A Parábola da Semente

0

“Disse ainda: O reino de Deus é assim como se um homem lançasse a semente à terra;
depois, dormisse e se levantasse, de noite e de dia, e a semente germinasse e crescesse, não sabendo ele como. A terra por si mesma frutifica: primeiro a erva, depois, a espiga, e, por fim, o grão cheio na espiga.
E, quando o fruto já está maduro, logo se lhe mete a foice, porque é chegada a ceifa.” (Marcos 4.26-29)

Há uma rica variedade nas parábolas entregues por nosso Senhor. Quase todas as coisas ao seu redor eram feitas um veículo para o conhecimento divino. A agricultura em especial lhe proporcionou muitas ilustrações de suas doutrinas. Ele usou esse assunto porque era muito familiar aos seus ouvintes. Na passagem diante nós, ele compara o reino de Deus à semente germinando e crescendo no campo. Esta comparação é aplicável à edificação da sua Igreja visível no mundo; mas devemos considerá-la ainda mais como uma referência à obra da graça na alma.
Existe uma semelhança entre a semente num campo, e graça no coração,

I. Na forma do seu crescimento.

Na parábola do semeador, nosso Senhor abrange aquelas pessoas que não recebem a palavra corretamente. Nesta ele se limita àqueles que são verdadeiramente retos. O crescimento da graça em seus corações se assemelha ao do trigo num campo, e isto é,

1. Espontâneo

A semente, quando enterrada na terra, é deixada inteiramente a si. O lavrador “dorme de noite”, e prossegue com seu trabalho “durante o dia”, sem tentar ajudar o trigo no trabalho de germinação, e por qualquer desejo de fazê-lo, ele se abstém disto por saber que tal esforço seria infrutífero. “A terra deve produzir o fruto de si mesma” ou não. Há um princípio de vida na semente que faz com que germine, nem é isto devido a qualquer coisa, senão às influências bondosas dos céus. Assim se dá com a graça divina, quando semeada no coração do homem. Não queremos dizer que qualquer homem natural e de sua própria vontade, viva para Deus, o que é contrariado por todo o teor das Escrituras, Romanos 8.7; mas a graça é uma semente que tem dentro de si um princípio de vida eterna, I Pedro 1.23, que opera por um poder inerente em si mesma, e depende apenas daquele que lhe deu tal poder, I Cor 15.10; os esforços dos ministros, embora sejam diligentes, não podem fazê-la crescer; isto deve ser deixado para o operação de sua própria energia nativa, Jo 4.14, que irá, em seguida, expressar a sua virtude, através dos feixes revigorantes do Sol da Justiça, e as chuvas refrigerantes do Espírito de Deus.

2. Gradual

A semente não brota instantaneamente num estado apropriado para a ceifa. Ela passa por muitas fases diferentes antes de chegar à maturidade. Assim também, numa obra da graça, a erva, a espiga, e o grão cheio, surgem em sucessão regular. Um cristão em suas primeiras realizações usa uma aparência diferente a partir do que ele já tinha feito antes, ele não é menos transformado do que um grão de trigo quando se coloca diante da “erva”, ele se sente como uma criatura pecadora, indefesa, e um ser incompleto; ele se une a Cristo como seu suficiente Salvador, e mostra por todo o seu comportamento que ele foi vivificado da morte; mas ainda assim, ele está propenso a alimentar a esperança de justiça própria, e muitas vezes cede aos temores da incredulidade. Assim, embora seja sincero no coração, suas realizações são pequenas. No decorrer do tempo ele se mostra sólido e esperançoso como “a espiga”; seu conhecimento de si mesmo é mais profundo, e suas visões de Cristo mais preciosas, sua dependência do poder e da graça de Cristo é mais simples e firme.

Assim, apesar de seus conflitos pode ser mais firme, ele é mais capaz de suportá-los, nem há qualquer parte de sua conversação onde seu aproveitamento não seja manifestado. Depois de muita experiência, tanto do bem quanto do mal, ele se torna como “grão cheio na espiga”.

Embora suas visões de si mesmo sejam mais humilhantes do que nunca, ele não é desencorajado por elas; pois dão ocasião a viver mais inteiramente pela fé em Cristo; há uma evidente maturação em todos os frutos que ele produz. Acima de tudo, ele vive numa expectativa mais próxima da “colheita”. Ele fica livre de todas as preocupações desta vida, e anseia pela época quando ele deve ser recolhido para o celeiro.

3. Inexplicável

O filósofo mais acurado “não sabe como” a semente germina. Que ela deve morrer antes de brotar, e assim mudar a sua aparência com o surgimento da erva etc, é um mistério que ninguém consegue explicar; assim, as operações da graça na alma do homem também são inexplicáveis. Nós não sabemos como o Espírito de Deus age sobre os poderes da nossa mente; descobrimos que ele faz isso pelos efeitos, mas como, não podemos dizer. Sobre isto, nosso Senhor compara a operação do Espírito ao vento, cujo ponto exato de seu surgimento ou de destino não somos capazes de verificar; nem o mistério dessas mudanças, que nós vemos no mundo natural, jamais foi uma razão para descrermos delas; nem deveríamos pela dificuldade de compreender algumas coisas numa obra da graça nos tornar duvidosos de sua realidade.

Esta semelhança, já tão marcante, pode ser ainda mais vista,

II. No fim para o qual ela cresce.

A semente cresce no campo para o fim da colheita.

O lavrador em cada parte do seu trabalho tem a colheita em vista; ele aduba, e ara, e semeia a sua terra, na esperança de colher no futuro. Em todos os estados sucessivos do trigo, ele aguarda a colheita, e quando é chegada a hora, imediatamente usa a foice.

Assim também a graça brota nas almas dos homens para prepará-los para a glória.

Deus, tendo desde o início escolhido o seu povo para a salvação, ordena cada mínimo incidente para a realização de seu propósito. Todas as dispensações de sua providência concorrem para este fim, todas as operações da sua graça são ajustadas com a mesma visão. A primeira infusão do princípio da vida em nossas almas está ordenado para a nossa felicidade eterna.

Todas as ordenanças, segundo as quais a vida é preservada, são para o mesmo fim; a palavra destila como o orvalho, e as nuvens destilam gordura; por isso, as mesmas coisas que parecem por um tempo retardar seu crescimento, são permitidas; a fria influência sombria de tentação e abandono, são anuladas pelo seu bom final. Quando a alma está madura para a glória, imediatamente a foice será colocada nela. Quando estivermos plenamente prontos para a mansão preparada para nós, Deus irá nos receber nela. Então, Cristo, o grande lavrador, se alegrará com o fruto do seu trabalho; os ministros também, que trabalharam com ele, se alegrarão juntamente com ele; e todas as promessas que o Senhor nos tem dado serão cumpridas plenamente.

Esta é uma rica fonte de conforto para os ministros, e de encorajamento para as pessoas cujas almas estão debaixo do seu cuidado.

Os ministros, assim como o lavrador, estão espalhando as sementes da Palavra de Deus, mas, por causa de impaciência, estão muitas vezes prontos para se queixarem de terem trabalhado em vão. Esquecem-se que a semente fica muito tempo sob os torrões de terra antes de germinar, e que grande parte de sua semente pode brotar, quando eles tiverem cessado os seus labores. Eles ficam muitas vezes também desanimados pela inclinação e aspecto de seu povo; eles gostariam que eles crescessem até um estado de perfeição de uma vez, e atingirem a maturação, sem as mudanças das sucessivas estações, mas é por essas mudanças que eles são trazidos à maturidade. Bem, por conseguinte, podem pois os ministros realizarem o seu trabalho com alegria. Deixando os eventos para Deus, eles devem seguir a orientação dada a eles na Palavra e esperarem que o sucesso prometido apareça no tempo devido.

As pessoas também, em seus variados estados, podem receber muito incentivo; porque estão geralmente prontos a duvidar se a raiz em questão está de fato neles; porque o seu progresso não é tão rápido quanto poderiam desejar, eles estão sujeitos a ficar desalentados. É certo, de fato, que devemos nos examinar se somos dotados de vida, nem devemos descansar satisfeitos com baixos graus de crescimento. Seja qual for a alegria que sintamos ao ver a erva germinando, devemos lamentar se ela não fizer qualquer progresso. Assim, nunca devemos ficar satisfeitos sem nos dirigir à perfeição.

Mas vamos esperar com paciência pelas primeiras e últimas chuvas. Vamos esperar por uma variedade de estações, tanto no mundo espiritual como no natural; vamos nos compromissar com Deus, para que ele possa nos aperfeiçoar em seu próprio caminho. Assim, no devido tempo vamos estar aptos para o celeiro do céu, a foice deverá, então, nos separar de todas as nossas conexões terrestres, e seremos conduzidos em triunfo para o nosso descanso eterno.

Texto de Charles Simeon, em domínio público, traduzido e adaptado pelo Pr Silvio Dutra.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here