Ai de vós escribas e fariseus (parte 2)

0

Porque, se no vosso ajuntamento entrar algum homem com anel de ouro no dedo, com trajes preciosos, e entrar também algum pobre com sórdido traje, E atentardes para o que traz o traje precioso, e lhe disserdes: Assenta-te tu aqui num lugar de honra, e disserdes ao pobre: Tu, fica aí em pé, ou assenta-te abaixo do meu estrado.

Porventura não fizestes distinção entre vós mesmos, e não vos fizestes juízes de maus pensamentos? (Tg 2:2-4)

Com o objetivo de alcançar toda “tribo” “povo” e “nação” a igreja do Senhor tem esquecido muito daquilo pelo qual foi chamada e colocado a vontade humana acima da vontade de Deus. Muitas igrejas tem perdido a visão de Deus em alcançar “todos” em detrimento de alguns. Hoje em dia existem “programações” que muitos chamam de “culto” para todos os tipos de público.
É claro que entendo a necessidade de “ensinar” a diversas faixas e públicos e como líder de jovens compreendo que devemos usar a mesma linguagem, porém tem coisas “neste evangelho” que tem se pregado que particularmente é fora do que a escritura neotestamentaria nos ensinam. Entre tantos cultos segmentados, gostaria de me deter e comentar um especificamente, o culto dos empresários.

Creio que a palavra de Deus é a mesma para todos e sendo a palavra de Deus para todos gostaria de saber segundo as Escrituras:


Onde está escrito que devemos segmentar culto a Deus?

Gostaria de uam resposta convincente e não viajante de algum ministro ou líder evangélico que mostrasse que essas reuniões tem base bíblica.

Outra coisa , por acaso nosso Deus faz acepção de pessoas ?
Tem Ele interesse de ajudar alguns e não a outros menos favorecidos ?
Privilegiar uns em detrimento de outros ?

Muitos podem dizer, tentando se desculpar , dizendo, Cássio o culto é aberto para todos, quer empresários ou não..
Isso é só uma forma de “chamar”, de “marketing”.

Ai é que está o problema que é divulgar ou vender , no caso Jesus, como uma mercadoria para lhe dar sucesso.

Queridos, Jesus não é uma mercadoria a ser vendida a alguns, mas é o filho de Deus que morreu por todos, pobres, ricos , empresários. Nesses cultos nunca são abordados os temas: “Como ajudar os irmãos que necessitam” ou como compartilhar o pão e viver em união”

Mas é abordado: “Como obter vitória em seus negócios” ou “7 princípios para o sucesso finaneceiro”.

Resumindo, é o EU, o MEU, mas aonde está o nosso? É o “increase” (crescimento) como vi no sul do país.
É o crescimento do que chamo de pobres ricos, ou seja, pobres espirituais de ricos materiais. E ninguém vai a um culto desses de prosperidade para ser ensinado a compartilhar o pão, ter tudo em comum e andar em oração(At 2:42-46).

Mas por acaso, muito desses pobres ricos empresários possuem “tempo” para fazer isso ?
Será que eles não estão envolvidos com os negócios deste mundo ? (2 Tm 2:4)

Será que nunca leram sobre o rico e o Lázaro, a mensagem de Jesus ao jovem rico(Lc 18:18-23),o perigo das riquezas(Lc 18:24-30)
Será que nesses cultos eles tem aprendido isso? Posso dar algumas sugestões de tema:

Como o empresário não usar de usura e não defraudar o jornaleiro(trabalhador) em sua empresa ? (Malaquias 3:5)

Será que eles tem aprendido nesses cultos a não confiar nas riquezas e nas coisas perecíveis desta vida, que a traça e a ferrugem consomem, e serem rico para com deus (Tg 5:16, 1 Tm 5:17-19). Admito o povo de Israel que convivi por algum tempo e vi quanto são solidários uns aos outros, quando um da sua comunidade se desemprega e quanto fazem para ajudar um judeu a ser recolocado no mercado. E isso o fazem não somente no ano da remissão, mas quando necessário para que não haja pobre entre eles,cumprindo Deuteronômio 15 a risca.

Enquanto isso, tenho que conviver com cristãos evangélicos rasos, judaízantes, egoístas, que vão a cultos de empresários para ouvir consultoria espiritual de como ficar de bem com a vida. E no outro dia dizer um “NÃO” mesquinho de ajuda a seu irmão.
E porque não dizer e me deparar com líderes corruptos e escandalosos que escondes trízimos na Bíblia, viajando em jatinhos “particulares”, e possuem contas abertas no paraíso (fiscal) e pôe julgo financeiro sobre sua ovelha sem igual.

Creio que o devorador de Malaquias 3 é para todo avarento, quer rico ou não,quer empresário ou sacerdote que faz do evangelho de Cristo e seus cultos uma fonte de lucro(1 Tm 6:5)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA