A Diferença Entre a Mortificação da Lei e a do Evangelho

0

Texto de Ralph Erskine, traduzido e adaptado pelo Pr Silvio Dutra.

1. A mortificação Evangelho é a partir de princípios do evangelho, pelo Espírito de Deus – Romanos 8.13: “Se, pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis”; da fé em Cristo – Atos 15.9: “purificando os seus corações pela fé”; do amor constrangedor de Cristo – 2 Coríntios 5.14: “O amor de Cristo nos constrange.” Mas a mortificação legal é de princípios jurídicos, tais como, a partir do aplauso e elogio dos homens, como nos fariseus; do orgulho da justiça própria, como em Paulo antes de sua conversão; do medo do inferno; a partir de uma consciência natural; como em outros exemplos; a partir de alguns movimentos comuns do Espírito; e muitas vezes a partir do poder do pecado em si, enquanto um pecado está configurado para lutar com outro, como quando a sensualidade e o farisaísmo lutam um com o outro.

2. Eles diferem em suas armas com as quais lutam contra o pecado. O crente no evangelho luta com armas de carência, ou seja, o sangue de Cristo, a Palavra de Deus, as promessas da aliança, e a virtude da morte de Cristo e cruz – Gálatas 6.14: “Deus me livre de gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, por quem (ou, como pode ser lido,” pelo que “) o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo.” Mas agora o homem sob a lei luta contra o pecado pelas promessas e ameaças da lei; por suas promessas, dizendo, vou obter a vida; e ganhar o céu, eu espero que, se eu fizer assim e assim; por suas ameaças, dizendo: eu vou para o inferno e ser condenado, se eu não fizer assim e assim. Às vezes ele luta com as armas de seus próprios votos e resoluções, que são a sua forte torre, na qual ele pensa que está seguro.

3. Eles diferem no objeto de sua mortificação. Ambos, na verdade, procuram mortificar o pecado, mas a luta do legalismo é mais especialmente com os pecados de sua conversa, ao passo que o verdadeiro crente tem o desejo de lutar contra a própria corrupção original. Um corpo de pecado e morte perturba mais do que qualquer outro pecado no mundo: “Miserável homem que eu sou! Quem me livrará do corpo desta morte?” (Romanos 7.24). Seu grande exercício é ter a semente da mulher esmagando a cabeça desta serpente.

4. Eles diferem nas razões do conflito. O crente, a quem a graça ensina a negar toda a impiedade, ele luta contra o pecado, porque desonra Deus, se opõe a Cristo, entristece o Espírito, e faz separação entre o Senhor e ele; mas o legalista luta contra o pecado, porque ele quebra sua paz, e perturba a sua consciência, e lhe causa dor, trazendo ira e julgamento sobre ele.

5. Eles diferem em seus motivos e fins. O crente não vai servir o pecado, porque ele está vivo para Deus, e morto para o pecado (Romanos 6.6). O legalista abandona o pecado, não porque ele está vivo, mas para que ele possa viver. O crente mortifica o pecado, porque Deus o ama; mas o legalista, para que Deus o ame. O crente mortifica, porque Deus está pacificado em relação a ele; o legalista para que ele possa pacificar a Deus por sua mortificação.

6. Eles diferem na natureza de sua mortificação. O legalista não se opõe violentamente ao pecado, buscando a completa destruição do mesmo. Se ele conseguir colocar o pecado para baixo, ele não procura exterminá-lo; mas o crente, com uma natureza e princípio, contrário ao pecado, procura não só enfraquecê-lo, mas extirpá-lo. A briga é irreconciliável; não há termos de abrigo ou acordo.

7. Eles diferem na extensão da guerra, não só objetivamente, o crente odeia todo caminho de falsidade; mas também subjetivamente, todas as faculdades da alma do crente, toda a parte regenerada é contra o pecado. Não é assim com o hipócrita ou legalista; porque ele poupa algum pecado ou outro, por isso a sua oposição ao pecado é apenas assentada em sua consciência; sua luz e consciência se opõem a tal coisa, enquanto seu coração o aprova. Há também uma medida quanto ao tempo; a oposição do legalismo para o pecado é de curta duração, mas no crente é até o fim; pois a graça e a corrupção continuam se opondo um ao outro.

8. Eles diferem quanto ao sucesso. Se o crente perder muitas batalhas, todavia ele ganha a guerra. Mas o legalista, por todo o trabalho que ele faz, embora tenha cortado algum pecado atual, no entanto, a natureza corrupta nunca é alterada; ele nunca recebe um novo coração; a cerviz de ferro que se opõe a Deus, nunca é quebrada; e quando ele mortifica um pecado, outro mais perigoso lhe domina, e ainda assim o legalista ergue a cabeça orgulhosamente.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here