A Pregação da Fé

0

Citações de um sermão de C. H. Spurgeon, traduzidas e adaptadas por Silvio Dutra.

“Quero apenas saber isto de vós: recebestes o Espírito pelas obras da lei ou pela pregação da fé?” (Gálatas 3.2)

Uma grande ilusão está sobre o coração do homem assim como a sua salvação. Seus caminhos são perversos. Ele não ama a lei de Deus, não, sua mente se opõe a ela e ele ainda a toma como seu advogado. Quando ele entende a espiritualidade e a severidade da Lei, ele reconhece que seja um fardo doloroso e ainda, quando o evangelho é pregado e estabelecido como o dom da graça soberana e ele é ofertado, simplesmente, para ser aceito por um ato de fé em Cristo Jesus, o homem professa grande respeito para com a Lei, para que ela não se torne vã pela gratuidade da Graça! Ele toma as duas tábuas da Lei e as arremessa na cruz! Não que o homem ame a lei de Deus, mas que ele não ama o Deus da Lei! Por isso, ele vai recorrer a qualquer pretensão de se opor a essa forma de salvação que Deus tem designado para que seja pela fé e mediante a graça.

Sem dúvida, se fosse possível, para o Senhor ter estabelecido um outro caminho para a salvação, o homem teria se oposto a isso também, porque ele está determinado a andar contrariamente a Deus. Seja como for, há uma animosidade constante nas mentes dos homens não regenerados contra o caminho da salvação pela fé em Cristo – e para se opor a ele, eles estabeleceram a pretensa salvação pelas obras da Lei. Irmãos e irmãs, em todos os nossos corações há esta inimizade natural para com Deus e para com a soberania da Sua graça. Por isso é que os crentes têm frequentemente se queixado das dificuldades da fé. A fé em si é, ou deveria ser, a coisa mais fácil do mundo, pois uma criatura crer em seu Criador, uma criança crer em seu pai, deveria ser a coisa mais simples e mais natural do mundo! Mas por causa da corrupção que remanesce na natureza humana, mesmo, no regenerado (nascido de novo do Espírito Santo), há sempre uma luta contra esta forma simples de fé.


Há momentos em que o melhor entre os homens, quando, na lembrança de seus muitos pecados, a consciência diz: “Como você pode acreditar que você é justificado e aceito enquanto tanta coisa má é encontrada em você?” A menos que nos apeguemos à promessa de Deus e à Sua gratuita misericórdia em Cristo Jesus, isto irá então, tratar duramente conosco. A alma do homem mais sincero e reto pode ser levada ao desespero por uma visão de suas próprias imperfeições, a menos que ele se apegue a essa justiça pela qual os pecadores são justificados pela fé em Cristo Jesus. Amados, se esta guerra é descoberta, até mesmo, nas mentes daqueles que são nascidos de novo, não devemos nos surpreender que isto se passa com o regenerado!

Alguém poderia pensar que no momento em que pregássemos a salvação pela fé cada pecador a teria aceitado. É tão simples, tão fácil, que certamente todo homem gostaria que, desta forma, fosse perdoado e justificado! Em vez disso, todo o raciocínio, toda a atenção, sim, toda a astúcia da natureza humana não regenerada é agitada para lutar contra o método de libertação pela fé em Cristo Jesus. “É bom demais para ser verdade”, diz um deles. Outro diz: “Se isto for pregado, irá levar os homens a pensarem pouco sobre a excelência moral.” Um terceiro encontra, nas Doutrinas da Graça, incentivos à inércia e assim por diante, sem fim.

Pareceria que Deus não sabe a melhor maneira de salvar os homens e os homens são tão sábios que alteram seus métodos! Isso não é uma refinada blasfêmia? É uma farsa hedionda ver um pecador rebelde de repente se tornar zeloso de boas obras e muito preocupado com a moralidade pública! Não gera riso no inferno ver homens licenciosos censurando o puro evangelho do Senhor Jesus e negligenciando o perdão gratuito porque isto pode tornar os homens menos conscientes de pureza moral? Isto faz um doente ver a hipocrisia dos legalistas! A razão desta afirmação reside no fato de que o homem não é somente pobre, mas orgulhoso. Ele não somente é culpado, mas vaidoso, de modo que ele não vai se humilhar para ser salvo em termos de caridade Divina. Ele não vai consentir crer em Deus, ele prefere acreditar nas mentiras orgulhosos de seu próprio coração, que o iludem na esperança vazia que ele possa merecer a vida eterna!

Contra este espírito perverso nosso texto entra na luta. Vamos ver como ele conduz o combate. O argumento do texto é muito simples e poderoso. Paulo coloca, assim, “O Espírito Santo foi recebido por vocês Gálatas. Como vocês receberam o Espírito Santo, por obras da lei ou pela pregação da fé?” Eles foram obrigados a admitir, cada um para si mesmo, que eles receberam o Espírito Santo pela fé e por nenhum outro meio! Agora, o Espírito Santo é o mais escolhido de todos os dons de Deus, que são recebidos na alma, é pelo Espírito que a obra do Senhor Jesus é conhecida e recebida! O Espírito Santo é, ele mesmo, o selo do favor divino e o sinal de que estamos em paz com Deus. Eu poderia até dizer que a recepção do Espírito Santo é a salvação, pois quando Ele entra em nós, somos salvos da morte no pecado, do amor ao pecado, do poder do pecado e do terror do pecado!

Quando Ele reina no coração, todas as graças divinas de um caráter perfeito vêm juntamente com Ele. Ele se torna a fonte de vida, luz, amor e liberdade para nossas almas e Ele mesmo santifica nossos corpos. Não sabeis que os vossos corpos são templos de Deus, quando o Espírito Santo vem habitar neles? Para quem, então, o Espírito Santo é dado, a salvação é dada no sentido mais elevado! Mas como é que o Espírito Santo é recebido? A questão é logo respondida. Ele não é recebido pelas obras da Lei, mas pela pregação da fé. Eu vou lidar com este fato, em primeiro lugar, como um argumento de experiência para todas as pessoas de Deus e, por outro, como um argumento, no mínimo, de observação para aqueles que estão buscando a Cristo. Que o Espírito Santo graciosamente nos ajude no nosso sermão.

Primeiro, então, assinalemos um argumento da experiência para o povo de Deus. Antes de me debruçar sobre a experiência pessoal de crentes que estão aqui presentes, gostaria de lembrá-lo da experiência da Igreja de Deus, como está escrito no livro dos Atos dos Apóstolos. O livro dos Atos dos Apóstolos é uma confirmação da resposta correta para o meu texto. Os discípulos estavam se reunindo após a ascensão de nosso Senhor e o Espírito Santo desceu sobre eles, mas de que maneira? Simplesmente por sua obediência à ordem do Senhor Jesus”, que lhes ordenou que não se ausentassem de Jerusalém, mas que esperassem a promessa do Pai, que, diz ele, vocês já ouviram falar de mim.
O dom foi recebido pela pregação da fé, que os levou para a oração unânime e espera.

Eles não realizaram qualquer e nenhuma obra, a palavra de ordem foi: “Permaneçam na cidade até que vocês sejam revestidos com o poder do alto.” O poder veio para que eles pudessem trabalhar para Cristo e não porque tinham trabalhado! O dom do Espírito veio de acordo com a promessa e não de acordo com as obras! Muito rapidamente o Espírito de Deus caiu sobre o povo e 3.000 deles foram convertidos e batizados. Como veio o Espírito de Deus sobre partos, medos, elamitas, os habitantes da Mesopotâmia e assim por diante? Foi pelas obras da lei?

Não, Amado! Pedro pregou assim (Atos 2.38) – “Arrependei-vos e sede batizados, cada um de vós em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo”. Quando os milhares creram em Cristo Jesus e confessaram sua fé pelo batismo, o Espírito Santo foi dado a eles. Assim foi também em Samaria, “quando creram em Filipe, que lhes pregava acerca do reino de Deus e no nome de Jesus Cristo, se batizavam, tanto homens e mulheres.” E então lemos que o apóstolo Pedro foi até eles e estes crentes receberam o Espírito Santo, certamente não pelas obras da Lei, mas pela pregação da fé eram assim abençoados! Vire-se para a história de Cornélio. Esse bom homem abundava em esmolas e na oração e ainda o Espírito Santo não caiu sobre ele.
Mas, quando a “pregação da fé” veio, e eles estavam reunidos em casa com um só homem para ouvir Pedro, então o Espírito Santo desceu sobre todos os que ouviam a Palavra de Deus. “E os fiéis que eram da circuncisão, que vieram com Pedro, admiraram-se, porque também sobre os gentios foi derramado o dom do Espírito Santo; pois os ouviam falando em línguas e engrandecendo a Deus.

Então, perguntou Pedro: Porventura, pode alguém recusar a água, para que não sejam batizados estes que, assim como nós, receberam o Espírito Santo?” (Atos 10.45-47).
Não foi o mesmo quando Paulo saiu e pregou entre os gentios? Foi, de fato, assim surpreendentemente assim que a notícia chegou aos cristãos hebreus que estavam em Jerusalém e não pequena discussão e disputa foi a consequência! Aqui não tinha havido circuncisão, nenhum proselitismo ao judaísmo, nem observação de qualquer parte do ritual mosaico e ainda ouviram que o Espírito Santo havia caído sobre os gentios, e eles ainda não tinham conhecido a Lei, muito menos cumprido! Ele precisava de toda a influência de Pedro para conter a inundação. Ouça como ele mesmo diz: “Deus me elegeu dentre vós, para que os gentios por minha boca ouvissem a palavra do Evangelho e cressem. E Deus, que conhece os corações, lhes deu testemunho, dando-lhes o Espírito Santo, assim como Ele o deu a nós.” O Espírito Santo foi recebido pelos gentios crentes em todos os lugares onde Paulo havia pregado e, portanto, ele pode se referir a estes Gálatas e usar sua experiência para corrigir seus erros.

O fato de que o Espírito Santo é dado à pregação da fé e não como uma recompensa de obras, corre como um fio de prata através do conjunto dos Atos dos Apóstolos! Por que, então, os homens devem olhar para as obras da lei para aquilo que nunca foi dado, exceto para a fé? Por que encher o olhar com uma miragem quando um bem real está aberto a seus pés!
Agora eu venho a sua própria experiência. Vocês, queridos amigos, se estão, de fato, em Jesus Cristo, receberam o Espírito Santo! Mas como? Vamos passar a lista de suas operações em suas mentes. Você recebeu iluminação por meio dEle, pela qual você foi levado a entender o caminho da salvação e para contemplar a glória de Deus, na face de Jesus Cristo. Será que você alcançou a iluminação pelas obras da lei? Foi assim em qualquer caso? Tem sido meu privilégio conhecer muitos de vocês e lembrar de suas confissões de fé – você me disse que quando estava buscando a salvação por suas próprias obras que estava cego e não viu a Luz de Deus. Quanto mais você se esforçou e quanto mais você trabalhou, mais intensa cresceu a meia-noite até que você chegou bem perto do desespero!

A Luz veio por olhar para o Crucificado! Ela veio somente pela pregação da fé! Depois disso, você recebeu a paz, paz esta, que eu confio, você desfruta nesta manhã, “A paz de Deus, que excede todo o entendimento.” Mas você recebeu a paz, enquanto você estava confiando em cerimônias, no batismo, ou na Ceia do Senhor, ou em suas próprias obras? Eu sei que não, pois a verdadeira paz de consciência não chega por essa porta! Será que você obteve a paz, enquanto tentava se arrepender muito, chorar muito, sentir muito, ou trabalhar muito? Não, irmãos e irmãs, e nem um átomo de paz jamais chegou ao seu espírito até que você olhou para o Senhor Jesus, de quem ouviu que Ele era capaz de salvar até mesmo o principal dos pecadores e em quem, por isso, pela graça de Deus, acredita! Quando veio a fé, a paz cresceu a partir da mesma como um fruto do Espírito Santo.

Desde então, você tem recebido o Espírito Santo para ajudá-lo em sua santificação, mas você não teria obtido qualquer santificação aparte da fé. Se você tem alcançado depois a santificação por seus próprios esforços, feitos na incredulidade, você nunca foi bem sucedido. A incredulidade trabalha no sentido do pecado e nunca no da santificação! Nossas boas obras são frutos de santificação, não a causa dela, e se colocarmos o fruto onde a raiz deve estar, erraremos gravemente. Se você tem ido lutar contra a tentação na sua própria força, você já retornou como um vencedor? Foi escrito de todos os outros crentes, “Eles venceram pelo sangue do Cordeiro”, e isto é verdade para você, também. A santificação não vem até nós por auto-suficiência, mas como uma obra do Espírito Santo, recebida pela fé em Cristo. Creiam nEle, porque “Ele foi feito por Deus a nossa sabedoria, justiça, santificação e redenção” (I Cor 1.30).


SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA