O Tipo de Associação Vedado ao Cristão

0

“9 Já em carta vos escrevi que não vos associásseis com os impuros;
10 refiro-me, com isto, não propriamente aos impuros deste mundo, ou aos avarentos, ou roubadores, ou idólatras; pois, neste caso, teríeis de sair do mundo.”
11 Mas, agora, vos escrevo que não vos associeis com alguém que, dizendo-se irmão, for impuro, ou avarento, ou idólatra, ou maldizente, ou beberrão, ou roubador; com esse tal, nem ainda comais.” (1 Coríntios 5.9-11)

9. “Já escrevi para vocês em uma epístola”. A epístola de que Paulo fala não é existente em nossos dias. Nem há qualquer dúvida de que muitas outros estão perdidas. É o bastante, no entanto, que foram preservadas para nós aquelas que o Senhor previu seriam suficientes. Mas esta passagem, em consequência de sua obscuridade, tem sido foi torcida por uma variedade de interpretações, mas eu não acho que seja necessário ocupar o tempo para refutá-las, senão simplesmente apresentar o que parece-me ser o seu verdadeiro significado.

Ele lembra aos coríntios que já lhes tinha ordenado que deveriam se abster de relações sexuais com os ímpios. Porque a palavra traduzida para “associáveis”, significa estar em familiaridade com qualquer um, e ter hábitos de intimidade com ele. Agora, ele recorda que apesar de terem sido admoestados, ainda permaneciam inativos.
Ele acrescenta uma exceção, para que possam entender melhor o que isso se refere especialmente aos que pertencem à Igreja, uma vez que não necessitavam ser admoestados para evitar a sociedade do mundo. Em suma, então, ele proíbe os Coríntios de terem intercâmbio com aqueles que, embora professando ser crentes, no entanto, vivem impiamente e para a desonra de Deus. Essa exceção, no entanto, aumenta a criminalidade dos remissos, na medida em que eles admitiam no seio da Igreja uma pessoa abertamente ímpia; pois é mais vergonhoso negligenciar os de sua própria casa do que negligenciar estranhos.

10. “Quando eu te ordeno a evitar os fornicadores, eu não quero me referir a todos eles; caso contrário seria necessário ir em busca de um outro mundo; porque temos de viver entre os espinhos, enquanto permanecemos na terra. É somente isto o que eu exijo, que você não mantenha companhia com os fornicadores, que desejam ser considerados como irmãos em Cristo, para que não pareça pela sua tolerância que aprova a sua iniquidade. “Assim, o termo mundo aqui, deve ser entendido como a presente vida, como em João 17.15: “Não peço, Pai, que os tires do mundo, mas que os livre do mal”.

Contra esta exposição uma pergunta pode ser proposta por meio de objeção: “Como Paulo disse isso em uma época em que os cristãos estavam ainda misturados com pagãos, e dispersados entre eles, o que deveria ser feito agora, quando todos confessavam o nome de Cristo? Pois, mesmo nos dias de hoje é preciso sair do mundo, se quisermos evitar a sociedade dos ímpios; e não há ninguém que seja estranho, quando todos tomam sobre si o nome de Cristo, e são consagrados a ele pelo batismo.” Se alguém se sentir inclinado a seguir Crisóstomo, não encontrará qualquer dificuldade em responder, ao que Paulo tem aqui por certo e que era verdade – que, quando há o poder de excomunhão, há um remédio fácil para efetuar a separação entre o bem e o mal, se as igrejas fazem o seu dever. Quanto a estranhos, os cristãos de Corinto não tinham jurisdição, e eles não poderiam restringir o seu modo de vida dissoluta. Portanto, eles teriam necessariamente que deixar o mundo, se quisessem evitar a sociedade dos ímpios, cujos vícios não puderam curar.

De minha parte, eu tomo a palavra traduzida por sair no sentido de ser separados , e o termo mundo no sentido das corrupções do mundo. “Que necessidade há de uma união com os filhos deste mundo (Lucas 16. 8), por ter uma vez por todas renunciado ao mundo, você fica por conseguinte distante de sua sociedade; porque o mundo inteiro jaz no maligno” (1 João 5.19). Se alguém não está satisfeito com essa interpretação, aqui está uma outra que ainda é provável: “Eu não escrevo para você, em termos gerais, que você deve evitar uma associação com os devassos deste mundo, todavia você deve fazê-lo, sem qualquer admoestação minha.” Prefiro, no entanto, a interpretação anterior.

“Alguém que dizendo-se irmão”. No grego há um particípio sem um verbo. Aqueles que veem isso como se referindo ao que se segue, dão-lhe um sentido forçado, e em desacordo com a intenção de Paulo. Confesso, de fato, que esse é apenas um sentimento, e digno de ser particularmente notado – que ninguém pode ser punido pela decisão da Igreja, senão alguém cujo pecado tornou-se público e notório; mas estas palavras de Paulo não podem ser obrigadas a suportar esse significado. O que ele quer dizer, então, é o seguinte: “Se alguém é contado como um irmão no meio de vós, e ao mesmo tempo leva uma vida ímpia, e como isto é impróprio para um cristão, mantenham-se afastados de sua companhia.” Em suma, ser chamado irmão, significa aqui uma falsa profissão de fé, que não tem nenhuma realidade correspondente. Mais adiante, ele não faz uma enumeração completa de pecados, mas apenas menciona cinco ou seis à guisa de exemplo, e então, depois, sob a expressão “tal pessoa”, ele resume o todo; e ele não menciona ninguém, senão o que caiu sob o conhecimento dos homens. Porque impiedade interior, e tudo o que é secreto, não se enquadra no julgamento da Igreja.

É incerto, porém, o que ele quer dizer com “idólatra”, porque como pode ser dedicado à idolatria quem tenha feito uma profissão de Cristo? Alguns são de opinião que havia entre os coríntios naquela época alguns que receberam a Cristo, mas ao mesmo tempo estava envolvidos, no entanto, envolvidos com idolatria, como os israelitas do passado. De minha parte, prefiro entendê-la se referindo àqueles que, enquanto tinham abandonado o culto aos ídolos, no entanto, davam uma homenagem fingida aos ídolos, com a intenção de agradar aos ímpios. Paulo declara que essas pessoas não devem ser toleradas na sociedade dos cristãos; e não sem uma boa razão, na medida em que fizeram tão pouca conta em pisar a glória de Deus debaixo dos pés.

Devemos, no entanto, observar as circunstâncias do caso – que, enquanto eles tinham uma igreja, em que podiam adorar a Deus em pureza, e fazer o uso legítimo dos sacramentos, ingressaram na Igreja, de tal forma, que não renunciaram à comunhão profana dos ímpios. Faço esta observação, a fim de que não se possa pensar que devemos empregar medidas igualmente severas contra aqueles que, embora no dia de hoje dispersos sob a tirania de líderes religiosos hereges, poluem-se com muitos ritos corruptos. Estes, na verdade, eu mantenho, que pecam, no geral, a este respeito, e devem ser fortemente tratados com diligência urgente, para que aprendam a consagrar-se totalmente a Cristo; mas não me atrevo a ir tão longe a ponto de contar-lhes dignos de exclusão da comunhão dos santos, pois o seu caso é diferente.

“Com esse tal nem ainda comais”. Em primeiro lugar, temos que verificar se ele se refere aqui a toda a Igreja, ou apenas a indivíduos. Eu respondo que isso é dito, de fato, a indivíduos, mas, ao mesmo tempo, está conectado com a sua disciplina em comum; porque o poder de exclusão não é concedido a qualquer membro individual, mas a todo o corpo. Quando, portanto, a Igreja exclui alguém, nenhum crente deve recebê-lo em termos de intimidade para com ele; caso contrário, a autoridade da Igreja seria levada ao desprezo, se cada indivíduo tivesse a liberdade de admitir à sua mesa aqueles que foram excluídos da mesa do Senhor. Por partilhar o alimento aqui, se entende viver junto, ou ter associação familiar nas refeições. Mas se, por entrar em uma pousada, eu vejo aquele que foi excluído sentado à mesa, não há nada que me impeça de jantar com ele; pois eu não tenho autoridade para excluí-lo. O que Paulo quer dizer é que, na medida em que está em nosso poder, devemos evitar a companhia daqueles a quem a Igreja cortou de sua comunhão.

O excluído não deve ser considerado como um inimigo, mas como um irmão (2 Tessalonicenses 3.15) porque ao se colocar essa marca pública de desgraça sobre ele, a intenção é que ele possa se envergonhar e ser conduzido ao arrependimento.

Texto de João Calvino, traduzido e adaptado por Silvio Dutra.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here