A Cura para Alimentos sem Sabor, ou, Sal para a Clara de um Ovo

0

Tradução e adaptação de partes de um Sermão de Charles Haddon Spurgeon feitas pelo Pr. Silvio Dutra.

“Pode o que é insípido se comer sem sal? Ou há gosto na clara do ovo?” (Jó 6.6)

Esta é uma pergunta que Jó fez a seus amigos, que lhe haviam sido tão hostis. Assim, ele debate com aqueles “consoladores molestos” que inflamaram suas feridas derramando nelas sal e vinagre em vez de azeite e vinho. O primeiro deles tinha acabado de abrir fogo sobre ele e Jó, por meio desta pergunta, disparou um tiro em retorno. Ele queria que os três observadores superficiais entendessem que ele não se queixava sem motivo. Se ele tinha falado amargamente, foi porque ele sofreu gravemente. Ele estava com muita dor física, ele estava suportando grande depressão mental e, ao mesmo tempo, ele havia sido ferido com a pobreza e luto. Ele tinha, portanto, motivo para sua tristeza. Ele não tinha nenhum conforto e cada seta de tristeza estava perfurando sua carne. Se ele gemeu, ele tinha razão para gemer.

O entusiasmo da sua vida se foi. Nenhuma alegria ficou para tornar a existência valer a pena. Era como alguém que não encontra sabor em sua comida e detesta o bocado que ele engole. O que lhe restava era insípido como a clara do ovo, que não lhe rendia qualquer tipo de conforto. Na verdade, era repugnante para ele. Ele disse: “As coisas que a minha alma recusa tocar, pois são para mim qual comida repugnante.” Por isso, ele praticamente pede aos seus amigos: “Como vocês podem esperar que eu coma uma carne como esta, sem suspiros e lágrimas? Pode o que é insípido ser comido sem sal? Há gosto na clara do ovo?”

Aqui ele diz que Elifaz tinha administrado a ele carne repugnante sem sal – meras claras de ovos sem gosto. Nem uma palavra de amor, piedade, ou sentimento amigável tinha sido proferido pelo temanita. Ele havia falado tão duramente e severamente, como se fosse um juiz abordando um criminoso que estava sofrendo mais do que ele merecia.

“Pode o que é insípido se comer sem sal? Ou há gosto na clara do ovo?”

Dá-se exatamente o mesmo com relação ao alimento de nossas almas. É uma grande falta quando não existe sabor num sermão. É uma falha fatal para o povo de Deus, quando um livro contém uma boa parte do que pode ser verdade, mas ainda carece de santo sabor ou o que, em outras palavras, chamamos de “unção”. Alguém diz: “Diga-nos o que é a unção.” Eu posso dizer mais facilmente o que não é! Você sabe quando um sermão tem sabor nele e você também sabe quando um sermão é seco, sem seiva, sem sabor.
Mas que tipo de sabor esperamos em um sermão? Eu respondo, em primeiro lugar, é um aroma do Senhor Jesus Cristo. Anos atrás, antes dos ministros ficarem tão sábios a ponto de questionar a inspiração divina da Escritura e renunciar à Doutrina da Expiação, costumava haver homens no paÍs, cujo ministério estava cheio de sabor para o povo de Deus. Havia inúmeros cristãos em Londres que iriam para o norte, ou ir para o sul, ou ir para o leste, ou ir para o oeste para ouvir tais pregadores e era um grande banquete ouvi-los! O que havia neles?

Eles eram profundos intelectuais? Certamente não! Irmãos profundamente letrados estavam pregando em igrejas e capelas, onde havia mais aranhas do que pessoas! Aqueles que mostravam a sua aprendizagem e retórica tinham lugares vazios, mas estes homens foram seguidos por multidões! Onde quer que eles falaram, os lugares eram pequenos demais para eles.

O que atraiu o povo do Senhor de tal forma? O que provocou tal entusiasmo? Ora, era que o pregador falava de seu Senhor e nunca se desviava da cruz! Quando éramos crianças, aprendemos o Catecismo da Bíblia do Dr. Watts, e eu me lembro de uma pergunta: “Quem foi Isaías?” e a resposta era: “foi o profeta que falava mais de Jesus Cristo do que todo o resto.”

Quem eram estes homens, então, que foram seguidos pelo povo de Deus tão intensamente? Eles eram homens que falavam mais de Jesus Cristo do que todo o resto!

Cristo crucificado era o seu tudo em tudo. Seu querido Senhor e Mestre nunca ficou muito tempo ausente de seus discursos. Se eles pregaram a doutrina, que era “a verdade de Deus como está em Jesus.” Se eles pregaram experiência, foi ” conhecê-Lo e a comunhão do Seu sofrimento.” E, se eles faziam aplicações práticas, como eles fizeram, a sua ideia de santidade era para ser como Jesus e segui-lo para fora do arraial, levando o seu vitupério. Agora, eu não acredito que um sermão pode ter cheiro nele, a menos que tenha Cristo nele.

Eles pregaram o Evangelho da Graça, como homens que o conheciam, amavam-no e o, e o viviam! Não era tarefa penosa para eles falar de Cristo e da graça, e do perdão e fidelidade à aliança. Você nem sempre podia ver os traços de elaboração ou mesmo de preparação sobre suas declarações, você poderia ver algo melhor, o sal espumante da Graça Divina! Se o óleo da meia-noite não tinha sido derramado em seus sermões, a unção do Espírito os tinha ungido!

Quando um homem tem estado evidentemente com Deus para aprender a Sua Verdade e foi batizado no espírito eterno dessa verdade ele, portanto, fala o que sabe e testemunha o que ele viu no temor do Deus vivo, há um aroma sobre seu testemunho e os santos o discernem de bom grado. Este santo sabor não pode ser imitado ou emprestado! É uma coisa sagrada e a sua composição é conhecida apenas pelo grande Doador de todos os dons espirituais, o Senhor, Ele Mesmo. É um óleo de santa unção que não vem da carne do homem e está muito longe de toda carnalidade. Ele nunca vem em qualquer homem, exceto à medida que desce da parte daquele que é o “Cabeça”, e assim cai ainda pelas bordas de suas vestes. De Cristo, somente, a verdadeira unção vem, e bendito é aquele que é feito participante com Ele.
Agora, o que é isso? De onde vem esse aroma? Em uma palavra, vem do Espírito Santo. O Espírito Santo testifica com a Palavra de Deus no coração vivificando a consciência do povo de Deus, e a Palavra de Deus torna-se vida, luz e poder para eles. Nós precisamos muito de tudo isso!

Há uma grande quantidade de conversação neste mundo que é insípida pela falta de sal. Quero dizer, uma conversa comum. Infelizmente, é fácil de se encontrar em pessoas cuja conversa não tem uma partícula de sal cristão nela. Nada que tende à edificação é falado por eles. A conversa tem uma abundância de alegria, mas nenhuma graça nela. Eles exibem qualquer quantidade de frivolidade, mas nenhuma piedade.

“Pode o que é insípido se comer sem sal? Ou há gosto na clara do ovo?”

Há muitas coisas neste mundo que não podemos tolerar por si mesmas – elas precisam de tempero. Uma das primeiras destas pode ser lida por nós como uma lição de prudência, ou seja, a repreensão. É um dever cristão reprovar um irmão que está em pecado, devemos falar com ele com toda gentileza e tranquilidade – para que possamos evitar sua ida ainda mais para o mal e conduzi-lo de volta ao caminho certo.

Mas você lembrará, por favor, irmãos e irmãs, que a reprovação é um trabalho delicado e precisa de uma mão delicada. Neste caso, é preciso mais amor do que vigor, mais prudência do que fervor, mais graça do que energia. Algumas pessoas têm um olhar muito rápido para os defeitos dos outros e eles têm uma língua pronta para dissertar sobre eles quando percebem que outros tendem a adicionar um exagero à importância da culpa.

Agora, esses irmãos sempre reprovam de uma maneira errada. Ouça. Um deles grita-“Vem cá, irmão! Venha aqui. Deixe-me tirar aquela viga do seu olho.” O referido “problema” é realmente apenas um mosquito e o irmão reprovador fica indignado. Por que destruir a sua própria influência com tal insensatez? Se o mosquito pode ser removido, muito bem. Mas se você vai estragar o olho no processo, não seria melhor deixá-lo sozinho? Nós conhecemos pessoas que, para espalhar a Verdade de Deus, mataram o amor, que é a Verdade da vida de Deus. Eles querem confirmar bem um irmão na doutrina e, a fim de que sua visão possa ficar mais clara, batem-lhe nos olhos.

Uma coisa é ser “valente para a verdade”, e outra coisa ser amargo para a sua própria opinião. Fale com muita deferência a seu amigo errado e use muita ternura, porque você mesmo não é impecável. Fale reconhecendo todas as excelências e virtudes do seu irmão, que podem, afinal, ser maiores do que as suas próprias. E tente, se você puder, temperar com sal o que você tem a dizer em palavras suaves de louvor para outra coisa em que o amigo se destaca. Expresse a censura como sentenças do Seu Mestre. Dê a seu paciente a pílula de prata revestida com gentileza – isto será recebido mais de boa vontade e sem qualquer menor eficácia.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here