O Perdão dos Pecados – Parte 3

0

Aqueles que interpretam algumas expressões das Escrituras, de que “Deus ri da calamidade dos ímpios, e zomba quando o medo vem,” Pv 1.26, e é inexorável para as suas orações, em tal sentido, maiores são as expressões da graça de Deus, para induzir os pecadores a se arrependerem e crerem para a sua salvação; chamam a escuridão de luz, porque as ameaças são dirigidas contra os rebeldes obstinados que frustram os mais poderosos métodos da misericórdia, e rejeitam a chamadas de Deus, no dia da sua graça, e por meio de retribuição, suas orações são ineficazes, e rejeitadas, no dia da sua ira.

Que Ele é tão grande e irreconciliavelmente provocado pelo desprezo deles da Sua misericórdia, é uma indicação certa do quão altamente ele teria ficado satisfeito com a humilde aceitação deles da mesma. Que ninguém, então, por uma suspeita vil e miserável, suponha que os repetidos apelos de Deus para os pecadores voltarem a viver, não significam a sua vontade sincera, e diminuam a glória de sua bondade, e blasfemem da sua santidade sem mácula. A excelência da sua grandeza nos assegura da sua sinceridade. Por que a gloriosa Majestade da coorte do Céu deveria ser desprezada por criaturas que necessitam ser reconciliadas? Estamos infinitamente abaixo dele, e nenhuma vantagem pode ser dada a ele por nós.

Príncipes temporais podem ser seduzidos pelos juros de enviar declarações falsas a rebeldes armados, para reduzi-los à obediência; mas o que o Altíssimo ganha com nossa submissão ou perde com nossa obstinação? Uma bondade falsificada visa à esperança de algum bem, ou ao temor de algum mal; e de ambos Deus é absolutamente incapaz. Somos todos desagradáveis para a sua justiça severa; não há ocasião em que ele deveria pretender, pela oferta graciosa de perdão, agravar o pecado e a sentença contra quem o recusar. Quem com coração triste e quebrantado, e que sinceramente odeie seus pecados, e procura perdão pelo Mediador, achará em sua experiência o ser poupado pela misericórdia, como asseguram as mais altas expressões disto nas Escrituras, e que excede a todos os seus pensamentos.

4. Inferimos que Deus está pronto para perdoar, por ele ser tão lento para punir. Apesar de todos os atributos divinos serem iguais em Deus, e não haja um acordo completo entre eles, mas há uma diferença em suas operações externas, João declara: “Deus é amor,” que significa a sua bondade comunicativa, exercício este que é mais livre e agradável para ele do que os atos de vingança da justiça. “porque não aflige, nem entristece de bom grado os filhos dos homens.”, Lam 3.33. Sua misericórdia em dar e perdoar como os fluxos de água de uma fonte; atos de justiça são forjados a partir dele (como o vinho a partir das uvas) pelo peso nossos pecados.

No primeiro dia do julgamento, o Salvador foi prometido antes que a maldição fosse determinada, como lemos no início do livro de Gênesis. Não obstante os homens pecadores quebram as suas leis, e pisam sobre ela perante a sua face; eles resistem e entristecem ao seu Espírito; e ainda assim ele retarda a execução do juízo, porque a longanimidade pode levá-los ao arrependimento.
Isso será exibido por considerar que a tolerância de Deus para com os pecadores não é,

1. Por falta de descoberta de seus pecados, a justiça humana pode suportar que uma pessoa culpada escape da punição por falta de provas claras, mas isto não se aplica à justiça do céu. “Deus é luz” no que diz respeito à sua pureza e onisciência. Seus olhos de fogo penetram através das mais densas trevas em que os pecados são cometidos, e todas as artes da dissimulação usadas para cobri-los. Ele vê todos os pecados dos homens, com o olho de um juiz, “E não há criatura que não seja manifesta na sua presença; pelo contrário, todas as coisas estão descobertas e patentes aos olhos daquele a quem temos de prestar contas.”, Hb 4.13. Por isso se diz: “Deus vai exigir o que é passado”, e irá observar o que está por vir, para julgamento.

2. Não se trata de um defeito de Seu poder que os maus são poupados. Grandes príncipes são por vezes impedidos do exercício da justiça, quando a pessoa culpada é apoiada por um partido predominante contra eles, porque o poder de um príncipe não está, em si mesmo, mas naqueles que são seus súditos. Davi foi obrigado a poupar Joabe, após o assassinato de Abner, por causa de sua participação no exército, “os filhos de Zeruia, eram muito duros” para ele, e ele temia sua resistência rebelde. Mas o poder de Deus é inerente em si mesmo, e não depende de qualquer criatura: O Senhor é exaltado em seu próprio poder. Ele não teme ninguém, e deve ser temido por todos. Com um golpe de onipotência, ele pode destruir todos os seus inimigos para sempre. Ele pode, com maior facilidade subjugar os rebeldes mais obstinados, do que podemos respirar. Sua força é igual à sua autoridade, ambas são verdadeiramente infinitas.

Os culpados são poupados, por vezes, pela parcialidade viciosa de príncipes aos seus favoritos, ou uma negligência miserável da justiça, mas o alto e santo Rei é, sem acepção de pessoas: ele odeia o pecado com ódio perfeito, e está irritado com o ímpio todos os dias . A Escritura nos dá conta porque a execução é adiada: “O Senhor não retarda o juízo (como alguns o julgam demorado), mas é longânimo para com todos, não querendo que ninguém pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento.” “Ele espera ser gracioso”, e poupa os homens na expectativa da sua salvação.

5. Parece que Deus está pronto a perdoar, em que, após o primeiro sinal de humildade e penitência dos que creem, ele os perdoa presentemente.
Se considerarmos quanto tempo os homens continuam em um curso de pecados, e quanto recusam as ofertas de misericórdia por serem culpados, isto pode justamente ser esperado, que Deus com desdém rejeite as suas petições ou não seja buscado sem um longo exercício de arrependimento, e contínuas, submissas e fervorosas solicitações de sua misericórdia. Mas o Rei do céu não mantém qualquer condição, o “trono da graça” está sempre aberto e acessível a penitentes humildes: quando seus corações estão preparados, seu ouvidos estão inclinados para ouvi-los.

Davi, depois de praticar pecados muito desagradáveis, e ter ficado por longo tempo em estado de impenitência, mas no seu quebrantamento quanto à sua maldade, resolveu se humilhar por um reconhecimento triste disto, e ele foi restaurado ao favor divino. “Eu disse que ia confessar os meus pecados, e tu perdoaste a maldade do meu pecado.” O arrependimento de Efraim é um exemplo admirável das entranhas compassivas de Deus para com os pecadores: “Bem ouvi que Efraim se queixava, dizendo: Castigaste-me, e fui castigado como novilho ainda não domado; converte-me, e serei convertido, porque tu és o Senhor, meu Deus. Na verdade, depois que me converti, arrependi-me; depois que fui instruído, bati no peito; fiquei envergonhado, confuso, porque levei o opróbrio da minha mocidade. Não é Efraim meu precioso filho, filho das minhas delícias? Pois tantas vezes quantas falo contra ele, tantas vezes ternamente me lembro dele; comove-se por ele o meu coração, deveras me compadecerei dele, diz o Senhor.” (Jer 31.18-20).

O filho pródigo em sua resolução de regressar ao seu Pai, e considerando a si mesmo como totalmente indigno de ser recebido como um filho, enquanto ele estava no caminho, seu pai o viu à distância, e correu para ele, lançou-se sobre seu pescoço e o beijou, e perdoou a sua rebelião passada inteiramente. O publicano com sua alma ferida disse: “Senhor, sê propício a mim, pecador!”, e foi justificado, e não o fariseu orgulhoso.
6. É um argumento convincente, que Deus está pronto a perdoar o pecado, que ele dá graça aos homens para prepará-los para a sua misericórdia perdoadora. O arrependimento e a fé são plantas sagradas que não brotam da nossa terra, mas têm suas raízes no céu. “Deus dá o arrependimento para a vida.” Atos 11. “A fé não é de nós mesmos, é dom de Deus.” Ef. 2.

Em nosso estado corrompido o pecado é natural ao homem, e tem inteiramente possuído todas as suas principais faculdades. “O pendor da carne é inimizade contra Deus”, Rom 8. A vontade é rebelde, e fortemente inclinada a paixões sedutoras: as tentações são tão numerosas e deliciosas, que os pecadores se aventuram a ser infelizes para sempre, para desfrutar os prazeres do pecado, que morrem na degustação. É verdade, que tais são as inclinações invioláveis da natureza humana para a felicidade, que nenhum homem pode amar a morte sem disfarces, nem escolher a condenação por si mesmo; ainda o afeto ao pecado é tão soberano, que não irão abandoná-lo até a morte. A sabedoria de Deus nos diz: “aqueles que me odeiam amam a morte”, Prov 9. Nosso Salvador reprovou os judeus com compaixão, “mas não quereis vir a mim para terdes vida.” João 5. Esta é a causa de sua permanência em um estado de culpa para sempre.

Agora tal é a misericórdia de Deus, que ele dá o seu Espírito, para ajudar os homens por sua iluminação, prevenção, contenção e graça, a abandonar seus pecados, para que possam ser salvos, e se eles melhoraram fielmente os graus mais baixos de graça (embora eles nada possam reivindicar por direito), ele teria de boa vontade lhes dado mais graça; mas eles são tão avessos a Deus, e inclinados fortemente para o mundo presente, que eles resistem por muito tempo aos movimentos da pura graça em seus corações, até que os ventos do Espírito expirem, e não mais reviva, de acordo com essa terrível ameaça: “o meu Espírito não mais lutará com o homem, pois ele é carnal.”, Gênesis 6.
3. Chego agora a perceber que Deus é abundante em perdão. Este Deus tem declarado em palavras tão plenas e expressivas, como pode satisfazer abundantemente os espíritos mais tenros e temerosos: “Buscai o SENHOR enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto. Deixe o perverso o seu caminho, o iníquo, os seus pensamentos; converta-se ao SENHOR, que se compadecerá dele, e volte-se para o nosso Deus, porque é rico em perdoar. Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos, os meus caminhos, diz o SENHOR, porque, assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos, mais altos do que os vossos pensamentos.” (Is 55.6-9).

O apóstolo diz: “Deus é rico em misericórdia”, Ef 2. Não é dito que ele é rico em substância, ainda que a terra seja do Senhor, e toda a sua plenitude. Ele é rico em suas próprias perfeições, e não em coisas externas. Não é dito, que é rico em poder, embora ele seja todo-poderoso, nem no juízo, mas na misericórdia; isso significa que de todas as perfeições divinas, nada brilha tão radiantemente quanto a sua misericórdia. Isso reflete um brilho em seus outros atributos. Sua bondade é a base da sua glória. Ele perdoou dez mil talentos ao servo que estava insolvente, e seu tesouro é interminável.
Vou considerar agora a extensão de sua misericórdia perdoadora, e a inteireza da mesma.

1. A sua extensão, no que diz respeito ao número e à qualidade dos pecados que são perdoados.
Primeiro, o número deles. Davi, depois de uma consideração atenta da pureza e da perfeição da lei de Deus, irrompe em uma grande ansiedade, “Quem pode entender os seus erros? Quem pode enumerar as muitas transgressões a esta regra estreita do nosso dever?” Em muitas coisas que tudo ofendem. Somos obrigados perpetuamente a obedecer e a glorificar a Deus, mas em cada ação, mesmo em nossos deveres religiosos, há muitos defeitos e impurezas que requerem o perdão. Quantos enxames de pensamentos fúteis e inúteis, de avarezas carnais; pensamentos orgulhosos, invejosos e vingativos e desejos alojados nos corações dos homens? Quantas palavras vãs fluem de seus lábios? Quantos milhares de ações pecaminosas continuam com eles? Quando a consciência esclarecida reflete seriamente sobre os nossos pecados de omissão e comissão, quão surpreendente é seu grande número? O que um amontoado montanhoso parece? Eles chegam tão baixo como o inferno, e sobem tão alto quanto o céu. Iria cansar a mão de um anjo anotar os perdões que Deus concede a um crente penitente.

Em segundo lugar, o perdão divino se estende para os pecados de todos os tipos e graus, habituais e reais. Embora nenhum pecado seja absolutamente pequeno, sendo cometido contra a majestade de Deus, no entanto, comparativamente, com relação à sua qualidade e às circunstâncias, há uma diferença evidente entre eles. Alguns são de uma tintura mais fraca, alguns são de um teor mais profundo; alguns ferem ligeiramente a consciência. Pecados de ignorância e fraqueza, pecados de paixões, pecados contra a luz, que nada mais são do que a natureza do pecado, pecados contra misericórdias, que na linguagem do apóstolo, são um “desprezo da bondade de Deus”, pecados contra os votos solenes, pecados cometidos habitual e presunçosamente, como se Deus fosse ignorante ou indiferente e alheio, ou impotente para punir os infratores; esses carregam uma maior culpa, e expõem a uma punição mais terrível. Agora, um perdão gracioso é oferecido no evangelho a todos os pecadores, seja qual for a qualidade e as circunstâncias de seus pecados.

A promessa é abrangente para todos os tipos de pecados, quão variados e poderosos possam ser, seja de quem for. Além disso, para nos encorajar a nos arrependermos e crermos, Deus promete perdão aos pecados das mais ferozes provocações. Judá tinha violado a aliança com Deus por suas idolatrias impuras, mas ele se oferece para recebê-los. “Tu te prostituíste com muitos amantes, mas ainda assim, torna para mim, diz o Senhor.”
Recaídas em pecados rebeldes argumentam uma forte propensão para eles, e extremamente agravam a sua culpa, mas Deus promete perdão para eles: “Convertei-vos filhos rebeldes, eu curarei as vossas rebeliões.” Há casos eminentes da misericórdia redentora de Deus gravados na Escritura.

O apóstolo tendo enumerado muitos tipos de pecadores culpados de crimes enormes, idólatras, adúlteros, diz aos Coríntios, “e tais fostes alguns de vós, mas fostes lavados, mas fostes santificados, mas fostes justificados em o nome do Senhor Jesus Cristo e pelo Espírito do nosso Deus.” Há uma espécie de pecadores excluídos da promessa geral de misericórdia, aqueles que pecam contra o Espírito Santo. O motivo da exceção não é, que o Espírito Santo é superior em dignidade ao Pai e ao Filho, porque todos eles são co-eternos e co-iguais, mas em razão de suas operações, ou seja, a revelação da verdade e da graça de Deus no evangelho. Agora, a malícia obstinada e contradizente da verdade do evangelho brilhando nas mentes dos homens, e o desprezo perverso da graça do evangelho, é imperdoável para a infinita misericórdia. Aqueles que são culpados do pecado, têm se transformado na imagem do diabo, e a salvação não pode alcançá-los. Mas nenhum outro é excluído do arrependimento e do perdão.

2. Vejamos agora a extensão, a medida, a inteireza do perdão oferecido aos pecadores que revela a grande misericórdia de Deus.
1. O perdão é tão completo quanto livre, de acordo com a sua excelente bondade: a imputação da culpa cessa, e a obrigação de punição foi abolida. Nós temos evidências claras disso na Escritura. Deus assegura àqueles que se arrependem e se convertem, “ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve: ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a lã.” O perdão é mais do que um adiamento ou suspensão do julgamento, é uma liberdade perfeita: um crente arrependido é tão livre da acusação da lei como um anjo inocente. “Não há condenação para aqueles que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o espírito.” Rom 8. Nossa limpeza das impurezas do pecado é imperfeita, portanto, devemos estar sempre nos purificando, até que cheguemos à pureza absoluta, mas o nosso perdão é perfeito.

É irrevogável, temos a certeza, que, tanto quanto o leste dista do oeste, Deus remove as nossas transgressões de nós. Tão logo esses pontos distantes possam ser unidos, assim a culpa pode ser fixada sobre aqueles a quem Deus perdoou. O profeta declara que “Deus vai subjugar nossas iniquidades, e lançá-las no fundo do mar, Sl 103, de onde eles nunca podem subir. Deus promete: “Eu perdoarei as suas iniquidades, e delas não mais me lembrarei.” Miq 7. O perdão é completo e final. É a miséria dos ímpios “eles já estão condenados” Jer 31.34. Vivem por um indulto e suspensão de julgamento: é a segurança abençoada dos crentes, que eles “não cairão sob condenação. Há uma tal inconstância na natureza dos homens, que muitas vezes se arrependem e revogam os favores e privilégios que eles têm concedido, eles gostam hoje, e rejeitam amanhã as mesmas pessoas, mas o bendito Deus não está sujeito a alterações ou contingências. Seu amor, seu propósito, sua promessa ao seu povo, são inalteráveis.

2. A inteireza deste grande benefício é evidente em que Deus restaura o seu amor e favor para todos os que são perdoados. Príncipes, algumas vezes perdoam ofensores, mas nunca mais os recebem em seu favor. Absalão foi chamado do banimento, mas por dois anos não foi admitido para ver o rosto do rei. Mas Deus magnifica e manifesta o seu amor por aqueles a quem Ele perdoa. Ele não os distingue dos anjos que sempre lhe obedecem. Ele perdoa os nossos pecados inteiramente como se eles nunca tivessem sido cometidos, e se reconcilia conosco, como se ele nunca tivesse sido ofendido. Temos a descoberta mais clara disto na parábola do filho pródigo.

Poderia ter sido esperado, que seu pai devesse tê-lo repreendido por seu obstinado abandono de sua casa, por ter desperdiçado sua parte na herança na perversidade e na luxúria, e que por um constrangimento amargo fosse obrigado a retornar; não, ele carinhosamente o abraça e cancela toda a dívida de seus crimes passados com um beijo mais carinhoso; e enquanto o pobre penitente presumia apenas que seria recebido como um servo, ele foi restaurado da maneira mais carinhosa à dignidade e à relação de um filho, a alegria universal foi difundida por toda a família pelo o seu retorno. Se o nosso Salvador não tivesse feito essa relação com todas as suas circunstâncias cativantes, os nossos corações estritamente impuros nunca presumiriam e nos prometeriam esse amor compassivo de Deus pelos pecadores arrependidos. Mas quem imita o filho pródigo em seu retorno, deverá enfrentar a realidade para superar a ilustração. Vou acrescentar alguns exemplos deste amor de Deus para aqueles que se arrependem.

Maria Madalena havia sido culpada de pecados, mas nosso Salvador graciosamente recebeu as manifestações de sua dor e de amor, para o espanto de Simão: “Ela lavou os pés com as suas lágrimas e enxugou-os com os cabelos da sua cabeça, e os beijou”, e ele, depois de sua ressurreição apareceu pela primeira vez a ela. Isto é recordado pelo evangelista, com uma infinita ênfase de seu amor, que “apareceu primeiramente a Maria Madalena, da qual tinha expulsado sete demônios.” Pedro, em cuja negação de Cristo, havia uma mistura de infidelidade, ingratidão e impiedade, prometeu que iria morrer com ele ou para ele, e ainda que não sendo questionado com terror por um magistrado armado, nem surpreendido por um examinador sutil, mas sendo perguntado por uma empregada negou a Cristo, mas ele foi restaurado para a honra de seu ofício, e o carinho de seu mestre. É muito observável, que quando ele apareceu a Maria Madalena, ele lhe pediu que anunciasse a seus discípulos e a Pedro a sua ressurreição, ele particularmente menciona Pedro, para levantar o seu espírito abatido, com esta nova garantia do seu amor.

Este privilégio feliz pertence a todos os crentes arrependidos, porque quem Deus perdoa ele elege, e adota em sua família, e os torna herdeiros do céu. O primeiro feixe de misericórdia brilha no perdão de nossos pecados, o que é uma garantia infalível de nossa libertação do castigo do pecado no inferno, e da nossa obtenção das alegrias do céu. Nosso Salvador por seus sofrimentos meritórios e voluntários pagou nosso resgate da morte eterna, e comprou para nós o direito à vida eterna. “A quem Deus justifica, ele glorifica”. O efeito formal da justificação é a nossa restauração no favor perdido de Deus, e dessa fonte fluem todos benefícios abençoados. Deus declara a respeito de seu povo: “Eles serão para mim particular tesouro, naquele dia que prepararei, diz o SENHOR dos Exércitos; poupá-los-ei como um homem poupa a seu filho que o serve.”, Mal 3.17.

Tradução e adaptação feitas pelo Pr Silvio Dutra, de um texto de William Bates, em domínio público.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here