Batismo nas Águas

1
1450

O que é o batismo nas águas? Por que o fazemos? Como deve ser ministrado, quando e para quem? Quero ensinar um pouco acerca desta prática cristã…

É UMA ORDENANÇA DE JESUS

O batismo é uma ordenança clara de Jesus para todo aquele que n’Ele crê:

“Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-as em nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo” (Mateus 28.19)

SELO DA FÉ

O batismo deve ser visto como um selo da justiça que vem pela fé, e evidentemente deve seguir a fé, como determinam as palavras finais de Jesus que se encontram registradas no evangelho de Marcos:

“E disse-lhes: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; quem, porém, não crer será condenado” (Mc 16.15,16).

Esta é a razão porque não batizamos e nem tampouco validamos o batismo de crianças; é necessário crer primeiro e então se batizar. Obedecemos o princípio bíblico de consagrar os filhos ao Senhor, mas só os batizamos depois que puderem crer e professar sua fé.

É A CIRCUNCISÃO DO CORAÇÃO

No Velho Testamento, os judeus tinham como selo de sua fé a circuncisão; no Novo Testamento a circuncisão foi suprimida, sendo vista simbolicamente no batismo:

“Nele também fostes circuncidados, não por intermédio de mãos, mas no despojamento do corpo da carne, que é a circuncisão de Cristo; tendo sido sepultados juntamente com ele no batismo, no qual igualmente fostes ressuscitados pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dentre os mortos” (Colossenses 2.11,12)

Hoje, esta circuncisão acontece no coração (Rm 2.28,29), e Paulo a relaciona com o batismo.

O BATISMO NÃO SALVA, MAS ACOMPANHA A SALVAÇÃO

O batismo não salva ninguém. Jesus disse que quem crer (e for batizado por crer) será salvo e quem não crer será condenado; note que ele não disse “quem não for batizado será condenado”, mas sim “quem não crer”.

O batismo segue a fé que nos leva à salvação, mas ele em si não é um meio de salvação. Que o diga aquele ladrão que foi crucificado com Cristo e a quem Jesus disse que estaria com ele ainda aquele dia no paraíso (Lc 23.39 a 43); ele somente creu e nem pôde ser batizado, mas não deixou de ser salvo por isto. O batismo, portanto, não salva, mas nem por isso deixa de ser importante e necessário; aquele ladrão não tinha condições de passar pelo batismo, mas alguém que crê deve obedecer à ordenança de Cristo e ser batizado, caso contrário estará em deliberada desobediência a Deus, o que poderá impedir-lhe de entrar para a vida eterna.

Podemos dizer que o batismo é parte do processo de salvação, mas não que ele em si salve; o apóstolo Pedro escreveu o seguinte acerca do batismo:

“não sendo a remoção da imundícia da carne, mas a indagação de uma boa consciência para com Deus, por meio de Jesus Cristo” (1 Pe 3.21).

É UMA IDENTIFICAÇÃO COM CRISTO

O batismo tem um significado; além de ser um testemunho público da nossa fé em Jesus, ele fala algo. Na verdade é o meio através do qual externamos que tipo de fé temos depositado em Jesus Cristo.

Quando falamos sobre a fé em Jesus, não nos referimos a crer que Ele EXISTE; é mais do que isto! A maioria das pessoas crêem que Jesus existe mas não entendem o que Ele FEZ. São duas coisas completamente diferentes; o que nos salva da perdição eterna e da condenação dos pecados é a obra de Cristo na cruz em nosso lugar. Ao morrer na cruz, o Senhor Jesus não morreu porque mereceu morrer; pelo contrário, como justo e inocente, Ele nos substituiu, sofrendo o que nós deveríamos sofrer a fim de que recebêssemos a salvação de Deus.

Há dois elementos básicos na fé que nos salva: identificação e apropriação. É importante entender cada um deles dentro do simbolismo do batismo.

Identificação é o aspecto da fé que nos faz ver que Jesus assumiu a nossa posição de pecado, para que assumíssemos a posição de justiça d’Ele (2 Co 5.21). A Bíblia declara o seguinte: “Porque morrestes, e a vossa vida está oculta juntamente com Cristo, em Deus” (Cl 3.3). Quando Deus nos olha, ou Ele nos vê sozinhos em nossos pecados, ou nos vê através de Jesus Cristo, que já pagou por eles.

A fé nos coloca com Jesus na cruz, crucificados com Ele; nos coloca no túmulo, sepultados com Ele; nos coloca ainda nos céus, à direita de Deus, ressuscitados com Cristo! É quando nos vemos n’Ele, entendendo o sacrifício vicário do Filho de Deus, que passamos a ter direito ao que Cristo fez; esta é a hora do segundo passo: apropriação.

Apropriação é o aspecto da fé que torna meu aquilo que já vi realizado em Jesus. É quando entendemos que não somos salvos pelas obras, mas sim pela graça, mediante a fé e nos apropriamos disto. Paulo escreveu a Timóteo e lhe disse: “toma posse da vida eterna” (1 Tm 6.12).

O batismo, é o nosso testemunho da identificação com Cristo; ele revela não apenas que eu tenho fé, mas que tipo de fé eu tenho. Veja o que as Escrituras dizem:

“Ou, porventura, ignorais que todos os que fomos batizados em Cristo Jesus, fomos batizados na sua morte? Fomos, pois, sepultados com ele na morte pelo batismo, para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos para a glória do Pai, assim também andemos nós em novidade de vida” (Romanos 6.3,4).

Quando imergimos alguém na água, estamos simbolicamente declarando que esta pessoa foi sepultada com Jesus, e ao levantarmos esta pessoa das águas, estamos reconhecendo que ela já ressuscitou com Cristo para viver uma nova vida. Portanto, o batismo é onde reconhecemos que tipo de fé temos; uma fé que se identifica com Cristo e sua obra realizada na cruz.

QUEM PODE SE BATIZAR?

Para quem é o batismo? A explicação anterior responde esta indagação: para todo aquele que se identifica pela fé com o sacrifício de Cristo na cruz. Depois de ter reconhecido por fé a obra de Cristo, quando a pessoa passa a estar apta para o batismo? Quanto tempo ela tem que ter de vida cristã para poder se batizar?

A Bíblia responde com clareza estas questões. Em Atos 8.30 a 39, lemos acerca do primeiro batismo cristão apresentado em maiores detalhes na Bíblia. Neste texto, temos um modelo para a forma de batismo, e ali vemos que já na evangelização o batismo era ensinado aos novos convertidos, o que nos faz saber que ninguém deve demorar para se batizar após ter feito sua decisão de servir a Jesus.

Além disso, vemos também qual é o critério para que alguém se batize; quando o etíope pergunta: “Eis aqui água, que impede que eu seja batizado?” a resposta de Felipe vem trazendo luz sobre o requisito básico para o batismo: “É lícito, se crês de todo coração” (At 8.36,37).

Quando a pessoa foi esclarecida sobre a obra (e não só a pessoa) redentora de Jesus Cristo, e crê de todo o coração (sem dúvida acerca disto), ela está pronta para ser batizada.

QUANDO SE BATIZA O NOVO CONVERTIDO?

Não há data estabelecida, somente os critérios que o recém convertido deve apresentar. No caso de Filipe e o etíope, foi bem rápido!

COMO SE BATIZA?

A palavra “baptismos” no grego significa: “imergir; mergulhar; colocar para dentro de”. No curso da história, por várias razões, apareceram outras formas de batismo, como aspersão e ablução (banho); entretanto, como o batismo é uma identificação com Cristo em sua morte e ressurreição, e é exatamente isto que a imersão significa, não praticamos outras formas de batismo.

Quando Felipe batizou o etíope, eles pararam em um lugar onde havia água. A Bíblia diz que ambos entraram na água (At 8.38,39). Certamente aquele eunuco viajava abastecido com água potável; se fosse o caso de praticarem a aspersão havia água suficiente naquela carruagem para isto, mas batizar é imergir! Não foi à toa que João Batista se utilizou do rio Jordão para batizar. Depois, mudou o local de batismo para Enom, perto de Salim, e razão para isto é descrita pelo apóstolo João em seu evangelho: “porque havia ali muitas águas” (Jo 3.23).

Não há lugar específico para o batismo. Em nosso templo temos um batistério, mas também batizamos em rios, piscinas, e onde houver água suficiente para a imersão…

Além da água, é necessário alguém que ministre o batismo ao novo-convertido, uma vez que não existe auto-batismo na Bíblia. E quem pode batizar? Quem tem autoridade para isto? Só o pastor? Não! A ordenança de Jesus é clara: “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-as em nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo”(Mt 28.19).

Jesus mandou fazer discípulos e depois batizá-los. A ordem já subentende que quem faz o discípulo tem autoridade para batizá-lo. Felipe era apenas um diácono, fazendo o trabalho de evangelista; não era o pastor de igreja nenhuma, e batizou!

Paulo disse aos coríntios que não havia batizado quase ninguém entre eles; entendemos que mesmo se tratando de seus filhos na fé, ele provavelmente tenha passado esta tarefa a outros cooperadores, que não eram pastores.

Em nossa igreja, os pastores conduzem o batismo por uma questão de ordem, mas não porque só pastores possam batizar. Assim como os pastores pregam e isto não quer dizer que só eles possam pregar, assim também é com o batismo. Num batismo eles podem chamar o líder de célula ou o discipulador da pessoa para batizar o novo convertido.

Para muitas igrejas, as palavras de Mateus 28.19 (“em nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo”) são a fórmula a ser seguida no batismo. Vemos nisto um princípio espiritual, mostrando a Trindade envolvida no batismo, mas a forma como os apóstolos obedeceram esta ordem nos dá a entender que eles não viram nas palavras de Jesus uma fórmula a ser repetida. Por quatro vezes, vemos referências claras ao nome usado no batismo cristão nas páginas de Atos dos Apóstolos:

“Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para a remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo”. (Atos 2.38)

“Porquanto não havia ainda descido sobre nenhum deles, mas somente haviam sido batizados em nome do Senhor Jesus”. (Atos 8.16)

“E ordenou que fossem batizados em nome de Jesus Cristo. Então lhe pediram que permanecesse com eles alguns dias”. (Atos 10.38)

“Eles, tendo ouvindo isto, foram batizados em o nome do Senhor Jesus”. (Atos 19.5)

Quando Jesus citou o Pai, Filho, e Espírito Santo no batismo, o fez dizendo que em nome deles se deveria praticar o batismo, e não repetindo sua frase. “Pai” não é nome, é um título que indica uma posição; “Filho” também não é nome, é um título que indica uma posição. Qual é o nome a qual Jesus estava se referindo e que representa a Trindade na terra? É o Seu próprio nome!

Alguns alegam que batizar só em nome de Jesus é negar a Trindade, mas para os apóstolos era sinônimo de obediência à comissão de Cristo. Veja bem, quando expulsamos demônios, fazemos isto em nome de Jesus (Mc 16.17), mas não quer dizer que o Pai e o Espírito Santo tenham ficado de fora, pois Jesus disse que expulsava demônios pelo dedo de Deus (Lc 11.20) e também pelo Espírito Santo (Mt.12.28).

Quando uma pessoa é salva, é salva pelo nome de Jesus (At 4.12), mas não quer dizer que o Pai e o Espírito Santo não estejam envolvidos nisto. Da mesma forma, quando impomos as mãos nos enfermos (Mc 16.18), fazemos isto em nome de Jesus. Quando oramos, fazemos isto em nome de Jesus (Jo 16.23,24).

O NOME DE JESUS representa a trindade na terra; por trás dele estão o Pai, Filho e Espírito Santo. Quando batizamos “em nome de Jesus”, estamos batizando no nome que representa a Trindade.

Por causa da triunidade de Deus (um só Deus em três pessoas), sub-entende-se uma “implicitude” da Trindade no nome de Jesus. Daí, a ser “unicista” (Deus em uma só pessoa) há muita diferença!

Por Luciano Subirá

 

1 COMENTÁRIO

  1. O batismo deve mesmo ser realizado em nome do Senhor Jesus Cristo.

    Veja esse outro estudo, que está disponível em: evangelismo.blog.br

    “Em que sois batizados então?” (Atos 19:3)

    O Senhor Jesus Cristo deu uma ordem expressa aos seus discípulos, quando disse:

    “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.” (Marcos 16:15-16)

    Está muito claro que o batismo é uma ordenança do Senhor Jesus Cristo e que o crente não pode recusá-lo.

    Antes de qualquer coisa, é importante entender qual o significado do batismo. O batismo é uma declaração pública de fé, em que o batizado confessa ter se arrependido pelos erros praticados, manifestando a sua fé no Senhor e Salvador Jesus Cristo, tanto para os homens, quanto para todo o mundo espiritual. O batismo é portanto uma confissão pública de que o pecador arrependido está recebendo Jesus Cristo como o seu salvador.

    Nos tempos da igreja primitiva e até dezoito séculos depois, a confissão por Jesus Cristo era diferente da atual, na qual, depois da pregação, o interessado em receber Jesus Cristo ergue a mão na presença de todos e recebe uma oração da igreja.

    De acordo com a Bíblia, o batismo acontecia imediatamente após a pregação da Palavra de Deus, sendo um sinal de confissão diante dos homens. Os apóstolos não perguntavam se alguém queria “aceitar” Jesus Cristo, mas simplesmente batizavam a todos os interessados que ouviam a Palavra de Deus de bom grado (Atos 2:41). Somente depois disso, os novos cristãos eram apresentados à doutrina dos apóstolos (Atos 2:42).

    O batismo que João Batista realizava também acontecia imediatamente após a pregação do evangelho do reino. Todos os que criam na pregação eram imediatamente batizados no batismo do arrependimento dos pecados. Era um símbolo de confissão.

    Apesar de não ter pecado algum, Jesus Cristo desejou ser batizado nas águas do rio Jordão por João Batista, dizendo “(…) pois assim convém cumprir toda a justiça” (Mateus 3:15). Naquela hora, o céu se abriu sobre o Senhor Jesus Cristo, em sinal de que tudo isso foi testemunhado não apenas pelos homens na terra, mas também no céu.

    O batismo indica o sepultamento, ou seja, a morte do velho homem para o surgimento de uma nova vida, segundo a vontade de Deus. O batizado está morto para o mundo, mas vivo para Cristo (Romanos 6:4).

    O batismo não é uma invenção humana, mas uma determinação do próprio Deus, que deve ser observada por todos os que crerem.

    Infelizmente, apesar de haver apenas um batismo válido para Deus, conforme nos ensinam as Escrituras Sagradas (Efésios 4:4-5), os homens começaram a realizá-lo de várias formas diferentes, de acordo com a sua particular interpretação.

    Existem pessoas batizando mortos, bebês, crianças, por aspersão, em nome da trindade. Afinal, como deve ser realizado o batismo?

    O objetivo desse estudo é esclarecer as seguintes questões:
    1 – Quem pode ser batizado?
    2 – Como deve ser realizado o batismo?
    3 – Em nome de quem se batizar?

    Para obter uma resposta definitiva e confiável para todas essas questões, você será convidado(a) a examinar as Escrituras Sagradas (João 5:39). Deixemos de lado, portanto, os paradigmas e as interpretações particulares (2 Pedro 1:20) e abramos verdadeiramente o coração para a Palavra de Deus.
    Quem pode ser batizado?

    Se alguém deseja ser batizado, primeiramente deve cumprir três requisitos básicos:

    1- Arrependimento (Atos 2:38): o interessado no batismo tem consciência do pecado e da culpa que carrega e lamenta por isso, demonstrando a Deus arrependimento sincero;

    2- Fé (Marcos 16:16, Atos 8:37): crer que o Senhor Jesus Cristo é Deus, o único e verdadeiro caminho de salvação, morto por causa de nossas transgressões e ressuscitado dentre os mortos, ao terceiro dia após a morte na cruz. É preciso crer que o Senhor Jesus Cristo levou sobre si mesmo o castigo que era devido a nós. Por isso, NELE podemos descansar e ter paz (Isaías 53:5).

    3- Vontade (Atos 2:41, Atos 8:36): o interessado é batizado por iniciativa própria, nunca por pressão ou por vontade alheia.

    Ao observarmos os três requisitos básicos, podemos descartar tranquilamente a validade do batismo de bebês, crianças e mortos.

    O batismo de bebês e crianças, realizado pela Igreja Católica Apostólica Romana, é inválido porque esses inocentes não possuem a capacidade para compreenderem o significado de fé e arrependimento, e por isso não podem fazer escolhas conscientes.

    A Bíblia não relata um único exemplo de criança ou bebê que tenha sido batizado, mas fala sobre a necessidade de serem apresentadas a Deus, como no caso de Samuel (1 Samuel 1:22) e do próprio Senhor Jesus Cristo (Lucas 2:22), quando ainda era um bebê.

    O Unigênito de Deus, que sempre existiu por toda a eternidade, tinha, pelo menos, 34 dias de vida em corpo humano, quando foi apresentado em oração no Templo. Após Maria cumprir os 33 dias de purificação – conforme Levítico 12:4, período no qual qualquer mulher que desse à luz um varão era proibida de tocar em alguma coisa santa ou de ir ao santuário –, finalmente ela pôde levá-lo ao Templo. Dentro desse prazo, já estão incluídos os oito dias para o menino ser circuncidado (Lucas 2:21), conforme a lei.

    No caso do batismo de mortos, realizado pelos mórmons, esse não produz efeitos no mundo espiritual, pois como bem diz a Palavra de Deus, em Hebreus 9:27, “após a morte, segue-se o juízo”. Mortos não têm ciência dos fatos ocorridos entre os vivos (Eclesiastes 9:5-6) e não há nada que possamos fazer para mudar o destino dos que já morreram (Lucas 16:20-26).

    Os mórmons efetuaram uma interpretação equivocada de 1 Coríntios 15:29 para justificar o batismo pelos mortos, porém aquela referência é recurso do apóstolo para combater a falta de fé de alguns em Corinto, informando-lhes que até mesmo os néscios acreditavam na ressurreição dos mortos.

    Portanto apenas as pessoas que já possuem consciência do que é certo e do que é errado, e já possuem a capacidade para ter fé em Jesus Cristo e se arrepender dos pecados, podem e devem se batizar o quanto antes. No período da igreja primitiva, as pessoas eram batizadas imediatamente após a pregação da Palavra de Deus (Atos 2:41). A idade pode variar de pessoa para pessoa, mas se houver arrependimento, fé e vontade para isso, a água não pode ser recusada (Atos 10:47).
    Como deve ser realizado o batismo?

    Hoje as pessoas são batizadas geralmente por aspersão ou por imersão.

    Aspergir é o ato de lançar ou borrifar água sobre a pessoa. Nesse caso, o batizado é apenas parcialmente molhado, geralmente na cabeça.

    O batismo por imersão é realizado quando o interessado é mergulhado completamente na água e retirado dela.

    No início desse estudo, observamos que o batismo é o sepultamento do velho homem (Romanos 6:3-4), e como se sabe, ninguém pode ser sepultado apenas com um pouquinho de terra na cabeça, mas todo o corpo deve ser coberto pela terra.

    O mesmo conceito se aplica ao batismo, que é realizado com água, o qual deve ser feito não com um pouco de água sobre o corpo, mas com muita água, de forma que todo o corpo seja submerso, assim como acontece num sepultamento.

    “Ora, João batizava também em Enom, junto a Salim, porque havia ali muitas águas; e vinham ali, e eram batizados.” (João 3:23)

    Quando o Senhor Jesus Cristo foi batizado por João Batista, o qual se opôs inicialmente porque sabia que Jesus não tinha pecado, verificamos que Ele estava dentro do rio Jordão, e não próximo a ele. Observe:

    “E, logo que saiu da água, viu os céus abertos, e o Espírito, que como pomba descia sobre ele.” (Marcos 1:10)

    Muitas pessoas que foram batizadas por aspersão, quando ainda eram bebezinhas, ou mesmo depois de adultas, já foram batizadas por imersão, que simboliza o verdadeiro sepultamento do velho homem.
    Em nome de quem se batizar?

    Muitas igrejas evangélicas e a própria Igreja Católica realizam o batismo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, justificando essa prática com a seguinte ordenança do Senhor Jesus Cristo:

    “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;” (Mateus 28:19)

    Porém, durante o período inicial da igreja de Cristo, todos os apóstolos do Senhor Jesus realizaram o batismo apenas em nome do Senhor Jesus Cristo, e não em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

    Teriam os apóstolos desobedecido a uma ordem expressa do Senhor Jesus Cristo? Seria isso uma contradição ou um erro bíblico?

    Para entender isso, primeiramente é preciso esclarecer que Pai, Filho e Espírito Santo não são nomes, mas títulos para um único Deus Todo-Poderoso. Ao observarmos atentamente Mateus 28:19, verificamos que Jesus Cristo ordenou que o batismo fosse realizado em “nome”, e não em títulos.

    Os apóstolos escolhidos pelo próprio Deus não desobedeceram à Sua ordem, mas a cumpriram perfeitamente ao batizar em nome de Jesus Cristo, pois este é o nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, que também é chamado de Espírito de Deus (1 Coríntios 12:3), Espírito de Jesus (Atos 16:7) ou Espírito de Cristo (Romanos 8:9).

    “E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo;” (Atos 2:38-39)

    Após a sua morte, Jesus ressuscitou e se apresentou vivo por um espaço de quarenta dias, período em que falou aos discípulos sobre as coisas concernentes ao reino de Deus (Atos 1:3-4).

    O entendimento para compreenderem as Escrituras foi aberto nesse período, após a ressurreição corpórea do Senhor Jesus Cristo, como verificamos em Lucas 24:45, transcrito abaixo. A partir de então, tudo que fosse realizado pelos discípulos deveria ser feito em nome de Jesus. Observe isto:

    “Então abriu-lhes o entendimento para compreenderem as Escrituras. E disse-lhes: Assim está escrito, e assim convinha que o Cristo padecesse, e ao terceiro dia ressuscitasse dentre os mortos, E em seu nome se pregasse o arrependimento e a remissão dos pecados, em todas as nações, começando por Jerusalém.” (Lc 24:45-48)

    Os discípulos entenderam bem a mensagem e procederam de acordo com a ordenança, realizando o batismo em nome de Jesus Cristo, conforme Atos 8:16; 10:48, 19:5, 22:16.

    O apóstolo Paulo não esteve com os demais apóstolos quando Jesus reapareceu para todos eles após a ressurreição. Apesar disso, também batizou pessoas em nome de Jesus Cristo. Paulo batizou até mesmo pessoas que já haviam sido batizadas no deserto por João Batista, porque o batismo de João não era em nome de Jesus Cristo, mas tão somente pelo arrependimento dos pecados. Naquela ocasião, todos receberam o batismo em nome do Senhor Jesus sem questionar, porque sabiam que Paulo era mesmo homem de Deus:

    “Disse-lhes: Recebestes vós já o Espírito Santo quando crestes? E eles disseram-lhe: Nós nem ainda ouvimos que haja Espírito Santo. Perguntou-lhes, então: Em que sois batizados então? E eles disseram: No batismo de João. Mas Paulo disse: Certamente João batizou com o batismo de arrependimento, dizendo ao povo que cresse no que após ele havia de vir, isto é, em Jesus Cristo. E os que ouviram foram batizados em nome do Senhor Jesus. E, impondo-lhes Paulo as mãos, veio sobre eles o Espírito Santo; e falavam línguas, e profetizavam.” (Atos 19:2-7)

    A maior prova de aprovação de Deus para esse batismo foi a manifestação imediata do Espírito Santo sobre aquelas vidas. O batismo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo é realizado em larga escala hoje em dia, porém ele é incorreto. O fato de um erro ser cometido em larga escala não nos obriga a concordar com esse erro, mas a combatê-lo, ensinando a verdade.

    “E, quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai.” (Colossenses 3:17-18)

    Isso significa que demônios são expulsos em nome de Jesus, orações devem ser realizadas em nome de Jesus Cristo, assim também o batismo, que é uma obra, deve ser realizado em nome de Jesus Cristo, e não em nome dos títulos de Deus, as formas como o Todo-Poderoso se apresentou a humanidade.

    “Porque todos quantos fostes batizados em Cristo já vos revestistes de Cristo.” (Gálatas 3:27)

    O batismo em nome dos títulos de Deus começou a ser praticado no ano de 325 d.C., após o concílio de Nicéia, realizado pela igreja Católica Apostólica Romana, que é responsável ainda por muitos erros doutrinários e heresias, como a doutrina da trindade (Deus único preconizado em três pessoas distintas), purgatório, intercessão dos santos, imaculada conceição.

    Lembre-se de uma coisa: Jesus Cristo é o Pai, é o Filho e é o Espirito. Jesus Cristo é o nome do Pai, do Filho e do Espírito, por isso os apóstolos batizaram as pessoas em nome de Jesus Cristo. Não existem três pessoas distintas (diferentes), mas um único Deus agindo de três formas diferentes.

    Como Pai, Jesus disse:

    “Não vos deixareis órfãos; voltarei para vós” (João 14:18).

    Como Filho, Jesus disse:

    “Dizendo: Pai, se queres, passa de mim este cálice; todavia não se faça a minha vontade, mas a tua.” (Lucas 22:42)

    Como Espírito, Jesus habita na vida de todos os que creram e o receberam como o salvador (João 1:12).

    “Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele.” (Romanos 8:9)

    O Senhor YHVW do Velho Testamento, mais conhecido como Jeová, é o Senhor Jesus Cristo do Novo Testamento (Yeshua ou Yehoshua): mudou apenas o nome. Em Zacarias 14:9, há uma profecia importantíssima e muito pouco conhecida:

    “E o Senhor será rei sobre toda a terra; naquele dia um será o Senhor, e um será o seu nome.” (Zacarias 14:9)

    Se leu tudo até aqui, volto a perguntar: “Em que sois batizados então?”

    Para obedecer ao evangelho, você deve ser batizado voluntariamente e conscientemente nas águas, por imersão e em nome do Senhor Jesus Cristo.

    Amém!

DEIXE UMA RESPOSTA