O que é o Pecado

0

Karl Menninger foi um dos psiquiatras mais influentes do século XX. Ele foi o fundador da famosa Clínica Menninger em Topeka, Kansas. Perto do início de sua carreira, em 1931 , ele deu uma longa entrevista que foi publicada num livro intitulado “Do Pecado para a Psiquiatria”, no qual ele elogiava a Psiquiatria como uma forma mais científica para lidar com todos os tipos de disfunções humanas, que as gerações anteriores tinham visto como o consequências do pecado. Mais de 35 anos depois, em 1968 , escreveu um livro intitulado “O Crime de Punição”, no qual ele argumentou que o crime era evitável e tratável através da terapia psiquiátrica. Ele considerava a punição algo impróprio, ineficaz e desumano – uma relíquia do pensamento ignorante. Ele disse que todos os criminosos devem ser considerados como doentes mentais.

Mas então, apenas cinco anos mais tarde, em 1973, Menninger escreveu outro livro intitulado “O que Aconteceu com o Pecado?” – no qual disse que tinha chegado a uma visão diferente do pecado e da culpa. Ele lamentou o fato mesmo de que a palavra pecado tinha, mais ou menos, desaparecido do vocabulário do discurso público, e ele parecia assumir a verdade que o pecado é um problema humano universal –e que aqueles que negam a sua culpa são tão depravados como aqueles cujo sentimento de culpa os leva a doenças mentais. A capa do livro incluiu o seguinte: “Os prisioneiros punidos em nossas prisões são uma pequena minoria de todos os ofensores; “todos nós, como ovelhas, nos desviamos”. “Enquanto uns poucos lamentam sua culpa, muitos permanecem suavemente indiferentes ou vagamente deprimidos ou amargamente acusadores de outros. São estes estados de doença?”
Menninger disse que depois de muitos anos de prática psiquiátrica, ele havia chegado a considerar os valores morais um aspecto essencial da psiquiatria. Na verdade, ele concluiu, que saúde mental e saúde moral são idênticas.
Eu concordo com isso, mas não no sentido que significava para Karl Menninger.
Dr. Menninger morreu em 1990, frustrado sobre questões que pareciam tão simples no início de sua carreira e ainda estavam sem resposta no final da mesma. Ele lamentou que a psiquiatria se especializou em observar e nomear esta ou aquela condição, mas não tinha nenhuma cura para os problemas que eles trataram. E, ainda, ele observou que algumas pessoas pareciam melhorar sem tratamento psiquiátrico. Em uma carta a um psiquiatra rival, o Dr. Thomas Szasz, Menninger escreveu: “Alguns de nossos pacientes muito doentes nos surpreenderam por ficarem bem, mesmo sem muito do nosso tratamento. Estávamos muito alegres, de fato, mas alguns deles, frequentemente, fizeram outra coisa ainda mais surpreendente. Eles se mantiveram “melhor do que bem”, como eu disse, mais comportados e mais confortáveis ou razoáveis do que antes de entraram em sua condição doente. Nós não sabíamos o por quê. Parecia a alguns de nós que [o que] nós tínhamos visto era um tipo de experiência de conversão.”

Como eu disse, eu concordo que a saúde moral e mental são idênticos, e que a chave para a integridade espiritual repousa no que fazemos acerca da nossa culpa. O problema de Menninger era que ele achava que o principal problema com a culpa era o modo que o ofensor a sentia. Ele nunca considerou que este sentimento é antes de tudo uma ofensa a Deus e que o verdadeiro problema com a culpa é que não há remédio real para ela na psiquiatria, auto-ajuda, ou em esquemas de auto-aperfeiçoamento. Muito menos a culpa pode ser curada por simplesmente “perdoar a si mesmo”, o que parece ser o remédio padrão para maioria dos conselheiros seculares (e até mesmo alguns dos chamados conselheiros cristãos).

A culpa é uma dívida impagável que temos para com a justiça de Deus, e o único remédio para isso é plena expiação – e somente Cristo pode proporcionar isso. Isso não é uma conclusão da psiquiatria secular que sempre seguirá utilizando o chamado método científico.

Ainda Karl Menninger estava certo acerca de uma coisa: a recusa de nossa cultura para reconhecer seu pecado e sua culpa gratuito é muito a raiz de problemas incontáveis, mentais, morais e sociais.

E essa é uma tendência que não tem melhorado – na verdade, é exponencialmente pior agora do que era na década de 1970 quando Menninger escreveu o livro “O que aconteceu com o pecado?”. Os ateus estão cada vez mais ousados e agressivos – quase militantes. Todos os tipos de pecados e perversões estão fazendo lobby para um status especial na sociedade. O aborto (assassinato de crianças no ventre) é comum e fortemente protegido pela política corrupta e um sistema legal injusto. Os pensamentos de pecado e culpa têm mais ou menos sido expurgado do discurso público e a geração atual parece não ter consciência de culpa alguma. Nas palavras de Romanos 1:29-32 , a nossa cultura é “cheios de toda injustiça, malícia, avareza e maldade; possuídos de inveja, homicídio, contenda, dolo e malignidade; sendo difamadores, caluniadores, aborrecidos de Deus, insolentes, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais, insensatos, pérfidos, sem afeição natural e sem misericórdia. Ora, conhecendo eles a sentença de Deus, de que são passíveis de morte os que tais coisas praticam, não somente as fazem, mas também aprovam os que assim procedem.”

Parte inicial de um texto de Phil Johnson, em domínio público, traduzido e adaptado pelo Pr Silvio Dutra.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here