A Regeneração ou Novo Nascimento

1

Partes de um sermão de Charles Haddon Spurgeon, traduzidas e adaptadas pelo Pr. Silvio Dutra.

“Se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.” – João 3:3

Os nossos pensamentos estão principalmente ocupados em nossas vidas diárias, nas coisas mais necessárias para a existência. Ninguém reclama que, em tempos de escassez, o preço do pão esteja presente com frequência nos lábios das pessoas, uma vez que estão convencidas de que a questão é de importância vital para a maior parte da população; por isso ninguém reclama, mesmo se têm que ouvir discursos demagógicos perpétuos e ler artigos de jornais que abordam esses temas.

Então eu posso oferecer a mesma desculpa esta manhã para trazer a você o tema da regeneração. É um tema de importância vital e absoluta; é o eixo principal do Evangelho; é o ponto onde a maioria dos cristãos concordam, sim, todos os que são cristãos sinceros e verdadeiros. Este é um tópico que pertence à própria base da salvação. É o fundamento da nossa esperança do céu, e como temos de ter muito cuidado com o fundamento de nossa estrutura, de igual maneira devemos ser muito diligentes para saber se somos realmente nascidos de novo, tendo devidamente nos certificado disso para a eternidade.
Convém, então, que nos examinemos com frequência; e o dever do ministro é expor aqueles temas que conduzem ao autoexame e que tendem a controlar as mentes e provar os corações dos filhos dos homens.

Eu vou primeiro tecer alguns comentários sobre o novo nascimento; em segundo lugar, vou explicar o que significa que somos incapazes de ver o reino de Deus se não nascermos de novo.

Muitos há que acham que são pessoas piedosas, e que interpretam o seu papel tão exageradamente que somos capazes de detectar a fraude. Contudo a maioria das pessoas consideram que são verdadeiramente cristãs. Têm estudado algumas biografias, e às vezes contam extensos relatos sobre a experiência divina, que tomaram emprestado das biografias de homens santos; eles estiveram com os cristãos, e sabem como falar como eles; e se são observados, ninguém iria identificá-los. Você é um membro da igreja; foi batizado; participa da Ceia do Senhor; talvez seja um diácono ou presbítero; é tudo o que um cristão pode ser, exceto que não tem um coração cristão. Você é um sepulcro caiado, ainda cheio de podridão por dentro, embora lindamente decorado no exterior. Bem, tenham cuidado, tenham cuidado! É impressionante ver o quanto você pode trazer um homem para ser um cristão, e ainda, porque não nasceu de novo, a regra absoluta o exclui do céu; e, por toda a sua profissão com toda a pompa de sua piedade professada, e todas as galas vistosas de experiência, ele tem que ser transportado para fora das portas do céu.

Senhor Spurgeon, você é pouco caridoso. Não me importo com o que você diz sobre isso; pois nunca quero ser mais caridoso do que Cristo. Não fui eu quem disse isso; foi Cristo quem disse. Eu não sou o autor desta verdade, mas simplesmente o seu porta-voz. Pois está escrito: “Aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.”

Trata-se simplesmente da Palavra de Deus. Se a rejeitam, o fazem por sua própria conta e risco. Creia nela e a receba, eu lhes suplico, porque provem dos lábios do Altíssimo.

Mas observem agora como essa regeneração é obtida. Eu não acho que há pessoas aqui que sejam tão profundamente insensatas a ponto de crer na doutrina da regeneração batismal. No entanto, tenho que me referir a ela brevemente, pois há alguns que ensinam que por algumas gotas de água borrifadas no rosto de uma criança, a criança torna-se regenerada. Se esse é o evangelho: que todos esses que são assim batizados são regenerados e salvos, só podemos dizer que seria o dever de todos no mundo anular o evangelho imediatamente, porque é tão incompatível com os princípios comuns da moralidade, que é impossível que seja de Deus, senão do diabo, porque é fato notório que muitos destes que são assim batizados veem a ser grandes transgressores da vontade de Deus quando crescem. Mas algumas pessoas continuam afirmando que todos são regenerados quando são batizados. Bem, se você pensar assim, se apega aos seus próprios pensamentos; e não posso ajudá-lo.

Simão, o Mago foi certamente uma exceção; foi batizado por causa da profissão de sua fé, mas longe de ser regenerado por seu batismo, porque vemos que Pedro lhe disse. ” vejo que estás em fel de amargura e laço de iniquidade” E, no entanto, ele foi um destes “regenerados”, porque ele tinha sido batizado. Ah, essa doutrina, basta ser alguém sensato para rejeitá-la imediatamente!

Nós afirmamos também que um homem não é regenerado por seus próprios esforços. Um homem pode reformar-se muito, e isso é bom e está muito bem; todos devem fazê-lo. Um homem poderia descartar muitos vícios, e deixar muitas concupiscências e vencer muitos maus hábitos, mas ninguém no mundo pode fazer a si mesmo nascido de Deus; ainda que lutasse ao máximo, nunca poderia alcançar o que está além de seu poder. E, fixem bem, se pudesse nascer de novo por si mesmo, ainda não iria para o céu, porque não há outro ponto que teria violado a condição: “o que não é nascido do Espírito, não pode ver o reino de Deus” De modo que os melhores esforços da carne não alcançam esta altura, a saber, nascer de novo pelo Espírito de Deus.

E agora devemos dizer que a regeneração consiste nisto: Deus, o Espírito Santo, de uma maneira sobrenatural, – fixem que por sobrenatural quero me referir precisamente ao que significa em sentido estrito – sobrenatural, mais que natural – que funciona nos corações dos homens , que pelas operações do Espírito divino são convertidos em homens regenerados. Mas sem o Espírito, nunca podem ser regenerados. E a menos que Deus o Espírito Santo, que “opera em nós tanto o querer quanto o realizar”, opere na vontade e na consciência, a regeneração é uma impossibilidade absoluta, e, portanto, também a salvação.

“Como!”, diz alguém, – “você quer dizer que Deus intervém absolutamente na salvação de cada homem para regenerá-lo?” De fato, é o que eu digo; na salvação de cada pessoa há um exercício real de poder divino, pelo qual o pecador morto é revivido, o pecador sem vontade é convertido em um ser disposto, o pecador desesperadamente endurecido recebe uma consciência sensível; e aquele que rejeitou a Deus e desprezou a Cristo, é conduzido a se lançar aos pés de Jesus. Isso pode ser chamado de uma doutrina fanática. Nós não podemos evitá-lo. É uma doutrina da Escritura, e isso é o suficiente para nós. “Se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus; o que é nascido da carne é carne; e o que é nascido do Espírito é espírito.”

Deve haver uma operação divina; a operação pode ser chamada de um milagre se você quiser; é, em certo sentido. Deve haver uma intervenção divina, uma obra divina, uma influência divina, caso contrário, você pode fazer o que quiser, porém sem isso perecerá eternamente e estará arruinado, porque “se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus .”

A mudança é radical; dá-nos uma nova natureza, faz-nos amar o que nós odiávamos, e odiar o que nós amávamos; nos coloca em um novo caminho; muda nossos hábitos, muda nossos pensamentos, nos torna diferentes na vida privada e pública. Assim que, estando em Cristo, isto se cumpre: “Se alguém está em Cristo é uma nova criatura; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.”

E agora nos voltamos para o segundo ponto. Espero ter explicado em que consiste a regeneração, para que todos possam ver o que é. Agora, o que significa a expressão “ver o reino de Deus”? Isso significa duas coisas. Ver o reino de Deus na Terra é ser um membro da igreja mística, é desfrutar dos privilégios e liberdade do filho de Deus. Ver o reino dos céus significa ter poder na oração, comunhão com Cristo, ter comunhão com o Espírito Santo, e produzir e gerar todos estes frutos abençoados e felizes, que são o efeito da regeneração.

Em um sentido mais elevado, “ver o reino de Deus” significa ser admitido ao céu.” Se alguém não nascer de novo” não pode saber sobre as coisas celestiais na terra, e não pode desfrutar das bênçãos celestiais para sempre; “não pode ver o reino de Deus”.

Eu acho que posso passar por alto o segundo ponto sem comentários, e proceder a notar em terceiro lugar, porque razão “aquele que não nasce de novo, não pode ver o reino de Deus”. E vou limitar meus comentários ao reino de Deus no outro mundo. Bem, ele não pode ver o reino de Deus porque estaria fora de lugar no céu. Um homem que não nascer de novo não poderia desfrutar o céu. Há uma impossibilidade real na natureza, que o impede de desfrutar qualquer das bênçãos do Paraíso. Talvez pensem que o céu consiste naqueles muros cheios de joias, naqueles portões de pérolas e ouro; não é assim; essa é a habitação do céu. O céu mora ali, mas não é o céu. O céu é um estado que é constituído aqui, o qual é formado no coração; constituído pelo Espírito de Deus dentro de nós, e a menos que Deus o Espírito nos tenha renovado, e nos tenha feito nascer de novo, não podemos desfrutar das coisas do céu. Todo mundo percebe claramente que é impossível que um caracol construa uma cidade; e é igualmente impossível para um pecador sem transformação poder apreciar o céu.

É fácil entender o motivo disto: um sermão é muitas vezes demasiado longo para vocês; cantar louvores a Deus é um esforço inútil sem substância. Consideram que até a casa de Deus é muito tediosa. O que fariam onde se louva a Deus dia e noite? Se apenas um curto discurso aqui é muito cansativo, o que pensariam da conversa eterna dos redimidos ao longo dos tempos sobre as maravilhas do amor redentor? Se a companhia dos justos é muito cansativa para você, então o que seria a sua companhia por toda a eternidade?

O único céu que há é o céu dos homens espirituais, o céu de louvores, o céu do deleite em Deus, o céu da aceitação no Amado, o céu da comunhão com Cristo. Agora, se vocês não entendem nada sobre isso; não poderiam apreciá-lo se o tivessem; seriam incapazes de fazê-lo. Vocês mesmos, são sua própria barreira para o céu por causa do fato de que não nasceram de novo.

Então, quando Deus diz que você não pode ver o reino dos céus, significa que é sua própria incapacidade de apreciar o céu que vai impedi-los de entrar lá.

Mas há outras razões pelas quais esses portões sagrados excluem para sempre a impureza, o pecado e a vergonha. Há razões além daquelas que são encontrados em vocês mesmos, para que não possam ver o reino de Deus a menos que tenham nascido novamente. Pergunte àqueles espíritos que estão diante do trono: “anjos, principados e potestades, vocês desejam que os homens que não amam a Deus, que não acreditam em Cristo, que não nasceram de novo, morem aqui?”, eu os vejo como que olhando de cima, e ouço a resposta: “Não, uma vez que lutamos contra o dragão e o expulsamos, porque nos tentou para que pecássemos! Nós não deveríamos ter aqui os ímpios e não os teremos. Estas paredes de alabastro não devem ser marcadas por dedos sujos e lascivos; o pavimento branco do céu não deve ser manchado e sujo pelos pés profanos de homens ímpios. Não!” Eu vejo mil lanças eretas, e os rostos de fogo de miríades de serafins sobre os muros do paraíso. “Não, enquanto estes braços tiverem força, e essas asas tiverem poder, nenhum pecador vai entrar aqui.”

Agora eu me volto para os santos no céu, resgatados pela graça soberana: “Filhos de Deus, vocês querem que o ímpio entre no céu sem nascer de novo?” Vocês que são homens amorosos, estão dispostos que os pecadores não nascidos de novo sejam admitidos assim como vocês foram? Eu vejo Ló se levantar e gritar: “Admitir no céu! Não! Como! Devo ser humilhado novamente pelo comportamento dos sodomitas, como fui uma vez?” Eu vejo Abraão, que dá um passo adiante, e diz: “Não, eu não posso ter vocês aqui. Já sofri o suficiente por causa deles enquanto eu estava na terra: suas ilusões e suas provocações, suas conversas tolas e vã maneira de viver nos maltratavam e afligiam. Não quero que estejam aqui.”

Mas há uma outra razão: Deus mesmo disse: “. Se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus.” O quê pecador! Você está escalando as muralhas do paraíso quando Deus está pronto para jogá-lo para as profundezas do inferno? Por acaso o afrontarias com semelhante descaramento? Deus o tem dito e você pode lutar com o Todo-Poderoso? Oh!, Ele iria rir de você. Não pense que pode vencê-lo. Ele selou a entrada do paraíso antes de você, e não há nenhuma entrada para você. O Deus da justiça diz: “Eu não recompensarei o ímpio com o justo; não vou ter o meu refúgio belo e gracioso manchado por homens perversos e maus. Se eles se arrependerem, vou ter misericórdia deles, mas se não se arrependerem, vou quebrá-los e ninguém lhes libertará.”

(A regeneração ou novo nascimento operado pelo Espírito Santo é instantâneo e ocorre no momento mesmo da nossa conversão inicial a Cristo, quando também somos, ao mesmo tempo, justificados (considerados justos aos olhos de Deus) também instantaneamente e para sempre, por causa da nossa fé em Jesus Cristo. A obra do Espírito Santo que se segue a isto é a da santificação progressiva que durará até o dia da nossa convocação para estar para sempre com o Senhor em nossa morada celestial. É pela santificação que o trabalho da mortificação das obras da carne prosseguirá, bem como o correspondente revestimento de Jesus Cristo pela implantação do fruto do Espírito em nós – nota do tradutor).


1 COMENTÁRIO

  1. Assim como no principio da igreja,depois da morte do Senhor Jesus muitos nem sabiam da existencia do Espirito,assim tambem da-se hoje,muitos nem sabem que apesar das boas obras que praticamos temos que nascer de novo para herdar o Reino.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here