Você Pode Crer nas Promessas de Deus e Ser Perdido

0

Artigo de John Piper, traduzido pelo Pr Silvio Dutra.

É possível acreditar nas promessas de Deus, e ter a certeza da salvação, e ainda ficar perdido para sempre.
Professos cristãos com falsa segurança

Esta possibilidade está implícita em Mateus 7.22, “Naquele dia muitos me dirão: ‘Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome e não expulsamos demônios em teu nome, e não fizemos muitos milagres em teu nome?” Essas pessoas acreditavam que eles estavam seguros em relação a Cristo. Eles o chamavam de “Senhor”, e eles exerceram poder sobrenatural em seu nome.

Talvez eles tivessem ainda mais “certeza de salvação” do que muitos lutadores de hoje (que são genuinamente salvos) porque o poder sobrenatural estava fluindo através de suas mãos. Então, quando eles liam a promessa: “Eu estarei contigo. Eu não te deixarei nem te desampararei” (Josué 1.5), eles acreditavam que era uma verdade em relação a eles. Mas não era.

É por isso que eles vão ficar chocados quando Jesus lhes disser: “Nunca vos conheci; afastai-vos, vós, que praticais a iniquidade” (Mateus 7.23). Eles estão perdidos. Mas eles pensam que foram salvos.
Agora o ponto de Jesus é que suas vidas de pecado já testemunham a sua perdição. Mas eu estou tirando um outro ponto sob seus atos pecaminosos. Eu quero saber o que sua falsa segurança nos diz sobre como acreditam verdadeiramente numa promessa de Deus.
Cremos que a Bíblia ensina que somos “justificados pela fé, independentemente das obras da lei” (Romanos 3.28). Então, quando Jesus os rejeita porque eles são “obreiros da iniquidade”, sabemos que o problema mais profundo é uma fé defeituosa. Se estamos condenados por nossas obras pecaminosas no juízo final, será porque elas são a evidência de uma fé irreal.

Fé Salvadora e a Fé Morta
Então, minha pergunta é esta: Se pudermos acreditar, pelo menos, em algumas das promessas de Deus, como essas pessoas fizeram, e ainda estar perdidos, o que leva a crer com uma fé verdadeira que salva?
Charles Hodge nos dá uma pista. Em 1841, Hodge escreveu um livro curto popular sobre a vida cristã chamado The Way of Life. No capítulo intitulado “Faith”, Hodge mostra que a Bíblia usa a palavra fé para todos os tipos de diferentes estados de espírito incluindo o amortecimento. “Assim como o corpo sem o espírito está morto, assim também a fé sem obras é morta” (Tiago 2.26).
Agora, o que faz a diferença entre fé morta e fé salvadora? Eu não estou perguntando como essas duas fés provam ser diferente. Esse é o ponto de Tiago (e ponto de Jesus em Mateus 7). Eles provam ser diferentes pelos seus frutos. Estou pedindo algo mais: Como elas são diferentes em sua essência? Qual é a verdadeira experiência de fé e qual é a falsa experiência de fé?

Aqui está o que Hodge diz: “Podemos acreditar no testemunho daqueles em cuja veracidade e julgamento confiamos, que um homem de quem não sabemos nada tem grande excelência moral. Mas se vemos por nós mesmos a exposição de sua excelência, acreditamos por outras razões, e de uma maneira diferente.” (154, grifo meu).
Esta “forma diferente” é o que faz crer com a fé verdadeira que salva. Não há nada de errado com o crer em Cristo ou acreditar em suas promessas com base no testemunho de outros. Na verdade, é assim que todos nós chegamos à fé. Nós confiamos no testemunho dos apóstolos e dos profetas. Mas sendo persuadidos de que a bondade e a idoneidade e beleza de Cristo e suas promessas são factuais, isto não é fé salvadora.
É por isso que os cristãos professos ficarão chocados no último dia, quando ouvirem Jesus dizer: “Nunca vos conheci.” Eles vão protestar: “Senhor, Senhor”. Para ter certeza, crendo que Cristo e suas promessas são verdadeiros, baseado em um testemunho, é uma parte necessária da fé. Mas não é a essência da fé.

A apreensão espiritual da Verdade
O que faz fé a fé salvadora é essa “maneira diferente” de acreditar que vem de uma maneira diferente (não alternativa, ou contraditória) de apreender a realidade crida. Esta forma diferente é o que Hodge chama de “apreensão espiritual da verdade.” Ele diz: “É uma fé que repousa sobre a manifestação do Espírito Santo, da excelência, da beleza e da idoneidade da verdade… Ela surge a partir de uma apreensão espiritual da verdade, ou a partir do testemunho do Espírito com e pela verdade em nossos corações.” (156)
Para ilustrar esse tipo de apreensão espiritual que constitui uma parte essencial da fé salvadora, Hodge cita três textos:

Lucas 10.21. Deus “escondeste estas coisas aos sábios e entendidos e as revelaste aos pequeninos.” Tanto os sábios quanto os pequeninos filhos estão ouvindo os mesmos advogados, e olhando para as mesmas evidências. Mas existe uma diferença. Jesus diz que a diferença é algo que Deus “revelou.” Em outras palavras, vai além do que vemos com os olhos físicos e ouvimos com os ouvidos físicos e inferimos com a razão natural.
Mateus 16.17. “Bendito és tu, Simão Barjonas! Porque a carne e o sangue não to revelou, mas meu Pai que está nos céus.” Muitos foram ver o que Simão Pedro viu, mas não estavam vendo “o Cristo, o Filho do Deus vivo” (Mateus 16.16). Esta visão é algo diferente.

2 Coríntios 4.6. “Deus brilhou em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo.” Há um conhecimento da glória de Deus no evangelho, que é diferente de acreditar nos fatos, ou mesmo acreditar que os fatos nos salvarão. É o que Paulo descreve no versículo 4: “Vendo a luz do evangelho da glória de Cristo”. Isso não é uma luz física. É uma beleza percebida pelos olhos do coração (Efésios 1.18).

Em outras palavras, embora seja essencial usar a mente e os sentidos para ouvir e ver e interpretar o encarnado, inspirado, testemunho humano da verdade, no entanto, ser persuadido com a mente que algo é verdadeiro não é o mesmo que apreender a beleza e o valor da verdade. E sem isso, a nossa convicção pode não ser mais do que inútil garantia do diabo que Jesus é o Caminho, a Verdade e a Vida. Mesmo que alguém “acredite” nEle. Mas não o veja como belo e precioso e maravilhosamente adequado para realizar os propósitos bons e santos.

O que significa acreditar numa promessa?
O que então esta realidade significa para a nossa convicção de que acreditar nas promessas de Deus é a coisa essencial para a fé que salva e santifica? Aqui foi meu argumento no livro Graça Futura: A fé salvadora – que também santifica – não é apenas um olhar para trás, para os fundamentos da fé na obra de Jesus. A fé salvadora é também o olhar para a frente com a certeza de que a graça futura que Cristo adquiriu, de fato se tornará realidade – para o mundo, e para mim.
Mas agora vemos que mais precisa ser dito sobre esta fé orientada para o futuro. Agora nós vemos que isso deve incluir uma percepção espiritual da beleza de Deus e seu plano em fazer essas promessas – uma beleza que vamos aproveitar ao máximo assim que as promessas se tornem realidade.
Em outras palavras, a fé salvadora nas promessas de Deus inclui gozo espiritual no Deus das promessas. Eu não quero exagerar. Digo apenas que a fé salvadora deve incluir esse prazer. Prazer da glória de Deus não é a totalidade do que é a fé. Mas sem ele, a fé é morta.

Definir a Fé como Descanso Não é Suficiente
Não é suficiente até mesmo dizer que acreditar nas promessas de Deus é um descanso em Deus e sua ajuda. Devemos esclarecer a natureza espiritual desse descanso, a fim de distingui-lo do “descanso” ilusório citado em Mateus 7.22. Aqueles cristãos professos têm um tipo de “descanso” na segurança de Deus. O que devemos dizer sobre repouso é que, para ser um descanso salvador deve haver um senso de livramento do inferno, mas também um senso de satisfação com as belezas de Deus (Salmo 16.11). Nós descansamos em segurança, e nós descansamos em doçura.
Esta satisfação está faltando ao coração dos cristãos professos de Mateus 7.22. Se o gozo do próprio Deus estivesse lá, eles teriam se encantado na terra com as grandes excelências divinas que tal apreciação antecipa. Mas ao invés disso eles eram os “que praticais a iniquidade.”

Esta realidade tem uma enorme implicação. Isso significa que não é apenas a confiança nas promessas que nos liberta dos motivos para pecar, isto é também a apreciação do coração da doçura de Deus nas promessas. Quando percebemos e apreciamos a beleza espiritual do que é prometido, não somente somos libertos da insegurança da ganância e do medo que muito motivam o pecado, mas também estamos firmes nos nossos valores pelos quais nós prezamos a promessa (I João 3.3).

Esta influência é o que os cristãos professos de Mateus 7.22 não tinham e por cuja falta o seu comportamento estava tão fora de sincronia com Deus. Eles amavam o poder, e eles adoraram que Deus lhes deu poder. Mas eles não amavam a Deus.
Outra maneira de dizer isso seria que em todos os atos de fé salvadora o Espírito Santo permite-nos não somente perceber e afirmar a verdade factual, mas também a apreender e abraçar a beleza espiritual. É o “abraço da beleza espiritual” que é o núcleo essencial da fé salvadora. E esse abraço é o que vai moldar nossas vidas mais profundamente e receber o “bem feito servo bom e fiel” no último dia.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here