O Poder se Aperfeiçoa na Fraqueza

0

Texto base: 2 Coríntios 12:1-10

No mês passado, estudamos vários salmos que tinham uma coisa em comum: eles traçam o caminho do sofrimento para a glória. E ao longo do caminho eu me deparei muitas vezes citando versos como Romanos 5:3: “a tribulação produz perseverança”. 2 Tessalonicenses 1:4-5, onde Paulo diz ser “vossa constância e fé, em todas as vossas perseguições e nas tribulações que suportais, sinal evidente do reto juízo de Deus, para que sejais considerados dignos do reino de Deus, pelo qual, com efeito, estais sofrendo;” 2 Timóteo 1:8: “participa comigo dos sofrimentos, a favor do evangelho, segundo o poder de Deus,” 2 Timóteo 2:3: “Participa dos meus sofrimentos como bom soldado de Cristo Jesus.” Capítulo 4, versículo 5: “suporte o sofrimento.” E o capítulo 3, versículo 12 diz: “De fato, todos os que desejam viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos.” Repare: a maior parte do sofrimento descrito nas passagens envolve sofrimento por causa da justiça do evangelho. O Novo Testamento apresenta a perseguição e oposição mundana como as consequências esperadas de uma vida fiel.

Se você é um verdadeiro crente, e se é fiel à palavra de Deus, você vai experimentar o sofrimento. E grande parte do sofrimento que você experimentar será na forma de perseguição deliberada nas mãos de pessoas do mundo. Você vai ser chamado a suportar “fraquezas, insultos, sofrimentos, perseguições e calamidades” no seu caminho para a glória. Essa é uma das realidades paradoxais da vida cristã. O sofrimento é um prelúdio para a glória. E de certa forma, é reconfortante saber que o terá. Se você sofre, isso não significa que Deus o lançou de lado ou lhe abandonou no seu sofrimento. Todos nós estamos no mesmo barco.

Pedro escreveu duas epístolas aos santos que haviam sido espalhados desde uma extremidade do império a outra. Roma tinha saqueado Jerusalém, e os judeus e os cristãos tinham sido enviados para o exílio. Muitos tinham sofrido a perda de tudo o que possuíam, pois estavam vivendo em terras estranhas, suas vidas estavam em perigo diariamente, e seu sofrimento era quase indescritível. E perto do fim da primeira epístola, Pedro escreve (1 Pedro 5:8-9): “Sede sóbrios; vigiai. Vosso adversário, o diabo, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar. Mas, ele diz: Resisti-lhe, firmes na fé, [agora leia isto:] sabendo que os mesmos tipos de sofrimento estão sendo experimentados por sua irmandade em todo o mundo”. Isso é algum tipo de incentivo, hein? E há um sentido em que a miséria ama companhia. É um conforto quando sofremos ao saber que não estamos sofrendo sozinhos. Deus não virou as costas para mim, de alguma forma singular, punitiva como vingança por algum mal secreto do qual eu sou culpado. Todos os cristãos sofrem. Mas o versículo seguinte (1 Pedro 5:10 ) é a chave. Pedro continua a dizer: “Ora, o Deus de toda a graça, que em Cristo vos chamou à sua eterna glória, depois de terdes sofrido por um pouco, ele mesmo vos há de aperfeiçoar, firmar, fortificar e fundamentar.”


Você vê o que Pedro está dizendo? Deus tem um plano e um propósito em nosso sofrimento. 2 Coríntios 4:17: “Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós eterno peso de glória, acima de toda comparação,”. É isso que faz a nossa dor suportável. Deus está fazendo algo bom, e gracioso com isto. Mais do que isso, Ele está fazendo algo glorioso. O sofrimento é simplesmente o caminho para a glória. Pedro diz: “o Deus de toda a graça … vos chamou à sua eterna glória em Cristo.” Essa é uma promessa maravilhosa. Deus tem nos “chamado” – e ele está nos trazendo pela graça para a glória. E ao longo do caminho, ele “há de aperfeiçoar, firmar, fortificar e fundamentar.” Ele fará tudo o que for necessário para mantê-lo e conformá-lo à imagem de Cristo.

Mas lembrem-se que Cristo sofreu, e “vocês foram chamados [a sofrer], porque também Cristo padeceu por vocês, lhes deixando exemplo, para que possam seguir os seus passos.”, 1 Pedro 2:21. (Fixe bem o que está sendo dito pelo apóstolo: Cristo deixou para nós o exemplo da paciência no sofrimento por causa do amor à justiça do evangelho, para que o imitássemos nisto – “seguir os seus passos” no sofrimento – nota do tradutor).

Se vocês estão sendo conformados à imagem de Cristo, então, o instrumento pelo qual Deus irá “aperfeiçoar, firmar, fortificar e fundamentar” deve envolver sofrimento. Sem compartilhar na “comunhão dos seus sofrimentos, conformando-se com ele na sua morte”, Fil 3.10, você não pode ser plenamente conformado à imagem de Cristo.

Em Filipenses 3:9-10 Paulo coloca em tão poucas palavras quanto possível o verdadeiro desejo do coração de cada crente regenerado. É a própria essência da fé ter este desejo: “e ser achado nele, não tendo justiça própria, que procede de lei, senão a que é mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus, baseada na fé; para o conhecer, e o poder da sua ressurreição, e a comunhão dos seus sofrimentos, conformando-me com ele na sua morte;”

Agora, eu preciso esclarecer algo sobre isso, porque quando eu digo que o sofrimento é o caminho para a glória, há alguns que vão ouvir isso e pensar: Isso não é tão revolucionário. Muita religiões ensinam isso. O preço do nirvana é a auto-negação. O custo da verdadeira felicidade é o estoicismo. A chave que abre o portal para o céu é a aflição ou austeridade, ou ascetismo, ou abstinência de algum tipo.

Como se o seu sofrimento pudesse de alguma forma ganhar um lugar para você na glória. Isso não é o que estamos dizendo afinal. O sofrimento não é meritório. Você não garantirá o seu próprio bem-estar eterno, mesmo em parte, pela sua própria auto-negação ou através da imposição de dor. Nossas misérias não são nenhum tipo de expiação pelos nossos pecados.

Esta é a verdade central do evangelho: o sofrimento de Cristo obteve a glória para o Seu povo. Hebreus 2:10: “Porque convinha que aquele, por cuja causa e por quem todas as coisas existem, conduzindo muitos filhos à glória, aperfeiçoasse, por meio de sofrimentos, o Autor da salvação deles.” O sofrimento de Jesus foi o preço da nossa salvação, pago na íntegra. Sua morte pagou o preço de nossos pecados. Sua justiça é toda a justiça que precisamos para nossa reconciliação com Deus. Isso é o que Paulo estava dizendo no texto que acabamos de citar de Filipenses 3:9 , onde ele afirma que desejava ser encontrado em Cristo, e não com justiça própria, mas com a justiça que obtemos pela fé. Ele está falando sobre a justiça de Cristo, imputada na nossa conta. Porque a justiça de Cristo é melhor do que qualquer justiça que poderíamos alcançar em nós mesmos – a dele é perfeita justiça do início ao fim. E nós nunca poderíamos obter tal justiça por conta própria.

Então por que é necessário que soframos no caminho para a glória? No texto estaremos analisando, Paulo responde a essa pergunta em detalhes com um maravilhoso testemunho de sua própria experiência. 2 Coríntios 12 . Nós vamos trabalhar o nosso caminho através dos versos 1-10. Eis o contexto:

Este é o relato do apóstolo Paulo do seu espinho na carne. Não sabemos a natureza desse espinho. Foi uma aflição persistente ou um julgamento prolongado de algum tipo não especificado. Alguns pensam que era um problema particular, e pode muito bem ter sido, porque Paulo refere-se ao espinho no versículo 7 como “um mensageiro de Satanás para me esbofetear” – como se ele estivesse falando de uma pessoa. E, de fato, isso é o que pode ter sido. Havia muitas pessoas como Himeneu e Fileto, os hereges hiperpreteristas originais; Demas, o colega de trabalho mundano, que estava com Paulo por um longo tempo, mas abandonou a fé, quando o custo de seguir a Cristo tornou-se muito caro. Talvez as práticas mundanas de Demas ou sua fé indiferente fossem como um espinho na carne de Paulo. Então, novamente, em 2 Timóteo 4:14, Paulo menciona “Alexandre, o latoeiro [do qual, ele diz] me fez um grande mal, o Senhor lhe retribuirá segundo as suas obras.” Então, é claro, havia os judaizantes, que seguiram Paulo em todo o império, semeando o joio de falsa doutrina, onde quer que ele tivesse levado o evangelho aos gentios. Talvez o “espinho” do qual Paulo falou fosse um verdadeiro “mensageiro de Satanás”.

Agora deixe-me expandir o contexto para você um pouco: Paulo estava sob ataque em Corinto. Seu caráter e apostolado tinham sido abertamente questionados, e as pessoas em comunhão de Corinto haviam ficado confusas sobre se Paulo era alguém cujo ensinamento e liderança eram confiáveis. E isso foi minando o evangelho em Corinto. A igreja estava flertando com a apostasia. Acima de todos os problemas abordados por Paulo em 1 Coríntios, a igreja já estava à beira de abandonar a verdade por completo.

Agora, tenha em mente que esta igreja, que o próprio Paulo havia fundado, era composta principalmente por pessoas que ele conhecia pessoalmente. O próprio Paulo lhes tinha levado o evangelho e os conduziu a Cristo tirando-os do paganismo que grassava naquela cidade. Ele era o seu pai espiritual. Ele também exerceu autoridade apostólica sobre eles. E, no entanto, na sua ausência, os falsos mestres tinham aparecido. Estes eram homens que falsamente arrogavam um nível ainda mais alto de autoridade apostólica para si mesmos. No versículo 11, Paulo se refere a eles como “super-apóstolos”. Mas Paulo não está falando sobre o mais eminentes dos doze. Ele está fazendo uma referência sarcástica ao que esses falsos mestres afirmavam sobre si mesmos. A palavra grega tem a conotação de alguém que é arrogante, auto-importante, e que despreza aos outros. A expressão “super-apóstolos” capta perfeitamente o desdém de Paulo para com estes homens.) Ele usa a mesma expressão em 11:5. Esses falsos mestres tinham se movido na igreja de Corinto, ensinando o erro e minando a confiança da Igreja na liderança de Paulo.

Segunda aos Coríntios é, portanto, dominada pela defesa de Paulo de sua autoridade apostólica, e não por motivos egoístas ou auto-engrandecimento, mas porque um ataque contra a sua autoridade abriria a porta para hereges e suas falsas doutrinas, e isso era uma ameaça para a própria vida da igreja em Corinto. Assim, ao longo de 2 Coríntios, Paulo está defendendo suas credenciais apostólicas, e sua autodefesa atinge uma espécie de clímax aqui no capítulo 12.

Deixe-me ler os primeiros 12 versículos do capítulo. Paulo passou vários capítulos respondendo os ataques contra si mesmo, defendendo seu caráter, lembrando aos coríntios o que eles já conheciam a respeito dele, refutando acusações falsas de seus oponentes, e explicando seus motivos e seu estilo de ministério. Tudo isso é muito estranho para o estilo habitual de Paulo. Ele era um homem humilde. Ele não gostava de falar sobre si mesmo. Mas, a fim de defender o verdadeiro evangelho, ele teve que defender as suas próprias credenciais apostólicas.

Os falsos mestres, evidentemente, se gabavam de grandes obras e revelações impressionantes. O que Deus tinha revelado a eles e que eles tinham que ensinar aos coríntios superaria tudo o que Paulo poderia realizar, foi o que disseram. Paulo teve que responder a esse argumento, também. Assim, ele responde. Vou começar no início do capítulo 12 e leia até o versículo 12. Aqui está a resposta de Paulo às afirmações dos super-apóstolos sobre sonhos, visões e revelações privadas:

2Co 12:1 Se é necessário que me glorie, ainda que não convém, passarei às visões e revelações do Senhor.
2Co 12:2 Conheço um homem em Cristo que, há catorze anos, foi arrebatado até ao terceiro céu ( se no corpo ou fora do corpo, não sei, Deus o sabe )
2Co 12:3 e sei que o tal homem ( se no corpo ou fora do corpo, não sei, Deus o sabe )
2Co 12:4 foi arrebatado ao paraíso e ouviu palavras inefáveis, as quais não é lícito ao homem referir.
2Co 12:5 De tal coisa me gloriarei; não, porém, de mim mesmo, salvo nas minhas fraquezas.
2Co 12:6 Pois, se eu vier a gloriar-me, não serei néscio, porque direi a verdade; mas abstenho-me para que ninguém se preocupe comigo mais do que em mim vê ou de mim ouve.

2Co 12:7 E, para que não me ensoberbecesse com a grandeza das revelações, foi-me posto um espinho na carne, mensageiro de Satanás, para me esbofetear, a fim de que não me exalte.
2Co 12:8 Por causa disto, três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim.
2Co 12:9 Então, ele me disse: A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo.
2Co 12:10 Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte.
2Co 12:11 Tenho-me tornado insensato; a isto me constrangestes. Eu devia ter sido louvado por vós; porquanto em nada fui inferior a esses tais apóstolos, ainda que nada sou.
2Co 12:12 Pois as credenciais do apostolado foram apresentadas no meio de vós, com toda a persistência, por sinais, prodígios e poderes miraculosos.

Então aqui está o que está acontecendo: Paulo foi forçado a mostrar suas próprias credenciais apostólicas – a se gloriar de suas próprias qualificações espirituais contra seus próprios desejos e contrariamente ao seu estilo normal de ser e escrever. Ele conta para o coríntios um privilégio sagrado maravilhoso que lhe foi dado. Ele foi arrebatado ao céu. É um evento que ele não cita em nenhum outro lugar. Na verdade, ele diz muito pouco sobre isso aqui. Ele rapidamente se desloca para outro assunto, referindo-se à aflição que ele sofreu. E ele usa esse contraste para fazer um ponto significativo sobre a suficiência da graça divina.

De fato, a graça é o tema que permeia o testemunho de Paulo nesta passagem. Assim ele se move através desses primeiros dez versos, ele fala sobre três dons significativos que recebeu das mãos da graça de Deus. Três tipos de dons totalmente diferentes, mas unidos como se encontram nos dão uma lição maravilhosa sobre a suficiência da graça de Deus. O dom número um é –

1. Paraíso

Paulo foi transportado para o “terceiro céu”. Isso é uma referência ao paraíso, a morada de Deus e a morada “dos espíritos dos justos aperfeiçoados.” O primeiro céu é o céu atmosférico, chamado de céu em Gênesis 1:6-8. O segundo céu é o espaço sideral, o reino das estrelas e dos planetas. É chamado de céu em Gênesis 22:17 e numa série de outras passagens que falam de “as estrelas do céu.” O terceiro céu é o lugar onde Deus habita.

Em 1 Reis 8:27, Salomão diz: “Mas, de fato, habitaria Deus na terra? Eis que os céus e até o céu dos céus não te podem conter,”. Literalmente, a expressão é “o céu e o céu dos céus não te podem conter”. Assim, o terceiro céu é exclusivamente o domínio de Deus – e ainda isto não pode contê-lo.

Paulo foi levado para lá, “arrebatado” ao paraíso, levado para a sala do trono de Deus, onde ele viu e ouviu coisas que não é possível descrever e nem mesmo é lícito tentá-lo. Esta foi uma experiência praticamente sem paralelo na história da humanidade, uma honra que, tanto quanto sabemos, foi igualada apenas pela experiência do apóstolo João, que anos depois, na Ilha de Patmos, teve uma visão semelhante. E talvez fosse semelhante à experiência de Isaías, que diz em Isaías 6:1 que “No ano em que morreu o rei Uzias, [ele] viu o Senhor sentado sobre um trono alto e sublime, e as abas de suas vestes enchiam o templo.”

A experiência de Paulo era tão vívida e real que ele diz no versículo 2, que ele não poderia dizer se ele estava no corpo ou fora do corpo. Ele poderia ter sido literalmente transportado corporalmente para o céu, ou isso poderia ter sido uma experiência fora do corpo. Mesmo o próprio Paulo não sabia ao certo, mas ele nos diz que a experiência foi intensa e autêntica, não obscura ou um sonho. Foi uma verdadeira e genuína revelação de Cristo em pessoa para o apóstolo Paulo.

Como um jovem cristão eu li isso e não me ocorreu imediatamente que Paulo estava descrevendo sua própria experiência nos versículos 1-5, porque ele descreve a experiência na terceira pessoa. “Conheço um homem em Cristo … E eu sei que este homem foi arrebatado … e ouviu coisas … este homem.” Terceira pessoa, todo o tempo.

Mas não se enganem; isto foi a própria experiência de Paulo. Ele deixa isso claro, e até mesmo explica porque ele dá o seu próprio testemunho na terceira pessoa. Versículo 5: ” De tal coisa me gloriarei; não, porém, de mim mesmo, salvo nas minhas fraquezas.” Então, quando ele tem uma história para contar que honra a si mesmo e exalta sua experiência, ele diz isto na terceira pessoa. Quando ele tem algo a dizer sobre a sua fraqueza, ele muda para a primeira pessoa. Versículo 6: ” Pois, se eu vier a gloriar-me, não serei néscio, porque direi a verdade; mas abstenho-me para que ninguém se preocupe comigo mais do que em mim vê ou de mim ouve.”

Observe o que Paulo diz sobre sua experiência: “Ele ouviu coisas que não podem ser contadas, que o homem não pode pronunciar.” E além disso ele não dá nenhum detalhe sobre como o céu era, ou por quanto tempo ele esteve lá, quem ou o que ele viu, ou qualquer um dos outros tipos de detalhes que são tão proeminentes nas declarações que você ouve no circuito televisivo de celebridades cristãs que se gabam de seus feitos.

Na verdade, Paulo não quer falar sobre isso. Ele não quer que os coríntios o reverenciem, porque ele passou por coisas sobrenaturais. Se eles o honrassem deveria ser pelo que viam em sua vida e que eles ouviam de seus lábios quando ele ensinava. Sua experiência no paraíso foi uma experiência sagrada, mas intensamente pessoal. A única razão pela qual ele contou a história foi para demonstrar que ele podia facilmente superar a mais alta das reivindicações que aqueles super-apóstolos estavam fazendo.

E do que Paulo acaba, na verdade, se gloriando é sobre um tipo completamente diferente de dom. Dom número um: Paraíso. Aqui está o dom número 2:

2. Dor

O versículo 7: “E, para que não me ensoberbecesse com a grandeza das revelações, foi-me posto um espinho na carne, mensageiro de Satanás, para me esbofetear, a fim de que não me exalte.”

Observe, em primeiro lugar, que a palavra “revelações” no versículo 7 é plural. Isso é um indício sutil, mas sugere que a experiência que Paulo descreveu no versículo 2 não foi um evento único em sua experiência. Ele parece ter tido várias revelações deste mesmo tipo. Mas ele não as contou para nós. Ele terminou falando sobre “visões e revelações”.

E eu não o culpo. Paulo teve uma lembrança perpétua para não se ensoberbecer sobre seus privilégios espirituais. Foi esse “espinho na carne, um mensageiro de Satanás.” A palavra traduzida como “espinho” no texto grego é skolops. Significa algo muito pontiagudo, geralmente de madeira. No grego clássico, muitas vezes, significa “estaca”, como uma estaca de uma paliçada. O tamanho deste objeto cortante não é quase tão importante quanto a gravidade da dor que inflige. É evidente que ele não está descrevendo uma espécie de tortura fatal, mas uma forte aflição constante, irritante, que parecia um tipo de tortura lenta. Paulo escolhe esta palavra precisamente porque evoca uma noção de dor torturante.

Assim a dor de Paulo foi uma provocação de Satanás, ou foi um dom da graça de Deus?

Qual é a resposta correta para essa pergunta?

Ambos.

Satanás quis fazer disso para o mal, Deus o tornou em bem. E aqui está um pequeno segredo: que é verdade para cada problema vexatório que os poderes das trevas jamais podem causar a você. Tudo o que é feito para o mal, Deus usa para o bem. “Sabemos que Deus faz com que todas as coisas cooperem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.” Vimos esta mesma verdade em tantos lugares. Foi a lição da vida de José, e o culminar triunfante das provações sofridas de seus próprios irmãos para se livrarem dele para sempre. Depois que subiu para a segunda maior posição de poder no Egito, em Gênesis 45:8, José diz a seus irmãos: “Não fostes vós que me enviastes para cá, senão Deus. Ele me fez um pai de Faraó, e senhor de toda a sua casa e governador de toda a terra do Egito.” Então, ele diz em Gênesis 50:20: “Vocês planejaram o mal contra mim, mas Deus o tornou em bem.”

No versículo 7 do nosso texto, Paulo escreve: “um espinho me foi dada na carne.” Ele usa a voz passiva. Quem o deu a ele? Claramente Satanás os fez – no sentido de que Satanás (ou um mensageiro de Satanás) foi a causa imediata, o agente instrumental que afligiu Paulo.

No entanto, sabemos que Deus era a última Causa. Como podemos ver no caso de Pedro, e no caso de Jó, no Antigo Testamento, Satanás não poderia afligir um santo de Deus, sem permissão expressa de Deus. Satanás teve que pedir para peneirar Pedro como trigo, e ele teve que pedir para afligir a Jó. Ele não poderia ter afligido Paulo com um espinho na carne, se Deus não o permitisse. E Deus nunca teria permitido tal coisa sem um bom motivo, e com isso quero dizer que tinha que ser algo que era bom para Paulo, uma expressão da graça e do favor de Deus, envolto na aparência de adversidade.

Além disso, a Escritura ensina expressamente que nossos sofrimentos têm sempre um propósito gracioso. Sempre que sofremos injustamente, devemos ver isso como um dom de Deus. Tiago 1:2: “Meus irmãos, tenham por motivo de toda alegria, passarem por variadas provações.” Romanos 5:3: “Nós nos gloriamos nas tribulações.” Primeira Pedro 2:19: “porque isto é grato, que alguém suporte tristezas, sofrendo injustamente, por motivo de sua consciência para com Deus.” Mateus 5:10-12: “Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus. Bem-aventurados sois quando, por minha causa, vos injuriarem, e vos perseguirem, e, mentindo, disserem todo mal contra vós. Regozijai-vos e exultai, porque é grande o vosso galardão nos céus; pois assim perseguiram aos profetas que viveram antes de vós.”. Sofrer por amor de Cristo, ou por amor da justiça é uma grande bênção. Primeira Pedro 4:15-16: “Não sofra, porém, nenhum de vós como assassino, ou ladrão, ou malfeitor, ou como quem se intromete em negócios de outrem; mas, se sofrer como cristão, não se envergonhe disso; antes, glorifique a Deus com esse nome.”

Essa palavra “dado” no versículo 7 significa, creio eu, que o próprio Paulo havia chegado a considerar o espinho na carne como um favor. É a própria palavra que você usaria para descrever um presente dado com a intenção de homenagear alguém.

“Por causa da suprema grandeza das revelações”, para que Paulo não se tornasse ensoberbecido – Deus permitiu que Satanás encaixasse algum tipo de lasca espiritual sob a pele do apóstolo, e isto se tornou uma lembrança perpétua da suficiência absoluta da graça de Deus, bem como um motivo para Paulo permanecer humilde.

Agora Paulo diz no versículo 8, “Por causa disto, três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim.” A palavra traduzida como “pedi” tem no original grego o significado de pedido urgente, importuno, rogo para alívio. É a mesma palavra traduzida como “rogou”, em Mateus 8:34: “toda a cidade saiu ao encontro de Jesus e, vendo-o, rogaram-lhe para sair de sua região.” Além disso, a mesma palavra é usada para descrever a súplica urgente de Jairo, o chefe da sinagoga, em Marcos 5:23, quando ele caiu aos pés de Jesus “e insistentemente lhe suplicou: “Minha filhinha está à morte; vem, impõe as mãos sobre ela, para que seja salva, e viverá.”

E a tríplice repetição de Paulo sobre a oração também é significativa. De acordo com Mateus 26:44, Jesus repetiu Sua oração no Getsêmani para o cálice passar dele por três vezes. Esta é uma reminiscência disso. E assim como o cálice não passou de Jesus, o espinho na carne não partiu de Paulo. Mas em vez disso, ele recebeu uma resposta muito específica do Senhor.

De qualquer forma, a resposta que Paulo recebeu revela para nós o dom número três. O primeiro dom foi o paraíso. O segundo foi a dor. Agora o terceiro –

3. Poder

Aqui está a prova definitiva de que era a Jesus que Paulo estava orando. Olhe para a resposta no versículo 9: “Mas ele me disse: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza.”

“Meu poder”. Que poder?

Paulo imediatamente responde a essa pergunta para nós, quando ele diz: “Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte.” Nós não sabemos como Paulo recebeu a resposta à sua oração. Pode ter sido através de uma voz audível, em um sonho ou visão. Não é importante para nós saber como Paulo recebeu a mensagem, ou ele teria nos contado. O que é importante é a mensagem em si.

“Meu poder”, Jesus disse, “atinge a perfeição na fraqueza.” Uma das coisas mais difíceis do mundo é fazer com que os cristãos abracem e acreditem nesta verdade, mas o que Paulo diz aqui é sempre apresentado como a estratégia divina. Em 1 Coríntios 1:27-29, lemos: “pelo contrário, Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes; e Deus escolheu as coisas humildes do mundo, e as desprezadas, e aquelas que não são, para reduzir a nada as que são;”

Mas a melhor parte é a frase da resposta que Paulo recebeu: “Minha graça é suficiente para você.” Agora, uma pessoa imprudente lendo isso pode pensar Cristo ouviu a oração de Paulo e a resposta que ele deu foi um “não”. O próprio Paulo não viu dessa forma. E nós precisamos ser sábios em discernir as respostas às nossas orações. “Sim” não é necessariamente a resposta que realmente queremos. E “não” não significa necessariamente que o Senhor recusou nosso pedido.

Lembram como os israelitas oraram por carne, em vez do maná no deserto? Deus lhes disse “sim”. Então ele enviou codornizes a eles por comida. Salmo 106:14-15: “entregaram-se à cobiça, no deserto; e tentaram a Deus na solidão. Concedeu-lhes o que pediram, mas fez definhar-lhes a alma.” Às vezes, Deus em Sua ira atenderá a um pedido de oração ao pé da letra.

Mas às vezes, Deus em Seu amor diz “não” ao nosso pedido para que Ele possa nos dar algo melhor. Esse é o caso aqui. Você preferiria ter a ausência do espinho ou a abundância da graça divina? E a graça, neste caso, vem na forma de capacitação.

A resposta de Jesus à oração de Paulo é indicada na forma de um quiasmo (ki AS mus), que significa que a forma da segunda frase é um espelho invertido da primeira frase. Este é um dispositivo literário bastante comum nas Escrituras, e que lança alguma luz sobre o significado dessa promessa. A palavra no grego diz assim: “é suficiente para você a minha graça; meu poder é aperfeiçoado na fraqueza.” Assim, a palavra “suficiente” espelha a palavra “perfeita”, a palavra “você” espelha a “fraqueza”; e a palavra “graça” espelha “poder”. E isso significa que a “graça” da qual Jesus está falando aqui é personificada no poder de Cristo, manifestado no ministério de Paulo.

Assim, enquanto Jesus não responde a oração de Paulo precisamente da maneira como Paulo pediu, Ele lhe deu algo melhor: a graça suficiente para todas as necessidades.

E assim a mesma coisa que lhe causou dor tornou-se para Paulo, o lembrete do poder de Cristo manifestado em sua vida – e, portanto, um motivo para se alegrar.

Versículo 10: “Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte.” Essa é uma declaração surpreendente. Nós pensamos de contentamento em termos de ter o que queremos, se nosso desejo é cumprido, e se desfrutamos de todos os confortos e conveniências da vida. Para Paulo, o contentamento significava apenas ter graça suficiente e o poder do Senhor para sustentá-lo. Assim, ele poderia fazer essa afirmação notável: “Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias.” Nada nessa lista jamais seria associado com contentamento, mas Paulo tinha uma visão de mundo verdadeiramente centrada em Cristo.

Na versão King James, o versículo 9 lemos: “De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas minhas fraquezas.” A Bíblia New American Standard é semelhante: “De boa vontade, pois, mais me gabarei nas minhas fraquezas.” Essa palavra “mais” está no texto grego. “Mais” do que o quê? O que Paulo está dizendo? Parafraseando, isso é o que significa: “Em vez de pedir uma quarta vez para a retirada do espinho, eu vou (com alegria suprema) me gloriar nas minhas fraquezas.”

No final desta passagem, Paulo está tão fraco como ele sempre foi. Mas porque agora ele sabe que o poder de Cristo será ampliado através de sua fraqueza, a própria tribulação, que antes parecia tão problemática se tornou sua melhor razão para se gloriar – uma glória que ele mais preferia fazer do que falar sobre suas “visões e revelações” do céu.

Se conhecêssemos a suficiência da graça de Deus e inesgotável energia do poder de Cristo, teríamos uma perspectiva semelhante de nossas próprias provações.

Que Deus nos dê essa sabedoria.

Texto de Phil Johnson, traduzido e adaptado pelo Pr Silvio Dutra.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA