A Atualidade da Profecia de Miqueias

0

Miqueias 1

“1 Palavra do SENHOR que em visão veio a Miqueias, morastita, nos dias de Jotão, Acaz e Ezequias, reis de Judá, sobre Samaria e Jerusalém.
2 Ouvi, todos os povos, prestai atenção, ó terra e tudo o que ela contém, e seja o SENHOR Deus testemunha contra vós outros, o Senhor desde o seu santo templo.
3 Porque eis que o SENHOR sai do seu lugar, e desce, e anda sobre os altos da terra.

4 Os montes debaixo dele se derretem, e os vales se fendem; são como a cera diante do fogo, como as águas que se precipitam num abismo.
5 Tudo isto por causa da transgressão de Jacó e dos pecados da casa de Israel. Qual é a transgressão de Jacó? Não é Samaria? E quais os altos de Judá? Não é Jerusalém?
6 Por isso, farei de Samaria um montão de pedras do campo, uma terra de plantar vinhas; farei rebolar as suas pedras para o vale e descobrirei os seus fundamentos.

7 Todas as suas imagens de escultura serão despedaçadas, e todos os salários de sua impureza serão queimados, e de todos os seus ídolos eu farei uma ruína, porque do preço da prostituição os ajuntou, e a este preço volverão.
8 Por isso, lamento e uivo; ando despojado e nu; faço lamentações como de chacais e pranto como de avestruzes.
9 Porque as suas feridas são incuráveis; o mal chegou até Judá; estendeu-se até à porta do meu povo, até Jerusalém.

10 Não o anuncieis em Gate, nem choreis; revolvei-vos no pó, em Bete-Leafra.
11 Passa, ó moradora de Safir, em vergonhosa nudez; a moradora de Zaanã não pode sair; o pranto de Bete-Ezel tira de vós o vosso refúgio.
12 Pois a moradora de Marote suspira pelo bem, porque desceu do SENHOR o mal até à porta de Jerusalém.
13 Ata os corcéis ao carro, ó moradora de Laquis; foste o princípio do pecado para a filha de Sião, porque em ti se acharam as transgressões de Israel.

14 Portanto, darás presentes de despedida a Moresete-Gate; as casas de Aczibe serão para engano dos reis de Israel.
15 Enviar-te-ei ainda quem tomará posse de ti, ó moradora de Maressa; chegará até Adulão a glória de Israel.
16 Faze-te calva e tosquia-te, por causa dos filhos que eram as tuas delícias; alarga a tua calva como a águia, porque de ti serão levados para o cativeiro.” (Miqueias 1.1-16)

Nós estaremos comentando um livro do Velho Testamento, e portanto, devemos ter em conta, diante de nós, como pano de fundo, que muito do que está nele contido, se referia ao antigo pacto, o qual foi revogado em Jesus Cristo.

Convém também ser dito que se a aliança antiga foi substituída pela nova, todavia Deus não mudou. Temos aqui revelada a exata expressão do seu caráter santo e justo, que não pode aprovar o pecado em nenhuma de suas formas, e muito menos, que aqueles que criou para estarem debaixo do seu governo amoroso, não reconheçam a sua soberania.

Então, os juízos aqui declarados contra o pecado, não foram suprimidos, mas podemos como dizer que foram adiados para o dia do grande juízo, no qual será fechado o tempo da sua paciência e longanimidade, que tem vigorado na presente dispensação da graça.
Os livros do Velho Testamento, em seus juízos, são portanto, um alerta amoroso, para que nos arrependamos dos nossos pecados, e temamos ao Senhor conforme convém ser temido, para que possamos escapar da condenação eterna, da qual nosso Senhor Jesus Cristo, veio a este mundo para nos livrar.

“1Co 10:5 Entretanto, Deus não se agradou da maioria deles, razão por que ficaram prostrados no deserto.
1Co 10:6 Ora, estas coisas se tornaram exemplos para nós, a fim de que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram.
1Co 10:7 Não vos façais, pois, idólatras, como alguns deles; porquanto está escrito: O povo assentou-se para comer e beber e levantou-se para divertir-se.

1Co 10:8 E não pratiquemos imoralidade, como alguns deles o fizeram, e caíram, num só dia, vinte e três mil.
1Co 10:9 Não ponhamos o Senhor à prova, como alguns deles já fizeram e pereceram pelas mordeduras das serpentes.
1Co 10:10 Nem murmureis, como alguns deles murmuraram e foram destruídos pelo exterminador.
1Co 10:11 Estas coisas lhes sobrevieram como exemplos e foram escritas para advertência nossa, de nós outros sobre quem os fins dos séculos têm chegado.”

Quando Miqueias começou seu ministério profético, o Reino do Norte (Israel) não havia ainda sido levado em cativeiro pelos assírios.
Mas o cativeiro estava às portas quando Miqueias começou a profetizar, porque o fizera nos dias dos reis Jotão e Acaz, do Reino do Sul (Judá).

Israel seria levado em cativeiro no sexto ano do rei Ezequias de Judá, quando o rei Oseias de Israel se encontrava no nono ano do seu reinado.
Miqueias foi, portanto, contemporâneo dos profetas Oseias e Isaías, e profetizou corroborando as mensagens destes profetas.
Por isso, encontramos logo no primeiro capítulo deste seu livro, profecias alertando sobre os julgamentos que se aproximavam para devastar tanto a Israel, quanto a Judá.

São citadas as capitais dos dois reinos: Samaria (de Israel) e Jerusalém (de Judá), porque eram nelas que se concentravam os líderes da nação israelita, tanto civis, quanto religiosos, e as ameaças diziam respeito principalmente a eles, a quem cabia trazer o povo debaixo do temor do Senhor.
Tal o mestre, tal o discípulo.
Tal o sacerdote, tal o adorador.

Isto não é necessariamente uma regra para aqueles que estão determinados a viverem segundo a reta justiça, mas é comum que o povo se deixe conduzir por aqueles que lhe lidera, sem levar em conta os frutos que são produzidos por eles.
Como eles buscavam a glória dos homens e não a de Deus, não receberam discernimento espiritual para poderem avaliar quem realmente deveria ser seguido e ouvido, e assim, cairam seduzidos nos braços dos falsos profetas vestidos em peles de ovelhas.
De tão acostumados que estavam em seguir o homem e não a Deus, mesmo quando se levantou entre eles um líder verdadeiramente piedoso, como foi o caso do rei Ezequias, eles não se deixaram persuadir e não se converteram a Deus em seus corações.
Todavia, é impossível enganar a Deus.

Por isso, Ele diz pelo profeta Miqueias que faria de Samaria um monturo, a ponto de descobrir seus fundamentos (v. 7).
As imagens de escultura seriam despedaçadas, e os salários dos que viviam daquele culto impuro seriam queimados (v. 7).
Judá havia se contaminado com o pecado de Israel.
Eles haviam entrado em alianças políticas com eles para se fortificarem, no entanto, isto somente serviu para enfraquecê-los, como o erro de Josafá, de se aparentar com a casa de

Acabe, dando seu filho que viria a reinar depois dele, como esposo de Atalia, filha da perversa Jezabel.
As feridas de Israel eram incuráveis, porque de há muito vinham servindo aos bezerros de ouro e a Baal.
E, nesta aliança com eles, Judá acabou se contaminando pelo mesmo mal da idolatria.
Como as transgressões de Israel foram achadas também em Judá (v. 13), então havia um juízo lavrado da parte do Senhor sobre ambos os povos, e quando este fosse executado não deveria servir de motivo de choro, nem de lamento no pó, nem deveria ser anunciado na terra dos povos inimigos, como na cidade de Gate dos filisteus, por exemplo, porque era da parte do próprio Senhor que lhes sobreviria a ruína do Seu povo.

As alianças de Israel com os filisteus lhes enviando presentes e tributos, de nada lhes adiantaria, porque nada poderiam fazer para livrá-los, quando o Senhor enviasse sobre eles um povo poderoso que os levaria para o cativeiro, a saber, os assírios (v. 16).
Israel e Judá juntaram para si ídolos, imagens de escultura, que tomaram o lugar que é devido exclusivamente à adoração de Jeová, ignorando os dois primeiros mandamentos da Lei que Ele lhes dera através de Moisés.

Os piedosos do povo de Deus prantearam por causa destes juízos, tal como o profeta Miqueias fizera, como aqueles que choram num funeral.
É triste ver como morto quem estava destinado a viver pelo poder do Espírito Santo.
Todos os pecados de Israel e de Judá seriam julgados, com a única exceção daqueles que tiveram as suas transgressões perdoadas, porque permaneceram fiéis a Deus, crendo nele e na sua Palavra.

De igual modo, através de Miqueias, Deus está alertando às pessoas de todos os lugares e épocas, que ele não deixará de visitar com juízos todos aqueles que não tiveram os seus pecados perdoados por causa da fé em Jesus Cristo.

Miqueias 2

“1 Ai daqueles que, no seu leito, imaginam a iniquidade e maquinam o mal! À luz da alva, o praticam, porque o poder está em suas mãos.
2 Se cobiçam campos, os arrebatam; se casas, as tomam; assim, fazem violência a um homem e à sua casa, a uma pessoa e à sua herança.
3 Portanto, assim diz o SENHOR: Eis que projeto mal contra esta família, do qual não tirareis a vossa cerviz; e não andareis altivamente, porque o tempo será mau.

4 Naquele dia, se criará contra vós outros um provérbio, se levantará pranto lastimoso e se dirá: Estamos inteiramente desolados! A porção do meu povo, Deus a troca! Como me despoja! Reparte os nossos campos aos rebeldes!
5 Portanto, não terás, na congregação do SENHOR, quem, pela sorte, lançando o cordel, meça possessões.
6 Não babujeis, dizem eles. Não babujeis tais coisas, porque a desgraça não cairá sobre nós.

7 Tais coisas anunciadas não alcançarão a casa de Jacó. Está irritado o Espírito do SENHOR? São estas as suas obras? Sim, as minhas palavras fazem o bem ao que anda retamente;
8 mas, há pouco, se levantou o meu povo como inimigo; além da roupa, roubais a capa àqueles que passam seguros, sem pensar em guerra.
9 Lançais fora as mulheres de meu povo do seu lar querido; dos filhinhos delas tirais a minha glória, para sempre.
10 Levantai-vos e ide-vos embora, porque não é lugar aqui de descanso; ide-vos por causa da imundícia que destrói, sim, que destrói dolorosamente.

11 Se houver alguém que, seguindo o vento da falsidade, mentindo, diga: Eu te profetizarei do vinho e da bebida forte, será este tal o profeta deste povo.
12 Certamente, te ajuntarei todo, ó Jacó; certamente, congregarei o restante de Israel; pô-los-ei todos juntos, como ovelhas no aprisco, como rebanho no meio do seu pasto; farão grande ruído, por causa da multidão dos homens.
13 Subirá diante deles o que abre caminho; eles romperão, entrarão pela porta e sairão por ela; e o seu Rei irá adiante deles; sim, o SENHOR, à sua frente.” (Miqueias 2.1-13)

Tornamos a lembrar que a precipitação do juízos que vieram sobre Israel e Judá, respectivamente, em 722 a.C, com os assírios, e e em 586 a.C com os babilônios, foi decorrente de estarem debaixo da antiga aliança, que prescrevia a visitação das transgressões da Lei, ainda no período de vigência daquela aliança.
Presentemente, estamos na dispensação da graça, na qual Deus tem adiado seus juízos para o Dia do Seu Grande Juízo Final.

Contudo, como já dissemos, tudo que o Senhor revelou através de Miqueias se refere ao Seu caráter santo e justo, que é imutável.
Portanto, bem irá a todo aquele que der ouvido à profecia.
Por exemplo, Deus declarou expressamente pela boca do profeta, no verso 7, quais são as pessoas às quais a Sua palavra faz bem, a saber, aos que andam retamente.
É possível ter muito conhecimento teológico, muitos dons, no entanto, pouca ou nenhuma retidão no procedimento.

O que predominava em Israel não era o amor ao próximo, mas a cobiça das propriedades alheias, para obterem por meio de fraude e violência, os bens de outros (v. 1,2).
Então o juízo de Deus, ao qual o profeta chama de mal, já havia sido lavrado contra a Sua própria família, ou seja, o Seu povo, juízo do qual não poderiam desviar a cerviz, porque lhes encurvaria os pescoços de tal forma, que não poderiam andar de cabeça erguida, quando chegasse o dia da calamidade que lhes viria da parte do Senhor (v. 3).
Como haviam cobiçado as propriedades de seus irmãos, da sua própria família de Israel, então seriam despojados dos seus bens por um povo estranho, o qual o profeta chama de rebeldes.

Isto significa que não lhes seriam tirados os seus bens porque este povo (assírio) fosse mais justo do que eles, mas para servir de um sinal que era em razão de um juízo de Deus contra os pecados dos israelitas.
Apesar das ameaças de Deus pelos Seus profetas, os israelitas consideravam que eles estavam apenas profetizando agouros, e lhes pediam para que se calassem, porque tinham convicção de que a desgraça não cairia sobre eles (v. 6).
Este é o mesmo erro da Igreja de Laodicéia que prossegue confiante em seu caminho, apesar das profecias da Palavra de Deus que são dirigidas contra ela, e que a convocam ao arrependimento.

Os israelitas chegaram a tal ponto de endurecimento, que este fez com que não aceitassem que estivessem entristecendo o Espírito Santo.
Eles perguntavam ironicamente: “Está irritado o Espírito do Senhor?”
Como poderia, segundo o modo de ver deles, um Espírito bom e consolador como o Espírito Santo, dizer palavras tão duras como as que eram proferidas por Miqueias?
Então voltavam a dizer: “São estas as suas obras?”
Como que ironizando que não poderia ser de modo algum obra do Espírito, os juízos aos quais estava se referindo o profeta.

O Senhor, porém, não lhes deixou sem resposta, conforme já comentamos anteriormente acerca do verso 7, no qual afirma que, eram sim as obras do Espírito, porque aquelas eram Suas palavras, uma vez que elas somente fazem o bem aos que andam retamente.
Assim, a bênção era para o que anda em retidão, e o juízo para os que não andam nos caminhos de Deus, tal como estava fazendo o povo de Israel nos dias de Miqueias.
Eles usavam de violência e roubo contra aqueles que viviam em paz.
Repudiavam suas esposas e tiravam seus filhinhos de debaixo da sua guarda.

Como poderia o Senhor permitir que um povo como aquele habitasse na terra que lhes dera por promessa, através de Abraão, sob a condição de andarem em todos os Seus mandamentos e estatutos?
Porventura não os lançaria fora dela, de forma que não fosse seu lugar de descanso, porque não havia razão para terem descanso da parte do Senhor, já que suas obras eram más?

Eles contaminavam a terra com suas obras ímpias, e o Senhor não permitiria que isto continuasse por muito tempo.
A impiedade deles havia chegado a tal ponto, que bêbados seriam bem recebidos como profetas do Senhor, porque não se importavam que se lhes profetizasse a falsidade (v. 11).
Por isso, haveria apenas boa esperança somente para o remanescente de Israel.
Deus congregaria este restante que lhe fosse fiel e os reuniria num rebanho, como ovelhas num aprisco.

Estes seriam em grande número; entrariam e sairiam pela porta do aprisco, porque o seu Rei iria adiante deles, e o profeta diz quem é este Rei, a saber o próprio Senhor.
Certamente era uma profecia para o tempo futuro, para que se revelasse que a glória de Israel dependeria de estarem unidos ao Messias, que ainda se levantaria sobre a terra, para redimir e santificar o povo de Deus, porque fora dEle, ninguém, será conhecido como participante do Seu povo.

Miqueias 3

“1 Disse eu: Ouvi, agora, vós, cabeças de Jacó, e vós, chefes da casa de Israel: Não é a vós outros que pertence saber o juízo?
2 Os que aborreceis o bem e amais o mal; e deles arrancais a pele e a carne de cima dos seus ossos;

3 que comeis a carne do meu povo, e lhes arrancais a pele, e lhes esmiuçais os ossos, e os repartis como para a panela e como carne no meio do caldeirão?
4 Então, chamarão ao SENHOR, mas não os ouvirá; antes, esconderá deles a sua face, naquele tempo, visto que eles fizeram mal nas suas obras.
5 Assim diz o SENHOR acerca dos profetas que fazem errar o meu povo e que clamam: Paz, quando têm o que mastigar, mas apregoam guerra santa contra aqueles que nada lhes metem na boca.

6 Portanto, se vos fará noite sem visão, e tereis treva sem adivinhação; pôr-se-á o sol sobre os profetas, e sobre eles se enegrecerá o dia.
7 Os videntes se envergonharão, e os adivinhadores se confundirão; sim, todos eles cobrirão o seu bigode, porque não há resposta de Deus.
8 Eu, porém, estou cheio do poder do Espírito do SENHOR, cheio de juízo e de força, para declarar a Jacó a sua transgressão e a Israel, o seu pecado.
9 Ouvi, agora, isto, vós, cabeças de Jacó, e vós, chefes da casa de Israel, que abominais o juízo, e perverteis tudo o que é direito,

10 e edificais a Sião com sangue e a Jerusalém, com perversidade.
11 Os seus cabeças dão as sentenças por suborno, os seus sacerdotes ensinam por interesse, e os seus profetas adivinham por dinheiro; e ainda se encostam ao SENHOR, dizendo: Não está o SENHOR no meio de nós? Nenhum mal nos sobrevirá.
12 Portanto, por causa de vós, Sião será lavrada como um campo, e Jerusalém se tornará em montões de ruínas, e o monte do templo, numa colina coberta de mato.” (Miqueias 3.1-12)

Nos versos 1 a 4 o Senhor dirige uma repreensão e ameaça aos principais sacerdotes e anciãos de Israel, que tinham o encargo de ensinarem a Sua vontade ao povo, e que no entanto, o exploraram, praticando o mal e aborrecendo o bem.
E nos versos 5 a 7 são repreendidos e ameaçados os falsos profetas, que haviam enganado o povo, levando-o a errar, com suas falsas visões.
Profetas interesseiros que profetizavam por dinheiro, e que ameaçavam com juízos de

Deus aqueles que não se submetiam às suas exigências interesseiras.
Todavia, Miqueias dá o seu próprio testemunho de ser totalmente diferente deles, e o que fazia tal distinção era o fato de estar “cheio do poder do Espírito do Senhor, cheio de juízo e de força, para declarar a Jacó a sua transgressão e a Israel, o seu pecado.” (v. 8).
Miqueias não tinha somente aparência de piedade, mas tinha também o poder da mesma operando eficazmente em sua vida.

Todavia, Miqueias não se limitou a dizer que estava cheio do poder do Espírito para protestar contra os pecados de Israel, como também repreendeu os cabeças e chefes israelitas, que abominavam o juízo de Deus, pervertiam tudo o que era direito, e que edificavam a Sião e Jerusalém com sangue e perversidade (v. 9, 10).

Miqueias, portanto, denunciou publicamente a hipocrisia daqueles líderes, dizendo que os juízes davam suas sentenças por suborno, os sacerdotes ensinavam por interesse, e os profetas adivinhavam por dinheiro; e o pior de tudo, o faziam em nome do Senhor, alegando estarem debaixo da sua proteção, tal como costumam fazer os falsos ministros que transitam no meio da Igreja, porque também dizem que tudo o que fazem é em nome de Deus e de acordo com a Sua Palavra, enquanto prosseguem com seu mau testemunho de vida, e más obras.

Estão seguros de que nenhum mal lhes sobrevirá, porque confundem a longanimidade de Deus, que é tardio em se irar, com a supressão total de seus juízos.
Todavia, se esquecem que serão pesados na balança divina, e sendo achados em falta terão que enfrentar Seu justo juízo, que se manifestará sempre no tempo apropriado, como sucedeu no passado àqueles líderes desviados de Israel.

Miqueias 4

“1 Mas, nos últimos dias, acontecerá que o monte da Casa do SENHOR será estabelecido no cimo dos montes e se elevará sobre os outeiros, e para ele afluirão os povos.
2 Irão muitas nações e dirão: Vinde, e subamos ao monte do SENHOR e à casa do Deus de Jacó, para que nos ensine os seus caminhos, e andemos pelas suas veredas; porque de Sião procederá a lei, e a palavra do SENHOR, de Jerusalém.

3 Ele julgará entre muitos povos e corrigirá nações poderosas e longínquas; estes converterão as suas espadas em relhas de arados e suas lanças, em podadeiras; uma nação não levantará a espada contra outra nação, nem aprenderão mais a guerra.
4 Mas assentar-se-á cada um debaixo da sua videira e debaixo da sua figueira, e não haverá quem os espante, porque a boca do SENHOR dos Exércitos o disse.
5 Porque todos os povos andam, cada um em nome do seu deus; mas, quanto a nós, andaremos em o nome do SENHOR, nosso Deus, para todo o sempre.

6 Naquele dia, diz o SENHOR, congregarei os que coxeiam e recolherei os que foram expulsos e os que eu afligira.
7 Dos que coxeiam farei a parte restante e dos que foram arrojados para longe, uma poderosa nação; e o SENHOR reinará sobre eles no monte Sião, desde agora e para sempre.
8 A ti, ó torre do rebanho, monte da filha de Sião, a ti virá; sim, virá o primeiro domínio, o reino da filha de Jerusalém.
9 Agora, por que tamanho grito? Não há rei em ti? Pereceu o teu conselheiro? Apoderou-se de ti a dor como da que está para dar à luz?

10 Sofre dores e esforça-te, ó filha de Sião, como a que está para dar à luz, porque, agora, sairás da cidade, e habitarás no campo, e virás até à Babilônia; ali, porém, serás libertada; ali, te remirá o SENHOR das mãos dos teus inimigos.
11 Acham-se, agora, congregadas muitas nações contra ti, que dizem: Seja profanada, e vejam os nossos olhos o seu desejo sobre Sião.

12 Mas não sabem os pensamentos do SENHOR, nem lhe entendem o plano que as ajuntou como feixes na eira.
13 Levanta-te e debulha, ó filha de Sião, porque farei de ferro o teu chifre e de bronze, as tuas unhas; e esmiuçarás a muitos povos, e o seu ganho será dedicado ao SENHOR, e os seus bens, ao Senhor de toda a terra.” (Miqueias 4.1-13)

Esta parte da profecia de Miqueias revela claramente qual é o método de Deus para emular Seu povo à obediência.
Nós vemos este método declarado nas palavras de Paulo em Romanos 11.22:

“Considera pois a bondade e a severidade de Deus: para com os que caíram, severidade; para contigo, a bondade de Deus, se permaneceres nessa bondade; do contrário também tu serás cortado.”

Ele usa de severidade para com aqueles que andam voluntariamente errados em relação à Sua vontade, mas de bondade para com aqueles que Lhe obedecem.
A profecia de Miqueias tinha o alvo de declarar a verdade dos juízos de Deus sobre Israel e Judá, por causa do mau caminho deles, entretanto, isto não significava uma rejeição total e final do Seu povo.

Ao contrário, era uma demonstração de que Ele, o Senhor, não muda, e que estava cumprindo tudo que havia dito fazer desde os dias de Moisés.
Ele quer abençoar, mas Seu povo deve se posicionar, vivendo do modo digno da bênção, porque de outro modo, em vez de bênção, buscará juízos corretivos.
Um viver abençoado, sempre é condicional, ou seja, depende de uma sincera obediência à vontade de Deus.

Não há vida de vitória, segundo o Senhor, quando se anda contrariamente à Sua vontade.
Aquisição de bens não significa esta bênção. Como de igual modo perseguições e sofrimentos por causa do evangelho não significam a sua falta.
Este viver abençoado vitorioso consiste em se ter a aprovação de Deus quanto ao que somos e o que fazemos.
O povo de Deus não foi destinado por Ele à ruína e ao despojamento pelo Inimigo, mas à vitória.

Então, aqueles juízos que viriam sobre Israel e Judá, sob a forma de destruição, respectivamente, da parte dos assírios e dos babilônios, não representavam a impossibilidade de vitória para todos os que fossem verdadeiramente piedosos, porque como vimos, mesmo no cativeiro, Eliseu, Daniel, Sadraque, Mesaque, Abdnego e outros, tiveram um viver vitorioso por causa da sua piedade.
Temos então, o incentivo a um viver piedoso, na profecia deste capítulo, porque nele, o Senhor faz boas promessas em relação a Israel, as quais teriam cumprimento, especialmente, quando da manifestação do Messias.

Havia um futuro glorioso prometido para Israel, apesar de todas as assolações que teria que enfrentar, por causa do pecado do próprio povo.
Mas, estas promessas se cumpririam em justiça; por isso se diz que aconteceriam nos últimos dias, e não somente os israelitas seriam beneficiados por esta promessa, mas todos os povos que afluiriam ao monte da Casa do Senhor, que seria estabelecido no cimo dos montes, veja bem, no cimo dos montes de várias nações, e não apenas em Sião (v. 1).
Esta profecia é uma referência ao período da Igreja, espalhada em todas as nações da terra.

Todavia, a partir do verso 2, a profecia se aplica ao governo do Messias no período do milênio, a partir de Jerusalém.
Será, portanto, dali que procederá as ordens e leis para todas as nações da terra, que serão julgadas e corrigidas pelo Rei dos reis; mesmo as nações poderosas e distantes de Jerusalém, que terão que converter seus armamentos de guerra em instrumentos úteis para a produção de alimentos, e não haverá mais guerra de nação contra nação.
Em consequência, não haverá mais necessidade de forças armadas e nem de preparar pessoas para serem ensinadas na arte da guerra, porque o milênio será um período de perfeita paz em todo o mundo.

A tão sonhada paz entre todas as nações, somente poderá ser vista neste período, quando o Messias estabelecer Seu reino de justiça e de paz na terra, logo depois da Sua segunda vinda.
Não haverá mais o temor de violação do direito à propriedade, porque cada pessoa se sentirá segura em sua própria posse, sem o temor de que esta lhe seja tirada por meio da violência ou por decretos injustos.
Nenhuma nação andará mais em nome de outros deuses, mas aos que for dado permanecerem na terra, no período do milênio, adorarão somente ao Senhor.
O Senhor deixaria um remanescente (um povo restante) daqueles que haviam sido afligidos por Ele, e dos que foram expulsos da Sua presença, para formar uma grande nação que reinasse juntamente com Ele no monte Sião, por toda a eternidade.

Então, Judá iria para o cativeiro em Babilônia, mas sairia de lá, pelo braço forte do Senhor, não para apenas voltar à sua própria terra, mas para que se desse cumprimento a estas profecias gloriosas relativas ao reino do Messias.

Miqueias 5

“1 Agora, ajunta-te em tropas, ó filha de tropas; pôr-se-á sítio contra nós; ferirão com a vara a face do juiz de Israel.
2 E tu, Belém-Efrata, pequena demais para figurar como grupo de milhares de Judá, de ti me sairá o que há de reinar em Israel, e cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade.
3 Portanto, o SENHOR os entregará até ao tempo em que a que está em dores tiver dado à luz; então, o restante de seus irmãos voltará aos filhos de Israel.

4 Ele se manterá firme e apascentará o povo na força do SENHOR, na majestade do nome do SENHOR, seu Deus; e eles habitarão seguros, porque, agora, será ele engrandecido até aos confins da terra.
5 Este será a nossa paz. Quando a Assíria vier à nossa terra e quando passar sobre os nossos palácios, levantaremos contra ela sete pastores e oito príncipes dentre os homens.
6 Estes consumirão a terra da Assíria à espada e a terra de Ninrode, dentro de suas próprias portas. Assim, nos livrará da Assíria, quando esta vier à nossa terra e pisar os nossos limites.

7 O restante de Jacó estará no meio de muitos povos, como orvalho do SENHOR, como chuvisco sobre a erva, que não espera pelo homem, nem depende dos filhos de homens.
8 O restante de Jacó estará entre as nações, no meio de muitos povos, como um leão entre os animais das selvas, como um leãozinho entre os rebanhos de ovelhas, o qual, se passar, as pisará e despedaçará, sem que haja quem as livre.
9 A tua mão se exaltará sobre os teus adversários; e todos os teus inimigos serão eliminados.
10 E sucederá, naquele dia, diz o SENHOR, que eu eliminarei do meio de ti os teus cavalos e destruirei os teus carros de guerra;

11 destruirei as cidades da tua terra e deitarei abaixo todas as tuas fortalezas;
12 eliminarei as feitiçarias das tuas mãos, e não terás adivinhadores;
13 do meio de ti eliminarei as tuas imagens de escultura e as tuas colunas, e tu já não te inclinarás diante da obra das tuas mãos;
14 eliminarei do meio de ti os teus postes-ídolos e destruirei as tuas cidades.
15 Com ira e furor, tomarei vingança sobre as nações que não me obedeceram.” (Miqueias 5.1-15)

Uma das marcas de um verdadeiro profeta de Deus é a que se vê na profecia de Miqueias, porque não tem uma palavra dirigida apenas à resolução de problemas presentes.
Um profeta verdadeiro, como Miqueias, recebe da parte do Senhor, uma visão global do Seu plano, e não vê apenas parte das coisas que estão acontecendo e das que sucederão; mas tudo vê, como peças de um grande conjunto que já está determinado por Deus debaixo do Seu controle, como coisas já cumpridas, apesar de terem seu cumprimento no tempo estabelecido por Ele.

Veja que quando Miqueias está falando dos juízos que viriam sobre Israel e Judá, ele não estava preso à visão daquelas assolações, porque viu que tudo se encaminharia para um futuro glorioso de Israel sob o Messias.
Por isso, a profecia mistura tanto o sítio que viria sobre Israel nos dias do cativeiro (v. 1), quanto o local de nascimento do Messias (Belém), ao mesmo tempo em que afirma que não era um nascimento de existência no tempo como o dos demais homens, porque no seu caso, aquele que haveria de reinar eternamente sobre Israel, conforme tudo o que foi profetizado no capítulo anterior, não tem início de existência, conforme se afirma no verso

2.
Deste modo, havia um tempo para que Israel fosse entregue à dominação dos povos inimigos, para que fossem cumpridos os propósitos específicos de Deus em purificá-los, especialmente de suas idolatrias, conforme afirma na parte final deste capítulo.
Todavia, apesar de Israel ter sido espalhado pelas nações, vivendo como ovelhas errantes, sem pastor; eles teriam no Messias a esperança de serem apascentados na força e na majestade do Senhor seu Deus, para que habitassem em segurança perante Ele.
É no próprio Messias que se encontra a paz de Israel (v. 5), ou seja, do Seu povo.

Os que estiverem debaixo do reino do Messias já não terão mais que temer as ameaças de invasões de povos inimigos, assim como Israel havia temido no passado a Assíria, que por fim, os espalhou por várias partes do mundo.
Deus se levantaria contra todos os seus inimigos, quer dentro do Seu próprio povo, quer em todas as nações, porque com ira e furor tomaria vingança contra todos estes que não lhe obedeceram (v. 15).

Miqueias 6

“1 Ouvi, agora, o que diz o SENHOR: Levanta-te, defende a tua causa perante os montes, e ouçam os outeiros a tua voz.
2 Ouvi, montes, a controvérsia do SENHOR, e vós, duráveis fundamentos da terra, porque o SENHOR tem controvérsia com o seu povo e com Israel entrará em juízo.
3 Povo meu, que te tenho feito? E com que te enfadei? Responde-me!
4 Pois te fiz sair da terra do Egito e da casa da servidão te remi; e enviei adiante de ti Moisés, Arão e Miriã.

5 Povo meu, lembra-te, agora, do que maquinou Balaque, rei de Moabe, e do que lhe respondeu Balaão, filho de Beor, e do que aconteceu desde Sitim até Gilgal, para que conheças os atos de justiça do SENHOR.
6 Com que me apresentarei ao SENHOR e me inclinarei ante o Deus excelso? Virei perante ele com holocaustos, com bezerros de um ano?
7 Agradar-se-á o SENHOR de milhares de carneiros, de dez mil ribeiros de azeite? Darei o meu primogênito pela minha transgressão, o fruto do meu corpo, pelo pecado da minha alma?
8 Ele te declarou, ó homem, o que é bom e que é o que o SENHOR pede de ti: que pratiques a justiça, e ames a misericórdia, e andes humildemente com o teu Deus.

9 A voz do SENHOR clama à cidade (e é verdadeira sabedoria temer-lhe o nome): Ouvi, ó tribos, aquele que a cita.
10 Ainda há, na casa do ímpio, os tesouros da impiedade e o detestável efa minguado?
11 Poderei eu inocentar balanças falsas e bolsas de pesos enganosos?
12 Porque os ricos da cidade estão cheios de violência, e os seus habitantes falam mentiras, e a língua deles é enganosa na sua boca.
13 Assim, também passarei eu a ferir-te e te deixarei desolada por causa dos teus pecados.

14 Comerás e não te fartarás; a fome estará nas tuas entranhas; removerás os teus bens, mas não os livrarás; e aquilo que livrares, eu o entregarei à espada.
15 Semearás; contudo, não segarás; pisarás a azeitona, porém não te ungirás com azeite; pisarás a vindima; no entanto, não lhe beberás o vinho,
16 porque observaste os estatutos de Onri e todas as obras da casa de Acabe e andaste nos conselhos deles. Por isso, eu farei de ti uma desolação e dos habitantes da tua cidade, um alvo de vaias; assim, trareis sobre vós o opróbrio dos povos.” (Miqueias 6.1-16)

Miqueias poderia ter começado esta profecia dizendo: ouvi agora o que diz a Lei de Moisés, ou seja, as Escrituras; mas, em vez disso ele disse:
“1 Ouvi, agora, o que diz o SENHOR: Levanta-te, defende a tua causa perante os montes, e ouçam os outeiros a tua voz.

2 Ouvi, montes, a controvérsia do SENHOR, e vós, duráveis fundamentos da terra, porque o SENHOR tem controvérsia com o seu povo e com Israel entrará em juízo.”
Ele diz: “ouvi, agora, o que diz o Senhor”, ou seja, o que Deus estava dizendo naquela hora por seu intermédio.
Miqueias não se limitou a ler a Lei de Moisés para Israel, ou apenas a se referir aos livramentos que Deus havia dado ao povo, segundo o seu conhecimento da história de Israel.
Não.

Ele foi a boca de Deus para expressar o que faria ao Seu povo, e para declarar a condição deles perante Ele, conforme o teor das palavras das Escrituras.
Todo ministro do evangelho é chamado também a proceder pelo mesmo critério. Não deve ser um mero expositor das doutrinas bíblicas para o seu povo. Não deve ser um simples narrador dos poderosos feitos de Deus na história da Igreja, mas, tal como Miqueias, deve ser a boca de Deus, para traduzir Sua vontade, conforme o teor das Escrituras.
Deus não nos deu as Escrituras para permanecer mudo. Ele nos deu as Escrituras, mas deseja também continuar falando diretamente ao Seu povo, especialmente através de Seus ministros, fazendo com que eles sejam Sua boca, para apascentarem Seu povo, conduzindo-os em santidade.

Um sermão verdadeiro deve ter sido recebido do alto, da parte do Senhor, segundo a expressão da Sua vontade para aquela hora, senão não passará de mera letra que mata, e não poderá produzir os efeitos esperados por Deus.
Caso contrário, como o Senhor poderá ser glorificado devidamente, por tudo o que estiver fazendo entre nós e em nós?

É necessário, portanto ter conhecimento das Suas operações na Igreja, e para tanto, é preciso estar debaixo de uma verdadeira instrução e direção do Espírito Santo, porque somente Ele conhece a mente e o plano de Deus. Lembram que Miqueias disse que estava cheio do Espírito de Deus para poder cumprir o propósito do Senhor?
Não deve ser diferente conosco nos dias da Igreja. Ao contrário, precisamos de um discernimento ainda maior, porque as boas promessas de Deus têm tido cumprimento em nossos dias.

Se Miqueias tivesse ficado maravilhado com as promessas relativas ao futuro glorioso de Israel sob o Messias, a ponto de não pensar em nada mais além disso; o Senhor não poderia continuar se revelando a ele porque, como vemos neste capítulo, as palavras não são consoladoras, mas admoestadoras.
Deus confrontou Israel através do profeta, chamando o povo a refletir na loucura das suas ações, depois dEle ter se revelado manifestando Sua grande benignidade.
Que mal o Senhor havia feito a Israel ou com o que lhe havia enfadado para que lhe tivessem voltado as costas?

Desde que os tirara da escravidão do Egito sob Moisés, lhes havia livrado dos povos inimigos, para que conhecessem Seus atos de justiça.
No entanto, Israel não reconheceu que o amor de Deus pelo Seu povo era um amor voluntário, a expressão completa da Sua graça e misericórdia para com eles, que nada lhes exigiu em troca, senão que fosse também amado por eles.
Então, desconhecendo o propósito de Deus, por causa do endurecimento do pecado, tentaram agradá-Lo com holocaustos e oferendas, ao modo das nações pagãs.
Por isso o Senhor protestou contra eles através do profeta afirmando que não poderia ser agradado nem com milhares de carneiros, dez mil ribeiros de azeite, nem pela oferta de seus primogênitos.

Não seria com nada disso que poderiam apagar perante Ele a culpa dos seus pecados.
Eles já haviam ouvido sobre o que agrada realmente ao Senhor, que é que se pratique a justiça, que se ame a misericórdia, e que se ande humildemente com Deus, temendo Seu nome, porque esta é a verdadeira sabedoria.
Todavia, como podem atinar com este propósito de Deus, aqueles que se conduzem sempre segundo o pendor da carne, e não do Espírito?

Como da carne só provêm o mal, porque tudo o que é gerado da carne é carne, ou seja, nada de bom pode ser esperado da natureza terrena corrompida pelo pecado, e como eles insistiam em andar conforme suas próprias paixões carnais, sem as crucificarem pelo temor ao Senhor, então suas más obras não deixariam de ter o devido castigo.

O que sucedeu a Israel serve de ensino e ilustração para a Igreja, de que o pendor da carne dá para morte, e que somente o pendor do Espírito pode dar para a vida e paz (Rom 8.6).
De forma que sejamos desestimulados a viver segundo a carne, para vivermos segundo o Espírito, porque a bênção de Deus não será achada onde prevalecem as obras da carne, senão os Seus juízos.

Miqueias 7

“1 Ai de mim! Porque estou como quando são colhidas as frutas do verão, como os rabiscos da vindima: não há cacho de uvas para chupar, nem figos temporãos que a minha alma deseja.
2 Pereceu da terra o piedoso, e não há entre os homens um que seja reto; todos espreitam para derramarem sangue; cada um caça a seu irmão com rede.

3 As suas mãos estão sobre o mal e o fazem diligentemente; o príncipe exige condenação, o juiz aceita suborno, o grande fala dos maus desejos de sua alma, e, assim, todos eles juntamente urdem a trama.
4 O melhor deles é como um espinheiro; o mais reto é pior do que uma sebe de espinhos. É chegado o dia anunciado por tuas sentinelas, o dia do teu castigo; aí está a confusão deles.
5 Não creiais no amigo, nem confieis no companheiro. Guarda a porta de tua boca àquela que reclina sobre o teu peito.

6 Porque o filho despreza o pai, a filha se levanta contra a mãe, a nora, contra a sogra; os inimigos do homem são os da sua própria casa.
7 Eu, porém, olharei para o SENHOR e esperarei no Deus da minha salvação; o meu Deus me ouvirá.
8 Ó inimiga minha, não te alegres a meu respeito; ainda que eu tenha caído, levantar-me-ei; se morar nas trevas, o SENHOR será a minha luz.
9 Sofrerei a ira do SENHOR, porque pequei contra ele, até que julgue a minha causa e execute o meu direito; ele me tirará para a luz, e eu verei a sua justiça.
10 A minha inimiga verá isso, e a ela cobrirá a vergonha, a ela que me diz: Onde está o

SENHOR, teu Deus? Os meus olhos a contemplarão; agora, será pisada aos pés como a lama das ruas.
11 No dia da reedificação dos teus muros, nesse dia, serão os teus limites removidos para mais longe.
12 Nesse dia, virão a ti, desde a Assíria até às cidades do Egito, e do Egito até ao rio Eufrates, e do mar até ao mar, e da montanha até à montanha.
13 Todavia, a terra será posta em desolação, por causa dos seus moradores, por causa do fruto das suas obras.

14 Apascenta o teu povo com o teu bordão, o rebanho da tua herança, que mora a sós no bosque, no meio da terra fértil; apascentem-se em Basã e Gileade, como nos dias de outrora.
15 Eu lhe mostrarei maravilhas, como nos dias da tua saída da terra do Egito.
16 As nações verão isso e se envergonharão de todo o seu poder; porão a mão sobre a boca, e os seus ouvidos ficarão surdos.
17 Lamberão o pó como serpentes; como répteis da terra, tremendo, sairão dos seus esconderijos e, tremendo, virão ao SENHOR, nosso Deus; e terão medo de ti.

18 Quem, ó Deus, é semelhante a ti, que perdoas a iniqüidade e te esqueces da transgressão do restante da tua herança? O SENHOR não retém a sua ira para sempre, porque tem prazer na misericórdia.
19 Tornará a ter compaixão de nós; pisará aos pés as nossas iniqüidades e lançará todos os nossos pecados nas profundezas do mar.
20 Mostrarás a Jacó a fidelidade e a Abraão, a misericórdia, as quais juraste a nossos pais, desde os dias antigos.” (Miqueias 7.1-20)

O profeta descreve no início deste capítulo, a que ponto cresceria a iniquidade em Israel e em Judá, quando fossem levados para o cativeiro.
Toda a vontade de Deus seria subvertida, de modo que o que se veria em Israel e em Judá, seria justamente o oposto de tudo aquilo que é ordenado em Seus mandamentos.
Não haveria homens piedosos e retos no povo do Senhor, senão somente a prática do mal, especialmente pelos próprios líderes da nação.

A tal ponto chegaria a iniqüidade, que ninguém poderia crer num amigo ou confiar num companheiro, de forma que a prudência de se manter a boca fechada, seria recomendada mesmo diante daqueles que fossem mais íntimos, tal seria a predisposição deles para serem dirigidos pelo mal.

Quando a iniquidade se multiplica Satanás governa os corações e os conduz conforme seu próprio querer, independentemente do grau de parentesco ou de amizade, produzindo infâmias, traições, maledicência, e até mesmo a prática da violência, contra pessoas que antes eram amadas e estimadas.
Todavia, o profeta aponta o caminho para aqueles, que tal como Ele, perseverassem em seguir ao Senhor.
Deveriam olhar para Ele e esperar no Deus da salvação deles, porque Ele os ouviria, e ainda que viessem a cair, o Senhor não daria motivo para que seus inimigos se alegrassem a respeito deles, pois o Senhor os levantaria, e os tiraria das trevas para a Sua luz.

Desde que houvesse arrependimento sincero, com confissão do pecado a Deus, Ele julgaria a causa destes que se voltassem para Ele, e executaria o seu direito, de modo que os tiraria das trevas para a luz, para verem a Sua justiça.
Esta justiça graciosa e misericordiosa que está disponível no Senhor confunde os inimigos do Seu povo, que não podem entendê-la.
Eles permanecem debaixo dos seus pecados, porque não confiam na justiça de Deus com a qual somos justificados, a saber, a justiça do próprio Cristo.

É preciso ter muito cuidado na condição de ministros do evangelho, para não tentarmos conduzir as pessoas que nos ouvem a uma justificação que não seja a de Cristo, que é somente por fé, e que é instantânea.
Ao contrário, não devemos conduzi-las a uma justificação falsa, que não ocorrerá, e que seja decorrente de nossos discursos moralistas, que apontam o pecado; não para efeito de produzir arrependimento e a busca de Deus, mas somente a condenação dos outros para que nos sintamos melhores e superiores a eles, julgando possuir uma santidade maior do que a deles, quando na verdade não a possuímos, ou então, que esteja sendo aplicada contrariamente ao propósito de Deus de salvar os pecadores.

Assim, quando a misericórdia de Deus fosse manifestada em toda a Sua plenitude, quando o remanescente de Israel fosse achado reinando em glória juntamente com o Messias no milênio, as nações ficariam ainda mais estupefatas do que antes, porque na sua justiça legalista, baseada no mérito humano, jamais poderão compreender a justiça de Deus, que está baseada na Sua misericórdia, e exclusivamente nos méritos de Cristo, e não nos nossos.
Dá gosto de ler o que foi dito pela boca do profeta quanto a tal misericórdia:

“18 Quem, ó Deus, é semelhante a ti, que perdoas a iniqüidade e te esqueces da transgressão do restante da tua herança? O SENHOR não retém a sua ira para sempre, porque tem prazer na misericórdia.
19 Tornará a ter compaixão de nós; pisará aos pés as nossas iniqüidades e lançará todos os nossos pecados nas profundezas do mar.
20 Mostrarás a Jacó a fidelidade e a Abraão, a misericórdia, as quais juraste a nossos pais, desde os dias antigos.”

Jerusalém de odiada que foi e será, especialmente nos dias do Anticristo, manifestará uma glória ainda maior do que a que tivera antes.
Seus muros serão reedificados, e suas fronteiras aumentadas.
O mundo de pecado será julgado por causa de suas más obras, quando da vinda do Senhor, mas o Seu retorno, para Israel, significará livramento e restauração (v. 11 a 13).

O Senhor apascentará o Seu povo, fazendo maravilhas para livrá-lo das assolações do Anticristo, tal como havia feito nos dias de Moisés quando os livrou do Egito.
De fraco, perseguido e oprimido que era, Israel virá a ser forte no Seu Deus; e honrado por Ele, será motivo de temor para as nações inimigas, que ficarão caladas e pasmadas, em face de todo o bem e poder que o Senhor tiver concedido ao Seu povo.

Pr Silvio Dutra


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here