O convite

0
31

LUCAS 14.15-24

Certo homem deu uma grande ceia e convidou muitos. (Lc 14.16b.)

O grande rei manda preparar a ceia,
Festa majestosa, privilégio sem igual,
O convite é para mim, para você, creia!
Anjos ensaiam melodias de beleza tal
Que a in? nita sala do banquete celestial
Se enche de alegria, de paz, de prazer.
E o rei vem ver se tudo já está pronto.
Os convidados manda trazer.

“Diga-lhes que conto
Com a presença de todos.
Ninguém deve faltar.”
Convidados de famílias nobres, com passado abençoado,
Recebem os servos do rei e mandam-lhe suas repostas:
“Digam à sua majestade que, embora a mesa esteja posta,
Não dá para estarmos presentes, disso estamos cientes.
Que ele nos tenha por escusados.” Coitados!

Deixaram em segundo plano a maior prioridade.
Na verdade a festa do rei era para a sua grei,
Seus ? lhos, seu povo. Mas aquela geração,
De tão duro coração, rejeitou o maior convite.
Do banquete então se omite,
E nem sabe que vai para a condenação.

Mas o rei tem coração bondoso,
E manda pressuroso que os servos vão buscar
Cegos, coxos e aleijados, problemáticos, deprimidos e fracassados,
Para em sua casa entrarem, em sua mesa se assentarem.
E então participarem do banquete da salvação!

Oh, que comemoração! Saber que não somos dignos,
Mas o Senhor nos amou. O preço, Jesus pagou
Para nesta festa entrarmos. Para dela desfrutarmos
Não só naquele porvir, mas agora, ainda aqui.
Venha. Você pode vir.
O Mestre convida a ti.
Ainda há lugar, podes vir!

Pai celeste, não temos palavras para te agradecer por tua
bondade. Que privilégio maravilhoso nos concedes, o de estarmos
contigo na sala do banquete. Não somos dignos, mas
Cristo nos comprou, nos lavou, nos deu novas vestes e nos
trouxe para a grande festa. Obrigado, Senhor. Recebe nosso
louvor. Amém.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA