, do decálogo como está escritos em LV. 23.2-4.

    Essas são uma das grandes diferenças salientadas neste livro que era importante o amigo leitor conhecê-la. Outra diferença é o jeito e a maneira do judeu guardar e observar o shabat, a diferença de eles praticarem o sábado chamado de shabat, é porque os israelitas fazem do modo que o Altíssimo Deus mandou no livro de levítico 23.2-44.
    Observa que os atuais sabadistas não guardam o sábado gregoriano como os judeus a observam o shabat. Por quê? Porque eles não receberam de Deus esse sábado gregoriano. Fica demonstrado que o shabat foi dado mesmo como sinal para o povo de Israel com exclusividade.
    Pois de fato o shabat era e é mais uma festa cerimonial comemorada e usada no sétimo dia da semana do calendário hebraico como dia de repouso solene.
    Bem já tenho mostrado as diferenças entre sábado, sabbatum e shabat. E as origens do sabbatum litúrgico e a procedência do atual sábado da língua portuguesa o qual está hoje no calendário gregoriano. E como foi que chegou até nós apenas com o nome de sábado?
    Foi apartir da criação do calendário eclesiástico ou litúrgico devido a tantos trabalhos religiosos e expansões promovidas pela igreja católica dentro do império romano, foi apartir dai que surgiu a criação deste calendário eclesiástico.
    A idéia de ter um tipo de sábado parecido com o shabat dos judeus, foi de incorporar um sabbatum litúrgico. Esse plano acabou pegando força até ser incorporado dentro das liturgias da igreja católica pelos padres, bispos e teólogos da mesma.
    A entrada do sabbatum litúrgico criado pela igreja católica nessa época veio para sufocar e abafar o shabat dos judeus e suas cerimônias, cujas cerimônias são mandamentos de Deus, e essas cerimônias nunca foram separadas do shabat.
    O sabbatum foi inventado dentro do latim litúrgico e introduzido no calendário eclesiástico, e era composto de rezas e jejuns nos sistema católico, não era um dia guardado, o dia inteiro como folga ou descanso corporal oficializado pela igreja católica.
    Eles ao agirem assim acabaram criando um tipo de sábado fora dos padrões bíblicos como era e é o shabat do povo judeu, que vem do tempo, em que a lei era vigente. No entanto a mesma foi cravada na cruz por Cristo, CL.2.14-17.
    No entanto o sabbatum litúrgico nesse tempo (Nos meados do segundo para o terceiro século) estava somente introduzido no calendário eclesiástico católico. O sabbatum do latim litúrgico só veio a ser introduzido no calendário Juliano no concilio de Nicéia no ano 325 dC.
    Quando Flavio Constantino o imperador de Roma se prontificou a realizar o concílio Nicéia,o o papa dessa época era são silvestre I, que era o pontífice da igreja católica. No calendário Juliano não existia a semana de sete dias.
    O que realmente nesse calendário tinha eram as calendas as nonas e os idos que realmente eram as três divisões principais do mesmo.
    Quero salientar que é por esse motivo que escrevi esse livro, para que através dessa obra venha trazer respostas para muitas pessoas que tinham muitas dúvidas a respeito do sábado por causa do proselitismo que os adventistas e os outros sabadistas fazem sobre os menos esclarecidos das igrejas evangélicas.
    O objetivo desta obra também é mostrar a verdade sobre a origem e a procedência do sábado e quem inventou tal sábado que os adventistas usam como dia de folga e descanso e social físico de seus corpos.
    Bem então já foi revelado que a origem do sábado dos adventistas e dos outros sabadistas se origina e se procede do sabbatum litúrgico católico denominado de sábado gregoriano. (inclusive tem um site na internet de um judeu que também chama esse sábado de gregoriano)
    Apartir de agora o amigo leitor verá toda a trajetória do sabbatum litúrgico, e como esse sabbatum passou a ser e se transformou no sábado de hoje não para Por aí. Esse sábado teve seu prosseguimento, para ter conseguido chegar até aos nossos dias, a sua trajetória foi do calendário eclesiástico até introduzido no calendário gregoriano. Vamos começar pelo imperador Constantino; o imperador Constantino, se converteu ao cristianismo católico.
    E pelo motivo desta conversão ele passou a ser um homem cristianizado dentro do catolicismo romano. Ele também fez algumas mudanças no império, como também deu ordem para que se fizessem reforma no calendário Juliano. Já tenho dito até mesmo em outros livros de minha autoria; o calendário Juliano, era composto pelas calendas, pelas nonas e pelos idos.
    Eram as três divisões que tinham nele a qual o povo romano faziam uso. Vê-se então que não tinha a semana de sete dias no calendário Juliano. Nesse tipo estranho de divisão desse calendário romano não existia nem mesmo sabbatum, e muito menos o shabat. Você amigo leitor precisa saber disso: os adventistas costumam dizer que o sábado nunca foi interrompido desde que fora criado.
    Se os adventistas estiverem se referindo ao shabat, certamente não deve ter sofrido nenhuma interrupção durante a sua trajetória até aos dias de hoje. Porém isso se refere ao shabat, e não ao sábado gregoriano.
    No entanto o sábado (o shabat) só veio aparecer entre o povo de Israel, já em plena pós-escravidão lá do outro lado do mar vermelho. É provável que esse silencio ou essa não menção do shabat desde Gênesis até êxodos,16.23. Pode apontar para uma provável interrupção, ou talvez não. Isso não importa.
    Os adventistas não guardam mesmo o shabat dos judeus. Já tenho dito que quem conhece e guardam o shabat é os judeus. E quem conhece como que é o sábado dos adventistas somos nós, pois eles somente descansam no sábado do mesmo calendário que nós usamos que é o calendário gregoriano católico.
    O sábado dos adventistas é conhecido de todos nós por ser um sábado do calendário que todos nós usamos, é paganizado o dono desse calendário é a igreja católica, e não tem também dentro da bíblia nada sobre esse sábado gregoriano. E por que não tem na bíblia no primeiro e nem no segundo testamento? Porque não é o shabat do decálogo. O que tenho dito dá uma certeza de que eles não guardam mesmo o shabat do sétimo dia escrito em, LV,23.2-4.
    Agora voltando ao assunto anterior; se existia ou não um sábado chamado de sabbatum, antes das calendas, nonas e idos no calendário juliano, não temos no momento essas informações. Não há esses dados concretos.
    No entanto é mais certeza que não existia. Pois já tenho argumentado que não existia e nem existiu o shabat do decálogo no calendário juliano, usei neste livro como base e referencias os comentários e estudos de calendaristas que estão nos sites da internet.
    O que realmente passou a existir no calendário juliano foi o sabbatum do latim litúrgico juntamente com os outros dias de feiras litúrgicas e quem o introduziu nesse calendário esse suposto sábado, foi os bispos e padres da igreja católica, sob a tutela do imperador Constantino.
    Primeiramente o imperador Constantino convocou os prelados da igreja católica juntamente com os padres e bispos católicos para a realização de um concílio. O concílio de Nicéia.
    Cujo objetivo; fazer a reforma política e religiosa dentro do império.
    No embalo desse concílio iria ser feita a reforma do calendário juliano. Sob sua ordem introduziram o sabbatum litúrgico no calendário juliano eliminando de vez as calendas, as nonas e os idos. E no lugar das calendas, das nonas e dos idos, foram introduzida a semana de feiras litúrgicas da igreja católica.
    É bom o amigo leitor saber que antes do sabbatum do latim litúrgico ser introduzido pela igreja católica pelo papa silvestre I e sob a ordem do imperador Constantino no concílio de Nicéia, esse sabbatum do latim litúrgico passou primeiro pelo calendário eclesiástico usado pela igreja católica em suas liturgias.
    Ela o usava esse calendário para definir e marcar as datas e os dias de festas e trabalhos litúrgicos. É lógico que se não existia a semana de sete dias, também não existia sabbatum. A liberdade religiosa começou aos poucos quando Constantino decretou o édito de Milão, em 321 dC.
    Nessa época a igreja católica se encontrava no seu auge e crescimento dentro do império romano. Tão logo passou a ser religião oficial do estado romeno. No entanto varias religiões foram surgindo.
    Com isso seria uma ameaça devastadora para o catolicismo romano. Com o incentivo de bispos e o apoio e favorecimento do imperador para a igreja católica e os problemas políticos acontecendo no império, Constantino achou o momento oportuno de se convocar um concílio, e de ser realizado na cidade de Nicéia. E realmente foi concretizado esse evento eclesiástico e político na data marcado a qual ocorreu no ano 325 dC. Volto a repetir:
    Foi realmente nesse concílio que foram tomadas varias decisões religiosas favorecendo a igreja católica e varias decisões políticas favorecendo o governo imperial de Constantino.
    Foi apartir desta reforma que a mudança no calendário Juliano os dias dos meses passaram a ser divididos em semanas de sete dias. Foi apartir daí é que se sabe que o sabbatum litúrgico foi introduzido, juntamente com os outros dias de feiras litúrgicas.
    Anteriormente o sabbatum tinha o nome de sétima-feira, no concílio de Nicéia já veio com o nome de sabbatum Herdado do calendário eclesiástico para o calendário Juliano. O sabbatum do latim litúrgico, dentro do calendário eclesiástico já tinha finalidades litúrgicas.
    É por esse motivo que o sabbatum tem o nome de “litúrgico” Porque o mesmo já era usado nos trabalhos de liturgias católicas. Principalmente as rezas e os jejuns. O sistema de sete dias semanais no calendário juliano, já era oficializado no calendário católico, cujo calendário muito usado para definir datas e dias de eventos liturgicamente comemorativos dentro do sistema católico.
    E que agora no concílio de Nicéia teve não só a aprovação dos bispos participantes, como também foi oficializado pelo papa são silvestre I.
    Mesmo estando ausente, devido a problemas de saúde o papa são silvestre I aprovou o que foi decidido nesse concílio. (Ver os sites na ultima página)
    Os assessores de Constantino participantes do concílio e mais os bispos e teólogos católicos, aprovaram a introdução, da semana de feiras litúrgicas e mais o sabbatum no concílio de Nicéia. A essa altura dos fatos se compreende que o sabbatum litúrgico é uma cópia do shabat do calendário judaico.
    Se o sabbatum litúrgico não tivesse sido revestido das liturgias católicas, e se acaso fossem transferido as mesmas cerimônias da lei e do Pentateuco que estão incorporadas no shabat, com certeza a imitação seria mais parecida com o verdadeiro shabat da lei.
    Porém não foi assim que realmente ocorreu. O que na verdade os bispos católicos fizeram foi apenas copiar do nome shabat, do hebraico fazendo assim, uma transliteração para o latim litúrgico formando desta forma o sabbatum; língua muito usada nas liturgias católicas.
    A finalidade de dessa incorporação da copia do shabat com o nome de sabbatum mais os dias de feiras litúrgicas, foi justamente para se eliminar o paganismo que estava religiosamente bem alicerçado na cultura romana. Ao acompanhar essa trajetória do sabbatum litúrgico, se percebe que o sabbatum não é o shabat do decálogo.
    Devido toda essa deturpação, o shabat continua a ser o verdadeiro sábado da lei. Enquanto que o sábado do calendário gregoriano é simplesmente uma copiam deturpada desfigurada e adulterada e clonada, na qual podemos até usar esse termo; pirateada, ou seja, um sábado pirateado. E por que isso aconteceu?
    Porque os bispos, e os que fizeram essa clonagem sem se quer copiar as cerimônias que acompanham o shabat do decálogo, erraram muito ao agir assim. E quais são as cerimônias? Aquelas ordenadas por Deus em LV,23.2-4.

    O amigo leitor pode ver mais de perto e faça uma comparação como os judeus guardam o shabat composto de cerimônias, e como os adventistas folgam no sábado do calendário gregoriano católico que não tem cerimônias da lei, o que o torna um dia normal e comum e igual aos outros dias.
    Amigo leitor neste livro está escrito muita coisa sobre “o que você precisa saber sobre o sábado dos adventistas” principalmente sobre a diferença entre o shabat da lei e o sábado do calendário usado como descanso corporal pelos adventistas é enorme. E a diferença é esta: os judeus guardam rigorosamente o shabat.
    Enquanto que os adventistas e mais os outros sabadistas de outras seitas simplesmente folgam no sabbatum litúrgico, que realmente é o sábado que está no calendário gregoriano.
    Aí está uma prova contundente que: os adventistas e os outros sabadistas não guardam o shabat, ou seja, eles não guardam o sábado da lei da mesma maneira como o povo de Israel guarda, porque o sábado deles não é o shabat.
    Bem vamos dar seqüência ao assunto da trajetória do sábado do calendário gregoriano, chamado de sabbatum litúrgico. Esse favor de ter um dia chamado de sábado os adventistas devem ao imperador Constantino e também a igreja católica de eles ajudarem na mudança e transferência de um suposto sábado o sabbatum, do calendário eclesiástico católico para o calendário juliano que posteriormente levou o nome de gregoriano.
    Esse foi o caminho do atual sábado que está atualmente no calendário que nós usamos inclusive os adventistas mais os outros sabadistas.
    Amigos leitores quero expressamente aqui deixar bem claro: Os dias da semana que temos atualmente no nosso calendário, entraram no lugar dos dias das calendas, nos dias das nonas, e nos dias dos idos. Vocês leitores já sabem que essas divisões pertencia ao calendário juliano.
    Hoje não temos mais esse tipo de divisão no calendário gregoriano. O que realmente temos são os sete dias da semana chamadas de feiras litúrgicas, que tem no atual calendário na qual foram introduzidos por padres e bispos.
    No entanto quero levantar uma questão: o amigo leitor talvez não saiba, os atuais sabadistas devem um grande favor para o imperador Constantino e para a igreja católica.
    Favor para um imperador romano! Por quê? Porque se não fosse o imperador Constantino e a igreja católica, talvez não existisse o sábado das liturgias católicas no calendário gregoriano hoje. Esse sábado que se encontra hoje introduzido na semana de feiras litúrgicas no calendário gregoriano, não foi sozinho para lá.
    Alguém o colocou. E esse alguém foi o imperador Constantino e a igreja católica no concílio de Nicéia. E é justamente esse sábado, o sábado dos adventistas e dos outros sabadistas.
    O fato de se incorporar o sabbatum litúrgico catolizado no calendário Juliano, foi com certeza, para banir toda a ação pagã no sistema calendarista do povo romano e talvez se opor ao shabat judaico. Na cultura romana existia a semana pagã que era composta de nomes de deuses astros.
    E esses nomes eram: o sol; a lua; marte; mercúrio; júpiter; Vênus e saturno. Segundo a historia os dias dos astros eram adaptados a cada dia da semana. E cada dia da semana astrológica correspondia aos sete dias da fase da lua.
    Essa semana de sete dias, não tinha ainda no calendário juliano. Os especialistas em calendários antigos e os historiadores afirmam que a maneira de como foi mesmo dividido os dias da semana nos calendários antigos, não ficou registrado em nenhum pergaminho ou livro antigo para ser trazer até nós a informação do mesmo.
    Segundo se sabe sobre os registros dos atuais dias organizados no atual calendário, o gregoriano (antigamente calendário Juliano) tem sua procedência na igreja católica do segundo século pra cá. O que provavelmente foi usado o sistema do calendário judaico.

    Tudo o que se encontra a respeito das divisões dos dias da semana no calendário Juliano, continuou posteriormente o nome de gregoriano após a reforma deste em 1582 pelo então papa Gregório XIII.
    As informações ajuntadas para argumentar e comentar neste livro conseguí fazendo pesquisas em livros dos sites e blogs da internet, para a fim de trazer informações verídicas para os amados leitores e tirar as dúvidas sobre o sábado que muitos têm por esse Brasil a fora.
    Pois de fato os sites que pesquisei são de grande credibilidade, se acaso as afirmações descritas nos meus livros que trata sobre o sábado forem falsas, então as informações nesses sites é que seriam falsas. Na verdade são esses sites é que estariam faltando com a verdade e não eu.
    Cujos sites se encontram no final das páginas deste livro. O que foi informado neste livro em especial neste capítulo: o que você precisa saber sobre o sábado dos adventistas.
    O título que escolhi foi realmente para trazer informações uteis especialmente para os menos esclarecidos, que acabam caindo nas garras dos adventistas e de outros sabadistas, que muitas vezes vem fazendo proselitismo entre os evangélicos sobre o sábado.
    Porém quando pregam sobre o sábado gregoriano, eles nunca falam que é o sábado gregoriano, eles procuram citar êxodos 20 mostrando que o sábado tem nos dez mandamentos. Como muitas pessoas não sabem qual é o sábado da lei, acabam sendo enganados. Porque na verdade o sábado da lei e todos os sábados que é falado em toda a bíblia sempre se referem com exclusividade sobre o shabat.
    No entanto os adventistas não guardam o shabat da lei. Como de fato acontecem assim. fiz por donde escrever esse livro trazendo alume esses esclarecimentos de que o sábado dos adventistas não é o sábado da lei o shabat, e sim o sabbatum litúrgico do calendário gregoriano.
    Não deixe de pesquisar esses sites, cujos sites serviram de fonte de inspiração para mim escrever vários livros sobre o sábado.

    http://WWW.searadaciencia.ufc.br

    http://WWW.calendario.cnt.br/cal_romano03
    http://www.calendario.cnt.br/cal_romanos05.htm

    http://WWW..portalsaofrancisco.com.br
    http://www.ahistoriadaigreja.org/site/page21.aspx
    riksaint.spaces.live.com/blog/cns
    mundoestranho.abril.com.br/cotidiano/pergunta_287767.shtml
    conhecimentoantigo.wordpress.com/
    http://www..raizesportugal.com.br/cgomes/natal.htm
    virtaliaomanifesto.blogspot.com/…os-dias-da-semana.html
    http://www.alage.orge/b19.dc
    br.geocites.com/…/asorigenspagasdonossocalendario.htm
    http://www.uranometria.pro.br/…portugues.htm
    http://www..desenredo.com.br http://www.desenredo.com.br/…/calendario%20II.htm-
    http://www.calendariodapaz.com.br/
    http://www..calendariocnt.br/intro_calendaro1.htm
    http://www.calendario.cnt.br/cal_romanos05.htm
    http://www.htmlstaff.org/
    jeoacaz.wordpress.com/category/datas/
    jeoacaz.wordpress.com/2009/02/25/
    jeoacaz.wordpress.com/2009/osdias-da-semana/
    pt.wikipedia.org/wikicalendario_romano-
    pt.wikipedia.org/wiki/
    pt.wikipedia.org/wiki/férias
    http://www.calendario.cnt.br/
    profzanon.blogspot.com/
    http://sites.uol.com.br/agnus.dei.2002/1niceiao.
    Argavivo.com/arqueo/…/martin-debraga.htm
    http://Www.veritatis.com.br/

    Se querer me responder sobre o assunto esse é o meu email:antoniojoseribeiront25@gmail.com

  6. Paz a bíblia nos ensina a não sermos religiosos demais o que mata o crente e ele viver placa de igreja pois em I coríntios: 1:10 que temos que andar em uma mesma coisa pois JESUS e um só não temos direito de julgar nem a nós mesmos quanto mais os outros o que se vê hoje na mídia é igreja contra igreja escandalizando a palavra de DEUS se todos nós estivermos unidos o diabo não estaria prevalecendo na vida de muitos crentes. em João 8:32 temos que conhecer a verdade e ela nos libertara. o único caminho e JESUS em João 14:6. Quando JESUS fala que ele e o SENHOR do sábado ou outro dia importante que o SENHOR é maior que tudo. leia Lucas 13:10 a 17 fica na paz

  7. Guardo o sabado, na expressao exata da palavra, como judeu que sou e praticante da Torah e conhecedor do Novo Testamento. Sinceramente nao vejo motivo nenhum para qualquer cristao guardar Sabado. Bastando olhar a dois fatos 1) Ressureicao de Yeshua e 2) Pentecostes. Olhe a equacao; penta = 5 e s/multiplos, lgo 50 dias apos a Festa da Colheita. 7 sabados sao 49 dias.
    quinqugesimo dia, o dia 50 foi Pentecostes. Joel cap 2 At 2 narra e conta do cumprimento. Teria que sue ser o proximo dia para completar os 50. pois 7X7 49 + 1 = 50, o Primeiro dia da Semana que veio a receber o nome nao do deus pagao alusivo a sol. Visto que em algumas culturas o nome relaciona-se a AD > Domini – do Senhor.(nao somente quer dizer Ano Domini, dia tambem) .
    Nao vejo, como ja disse, razao para quem se dia cristao(se bem que na minha pobre otica Adventista nao tem muito com cristao. Whitianismo…sim)
    Os amo e espero que estas coisas nao embacem ainda mais a visao espiritual. Deixem os judeus com seus dias, epocas e festas dado que o veu ainda nao foi rasgado para muitos.

    Eli Cohen

  8. Quando aparece alguém que pensa que sabe alguma coisa mais não sabe de nada, falando a respeito do sábado dos dez mandamentos, eu sempre gosto de citar: Romanos cap.7 ver.8: “Mais o pecado, tomando ocasião pelo mandamento, despertou em mim toda a sorte de concupiscência; porque, sem lei, está morto o pecado.” – Se realmente os dez mandamentos foram abolidos, então o apostolo Paulo tem algum problema de dupla personalidade por que ele mesmo diz que “sem lei está morto o pecado.” se ainda existe pecado, ainda ainda existe uma lei nesse mundo e com certeza são os dez mandamentos que Cristo não aboliu como muitos acham por ai. A lei não salva ninguém, mais ela te mostra que você está condenado e você pede ajuda para quem? para o único mediador entre Deus e os homens Jesus Cristo -1Timóteo cap.2 ver.5, com isso encerro esse comentário com Romanos cap.2 ver.20 mostrando pra você caro leitor qual é o papel da lei no plano de salvação do ser humano: “visto que ninguém será justificado diante dele por obras da lei, EM RAZÃO DE QUE PELA LEI VEM O PLENO CONHECIMENTO DO PECADO.” – Boa sorte e que Deus abençoe a todos aqueles que obedecem aos seus mandamentos com amor!

  9. não sou adventista , mais sem ler , e sei que quando eu vejo dia do senhor escrito na bíblia eu sei que esta se referindo ao ( sábado ) e quando eu leio primeiro dia da semana ou primeiro dia da semana após o sábado estar se referindo ( domingo) porem alguns pastores formados com curso por correspondência com inveja dos católicos ou que trouxeram os costumes católicos estão agora dizendo que em apocalipse 1-10 estar se referindo ao domingo , não sei se é pra rir ou pra chorar , pois se uma pessoa gasta anos e anos fazendo teologia como uma pessoa dessa tem a coragem de entrar em uma igreja e pregar que o dia do senhor na bíblia se refere ao domingo , qualquer 1 que saiba ler vai ver ( DIA DO SENHOR ) E ( PRIMEIRO DIA DA SEMANA – DOMINGO) veja um dos motivos que esses pastores dizem o porque de guardar o domingo pois joão foi arrebatado no domingo , apocalipse 1-10 Eu fui arrebatado no Espírito no dia do Senhor, e ouvi detrás de mim uma grande voz, como de trombeta . como eu mesmo disse eu não sou adventista e nem frequento igreja que apoia o sábado , mais se for para mim seguir uma doutrina guiada por um cego que quer enfiar na minha cabeça que dia do senhor na bíblia se refere ao domingo , desculpem mais prefiro ficar em casa e pegar meu 10% e comprar em comida e doar aos pobres e necessitados .eu duvido que alguém ou algum pastor que tenha provas de que o dia do senhor na bíblia é domingo .

  10. Para os que dizem que Jesus aboliu toda a lei(os 10 mandamentos) porque então esses irmãos que dizem isso ,não roubam,não matam,não adulteram,não adoram a outros deuses etc;porque apenas fazem ou criam tantas polémicas sobre o sábado,se a lei foi abolida então não existe pecado! porque a biblia diz que pecado é a transgreção da lei, que lei?se vocês dizem que foi abolida, Quem estar debaixo da graça de Deus? quem obedece ou o desobediente?pensem nisto,e passem a guardar o sábado como mandamento de Deus.

  11. Caro Erismar Oliveira Silva, preliminarmente devo te dizer que a condição que tu colocas para obedecer a Deus é completamente equivocada. Insistes em dizer que não é preciso guardar o Santo Sábado, pois, o seu comentário é sem lógica e sem fundamentos: Sua insistência (desconsiderando, inclusive, as respostas bíblicas, cabe algumas observações:
    1) Respondemos com duas outras perguntas: ONDE ESTÁ ESCRITO NOS EVANGELHO QUE JESUS ORDENOU DEVOLVER OS DÍZIMOS E OFERTAS? ONDE ESTÁ ESCRITO NOS EVANGELHOS QUE JESUS ORDENOU NÃO TOMAR BEBIDAS ALCOOLICAS? Não existe, não é? E por que Jesus não tratou destes assuntos não devemos devolver os nossos dízimos e ofertas? Uma vez que Jesus não tratou sobre bebidas alcoolicas devemos então nos embriagar? Hás tantos outros temas que Jesus durante Seu ministério terrestre não tratou, mas que nós observamos. Por quê? Porque levamos em consideração o testemunho do restante das Escrituras que nos orientam nesse sentido, cujo autor é o próprio Jesus. Percebo que essa sua pergunta irrazoável é na verdade, um pretexto para não obedecer a Deus.
    2) Olha que verso significativo: “Se guardardes os Meus mandamentos, permanecereis no Meu amor; do mesmo modo que Eu tenho guardado os mandamentos de Meu Pai, e permaneço no Seu amor” (João 15:10). Notou? Jesus é nosso modelo! Ele nos ensinou não somente por palavras, mas também pelo exemplo. Ele guardou os mandamentos de Deus! E o “sábado” está na Lei de Deus. É o 4º Mandamento.
    Será que o amigo, lê com atenção o Novo Testamento? Pois nele, tanto Cristo como os apóstolos nos são apresentadas em várias ocasiões pregando ou adorando aos sábados, como se esse procedimento fosse a coisa mais natural. Em Luc. 4:16 e 31, lemos: “E, chegando a Nazaré, onde fora criado, entrou num dia de sábado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler”. E desceu a Cafarnaum, cidade da Galileia, e os ensinava nos sábados”.
    Note que Cristo foi à casa de culto. Diz o texto que o fez “segundo o Seu costume”. Quer dizer que sempre ia ao culto no sábado. O que fez lá dentro foi puramente ato de culto. Leitura e exposição da Palavra de Deus. Cristo usualmente ensinava nos sábados.Não foi com objetivo de agradar os judeus, porque os desagradou bastante a ponto de ser expulso da sinagoga e da cidade. Quiseram atirá-Lo ao precipício.
    Quanto as curas que Jesus realizavam no sábado e a passagem de Marcos 2:27 e Mateus 12, cabe aqui algumas observações:
    1) Citar estes textos bíblicos com a inglória tentativa de provar que Cristo é Senhor do sábado para mudá-lo, alterá-lo, suprimi-lo, enfim, é uma deturpação teológica! Diríamos de início que, sendo o sábado um mandamento da lei de Deus, se Cristo o transgredisse de qualquer maneira Se tornaria um pecador, pois a Bíblia define pecado como a transgressão da lei (1 Jo 3:4), e nessa condição não poderia ser nosso Salvador!
    2) Mas vamos ao seu raciocínio errôneo. Jesus declarou-Se Senhor do sábado! Solene e importantíssima declaração! Frise-se bem que Ele é Senhor do sábado e não do domingo, embora a cristandade apostatada averbe este dia como o “dia do Senhor.” Cristo, porém, reafirmou Sua soberania sobre o sábado. É o Autor do sétimo dia, consagrado ao repouso e, nessa qualidade, sabe o que é lícito ou não fazer nele. Os fariseus que censuraram os discípulos por apanharem espigas, foram além dos reclamos divinos, “além do que está escrito.”
    Punham restrições descabidas à guarda do sábado. E Jesus, para mostrar-lhes Sua autoridade, apresenta-Se como Autor do sábado. Nada há de derrogatório na declaração do Mestre. Ao contrário, reafirma o valor e a vigência do sábado, escoimado, no entanto, das aderências talmúdicas.
    BROADUS, renomado comentarista batista, tratando deste texto, assim conclui: “Mas o sábado permanece ainda, pois que existia antes de Israel, e era desde a criação um dia designado por Deus para ser santificado (Gên. 2:3) …” (John A. Broadus, Comentário de Mateus, Vol. 1, pág. 345.)
    Cristo jamais combateu o sábado, mas apenas a maneira de guardá-lo, a estreiteza dos fariseus. O motivo é simples, caro irmão: os judeus sobrecarregaram a religião de então.
    A dificuldade entre Jesus e os mestres de Israel ocorria por que o sábado havia perdido o brilho, o gozo, a alegria. Os anciãos haviam colocado um peso enorme nesse dia. As pessoas não conseguiam ver o Criador. Eles não descansavam.
    Não podiam cuspir, para não regar a terra. Não podiam usar um lenço, para não carregar peso. Não podiam andar mais que 1.000 passos – quem morava até 500 da sinagoga, ia e voltava para casa; quem morava 600, ia, mas só voltava 400 (parava e aguardava o pôr-do-sol). Tiravam uma ovelha que caísse no buraco, mas não estendiam a mão para ajudar uma pessoa.
    Bem, a lista é grande de “nãos” e “pesos”. Só que isso não provinha de Deus. O objetivo do sábado era que toda a humanidade pudesse ser beneficiada. Por isso, Jesus forçou o raciocínio deles, em Marcos 2:27, dizendo que “o sábado foi feito por causa do homem, e não o homem por causa do sábado”. E isso não significa que Ele desqualificou, ignorou ou aboliu o sábado, mas apenas o colocou na perspectiva correta. Deus não tinha um sábado e, por isso, fez um homem para observá-lo. Não! O homem foi feito primeiro! O sábado não era “contra” o homem, mas a favor do homem. Deus não deixou de ser amoroso no sábado. Deus não deixou de nos exigir que fôssemos amorosos também no sábado.
    Para os mestres de Israel, o sábado, aos olhos de Deus, era mais importante que o próprio homem. Mas esse era um conceito deles, e não de Jesus. E, então, arremata: “O Filho do homem até do sábado é Senhor”.
    Diante deles estava o Legislador – Aquele que criara o homem e o sábado. Ele tinha o direito de decidir o que era apropriado para esse dia. O Legislador esteve entre nós para, entre outras coisas, colocar as ordenanças divinas na perspectiva correta. 3) Finalmente pense seriamente nesta repreensão de Jesus: “E por que me chamais, Senhor, Senhor, e não fazeis o que eu digo?” (Lucas 6:46). Obedecer é melhor, amigo. Ele nos diz: “Lembra-te do dia do sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra.
    Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus; não farás nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro, que está dentro das tuas portas. Porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou; portanto abençoou o Senhor o dia do sábado, e o santificou”. Êxodo 20:8-11. Se você ler a Bíblia de Gênesis a Apocalipse sem preconceito e desprovido de ideias pré-concebidas, verás que ela fala do sábado como dia de guarda e de adoração. Verás que em lugar algum o faz tombar.

  12. Falam da Lei como se ela fosse ruim. Alguém pode me explicar o que aconteceu com o resto dos 10 mandamentos de Deus. Se a Lei foi abolida o que aconteceu com o primeiro mandamento que diz: não terás outris deuses além de mim. E o que aconteceu com o quarto mandamento de Deus que diz: Não farás para ti nenhum ídolo, nenhuma imagem de qualquer coisa no céu, na terra, ou nas águas debaixo da terra. E o que aconteceu com o terceiro mandamento que diz: Não tomarás em vão o nome do Senhor, o teu Deus, pois o Senhor não deixará impune quem tomar o seu nome em vão. E o que aconteceu com os demais mandamentos? Esses mandamentos foram abolidos porque faziam parte da Lei e não servem mais para hoje porque fomos justificados em Cristo?? Então os 10 mandamentos de Deus foram renovados em Cristo? Mas Cristo não guardou os mandamentos da Lei de Deus? Se somos imitadores de Cristo pq não guardamos mais is 10 mandamentos de Deus? Não é a Lei espiritual e eu que não sou espiritual, e se faço o que não desejo, admito que a Lei é boa?? No íntimo do meu ser tenho prazer na lei de Deus? Não é a Lei do Espírito de vida que me libertou da lei do pecado e da morte, não é a Lei de Deus espiritual?? Enfim Cristo me libertou da escravidão então agora sou livre da Lei então logo posso pecar porque Cristo já me salvou??? O que é pecado pra vcs? Pecado não seria a transgressão da Lei de Deus? Vcs acham que Cristo iria aboliar os próprios mandamentos de seu pai?? O que diz Apocalipse 12:17: O dragão irou-se contra a mulher e saiu para guerrear contra o restante da sua descendência os que obedecem os mandamentos de Deus e se mantêm fiéis os testemunho de Jesus. Quais são esses mandamentos de Deus os 10 ou os resumidos? Se Jesus ressuscitou no domingo logo o dia de guarda agora é o domingo. Me digam o capítulo e o versículo onde está na bíblia que devemos guardar o domingo como dia santo. Não seria o sábado dos 10 mandamentos de Deus que esta em Êxodo 20: 8-11 onde Deus fala que o abençoou o sétimo dia e o santificou???

  13. Muitos que se dizem pregadores da palavra de Deus andam ensinando preceitos de homens e teorias de seus fundadores,sem nenhum fundamento bíblico. É comum muitos pastores da Assembléia de Deus e outra denominações pregarem que Jesus aboliu a Lei de Deus,e que o sábado também foi cravado na cruz. E o dízimo será que também não foi cravado na cruz? Pois a origem dele vem da lei. Se Jesus aboliu a lei,então os principais mandamentos de amor a Deus e ao próximo também foram abolidos,pois eles estão escritos na lei e no Velho Testamento. Qual era a bíblia de Jesus? Era o Velho Testamento.Qual era a bíblia do apóstolo Paulo? Também era o Velho Testamento. O Novo Testamento não havia sido escrito quando Paulo afirma que toda a Escritura é inspirada por Deus,e apta para o ensino e correção. A base dos mandamentos da Lei de Deus estão no Velho Testamento e aquilo que está escrito no Novo Testamento é apenas uma repetição do que já está escrito. O próprio Jesus afirma que não veio abolir a Lei ,mas sim cumprir.Jesus também ensina a guardar os dez mandamentos. Certo jovem pergunta para Cristo:Bom Mestre,que farei para herdar a vida eterna? Jesus responde:Guarda os mandamentos.Replicou o homem:Quais? Respondeu Jesus:Não matarás;não adulterarás,não furtarás;não dirás falso testemunho;honra teu pai e tua mãe.Note que Cristo citou apenas cinco dos dez mandamentos,e isso não quer dizer que os outros cinco foram abolidos por Ele.Davi disse:Senhor,guardei a tua palavra no meu coração para não pecar contra ti. A palavra de Deus nunca será velha.A bíblia completa contém o Velho e o novo Testamentos.É errado alguém afirmar:Eu vivo apenas o Novo Testamento.Todo cristão deve viver a palavra de Deus de gênesis a apocalipse.

  14. Muitos que se dizem pregadores da palavra de Deus andam ensinando preceitos de homens e teorias de seus fundadores,sem nenhum fundamento bíblico. É comum muitos pastores da Assembléia de Deus e outras denominações pregarem que Jesus aboliu a Lei de Deus,e que o sábado também foi cravado na cruz. E o dízimo será que também não foi cravado na cruz? Pois a origem dele vem da lei. Se Jesus aboliu a lei,então os principais mandamentos de amor a Deus e ao próximo também foram abolidos,pois eles estão escritos na lei e no Velho Testamento. Qual era a bíblia de Jesus? Era o Velho Testamento.Qual era a bíblia do apóstolo Paulo? Também era o Velho Testamento. O Novo Testamento não havia sido escrito quando Paulo afirma que toda a Escritura é inspirada por Deus,e apta para o ensino e correção. A base dos mandamentos da Lei de Deus estão no Velho Testamento e aquilo que está escrito no Novo Testamento é apenas uma repetição do que já está escrito. O próprio Jesus afirma que não veio abolir a Lei ,mas sim cumprir.Jesus também ensina a guardar os dez mandamentos. Certo jovem pergunta para Cristo:Bom Mestre,que farei para herdar a vida eterna? Jesus responde:Guarda os mandamentos.Replicou o homem:Quais? Respondeu Jesus:Não matarás;não adulterarás,não furtarás;não dirás falso testemunho;honra teu pai e tua mãe.Note que Cristo citou apenas cinco dos dez mandamentos,e isso não quer dizer que os outros cinco foram abolidos por Ele.Davi disse:Senhor,guardei a tua palavra no meu coração para não pecar contra ti. A palavra de Deus nunca será velha.A bíblia completa contém o Velho e o novo Testamentos.É errado alguém afirmar:Eu vivo apenas o Novo Testamento.Todo cristão deve viver a palavra de Deus de gênesis a apocalipse.

  15. Queridos irmãos Deus leva em consideração o tempo de ignorancia e só voces estudarem sobre o imperador constantino que ele ja mudou o quarto mandamento e ja introduziu o paganismo junto a igreja crista porisso adoram a DEUS e ao mesmo tempo adoram a imagens de santos, agora so falta o lider da igreja paga decretar o domingo oficialmente como sendo um unico dia santo, mudando a lei de Deus olhe o catecismo da igreja catolica. E leia apocalipse 14 : v 12 apocalipse 22 v 18 a 20 e veja de que lado vai ficar de Deus Ou da besta? o quarto mandamentn é o unico sinal entre o seu povo e Deus Para o final dos tempos.

  16. AS SETE VERDADES BÍBLICAS SOBRE O SÉTIMO DIA.

    A maioria cristã faz uma tremenda confusão a respeito de sábados e domingos. Os cristãos, em minoria, julgam corretamente que o Criador, que nunca muda, jamais aceitaria que uma só de suas leis fundidas nas Rochas Sagradas pudesse ser “lixada” pelos homens, portanto, creem firmemente que o Sábado é o Dia do Senhor. Outra parte considerável crê que Jesus teria revogado todas as dez leis a favor da religião da graça e da liberdade. Uma terceira parte, bem maior, prefere crer que pela ressurreição de Jesus ele teria revogado o Quarto Mandamento a favor do domingo, permanecendo, então, como válidos, os demais mandamentos (nove).

    ONDE ESTÁ, ENTÃO, DE FATO E DE DIREITO, A VERDADE BÍBLICA? Ora, vamos colocá-la aqui, resumidamente, mas de modo tão legítimo, tão cristalino e conclusivo que não dará chance alguma a qualquer refutação, sem se ingressar no farisaísmo religioso (o que é pior do que não ser cristão).

    Vamos às Sete Verdades que não têm como ser desmentidas, pois Está Escrito. Primeiramente é óbvio e muitíssimo fácil concluir que o Sábado é para sempre, apenas lembrando que a Palavra de Deus permanece eternamente. Quem fugir dessa Verdade, ingressa no farisaísmo:

    “Seca-se a erva, e cai a flor, soprando nela o Espírito do Senhor. Na verdade o povo é erva. Seca-se a erva, e cai a flor, porém a palavra de nosso Deus subsiste eternamente”. Isaías 40:7.

    “Porque toda a carne é como a erva, e toda a glória do homem como a flor da erva. Secou-se a erva, e caiu a sua flor, mas a palavra do Senhor permanece para sempre. E esta é a palavra que entre vós foi evangelizada”. I Pedro 1:24.

    Então, vamos às Dez provas só refutáveis para aqueles que tentam, de todas as maneiras, fugir da VERDADE BÍBLICA DO SÉTIMO DIA:

    1) O Mandamento do Sétimo Dia foi instituído na Criação do mundo (Gênesis 2:3), não para o próprio Criador, pois em sua perfeição jamais criaria um Mandamento para si próprio, não tem como e, como Espírito Perfeito jamais se cansa, então o Mandamento do sábado foi criado para o homem, pois ele, sim, necessita de um dia de descanso na semana. O próprio Jesus legitimou isso no Evangelho ao reger:

    “O sábado foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do sábado; de sorte que o Filho do homem é, também, o Senhor do sábado”. Jesus Cristo, em Marcos 2:28. Se o Filho de Deus afirmou que o sábado foi criado para o homem, então o sábado foi criado para a Humanidade, assim como os castigos promulgados contra Adão e Eva foram, também, dirigidos à Humanidade.

    Quanto a ser o Senhor do sábado, Jesus também afirmou que é maior que o Templo (Mateus 12:6, maior que Abraão (João 8:57), maior que Jonas (Lucas 11:32), maior que Salomão (Mateus 12:42) e mais importante que Jacó, sem desmerecer qualquer um deles, portanto, também não desmereceu o santo sábado, pois é o Senhor de Tudo, pois está Escrito que Deus lhe deu toda a autoridade sobre tudo o que existe:

    “Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra”. Jesus, em Mateus 28:18,

    2) A maioria evangélica, católicos e ortodoxos julgam, temerariamente, que a Ressurreição de Jesus teria anulado, teria riscado das Rochas de Deus o Mandamento do Sétimo Dia, dando lugar ao primeiro dia da semana, o tal domingo, mas isso é absolutamente impossível, pois não há uma só linha no Evangelho que autorize tal mudança, mesmo porque Está Escrito que Deus Nunca Muda em suas Promulgações à Humanidade:

    “Seca-se a erva, e cai a flor, soprando nela o Espírito do Senhor. Na verdade o povo é erva. Seca-se a erva, e cai a flor, porém a palavra de nosso Deus subsiste eternamente”. Isaías 40:7.

    “Porque toda a carne é como a erva, e toda a glória do homem como a flor da erva. Secou-se a erva, e caiu a sua flor, mas a palavra do Senhor permanece para sempre. E esta é a palavra que entre vós foi evangelizada”. I Pedro 1:24.

    Então, segundo as Escrituras, o sábado é para sempre, e se teria havido mudança a respeito, essa foi criada pelo homem e nunca por Deus. Quanto a isso, num descuido, o clero católico confessa, por escrito, o seu gravíssimo erro ao atentar violentamente contra o Sétimo Dia.:

    “A Igreja de Deus, porém, achou conveniente transferir para o domingo a solene celebração do sábado”. Catecismo católico, Edição2, Editora Vozes, Petrópolis, RJ. 1962.

    3) Uma parte dos cristãos julga que Jesus acabou com as leis a favor da graça e da liberdade, mas Jesus fez tudo exatamente ao contrário, pois legitimou TODAS as leis do Decálogo em sua primeira pregação à Humanidade, no Sermão do Monte e ainda amentou o grau de observação em algumas das 10 leis (Mateus, 5:21 a 32.

    “Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til jamais passará da lei sem que tudo seja cumprido”. Jesus, em Mateus 5:17 a 37. Está Escrito que tudo será cumprido na Consumação dos Séculos, no Grande Dia de Jesus, quando os Portais do Reino de Deus serão abertos aos mortais de Jesus, antes fechados desde Adão e Eva (João 14:1 a 3, como também em 1 Tessalonicenses 4:13 a 17).

    Se Jesus Cristo afirmou que das leis de Deus Pai nem mesmo um simples til se poderá retirar, é absolutamente impossível atentar contra a lei do sábado, pois o Quarto Mandamento contém 80 palavras ou 433 caracteres. E assim, pelo menos até o Grande dia da Volta de Jesus, o sábado é para sempre!

    4) A ampla maioria cristã alega que em sua vida pública Jesus teria violado os sábados ao trabalhar nesse dia, mas quem o acusou de violar os sábados foram os fariseus, os filhos do diabo, assim como Jesus Cristo os nomeou em João 8:44. A respeito dessa acusação dos filhos de Satanás, vamos ver que Jesus respondeu a eles que apenas APARENTAVA que ele desrespeitava os santos sábados:

    “Se o homem recebe a circuncisão no sábado, para que a lei de Moisés não seja quebrantada, indignais-vos contra mim, porque no sábado curei de todo um homem? Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça”. Jesus, em João 7:23 a 24

    “E, tomando a palavra o príncipe da sinagoga (filho do diabo acusador), indignado porque Jesus curava no sábado, disse à multidão: Seis dias há em que é mister trabalhar; nestes, pois, vinde para serdes curados, e não no dia de sábado. Respondeu-lhe, porém, o Senhor, e disse: Hipócrita, no sábado não desprende da manjedoura cada um de vós o seu boi, ou jumento, e não o leva a beber? E não convinha soltar desta prisão, no dia de sábado, esta filha de Abraão, a qual há dezoito anos Satanás tinha presa?”. Lucas 13:14-16, Jesus revela que o amor de caridade tem preponderância sobre qualquer lei (1 Coríntios 13:13)..

    “E, estava ali um homem que tinha uma das mãos mirrada; e eles (os fariseus do diabo), para o acusarem, o interrogaram, dizendo: É lícito curar nos sábados? E ele lhes disse: Qual dentre vós será o homem que tendo uma ovelha, se num sábado ela cair numa cova, não lançará mão dela, e a levantará? Pois, quanto mais vale um homem do que uma ovelha? É, por consequência, lícito fazer bem nos sábados. Então disse àquele homem: Estende a tua mão. E ele a estendeu, e ficou sã como a outra. E os fariseus, tendo saído, formaram conselho contra ele, para o matarem”. Mateus 12:10-14.

    “E os escribas e fariseus (filhos do diabo) observavam-no, se curaria no sábado, para acharem de que o acusar. Mas ele (Jesus) bem conhecia os seus pensamentos; e disse ao homem que tinha a mão mirrada: Levanta-te, e fica em pé no meio. E, levantando-se ele, ficou em pé. Então Jesus lhes disse: Uma coisa vos hei de perguntar: É lícito nos sábados fazer bem, ou fazer mal? salvar a vida, ou matar? E, olhando para todos em redor, disse ao homem: Estende a tua mão. E ele assim o fez, e a mão lhe foi restituída sã como a outra. E ficaram cheios de furor, e uns com os outros conferenciavam sobre o que fariam a Jesus”. Lucas 6:7-11.

    “E dizia-lhes Jesus: Invalidais o Mandamento de Deus para guardardes a vossa tradição”. Jesus, em Marcos 7:9

    5) O sábado é o ÙNICO Mandamento chamado por Deus de Santo e Bendito e o Único estabelecido como UM SINAL entre ele e a Humanidade: “Santificai os meus sábados, pois servirão de sinal entre mim e vós, para que saibais que eu sou o SENHOR, vosso Deus”. Ezequiel 20:20.

    Ora, se o sábado foi estabelecido por Deus como UM SINAL entre ele e a Humanidade, de modo algum jamais sairá dessa condição divina. Quanto aos que julgam que esse Sinal foi dado apenas aos israelitas, então, nesse caso, nós não podemos nos servir de nenhum livro do Velho Testamento, nem dos Salmos, etc. e nem mesmo de Malaquias, muito usado para legitimar os dízimos. É ou não é? Dois pesos e duas medidas não vale! Além disso, abaixo, no capítulo 7, Está Escrito que nós somos os legítimos herdeiros dos israelitas e que Jesus, de todos nós, fez UM SÓ POVO.

    6) Dizem os sábios que um bom exemplo vale mais que mil palavras. É ou não é? É claro que é! então, vamos ver os vários exemplos de Jesus e de sua Igreja Primitiva santificando os sábados (que valem mais que milhões de palavras) até mesmo décadas após a Ressurreição? Essa parte ANULA completamente as pretensões dos que defendem erradamente o domingo “substituindo” o Sábado Santo, solene e Abençoado do Senhor:

    “E, chegando a Nazaré, onde fora criado, (Jesus) entrou num dia de sábado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler”. Lucas 4:16. Jesus, nos concedendo o exemplo, pois segundo o Mandamento e a Tradição israelita, guardou o sábado por toda a sua vida.

    Antes da ressurreição de Jesus, os cristãos faziam do sábado um dia de louvor:

    “O sábado ia começar. Ora, as mulheres que tinham ido da Galiléia com Jesus, indo, observaram o sepulcro onde fora colocado o corpo de Jesus. Voltando, prepararam aromas e bálsamos. No sábado, observaram o repouso, segundo a Lei”. Lucas 23:55 – 56. A Igreja de Jesus, nos concedendo o exemplo.

    Então, Jesus ensinou a sua Igreja a ser também legalista! Vejamos a Igreja Cristã aos tempos de Paulo, décadas depois da ressurreição de Jesus os cristãos de Paulo fazendo do sábado um dia de culto e louvor:

    “No dia de sábado, saímos fora da porta, junto ao rio, onde julgávamos haver um lugar de oração; e, assentando-nos, falamos às mulheres que para ali tinham concorrido”. Atos dos Apóstolos 16:13.
    Esse preceito revela, com toda clareza, de modo irrefutável, um culto de louvor aos sábados pelos cristãos. As mulheres cristãs sempre trabalhavam, só não aos sábados. Então, segundo o preceito acima, estavam em dia de descanso, santificando os sábados assim como os homens! Mas fariseus de quase todas as denominações, também católicos e ortodoxos alegam que a Igreja de Jesus santificava o tal domingo. É possível uma tolice dessas, depois dessas revelações?

    “No sábado seguinte, concorreu quase toda a cidade para ouvir a palavra de Deus, mas os judeus, vendo aquela concorrência, encheram-se de inveja…”. Atos 13:41 – 44.
    Se os judeus encheram-se de inveja não se tratava de uma reunião judia aos sábados, mas sim um culto cristão que reuniu quase toda a cidade para louvar no sábado. Isso não poder ser negado!

    “E todo o sábado, ensinava na sinagoga, persuadindo tanto judeus como gregos”. Atos 18:4.
    Os defensores do domingo, inventado, argumentam, falsamente, que Paulo comparecia às sinagogas dos judeus aos sábados, porque era nesse dia que podia encontrá-los, mas não é o caso aqui, pois, pela sua tradição, os judeus jamais aceitariam que gentios pagãos – no caso presente os gregos – participassem de cerimônias em seus templos, em simples reuniões e nem mesmo jamais aceitariam permanecer com eles ou com outros pagãos no mesmo ambiente. Sabemos que o santo em vida Paulo não ensinava somente aos judeus, mas principalmente aos demais pagãos. Quanto a isso, se os primeiros cristãos guardavam o sábado mesmo após a ressurreição de Jesus, só isso prova a Grande Mentira do tal domingo, um feito gigantesco de Satanás, segundo o Apocalipse 13:7.

    Em Atos dos Apóstolos, conforme a tradição dos apóstolos de santificarem os sábados, um preceito é usado como referência ao Quarto dos Mandamentos:

    “Então voltaram para Jerusalém, do monte chamado Olival, que dista daquela cidade tanto como a uma jornada de sábado…”. Atos 1:12. Ora, ao se referirem a uma jornada de sábado como exemplo pelos apóstolos de Jesus, é certo que se tratava de um preceito em uso.

    “Orai para que vossa fuga não se dê no inverno, nem no sábado”.
    Jesus Cristo, em Mateus 24:20, ressalta, novamente, a grande importância do sábado (nem no inverno que é muito frio, o que dificultaria a fuga dos inimigos romanos (na terrível carnificina, no massacre contra os judeus nos anos 70, no episódio Masada), nem nos sábados porque é o Dia Santo de Deus, consagrado para descanso e louvor.

    7) Os cristãos, em parte, alegam, altamente equivocados, que o Decálogo do Monte Sinai, no qual o sábado está intrínseco, teria sido dado apenas aos israelitas, e não a nós do Evangelho, por isso, alegam que “nós não temos obrigação de guardar”. Mas vejamos que a Verdade do Evangelho de Deus que nos faz herdeiros dos israelitas:

    “E todos os profetas, a começar por Samuel, assim como todos os que depois falaram, também anunciaram estes dias. Vós sois os filhos dos profetas e da aliança que Deus estabeleceu com vossos pais, dizendo a Abraão: Na tua descendência serão abençoadas todas as nações da Terra”. Atos dos Apóstolos 3:24 – 25. Os herdeiros não herdam apenas as bênçãos, mas também as obrigações.

    Novamente, a Verdade do Evangelho faz dos cristãos e de Israel um só povo:

    “Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um e, derrubando a parede de separação que estava no meio, na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos que consistia em ordenanças, para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz, e pela cruz reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades. E, vindo, ele evangelizou a paz, a vós que estáveis longe, e aos que estavam perto; porque por ele ambos temos acesso ao Pai em um mesmo Espírito. Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos santos, e da família de Deus”. Efésios 2:14 a 19.

    “…na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos que consistia em ordenanças…”. Esse verso, retirado do preceito acima, nada tem a ver com a derrocada do Decálogo, pois sendo isso impossível, o apóstolo Paulo, sempre dirigido pelo Espírito Santo de Deus, se refere às ordenanças e leis antigas, provindas de Levítico, criadas numa época para regular as ações dos israelitas nos difíceis 40 anos de deserto, mas que de forma alguma tiveram lugar no Evangelho de Jesus. E isso Está Escrito em Lucas 16:16, que revela:

    A lei e os profetas vigoraram até João; desde então é anunciado o reino de Deus, e todo o homem emprega força para entrar nele. E é mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til da lei. Lucas 16:16 e 17 Esses dois preceitos nos mostram a derrocada (no Evangelho) das leis que escravizavam, que amaldiçoavam e até poderiam nos matar, se tivessem sido integradas no Evangelho. Em seguida a essas colocações, a Palavra de Deus novamente legitima o Decálogo de Deus (as 10 leis).

    “O sábado foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do sábado; de sorte que o Filho do homem é, também, o Senhor do sábado”. Jesus Cristo, em Marcos 2:28, respondendo à irritação dos judeus quando permitiu que seus amigos colhessem espigas (Mateus, 12:1), com o objetivo de mostrar que o amor de caridade tem de sobrepor-se a toda e qualquer lei, pois é maior que a fé (1Coríntios 13:13) e, por isso, tem de sobrepor-se até mesmo ao mandamento do Sábado, pois seus amigos estavam com fome pelas longas caminhadas. Da mesma forma, Jesus citou Davi que, com fome, ele e os seus amigos avançaram e comeram dos pães sagrados do templo, coisa proibida até para o rei, pois em ambos os casos não se poderia transferir a solução para o dia seguinte. Essa é a regra do sábado santo.
    Nesse mesmo preceito, Jesus legitima o sábado mais uma vez: o sábado foi criado pelo Deus Imutável por causa do homem. Portanto, enquanto existir o homem na Terra os sábados terão de ser observados, pelo menos pelos cristãos. E inegavelmente é mais uma Verdade do Senhor Deus que não pode ser contestada por ninguém, e de modo algum!

    Para aquele que julga que todos os dias são de Deus, isso é verdade, mas só um ele elegeu como Um SINAL entre ele e o homem e o único dia que nomeou como Santo e Bendito.

    No arquivo anexado temos um escrito que completa perfeitamente esse presente, de nome O Tratado sobre as leis de Deus, onde nos mostra como o sábado de Deus foi corrompido e porquê.

    Quem precisa de mais que isso para inteirar-se de que O SÁBADO É PARA SEMPRE??? PONTO FINAL!

    http://www.segundoasscrituras.com.br, no qual existe um arquivo completo sobre as leis de Deus. O Tratado Sobre as Leis d Deus, número 119 da página 2 do site

    Waldecy Antonio Simões. walasi@uol.com.br

  17. AS SETE VERDADES BÍBLICAS SOBRE O SÉTIMO DIA.

    Esse escrito é dirigido exclusivamente aos cristãos de todos os seguimentos. Se você for um deles, leia, pois é curto , mas bem interessante.

    A maioria cristã faz uma tremenda confusão a respeito de sábados e domingos. Os cristãos, em minoria, julgam corretamente que o Criador, que nunca muda, jamais aceitaria que uma só de suas leis fundidas nas Rochas Sagradas pudesse ser “lixada” pelos homens, portanto, creem firmemente que o Sábado é o Dia do Senhor. Outra parte considerável crê que Jesus teria revogado todas as dez leis a favor da religião da graça e da liberdade. Uma terceira parte, bem maior, prefere crer que pela ressurreição de Jesus ele teria revogado o Quarto Mandamento a favor do domingo, permanecendo, então, como válidos, os demais mandamentos (nove).

    ONDE ESTÁ, ENTÃO, DE FATO E DE DIREITO, A VERDADE BÍBLICA? Ora, vamos colocá-la aqui, resumidamente, mas de modo tão legítimo, tão cristalino e conclusivo que não dará chance alguma a qualquer refutação, sem se ingressar no farisaísmo religioso (o que é pior do que não ser cristão).

    Vamos às Sete Verdades que não têm como ser desmentidas, pois Está Escrito:

    1) O Mandamento do Sétimo Dia foi instituído na Criação do mundo (Gênesis 2:3), não para o próprio Criador, pois em sua perfeição jamais criaria um Mandamento para si próprio, não tem como e, como Espírito Perfeito jamais se cansa, então o Mandamento do sábado foi criado para o homem, pois ele, sim, necessita de um dia de descanso na semana. O próprio Jesus legitimou isso no Evangelho ao reger:

    “O sábado foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do sábado; de sorte que o Filho do homem é, também, o Senhor do sábado”. Jesus Cristo, em Marcos 2:28. Se o Filho de Deus afirmou que o sábado foi criado para o homem, então o sábado foi criado para a Humanidade, assim como os castigos promulgados contra Adão e Eva foram, também, dirigidos à Humanidade.

    Quanto a ser o Senhor do sábado, Jesus também afirmou que é maior que o Templo (Mateus 12:6, maior que Abraão (João 8:57), maior que Jonas (Lucas 11:32), maior que Salomão (Mateus 12:42) e mais importante que Jacó, sem desmerecer qualquer um deles, portanto, também não desmereceu o santo sábado, pois é o Senhor de Tudo, pois está Escrito que Deus lhe deu toda a autoridade sobre tudo o que existe:

    “Toda a autoridade me foi dada no céu e na terra”. Jesus, em Mateus 28+18,

    2) A maioria evangélica, católicos e ortodoxos julgam, temerariamente, que a Ressurreição de Jesus teria anulado, teria riscado das Rochas de Deus o Mandamento do Sétimo Dia, dando lugar ao primeiro dia da semana, o tal domingo, mas isso é absolutamente impossível, pois não há uma só linha no Evangelho que autorize tal mudança, mesmo porque Está Escrito que Deus Nunca Muda em suas Promulgações à Humanidade:

    “Seca-se a erva, e cai a flor, soprando nela o Espírito do Senhor. Na verdade o povo é erva. Seca-se a erva, e cai a flor, porém a palavra de nosso Deus subsiste eternamente”. Isaías 40:7.

    “Porque toda a carne é como a erva, e toda a glória do homem como a flor da erva. Secou-se a erva, e caiu a sua flor, mas a palavra do Senhor permanece para sempre. E esta é a palavra que entre vós foi evangelizada”. I Pedro 1:24.

    Então, segundo as Escrituras, o sábado é para sempre, e se teria havido mudança a respeito, essa foi criada pelo homem e nunca por Deus. Quanto a isso, num descuido, o clero católico confessa, por escrito, o seu gravíssimo erro ao atentar violentamente contra o Sétimo Dia.:

    “A Igreja de Deus, porém, achou conveniente transferir para o domingo a solene celebração do sábado”. Catecismo católico, Edição2, Editora Vozes, Petrópolis, RJ. 1962.

    3) Uma parte dos cristãos julga que Jesus acabou com as leis a favor da graça e da liberdade, mas Jesus fez tudo exatamente ao contrário, pois legitimou TODAS as leis do Decálogo em sua primeira pregação à Humanidade, no Sermão do Monte e ainda amentou o grau de observação em algumas das 10 leis (Mateus, 5:21 a 32.

    “Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, nem um jota ou um til jamais passará da lei sem que tudo seja cumprido”. Jesus, em Mateus 5:17 a 37. Está Escrito que tudo será cumprido na Consumação dos Séculos, no Grande Dia de Jesus, quando os Portais do Reino de Deus serão abertos aos mortais de Jesus, antes fechados desde Adão e Eva (João 14:1 a 3, como também em 1 Tessalonicenses 4:13 a 17).

    Se Jesus Cristo afirmou que das leis de Deus Pai nem mesmo um simples til se poderá retirar, é absolutamente impossível atentar contra a lei do sábado, pois o Quarto Mandamento contém 80 palavras ou 433 caracteres. E assim, pelo menos até o Grande dia da Volta de Jesus, o sábado é para sempre!

    4) A ampla maioria cristã alega que em sua vida pública Jesus teria violado os sábados ao trabalhar nesse dia, mas quem o acusou de violar os sábados foram os fariseus, os filhos do diabo, assim como Jesus Cristo os nomeou em João 8:44. A respeito dessa acusação dos filhos de Satanás, vamos ver que Jesus respondeu a eles que apenas APARENTAVA que ele desrespeitava os santos sábados:

    “Se o homem recebe a circuncisão no sábado, para que a lei de Moisés não seja quebrantada, indignais-vos contra mim, porque no sábado curei de todo um homem? Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça”. Jesus, em João 7:23 a 24

    “E, tomando a palavra o príncipe da sinagoga (filho do diabo acusador), indignado porque Jesus curava no sábado, disse à multidão: Seis dias há em que é mister trabalhar; nestes, pois, vinde para serdes curados, e não no dia de sábado. Respondeu-lhe, porém, o Senhor, e disse: Hipócrita, no sábado não desprende da manjedoura cada um de vós o seu boi, ou jumento, e não o leva a beber? E não convinha soltar desta prisão, no dia de sábado, esta filha de Abraão, a qual há dezoito anos Satanás tinha presa?”. Lucas 13:14-16, Jesus revela que o amor de caridade tem preponderância sobre qualquer lei (1 Coríntios 13:13)..

    “E, estava ali um homem que tinha uma das mãos mirrada; e eles (os fariseus do diabo), para o acusarem, o interrogaram, dizendo: É lícito curar nos sábados? E ele lhes disse: Qual dentre vós será o homem que tendo uma ovelha, se num sábado ela cair numa cova, não lançará mão dela, e a levantará? Pois, quanto mais vale um homem do que uma ovelha? É, por consequência, lícito fazer bem nos sábados. Então disse àquele homem: Estende a tua mão. E ele a estendeu, e ficou sã como a outra. E os fariseus, tendo saído, formaram conselho contra ele, para o matarem”. Mateus 12:10-14.

    “E os escribas e fariseus (filhos do diabo) observavam-no, se curaria no sábado, para acharem de que o acusar. Mas ele (Jesus) bem conhecia os seus pensamentos; e disse ao homem que tinha a mão mirrada: Levanta-te, e fica em pé no meio. E, levantando-se ele, ficou em pé. Então Jesus lhes disse: Uma coisa vos hei de perguntar: É lícito nos sábados fazer bem, ou fazer mal? salvar a vida, ou matar? E, olhando para todos em redor, disse ao homem: Estende a tua mão. E ele assim o fez, e a mão lhe foi restituída sã como a outra. E ficaram cheios de furor, e uns com os outros conferenciavam sobre o que fariam a Jesus”. Lucas 6:7-11.

    “E dizia-lhes Jesus: Invalidais o Mandamento de Deus para guardardes a vossa tradição”. Jesus, em Marcos 7:9

    5) O sábado é o ÙNICO Mandamento chamado por Deus de Santo e Bendito e o Único estabelecido como UM SINAL entre ele e a Humanidade: “Santificai os meus sábados, pois servirão de sinal entre mim e vós, para que saibais que eu sou o SENHOR, vosso Deus”. Ezequiel 20:20.

    Ora, se o sábado foi estabelecido por Deus como UM SINAL entre ele e a Humanidade, de modo algum jamais sairá dessa condição divina. Quanto aos que julgam que esse Sinal foi dado apenas aos israelitas, então, nesse caso, nós não podemos nos servir de nenhum livro do Velho Testamento, nem dos Salmos, etc. e nem mesmo de Malaquias, muito usado para legitimar os dízimos. É ou não é? Dois pesos e duas medidas não vale! Além disso, abaixo, no capítulo 7, Está Escrito que nós somos os legítimos herdeiros dos israelitas e que Jesus, de todos nós, fez UM SÓ POVO.

    6) Dizem os sábios que um bom exemplo vale mais que mil palavras. É ou não é? É claro que é! então, vamos ver os vários exemplos de Jesus e de sua Igreja Primitiva santificando os sábados (que valem mais que milhões de palavras) até mesmo décadas após a Ressurreição? Essa parte ANULA completamente as pretensões dos que defendem erradamente o domingo “substituindo” o Sábado Santo, solene e Abençoado do Senhor:

    “E, chegando a Nazaré, onde fora criado, (Jesus) entrou num dia de sábado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler”. Lucas 4:16. Jesus, nos concedendo o exemplo, pois segundo o Mandamento e a Tradição israelita, guardou o sábado por toda a sua vida.

    Antes da ressurreição de Jesus, os cristãos faziam do sábado um dia de louvor, em local sem teto e sem paredes:
    Vejamos a Igreja Cristã aos tempos de Paulo, mesmo depois da ressurreição de Jesus os cristãos de Paulo faziam do sábado um dia de culto e louvor, na Igreja de Deus, sem teto e sem paredes:
    “No dia de sábado, saímos fora da porta, junto ao rio, onde julgávamos haver um lugar de oração; e, assentando-nos, falamos às mulheres que para ali tinham concorrido”. Atos dos Apóstolos 16:13.
    Esse preceito revela, com toda clareza, um culto de louvor aos sábados pelos cristãos. As mulheres cristãs sempre trabalhavam, só não aos sábados. Então, segundo o preceito acima, estavam em dia de descanso, santificando os sábados assim como os homens!

    “No sábado seguinte, concorreu quase toda a cidade para ouvir a palavra de Deus, mas os judeus, vendo aquela concorrência, encheram-se de inveja…”. Atos 13:41 – 44.
    Se os judeus encheram-se de inveja não se tratava de uma reunião judia aos sábados, pois aconteceu ao ar livre, junto a um rio, pois é evidente que, quase toda a cidade não caberia num salão ou num templo, então, está claro que essa reunião, para adoração, no santo dia do Senhor, foi realizada ao ar livre.
    Tratou-se de um culto cristão sem teto, nem paredes, que reuniu quase toda a cidade para louvar no sábado. A Palavra Escrita registrou essas duas revelações e várias outras idênticas colocadas a seguir como veremos, exatamente para revelar-nos que o sábado sempre será o Dia do Senhor, não importa que no catecismo católico, como também na maioria dos seguimentos evangélicos esteja completamente diferente da Proclamação do Deus Imutável

    “E todo o sábado, ensinava na sinagoga, persuadindo tanto judeus como gregos”. Atos 18:4.

    Os defensores do domingo, inventado, argumentam, falsamente, que Paulo comparecia às sinagogas dos judeus aos sábados, porque era nesse dia que podia encontrá-los, mas não é o caso aqui, pois, pela sua tradição, os judeus jamais aceitariam que gentios pagãos – no caso presente os gregos – participassem de cerimônias em seus templos, em simples reuniões e nem mesmo jamais aceitariam permanecer com eles ou com outros pagãos no mesmo ambiente. Sabemos que o santo em vida Paulo não ensinava somente aos judeus, mas principalmente aos demais pagãos. Quanto a isso, se os primeiros cristãos guardavam o sábado mesmo após a ressurreição de Jesus, só isso prova a Grande Mentira do tal domingo, um feito gigantesco de Satanás, segundo o Apocalipse 13:7.

    Em Atos dos Apóstolos, conforme a tradição dos apóstolos de santificarem os sábados, um preceito é usado como referência ao Quarto dos Mandamentos:

    “Então voltaram para Jerusalém, do monte chamado Olival, que dista daquela cidade tanto como a uma jornada de sábado…”. Atos 1:12. Ora, ao se referirem a uma jornada de sábado como exemplo pelos apóstolos de Jesus, é certo que se tratava de um preceito em uso.

    “Orai para que vossa fuga não se dê no inverno, nem no sábado”.
    Jesus Cristo, em Mateus 24:20, ressalta, novamente, a grande importância do sábado (nem no inverno que é muito frio, o que dificultaria a fuga dos inimigos romanos (na terrível carnificina, no massacre contra os judeus nos anos 70, no episódio Masada), nem nos sábados porque é o Dia Santo de Deus, consagrado para descanso e louvor.

    7) Os cristãos, em parte, alegam, altamente equivocados, que o Decálogo do Monte Sinai, no qual o sábado está intrínseco, teria sido dado apenas aos israelitas, e não a nós do Evangelho, por isso, alegam que “nós não temos obrigação de guardar”. Mas vejamos que a Verdade do Evangelho de Deus que nos faz herdeiros dos israelitas:

    “E todos os profetas, a começar por Samuel, assim como todos os que depois falaram, também anunciaram estes dias. Vós sois os filhos dos profetas e da aliança que Deus estabeleceu com vossos pais, dizendo a Abraão: Na tua descendência serão abençoadas todas as nações da Terra”. Atos dos Apóstolos 3:24 – 25. Os herdeiros não herdam apenas as bênçãos, mas também as obrigações.

    Novamente, a Verdade do Evangelho faz dos cristãos e de Israel um só povo:

    “Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um e, derrubando a parede de separação que estava no meio, na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos que consistia em ordenanças, para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz, e pela cruz reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades. E, vindo, ele evangelizou a paz, a vós que estáveis longe, e aos que estavam perto; porque por ele ambos temos acesso ao Pai em um mesmo Espírito. Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos santos, e da família de Deus”. Efésios 2:14 a 19.

    “…na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos que consistia em ordenanças…”. Esse verso, retirado do preceito acima, nada tem a ver com a derrocada do Decálogo, pois sendo isso impossível, o apóstolo Paulo, sempre dirigido pelo Espírito Santo de Deus, se refere às ordenanças e leis antigas, provindas de Levítico, criadas numa época para regular as ações dos israelitas nos difíceis 40 anos de deserto, mas que de forma alguma tiveram lugar no Evangelho de Jesus. E isso Está Escrito em Lucas 16:16, que revela:

    A lei e os profetas vigoraram até João; desde então é anunciado o reino de Deus, e todo o homem emprega força para entrar nele. E é mais fácil passar o céu e a terra do que cair um til da lei. Lucas 16:16 e 17 Esses dois preceitos nos mostram a derrocada (no Evangelho) das leis que escravizavam, que amaldiçoavam e até poderiam nos matar, se tivessem sido integradas no Evangelho. Em seguida a essas colocações, a Palavra de Deus novamente legitima o Decálogo de Deus (as 10 leis).

    “O sábado foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do sábado; de sorte que o Filho do homem é, também, o Senhor do sábado”. Jesus Cristo, em Marcos 2:28, respondendo à irritação dos judeus quando permitiu que seus amigos colhessem espigas (Mateus, 12:1), com o objetivo de mostrar que o amor de caridade tem de sobrepor-se a toda e qualquer lei, pois é maior que a fé (1Coríntios 13:13) e, por isso, tem de sobrepor-se até mesmo ao mandamento do Sábado, pois seus amigos estavam com fome pelas longas caminhadas. Da mesma forma, Jesus citou Davi que, com fome, ele e os seus amigos avançaram e comeram dos pães sagrados do templo, coisa proibida até para o rei, pois em ambos os casos não se poderia transferir a solução para o dia seguinte. Essa é a regra do sábado santo.
    Nesse mesmo preceito, Jesus legitima o sábado mais uma vez: o sábado foi criado pelo Deus Imutável por causa do homem. Portanto, enquanto existir o homem na Terra os sábados terão de ser observados, pelo menos pelos cristãos. E inegavelmente é mais uma Verdade do Senhor Deus que não pode ser contestada por ninguém, e de modo algum!

    Para aquele que julga que todos os dias são de Deus, isso é verdade, mas só um ele elegeu como Um SINAL entre ele e o homem e o único dia que nomeou como Santo e Bendito.

    Quem precisa de mais que isso para inteirar-se de que O SÁBADO É PARA SEMPRE??? PONTO FINAL!

    Waldecy A Simões.

    walasi@uol.com.br

    http://www.segundoasescrituras.com.br Nesse site, temos um escrito que completa perfeitamente esse presente escrito, de nome
    O Tratado sobre as leis de Deus, no qual nos mostra como o sábado de Deus foi corrompido e porquê.

  18. A maioria dos evangélicos também desrespeitam o Sétimo Dia, chamado por Deus de Santo e Bendito, por isso escrevi uma Carta enviada ao pastor Silas Malafaia:
    Pastor Silas Malafaia
    Sempre tive prazer de ouvi-lo propagar a Palavra de Deus. Não perdia um sábado pela TV. Mas, no ano passado, também num sábado, pela manhã, ouvi o senhor afirmar:
    “Nove dos mandamentos de Deus se repetem pelo Evangelho, mas o do sábado não, por isso nós não o guardamos”. Não sendo eu adventista, mas estudioso do Evangelho, pensei:
    “Será mesmo que o pastor Malafaia está com a Verdade Bíblica a respeito do sábado não estar repetido no Evangelho?” Seria possível uma omissão dessas por Jesus? A partir daí, passei meses examinando o Evangelho a tudo o que ligasse à palavra sábado ou sétimo dia. Por fim, percebi erros graves em sua declaração quanto a não haver repetições sobre o sábado no Evangelho. Pelo menos SÃO DEZ as repetições sobre o sábado no Evangelho. Na Verdade são doze as repetições, mas fiquemos apenas com as dez principais. Vamos provar.
    Primeiramente é óbvio e muitíssimo fácil concluir que o Sábado é para sempre, apenas lembrando que a Palavra de Deus permanece eternamente. Quem fugir dessa Verdade, ingressa no farisaísmo:

    “Seca-se a erva, e cai a flor, soprando nela o Espírito do Senhor. Na verdade o povo é erva. Seca-se a erva, e cai a flor, porém a palavra de nosso Deus subsiste eternamente”. Isaías 40:7.

    “Porque toda a carne é como a erva, e toda a glória do homem como a flor da erva. Secou-se a erva, e caiu a sua flor, mas a palavra do Senhor permanece para sempre. E esta é a palavra que entre vós foi evangelizada”. I Pedro 1:24.

    Então, vamos às Dez provas, somente refutáveis para aqueles que tentam, de todas as maneiras, fugir da VERDADE BÍBLICA DO SÉTIMO DIA:

    1) “O sábado foi estabelecido por causa do homem…” . Marcos 2:28. Jesus afirma que o sábado foi criado para o homem. Pelo verso inteiro Jesus nos revela que o homem não foi criado só para o sábado, MAS O SÁBADO FOI CRIADO PARA O HOMEM (a Humanidade).

    2) “E, chegando a Nazaré, onde fora criado, entrou num dia de sábado, segundo o seu costume, na sinagoga, e levantou-se para ler”. Lucas 4:16. Não imposta as interpretações, mas o que importa é que Jesus se fez mostrar santificando o sábado e assim transmitiu para sua Igreja concedendo o exemplo.

    3) “O sábado ia começar. Ora, as mulheres que tinham ido da Galiléia com Jesus, indo, observaram o sepulcro onde fora colocado o corpo de Jesus. Voltando, prepararam aromas e bálsamos. No sábado, observaram o repouso, segundo a Lei”. Lucas 23:55 – 56.

    O preceito acima nos revela que Jesus ensinou a sua Igreja Primitiva a santificar os sábados de Deus. Nem precisava, pois entre os judeus cristãos havia a fé ferrenha no Decálogo, com forte atenção ao Sétimo Dia.

    4) “No dia de sábado, saímos fora da porta, junto ao rio, onde julgávamos haver um lugar de oração; e, assentando-nos, falamos às mulheres que para ali tinham concorrido”. Atos dos Apóstolos 16:13.

    Esse preceito revela, com toda clareza, um culto de louvor aos sábados pelos cristãos, MESMO APÓS A RESSURREIÇÃO DE JESUS. As mulheres cristãs sempre trabalhavam, só não aos sábados. Então, segundo o preceito acima, estavam em dia de descanso, santificando os sábados assim como os homens!

    5) “No sábado seguinte, concorreu quase toda a cidade para ouvir a palavra de Deus, mas os judeus, vendo aquela concorrência, encheram-se de inveja…”. Atos 13:41 – 44.
    Se os judeus encheram-se de inveja não se tratava de uma reunião judia aos sábados, pois aconteceu ao ar livre, junto a um rio, pois é evidente que, quase toda a cidade não caberia num salão ou num templo, então, está claro que essa reunião, para adoração, no santo dia do Senhor, foi realizada ao ar livre.

    6) “E todo o sábado, ensinava na sinagoga, persuadindo tanto judeus como gregos”. Atos 18:4.

    Os defensores do domingo inventado argumentam, falsamente, que Paulo comparecia às sinagogas dos judeus aos sábados, porque era nesse dia que podia encontrá-los, mas não é o caso aqui, pois pela sua tradição, a israelita, jamais aceitariam que gentios pagãos – no caso presente os gregos – participassem de cerimônias em seus templos, em simples reuniões e nem mesmo aceitavam permanecer com eles ou com outros pagãos no mesmo ambiente. Sabemos que o santo em vida Paulo não ensinava somente aos judeus, mas também aos gentios e aos demais pagãos. Quanto a isso, se os primeiros cristãos guardavam o sábado mesmo após a ressurreição de Jesus, só isso prova a Grande Mentira do tal domingo, um feito gigantesco de Satanás. Erro bíblico descomunal, mas praticado pelos evangélicos em geral, como seu a Palavra de Deus pudesse mudar nua só vírgula.

    7) “Então voltaram para Jerusalém, do monte chamado Olival, que dista daquela cidade tanto como a uma jornada de sábado…”. Atos 1:12.

    Ora, ao se referirem a uma jornada de sábado como exemplo pelos apóstolos de Jesus, é certo que se tratava de um preceito em uso.

    8) “Orai para que vossa fuga não se dê no inverno, nem no sábado”.

    Jesus Cristo, em Mateus 24:20, quando ressalta, novamente, a grande importância do sábado (nem no inverno que é muito frio, o que dificultaria a fuga dos inimigos romanos (na terrível carnificina, no massacre contra os judeus nos anos 70, no episódio Masada), nem nos sábados porque é o Dia Santo de Deus, consagrado para descanso e louvor.
    9) “Porque em certo lugar disse assim do dia sétimo: E repousou Deus de todas as suas obras no sétimo dia”. Hebreus 4:4.

    10) Em Mateus 5:17 até 37, nos revelam um Jesus legitimando TODAS AS DEZ LEIS no Evangelho. E não há como fugir disso, pois se das leis não se pode retirar um simples caractere, o Mandamento do sábado, que tem 433 caracteres, foi instituído pelo Senhor Deus para sempre!

    As sete verdades bíblicas sobre o Sétimo Dia Mostraremos, segundo as Escrituras, que o sábado é “imexível”.
    O Tratado sobre as leis de Deus Elaborado cuidadosamente, e com todos os detalhes sobre as leis bíblicas, pois nada no Universo funciona sem leis.
    http://www.segundoasescrituras.com.br/livrosword/122pastoresinterpretamerradoacartaaosgalatas.doc O livro de Gálatas é interpretado errado pela maioria evangélica, também pelos pastores e de maior prestígio.
    Waldecy Antonio Simões walasi@uol.com.br
    http://www.segundoasescrituras.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA