Louvor

0

”falando entre vós com salmos, entoando e louvando de coração ao Senhor com hinos e cânticos espirituais,” (Efésios 5:19)

”Habite, ricamente, em vós a palavra de Cristo; instruí-vos e aconselhai-vos mutuamente em toda a sabedoria, louvando a Deus, com salmos, e hinos, e cânticos espirituais, com gratidão, em vosso coração.” (Colossenses 3:16)

Sobre cantar os Salmos em nossas devoções particulares. E sobre a excelência e benefício deste tipo de devoção, pelos grandes efeitos que ela tem sobre nossos corações. E sobre os meios de fazê-lo da melhor maneira.

Você já viu no capítulo anterior, o que significa e quais são os métodos para aumentar e melhorar a sua devoção. Quão cedo você deve começar suas orações, e o que deve ser o objeto de suas primeiras devoções pela manhã.

Há ainda uma coisa restante, que deve ser observada, e que não pode ser negligenciada, sem grande prejuízo às suas devoções.
E isto é, que você deve começar todas as suas orações com um Salmo. Isto é tão certo, é tão benéfico para a devoção, porque tem muito efeito em nossos corações. Eu não quero dizer, que você deve ler um Salmo, mas que você deve cantá-lo.

Deve ser considerada a importância de se cantar um Salmo no início de suas devoções, por ser algo que despertará tudo o que é bom e santo dentro de você, e que chamará o seu espírito ao seu dever apropriado, para ajustá-lo em sua melhor postura para o céu e sintonizar todos os poderes de sua alma para a adoração.

Pois não há nada que tão melhor limpe o caminho para suas orações, nada que tanto expulse a indolência de coração, nada que purifique a alma das paixões pobres e pequenas, nada que abra o céu, ou conduza o seu coração para tão perto dele, como essas canções de louvor.Elas criam um sentido e prazer em Deus, elas despertam santos desejos, e lhe ensinam a pedir, e prevalecem com Deus para atender suas petições. Elas acendem uma chama sagrada, e transformam seu coração em um altar, suas orações em incenso, e as conduzem como um doce aroma suave ao trono da graça.

A diferença entre cantar e ler um Salmo, será facilmente compreendida, se você considerar a diferença entre ler e cantar uma canção comum que você goste. Enquanto você apenas a lê, você somente gosta da letra, e isso é tudo, mas assim que você a canta, então você a aprecia, você sente o prazer e a emoção dela, ela se apodera de você, suas emoções entram em ritmo com ela e você sente dentro de si o mesmo espírito que parece estar nas palavras.

Se você tivesse que dizer a uma pessoa que tem essa canção, que ela não precisa cantá-la, que seria suficiente ler, ela iria querer saber o que você quis dizer, e achar que lhe pediu um absurdo, como se tivesse lhe dito que somente deveria olhar para a comida, para ver se era boa, mas não precisava comê-la; porque um cântico de louvor não cantado, é muito parecido com qualquer outra coisa boa da qual não se fez uso.

Talvez você diga, que cantar é um talento especial, que pertence somente a determinadas pessoas, e que você não tem nem voz, nem ouvido para cantar qualquer música. Se você tivesse dito que cantar é um talento geral, no qual as pessoas diferem, como em todas as outras coisas, você teria dito alguma coisa muito mais verdadeira. Pois as pessoas diferem muito no talento de pensar, que não é somente comum a todos os homens, mas parece ser a própria essência da natureza humana.

No entanto, ninguém deseja ser dispensado do pensamento, ou razão, ou discurso, porque ele não tem esses talentos, como algumas pessoas o possuem. Se uma pessoa viesse a deixar de orar, porque ela tinha um estranho tom em sua voz, ela teria uma boa desculpa para não cantar Salmos, por ter pouca voz. Em segundo lugar, esta objeção poderia ser de algum peso, se você fosse cantar para entreter outras pessoas, mas isto não é para ser admitido no presente caso, onde você só está obrigado a cantar os louvores de Deus, como uma parte de sua devoção privada.

Todos os homens são cantores, da mesma forma como todos os homens pensam, falam, riem e choram. Cada estado do coração, naturalmente, coloca o corpo em algum estado que é adequado para ser mostrado a outras pessoas. Se um homem está com raiva, ninguém precisa lhe instruir como expressar essa paixão pelo tom de sua voz. O estado de seu coração o conduzirá ao uso adequado da sua voz.

Se, portanto, existem, senão poucos cantores de músicas divinas, se as pessoas querem ser excluídas desta parte da devoção, é porque são poucos, cujos corações são elevados à altura da piedade, e que sentem impulsos de alegria e prazer nos louvores a Deus. Imagine a si mesmo, como se tivesse estado com Moisés quando ele conduzia o povo através do Mar Vermelho, e que você tivesse visto as águas se dividirem, e que estas caíssem sobre os seus inimigos depois de você tê-lo atravessado em segurança, então teria voz para cantar louvores a Deus juntamente com Moisés: “O Senhor é a minha força, e o meu cântico, e se tornou a minha salvação, etc”.

Eu sei, e seu coração lhe diz, que todas as pessoas naquela ocasião devem ter entoado louvores. E isto, portanto, lhe ensina que é o coração que afina a voz para cantar os louvores de Deus; e que se você não pode cantar essas mesmas palavras agora com alegria, é porque você não está tão afetado com a salvação do mundo por Jesus Cristo, como os israelitas ficaram com a sua libertação no Mar Vermelho.

Se você, então, despertar o seu coração, ele tão naturalmente cantará as palavras do Salmo, como ele ri quando ele está satisfeito. E este será o caso em cada música que tocar o coração. Se você puder dizer com Davi, meu coração está firme, ó Deus, meu coração está firme; será muito fácil e natural você adicionar a isto, como ele fez, eu vou cantar e louvar, etc.

Em segundo lugar, vamos agora considerar uma outra razão para este tipo de devoção. Como o canto é um efeito natural da alegria no coração, por isso tem também um poder natural de tornar o coração alegre.

A alma e o corpo são tão unidos, que têm cada um deles poder sobre o outro em suas ações. Certos pensamentos e sentimentos na alma, produzem tais e tais movimentos ou ações no corpo, e, por outro lado, certos movimentos e as ações do corpo, têm o mesmo poder de aumentar tais e tais pensamentos e sentimentos na alma. Porque, como o canto é o efeito natural da alegria na mente, por isso é tão verdadeiramente uma causa natural que eleva a alegria na mente, pois há aqui uma recíproca relação de causa e efeito.
Como a devoção do coração faz surgir naturalmente atos de oração, de igual modo os atos de oração são meios naturais para elevar a devoção do coração.

Como a raiva produz palavras de raiva, então palavras iradas aumentam a ira. Embora, a sede da Religião esteja no coração, mas uma vez que nossos corpos têm um poder sobre nossos corações, uma vez que as ações tanto procedem, quanto entram no coração, está claro que as ações externas têm um grande poder sobre essa Religião que está sediada no coração . Devemos, portanto, tanto usar ajuda externa, quanto interna em nossa meditação, a fim de gerar e corrigir hábitos de piedade em nossos corações.

Esta doutrina pode ser facilmente levada longe demais, pois, se dependermos de muitos meios exteriores de adoração, isto pode degenerar em superstição; como, por outro lado, alguns têm caído no extremo contrário. Porque para provar a Religião sediada no coração, alguns têm exercido essa noção, até agora, como renúncia à oração vocal, e outros atos exteriores de adoração, como o louvor, e têm resumido toda a sua religião em um quietismo, ou relação mística com Deus em silêncio. Ora, estes são dois extremos igualmente prejudiciais à verdadeira Religião, e não devem ser achados quer no culto interno ou externo.

Pois desde que não somos somente alma, nem somente corpo, por não serem nenhuma de nossas ações separadas da alma, ou separadas do corpo, sabendo que os hábitos são produzidos tanto em nossas almas quanto em nossos corpos , é certo, que, para se chegar a hábitos de devoção, ou prazer em Deus, devemos não somente meditar e exercitar nossas almas, mas devemos praticar e exercitar nossos corpos para todas aquelas ações externas, por serem conformes a esses temperamentos interiores, entre os quais podemos citar o hábito de cantar louvores.

Se quisermos verdadeiramente prostrar nossas almas diante de Deus, devemos usar nossos corpos em posturas de humildade; se desejamos verdadeiro fervor de devoção, devemos fazer da oração o trabalho frequente de nossos lábios.

Se quisermos banir todo o orgulho e paixão de nossos corações, nós devemos nos forçar a todas as ações exteriores de paciência e mansidão. Se quisermos sentir os movimentos interiores de alegria e prazer em Deus, devemos praticar todos os atos externos relativos a isto, e fazer as nossas vozes se ajustarem aos nossos corações.

Agora, pois, você pode ver claramente que a razão e necessidade do cântico dos Salmos, é porque são necessárias ações externas para apoiar as disposições interiores, e, portanto, o ato externo de alegria é necessário para aumentar e apoiar a alegria interior da mente.

Toda oração e devoção, jejuns e arrependimento, meditação e retiros espirituais, a santa ceia e o batismos e todas as ordenanças, têm por alvo senão tornar a alma, assim, santa, e conforme à vontade de Deus, e para enchê-la com gratidão e louvor por cada coisa que vem de Deus. Esta é a perfeição de todas as virtudes; e todas as virtudes que não tendem a isso, ou que não procedam disso, são senão falsos ornamentos de uma alma não convertida a Deus.

Você não precisa, portanto, agora perguntar, porque eu dou tanta ênfase à importância de cantar um Salmo em todas as suas devoções, pois você vê que é para encher o seu espírito de alegria e gratidão a Deus, que é a mais alta perfeição de uma vida divina e santa.

Tradução e adaptação feitas pelo Pr Silvio Dutra, do décimo quinto capitulo do livro de William Law, em domínio público, intitulado Uma Chamada Séria a Uma Vida Santa e Devota. William Law, foi professor e mentor por vários anos de John e Charles Wesley, George Whitefield – principais atores do grande avivamento do século XVIII, que se espalhou por todo o mundo – Henry Venn, Thomas Scott e Thomas Adam, entre outros, que foram profundamente afetados por sua vida consagrada a Deus, e sobretudo pelo conteúdo deste livro.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here