A construção de um vaso (Jr 18. 1-6)

1

Introdução:

Nem todas as pessoas são vasos de bênçãos.

Na verdade a Bíblia diz que Deus fez vasos de ira para que sua justiça fosse conhecida na terra (Rm 9.22) e vasos de misericórdia, para que sua benignidade também fosse conhecida entre os homens (Rm 9.23).

No entanto o requisito elementar de um bom vaso de barro e o material empregado em sua confecção. Infelizmente nem todo cristão e um vaso de Deus. Mas todo cristão pode tornar-se um vaso de Deus se entender as lições espirituais desta passagem.

O texto nos revela detalhes interessantes da forma como Deus trabalha em nossas vidas para molda-las para seu uso exclusivo.
Mas, agora, SENHOR, tu és o nosso Pai; nos, o barro, e tu, o nosso oleiro; e todos nos, obra das tuas mãos (Is 64.8).
1 – O processo cerâmico da produção de um vaso.
a) A escolha do barro (tem de ser um barro bom).
b) A confecção manual do vaso pelas mãos do experiente oleiro.
c) A primeira secagem do vaso (1º queima. forno de temperatura 200 a 900ºC).
d) A pintura do vaso (aplicação do esmalte e outros materiais necessários).
e) A fusão do esmalte com o barro (2º queima. forno de temperatura 900 a 1200ºC).
f) Resfriamento do vaso (o vaso só e retirado depois de 16 horas de forno).
2 – As fases da construção de um vaso.
1ª fase – A escolha do barro. O barro existe em toda a superfície terrestre.
Segundo estudos há pelo menos 200 tipos de barro conhecidos, mas somente 8 tipos possibilitam a construção de um vaso. Alguns tipos de barro podem ser encontrados a céu aberto e outros em minas subterrâneas.
Há o barro magro que parte com facilidade quando trabalhado, e o barro gordo que possui mais maleabilidade e plasticidade. O barro precisa ser úmido e maleável (fácil de trabalhar, não pode ser duro).
Sabe o que isso significa? Dentre tantos você creu em Deus; Deus te escolheu (você e barro bom). Não importa se na escalada social você esta em baixo ou em cima; Deus vai trabalhar em você! Se seu barro e magro (fraco, sem liga) o Espírito Santo vai interligar suas fraquezas com o poder de Deus e vai torna-lo material de primeira linha para a olaria de Jeová.
2ª fase – O trabalho do oleiro com o barro.
A atividade de um oleiro requer muita dedicação e pratica. O caminho que conduz a perfeição e muito longo.
A tarefa de um oleiro e dar forma a uma porção de barro com as mãos e poucas ferramentas. O barro e colocado no centro de um prato giratório (a roda) e com os dedos posicionados, externa e internamente, levantam-se as paredes do vaso na forma e altura desejadas. Sabe o que isso significa?
E Deus quem define o tamanho e a forma do vaso que seremos!
E Deus que define o ministério que teremos!
E Deus que define os meios de nossa atuação em seu reino!
Deus trabalha no interior e no exterior de um crente. Um vaso de Deus tem de ser um servo de Deus autentico também!
3ª fase – A secagem do vaso úmido. Depois de confeccionado o vaso precisa ser levado a primeira etapa de secagem.
O vaso e depositado num forno de temperatura entre 200 a 900ºC.
Essa primeira queima elimina toda umidade e ar existentes no interior do vaso.
Um pouco de ar no interior do barro, poderá empenar, rachar ou ate mesmo explodir o vaso em seu
1º estagio de secagem.
Sabe o que isso significa?
Para ser vaso de Deus, alem de forma temos que ter estrutura adequada. Quer dizer que temos de tirar de nosso interior todo orgulho, vaidade e egoísmo para sermos usados por Deus; temos de ser provados nas questões morais e espirituais. Um vaso de Deus não surge da noite para o dia, na verdade e um longo processo de provas com Deus.

4ª fase – A Pintura do Vaso.
O esmalte pode ser composto de elementos minerais e químicos.
Essa fase e muito importante, pois trará a beleza essencial ao então vaso de barro.
A aplicação do esmalte na peca ocorre de 03 modos.
Por imersão (segurando a peca com uma pinça ou com a própria mão e imergindo-a em um recipiente contendo esmalte); por derramado (derramando o esmalte sobre a peca); por pulverização (aplicando o esmalte com uma pistola de pintura acionada por um compressor de ar).
Sabe o que isso significa? Deus pode fazer um surpreendente milagre de mudança na vida de um cristão (imersão); Deus pode trabalhar rápido em elevar um cristão ao encontro de seu chamado (derramado); e finalmente Deus pode trabalhar lentamente preenchendo espaços vazios sérios na vida de um cristão (pulverização).
5ª fase – Fusão do esmalte com o barro. O vaso e levado a um outro forno de temperatura mais elevada. Esse processo e mais lento para que haja tempo do esmalte fundir-se completamente com o barro. E o momento em que a peca obtém sua cor definitiva. Esse processo realça a cor do vaso e torna a peca impermeável ficando a superfície mais lisa. Sabe o que isso significa? Que Aquele que começou a boa obra Ele mesmo a cumprira! Às vezes queremos mostrar para os homens que reunimos as qualidades e brilhos necessários para alguma tarefa. Mas na obra de Deus e preciso deixar o Senhor pintar as nossas vidas e ideais com as cores de sua vontade. Se Deus tem um plano em sua vida, não precisa contar pra ninguém, fique a disposição do oleiro celestial e tão logo Ele vai revelar a vigorosa vocação celestial que há em você!
6ª fase – O resfriamento do vaso. Terminada a 2ª queima do vaso há a necessidade de que o resfriamento da peca se de paulatinamente durante, pelo menos, o mesmo tempo de duração (08 horas de queima, 08 horas de resfriamento). Só após a temperatura baixar ate cerca de 200º C e que se poderá entreabrir a porta do forno. Passada uma hora depois e que se poderá iniciar a retirada das pecas que mesmo assim, ainda estarão bem quentes. Se este procedimento não for obedecido (resfriamento lento) há o risco das pecas racharem ao ocorrer o choque térmico – encontro com a atmosfera exterior mais fria. Sabe o que isso significa?
Apesar de Deus ter moldado a vida de alguém, confiando um ministério especifico, confirmando com poder a igreja e ao mundo esse ministério; deve-se ter cuidado para não entrar em choque com outras atmosferas fora do ideal de Deus.
O vaso de Deus orienta sua vida e ações na palavra de Deus.
O vaso de Deus e para gloria de Deus e não para sua própria gloria.
O vaso de Deus centraliza Jesus em suas ações. Muitos tentam roubar os créditos do Senhor.
O vaso de Deus obedece ao pastor, dirigente e demais lideranças da igreja.
O vaso de Deus não dirige a igreja, e um instrumento de Deus na igreja.
O vaso de Deus que não se resfria racha!

Conclusão: Não conseguiremos jamais haurir todo o significado de uma passagem bíblica. A construção de um vaso com base neste texto fornece subsídios bem originais da forma com Deus espera tratar conosco. Vamos nos colocar a disposição do oleiro celestial apenas como barro; e com certeza suas mãos hábeis e poderosas nos tornarão em vasos de adoração e louvor para gloria do nome Santo de Jesus!

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA