Loucura na Pregação?

0

Pois a mensagem da cruz é loucura para os que estão sendo destruídos, porém para nós, que estamos sendo salvos, é o poder de Deus”. I Cor 1: 18

Em mais um exercício apologético, vamos fazer mais uma análise de textos bíblicos que são mal interpretados e/ou usados de maneira distorcida pela igreja brasileira. Hoje vamos falar sobre I Co 18. Sim, você já ouviu algum pastor falando em fazer loucuras para o evangelho ou para ganhar almas, também já viu várias aberrações sendo – na verdade, eles tentam – validadas baseadas neste texto. Mas então, qual seria a real interpretação para ele?

O Evangelho sempre parecerá loucura para o homem não regenerado. E não há de que nos envergonharmos se formos considerados loucos por anunciá-lo. Vale lembrar que Paulo já havia sido chamado de louco quando anunciava esta palavra (Atos 26.24).

MAS preste atenção no que eu disse acima, não é “fazer loucuras” na pregação do evangelho e sim que a “Pregação do evangelho” é loucura. Como bem diz o Rev. Augustus Nicodemus Lopes:


Eu não me envergonho da loucura do Evangelho, mas das loucuras de alguns que se chamam de evangélicos”

Vamos ao texto bíblico!

O apóstolo Paulo escreveu aos coríntios que a “mensagem da cruz é loucura” para a mente carnal e natural, para aqueles que estão perecendo (1Co 1:18; 2.14;). A mensagem da cruz realmente é uma loucura para os que não compreendem o significado da vinda, morte e ressurreição de Cristo.

Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente” 1ª Co. 2:14

Paulo diz que “certamente a palavra da cruz é loucura para os que se perdem” (1ª Co. 1:18). Paulo esta falando que para os que “se perdem”, para os que não são salvos, para os que não foram iluminados pelo Espirito Santo, para estes a palavra da cruz é loucura!

Quando Paulo diz que “nós pregamos a Cristo crucificado, escândalo para judeus, loucura para os gentios” (1ª Co. 1:23) ele quer afirmar que essa suposta loucura era, na verdade, a maior das sabedorias. Os gregos achavam graça num homem que se dizia Deus e não tinha poder o suficiente para sair da cruz.

Paulo não diz para nos comportamos como loucos, ou (que possamos nos comportar) de modo insano, pelo contrário. Quando vamos à 1Co 14:23, ele é bem claro ao dizer que não quer que os cristãos se comportem loucamente.

Se, pois, toda a igreja se reunir no mesmo lugar, e todos se puserem a falar em outras línguas, no caso de entrarem indoutos ou incrédulos, não dirão, porventura, que estais loucos?”

Mas, Paulo fala ainda mais. Depois de afirmar que a “palavra da cruz é loucura para os que se perdem”, explica que “para nós, que somos salvos, é o poder de Deus” (1ª Co. 1:18). A “palavra da cruz é poder”, pois é poderosa para transformar vidas e salvá-las.

Vê como o texto de 1ª Coríntios não tem nada a ver com a interpretação que é dada a ele popularmente?

Prezados, tenhamos zelo pela Palavra, amor pelo estudo das Sagradas Escrituras, para que não possamos cair nas garras de lobos e falsos profetas da atualidade, nem nos enganarmos com textos simples das escrituras.

Soli Deo Gloria

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA