Intolerância Tolerante

1

A era de veneração da tolerância do Pós-Modernismo é a sua característica mais óbvia. Mas a versão de “tolerância” difundida por pós-modernistas é na verdade uma corrupção torcida e perigosa da verdadeira virtude.

Aliás, a tolerância nunca é mencionada na Bíblia como uma virtude, exceto no sentido de paciência, longanimidade e perseverança (cf. Efésios 4:2). Na verdade, a noção contemporânea de tolerância é um conceito pateticamente fraco comparado ao amor que a Escritura ordena aos cristãos a mostrarem até mesmo para seus inimigos. Jesus disse: “Amai os vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam, bendizei os que vos maldizem, e orai pelos que vos caluniam” (Lucas 6:27-28; cf vv 29-36).

Quando nossos avós falaram de tolerância como uma virtude, eles tinham algo como isso em mente. A palavra usada para significar respeito às pessoas e tratá-las gentilmente, mesmo quando acreditamos que estão erradas. Mas a noção pós-moderna de tolerância significa que nunca devemos considerar opiniões de outra pessoa como “erradas”. A tolerância bíblica é por pessoas, e tolerância pós-moderna é por ideias.

Aceitar toda crença como igualmente válidas é quase uma virtude real, mas isto é ó único tipo de “virtude” que o pós-modernismo conhece. As virtudes tradicionais (incluindo humildade, domínio próprio, e castidade) são abertamente desprezadas – e até mesmo consideradas como transgressões – no mundo do pós-modernismo.

Previsivelmente, a beatificação da tolerância pós-moderna tem tido um efeito desastroso sobre a virtude real em nossa sociedade. Nesta época de tolerância, o que antes era proibido agora é incentivado. O que antes era universalmente considerado imoral é hoje comemorado. A infidelidade conjugal e divórcio foram normalizados. A profanação é comum. O aborto, homossexualidade e perversões morais de todos os tipos são defendidos por grandes grupos de defesa e entusiasticamente promovidos pela mídia popular. A noção pós-moderna de “tolerância” está se transformando sistematicamente a virtude genuína em sua cabeça.

Praticamente o único tabu remanescente é a noção ingênua e politicamente incorreta que “estilo de vida alternativo,” religião, ou perspectiva diferente é errado.

Uma importante exceção a essa regra se destaca nitidamente: é o OK para os pós-modernistas serem intolerantes com aqueles que afirmam que conhecem a verdade – especialmente os cristãos bíblicos. Na verdade, aqueles que se imaginam os principais defensores da tolerância hoje são muitas vezes os adversários mais declarados do cristianismo evangélico.

Procure na Web, por exemplo, e veja o que está sendo dito pelos campeões da “tolerância religiosa”. O que você vai encontrar é uma grande quantidade de intolerância em relação à Bíblia. Na verdade, alguns dos materiais mais amargamente anti-cristãos na World Wide Web podem ser encontrados em sites que supostamente promovem a tolerância religiosa.

Por que isso? Por que o cristianismo bíblico autêntico encontra tal oposição tão feroz de pessoas que pensam que são modelos de tolerância? É porque a verdade reivindica a Escritura – e, particularmente, a reivindicação de Jesus ser o único caminho para Deus – são diametralmente opostos aos pressupostos fundamentais da mente pós-moderna. A mensagem cristã representa um golpe mortal para a visão de mundo pós-modernista.

Mas, enquanto os cristãos estão sendo enganados ou intimidados a suavizarem as afirmações ousadas de Cristo e alargarem o caminho estreito, a igreja não fará qualquer progresso contra o pós-modernismo. Precisamos recuperar o caráter distintivo do evangelho. Precisamos recuperar a nossa confiança no poder da verdade de Deus. E precisamos proclamar com ousadia que Cristo é a única verdadeira esperança para as pessoas deste mundo.

Isso pode não ser o que as pessoas querem ouvir nesta era pseudo-tolerante do pós-modernismo. Mas é verdade, no entanto. E precisamente porque é verdade e o evangelho de Cristo é a única esperança para um mundo perdido, nos levantar urgentemente acima de todas as vozes de confusão no mundo e proclamar o evangelho.

Texto de John MacArthur, traduzido pelo Pr Silvio Dutra.


1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here