Calculando o Custo

0

Partes de um sermão de Charles Haddon Spurgeon, traduzidas e adaptadas pelo Pr Silvio Dutra.

“Pois qual de vós, pretendendo construir uma torre, não se assenta primeiro para calcular a despesa e verificar se tem os meios para a concluir? Para não suceder que, tendo lançado os alicerces e não a podendo acabar, todos os que a virem zombem dele, dizendo: Este homem começou a construir e não pôde acabar.” (Lucas 14.28-30)

Esta passagem é peculiar a Lucas. Ele nos diz que no momento em que nosso Senhor a pronunciou, grandes multidões o seguiam. É perceptível que quando nosso Senhor foi abandonado pela multidão, Ele não ficou deprimido, e quando o seu ministério tornou-se popular Ele não ficou animado por isto. Ele estava calmo e sábio no meio da excitação das multidões que se amontoavam. Esta passagem é prova suficiente desse fato. Nesta ocasião, nosso Senhor falou com vistas à joeira do grande número de discipulado nominal que estava diante dEle, para que a palha pudesse ser expulsa e somente o grão de trigo precioso pudesse permanecer.

Nosso Senhor Jesus era muito sábio para não se orgulhar quanto ao número de seus convertidos. Ele se importava, sim, muito mais com a qualidade do que com a quantidade. Ele se alegrou mais por um só pecador que se arrependeu genuinamente, do que por mais de 10.000 pecadores que meramente professavam ter se arrependido, que não lhe teriam dado qualquer alegria. Seu coração ansiava pelo real. Ele detestava a falsificação. Sua pá está em Sua mão com a qual limpará completamente a Sua eira e Seu machado foi posto à raiz das árvores para cortar aquelas que forem infrutíferas. Ele estava ansioso por deixar a Igreja vivendo como boa semente de trigo na terra, tão livre quanto possível de toda a mistura.

Portanto, neste caso particular, pode-se até pensar que ele estava repelindo os homens, em vez de atraí-los para a Sua liderança. Mas, na verdade, Ele não estava fazendo nada do tipo! Ele sabia muito bem que os homens, para serem verdadeiramente vencidos, devem ser vencidos pela verdade – que o verdadeiro amor é sempre honesto, e que o melhor discípulo não é aquele que se une à classe do grande Mestre apressadamente, e, em seguida, mais tarde descobre que a aprendizagem não é, como ele esperava – senão alguém que vem procurar apenas um suspiro de conhecimento. Além disso, nosso Senhor sabia o que às vezes podemos esquecer, que não há nenhuma mágoa no mundo para o trabalhador divino como a que vem de esperanças frustradas.

Quando aqueles que disseram: “Senhor, eu te seguirei aonde quer que você vá,” voltam aos seus maus caminhos. E quando o hálito quente que gritavam: “Hosana!” se transforma em cruel, clamor de sangue frio, “Crucifica-o! Crucifica-o,” nada é mais prejudicial para a Igreja do que uma grande diluição com membros de corações dobres. Por isso que o Mestre tinha o cuidado de evitar que alguém o seguisse em equívoco, para que não viessem a dizer mais tarde, “Nós fomos enganados. Fomos iludidos em um serviço que nos decepciona”.

Muitos há que não são chamados por Deus e que são movidos pelo impulso natural de imitar os outros e agitados por sentimentos que são, no entanto, fugazes, porque são intensos somente por um breve tempo. E, portanto, em nome de Cristo, é nosso dever tratá-los assim como Ele fez, e avisá-los em suas próprias palavras, “Se alguém vem a mim, e não odeia seu pai, e mãe, e mulher, e filhos, e irmãos, e irmãs, sim, e sua própria vida, também, não pode ser meu discípulo. E quem não tomar a sua cruz e não me segue, não pode ser meu discípulo. Pois qual de vós, pretendendo construir uma torre, não se assenta primeiro para calcular a despesa e verificar se tem os meios para a concluir? Para não suceder que, tendo lançado os alicerces e não a podendo acabar, todos os que a virem zombem dele, dizendo: Este homem começou a construir e não pôde acabar.” .

Então, está claro em nosso texto que a verdadeira religião é cara. (Não quanto ao dinheiro e bens que temos que gastar, mas em relação ao custo das renúncias e inteira consagração a Cristo que teremos que fazer – nota do tradutor). Longe de nós a criar qualquer confusão de pensamento aqui! Os dons da graça de Deus nada custam, nem poderia Sua salvação ser comprada com dinheiro, nem com o mérito, nem por votos e penitências. “Se um homem deve dar todos os bens de sua casa pelo amor, seria totalmente desprezado.” O lema do Evangelho é, “sem dinheiro e sem preço.” Somos “justificados gratuitamente pela Sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.”

No entanto, por tudo isso, se um homem vai ser um cristão isto vai lhe custar algo. Considere-se isto por um momento. Aqui está um cego sentado junto do caminho mendigando. Ele pede para que seus olhos sejam abertos. Será que vai custar-lhe alguma coisa? Não, o Salvador não aceitaria todo o ouro do mundo para a cura! Ele vai abrir livremente seus olhos. Mas quando eles são abertos custará ao cego alguma coisa! Com a obtenção de sua visão, ele vai ser chamado a desempenhar as funções de quem tem olhos. Não lhe será permitido, por mais tempo, sentar-se lá e implorar, ou, se ele tentar fazê-lo, ele vai perder a simpatia que é concedida à cegueira. Agora que seus olhos estão abertos, ele deve usá-los e ganhar o seu próprio pão. Vai custar-lhe algo, pois ele agora vai estar consciente da escuridão da noite, a qual ele não conhecia antes!

E há visões tristes que agora ele deve contemplar sobre as quais nunca pesou-lhe antes, pois muitas vezes o que os olhos não veem, o coração não sente. Um homem não pode ganhar uma faculdade, exceto com alguma despesa. Aquele que aumenta o conhecimento ou o meio de ganhá-lo, aumenta tanto o sofrimento quanto o dever.

Um homem está situado na estrada para o céu como um peregrino – ele nada paga para entrar pela porta? Ele não o faz. A Graça Livre admite-lo para o caminho sagrado.
Mas quando esse homem é colocado na estrada para o céu isto irá custar-lhe algo. Vai custar-lhe seriedade para bater à porta para subir a Colina da dificuldade. Vai custar-lhe lágrimas para encontrar o seu rolo de novo quando ele o perdeu no caminho da facilidade. Vai custar-lhe muito cuidado em descer o Vale da Humilhação. Vai custar-lhe a resistência até ao sangue quando ele ficar de pé para lutar com Apollyon. Vai custar-lhe muitos medos quando ele tiver que atravessar o vale da sombra da morte. Pode custar-lhe a vida quando ele vier ao Vale da Vaidade, se, como Fiel, ele for chamado a dar testemunho na fogueira!
A verdadeira religião é dom de Deus e não há nada que possamos fazer para comprá-la. Mas, ao mesmo tempo, se recebê-la, certas consequências advirão a partir dela, e devemos considerar se seremos capazes de enfrentá-las.

Você pode ter certeza que o custo deve ser grande, já que nosso Senhor compara-o com a construção de uma torre. A palavra aqui usada para “torre”, tem sido muitas vezes empregada para significar uma casa de torres, uma casa, ou mansão. “Qual de vocês”, disse ele para o povo, “com a intenção de construir para si uma mansão em que residir, não teria antes de tudo calculado o custo?”
O trabalho de nossa vida consiste em “edificar a nós mesmos em nossa santíssima fé.” Você não vê que é a um glorioso palácio que o caráter cristão é comparado? Mas, ainda, para que não se pense numa despesa pequena, nosso Senhor compara-o a uma guerra! Ele fala do número de soldados envolvidos nessa guerra, mostrando que não é nenhuma coisa pequena e insignificante. A guerra é sempre um trabalho dispendioso – além do custo de apetrechos e munição, há o custo de vidas humanas e sangue.

O Senhor compara a religião, então, a uma batalha entre o homem gracioso e os males do mundo exterior. O discípulo de Jesus tem de se defender contra um inimigo gigantesco.
Agora, tudo o que é durável deve ser caro! Você deve obter o seu vidro colorido, se você quiser, barato, mas o sol logo retirará toda a sua beleza. Se você deseja obter um vidro que deve manter a sua cor ao longo dos séculos, cada passo no processo de sua fabricação será caro, que envolve muito trabalho e muito cuidado. Assim é com a religião verdadeira. Você pode obtê-la mais barato – você vai olhá-la muito bem como uma coisa real e por algum tempo ele vai trazer-lhe quase todo o conforto e respeito que o artigo genuíno proporciona, mas isso não vai durar. Você precisa, caro amigo, (eu tenho certeza disso), você precisa de uma piedade que vai durar até você morrer! Bem, então, deve custar-lhe alguma coisa, você pode ter certeza disso.

Lembre-se, também, que a verdadeira religião terá de suportar uma tensão, pois é certo que será combatida. Esta torre não será construída sem oposição! É como a muralha de Jerusalém. Sambalate e Tobias tentarão impedir a construção. A verdadeira religião deve ser capaz de suportar a dureza, se ele não puder fazer isso, será boa para nada.
Jesus Cristo sabia que as pessoas às quais ele falou não seriam capazes de suportar os testes que aguardavam seus discípulos. Eles não sabiam que Ele seria crucificado, porque era muito popular, e esperavam que Ele fosse o Rei de Israel. Mas o Salvador sabia que chegariam dias sombrios em que o Rei dos Judeus seria crucificado num madeiro, e até mesmo os Seus discípulos verdadeiros e amados o abandonariam por um momento e fugiriam. E, portanto, Ele, na verdade, disse-lhes: “Você deve estar preparado para carregar a cruz. Você deve estar preparado para seguir-me no meio de escárnio, vergonha e opróbrio. E se você não está pronto para isso, o discipulado é um erro!”
“Esforçai-vos por entrar pela porta estreita”, ainda é a voz de Cristo a todos nós – “pois muitos procurarão entrar, mas não poderão.” Se a nossa religião deve ser pesada na balança e possa, talvez, ser achada em falta, é bom para nós calcularmos antes o custo de passar por esse calvário.

Qual, então, é a despesa? Qual é o custo da construção desta torre ou da luta nesta guerra?
A resposta é dada por nosso Salvador, não por mim! Eu não deveria ter coragem de inventar tais provações como Ele tem ordenado! Devo ser apenas o eco de sua voz e nada mais. O que Ele diz? Porque, em primeiro lugar, se você deve ser dele e ter a sua salvação, você deve amá-Lo além de qualquer outra pessoa neste mundo. Não é esse o significado dessa expressão: “Se alguém vier a mim e não odeia seu pai e sua mãe”? Caros nomes! Caros nomes! “Pai e mãe!” Vive um homem com alma tão morta que ele pode pronunciar uma dessas palavras sem emoção e, especialmente, a última “mãe”? Irmãos e irmãs, este é um nome querido para nós, ele toca um acorde que emociona o nosso ser! No entanto, muito mais poderoso é o nome do Salvador, o nome de Jesus!

Pai e mãe devem ser menos amados do que Jesus Cristo! O Senhor exige prioridade – também, a mais amada “esposa”. A parceira do nosso ser, o conforto de nossa tristeza, o prazer dos nossos olhos “nossa esposa!” No entanto, esposa, você não deve tomar o lugar principal. Você deve sentar-se aos pés de Jesus, ou então você é um ídolo, e Jesus não permitirá esta sua rivalidade. E “filhos”, os queridos bebês que se misturam em seu seio e pronunciam seu nome em toques de música não devem ser o nosso principal amor e não devem se interpor entre nós e o Salvador.

O próximo item de custo é este – o ego deve ser odiado. Significa isto, que quando o meu próprio prazer, ou o meu próprio proveito, ou a minha própria reputação, ou até mesmo a minha própria vida devem ser para a glória de Cristo, e eu devo ter em muito pouca conta o meu eu – o qual deve ser até mesmo odiado caso eu fique no caminho de Cristo! Estou olhando para o meu pai, mãe, irmão, irmã e a mim mesmo, como inimigos, tanto quanto nos oponhamos ao Senhor Jesus e à Sua santa vontade! Eu devo amá-los e desejar o seu bem, como eu também desejo o bem para mim, mas eu não devo desejar o bem para eles ou para mim mesmo ao custo de pecar e roubar do Senhor Jesus a Sua Glória. Quanto a mim, se eu vir qualquer coisa em mim mesmo em oposição a Jesus, preciso acabar com ela. Devo mortificar a carne com as suas paixões e concupiscências, negando-me qualquer coisa e tudo o que entristecer o Salvador, ou impedir a minha perfeita conformidade com Ele.

Em seguida, o Salvador continua a dizer que, se quisermos segui-Lo, devemos tomar a nossa cruz. “Quem não tomar a sua cruz e não me segue não pode ser meu discípulo.” Às vezes, essa cruz vem na forma de confessar a nossa fé diante de opositores. “Ah”, diz o coração tímido, “se eu fizer isso, terei todos os meus amigos contra mim.” Tome a sua cruz! É uma parte do custo do verdadeiro seguimento. Tome a sua cruz! Meu irmão, se você não fizer isso, você não pode ser discípulo de Cristo. “Bem, mas isso vai envolver uma mudança até mesmo na minha vida diária.” Faça a mudança, meu irmão, ou você não pode ser discípulo do Senhor.

Mas, mais do que isso, o Salvador, como outro item do custo, exige que seu discípulo deva tomar a sua cruz e vir após Ele, isto é, ele deve agir como Cristo agiu. Se não estamos dispostos a fazer de Cristo nosso exemplo, sim, se não é a nossa maior ambição viver como Ele viveu, nos consagrarmos para agir como Ele fez, não podemos ser Seus discípulos.
Por último, temos de fazer uma entrega sem reservas de tudo para Jesus. Ouça estas palavras: “Quem quer que seja de que não renuncia a tudo o que tem, não pode ser meu discípulo.” Pode ainda vir a perseguição e você pode realmente ter que desistir de tudo! Você deve estar preparado para o evento. Você pode não ter que desistir de nada, mas a entrega deve ser tão real em seu coração, como se tivesse que ser realizada em atitude e ação. Nenhum homem realmente se entregou a Cristo, a menos que ele também tenha dito: “Meu Senhor, eu dou a você neste dia o meu corpo, minha alma, meus poderes, meus talentos, meus bens, minha casa, meus filhos e tudo o que eu tenho. A partir de agora eu vou mantê-los em Sua vontade, como Seu mordomo. Eles são Seus, nada é meu, tudo Lhe entreguei.”

A fé e o arrependimento não são o trabalho de uma semana ou duas, são um trabalho da vida! Enquanto o cristão está na terra ele deve se arrepender. E quanto à fé, não se diz: “Eu acredito em Jesus, e, portanto, estou salvo”, mas é uma graça diária, a confiança de uma vida. O cristão continua, ainda assim, crendo e se arrependendo, até que ele começa a triunfar na glória eterna. Além disso, a fé é continuamente produtiva para santificar a vida do crente, ou de outra forma ele não é possuidor da fé genuína. Aquele que crê em Jesus Cristo é salvo, mas se houvesse tal coisa como uma fé temporária haveria também tal coisa como uma salvação temporária.

Vocês estão começando a construir uma torre da qual a pedra superior nunca será colocada até que você seja levado para o céu – e estão empenhados numa guerra que nunca vai acabar até que troque a espada pelo ramo de palmeira.
Deixe-me lembrá-lo, Amados, que Cristo não lhes pede para renunciarem a algo que possa ferí-los. Se você deve odiar pai e mãe é somente neste sentido, que você não vai ceder aos seus pedidos errados, nem vai deixar Cristo por causa deles. Se você deve desistir de qualquer prazer, isto é porque ele não é um prazer apropriado para você, senão o açúcar venenoso de chumbo e não é a verdadeira doçura. Cristo lhe dará maiores prazeres do que estes.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here