Graça Surpreendente

0

Tradução, adaptação e redução do sermão de nº 1279 de Charles Haddon Spurgeon, elaboradas pelo Pr.Silvio Dutra.

“Tenho visto os seus caminhos e o sararei; também o guiarei e lhe tornarei a dar consolação, a saber, aos que dele choram.” (Isaías 57.18)

Existem alguns objetos na Natureza, que nunca deixam de surpreender o espectador. Acho que foi Humboldt que disse que nunca poderia olhar para as pradarias sem surpreender-se. E eu suponho que alguns de nós nunca serão capazes de contemplar o oceano, ou o nascer e o por do sol, sem a sensação de que temos diante de nós algo sempre fresco e novo. Agora, eu tenho tido, não somente amor a isto, mas por causa da minha vocação para pregá-lo, sendo um leitor constante das Sagradas Escrituras e ainda depois desses 25 anos ou mais eu frequentemente me deparo com passagens bem conhecidas que me surpreendem tanto quanto nunca antes. Como se eu nunca tivesse ouvido falar delas antes, elas vêm a mim, e não apenas com frescura, como também surpreendem a minha alma!

Isto está nessa parte da Escritura. Quando eu li o capítulo (Isaías 57) que descreve a maldade horrível de Israel – quando eu observo os termos fortes que a Inspiração utiliza para expor a maldade da nação – isto me deixa atônito! E então ver a misericórdia seguindo o julgamento! Isto me constrange! “Tenho visto os seus caminhos, e” – não é adicionado: ” vou destruí-lo”, ou “varrê-lo para longe”, mas, “Eu vou curá-lo.” Em verdade, a graça de Deus, como as grandes montanhas, não pode ser escalada! Assim como as profundezas do mar, ela nunca pode ser compreendida e, como o espaço, ela nunca pode ser medida!
A graça é como o próprio Deus, maravilhosa, incomparável, sem limites. “Oh, as profundezas! Oh, nas profundezas!” Vou tentar expor a graça surpreendente de Deus, tanto quanto o Seu Espírito me permita, ao mostrar, primeiro, que o pecador é contemplado por Deus: “Tenho visto os seus caminhos.” E, no entanto, o pecador é, ainda, o objeto da Divina misericórdia – “Eu vou curá-lo: também o guiarei e lhe tornarei a dar consolação, a saber, aos que dele choram.”

I. O texto declara que o pecador tem sido observado pelo Senhor. Deus está ciente da indignidade daqueles com os quais Ele lida com a sua graça e é a glória da graça que Ele a derrame sobre pessoas totalmente indignas. Ele sabe exatamente o que os homens são e ainda assim Ele é bondoso para com os maus e para com os ingratos. Ele dá a Sua graça para aqueles que, como Manassés, e Saulo de Tarso, e o ladrão morrendo na cruz, não têm nada, senão o pecado sobre eles e merecem a Sua ira ao invés de Seu amor misericordioso.

Observe, em primeiro lugar, que a onisciência de Deus tem observado o pecador. O homem, ao viver em rebelião contra Deus, fica muito mais sob os olhos de seu Criador como as abelhas num copo de vidro estão sob seus olhos quando você assiste todos os seus movimentos. Os olhos do Senhor nunca dormem. Eles nunca são retirados de uma única criatura que Ele fez. Ele não somente ouve as nossas palavras, como conhece também os nossos pensamentos! Deus não se limita a contemplar as nossas ações, mas pesa os seus motivos e sabe o que está no homem, bem como o que sai do homem. Alguém é muitas vezes levado a clamar, “Tal conhecimento é maravilhoso demais para mim! É muito elevado e não posso alcançá-lo.” Que Deus sabe tudo, até mesmo todas as pequenas coisas sobre o pecado do homem é uma coisa terrível para as almas não perdoadas pensarem.

Deus se ocupa com os pardais. Apenas um pardal! Ninguém se preocupa com os pardais, mas nenhum deles é esquecido por seu Pai celestial – E assim, nenhum pensamento de perda de vocês, nenhuma imaginação, nenhuma mínima ideia de que tenham sido esquecidos completamente, anula a verdade de que nunca têm sido esquecidos ou escapado da observação de Seu Pai celestial. O texto é verdadeiro na máxima extensão possível. “Tenho visto os seus caminhos.” Deus tem visto suas maneiras em casa, seus modos no exterior, os seus caminhos na loja, suas maneiras no quarto de dormir, seu modo de julgar, de desejar, de ter esperança, de cobiçar o mal, de murmurar, de se orgulhar. Ele tem visto todo o seu comportamento e pensamento de maneira perfeita e completa.

E a maravilha é que, depois de ver tudo, Ele não nos corta, mas em vez disso, proclamou esta palavra surpreendente de misericórdia: “Tenho visto os seus caminhos, e o sararei. Tenho visto tudo o que ele tem feito, e ainda assim não vou expulsá-lo da minha presença, mas vou colocar a minha misericórdia e a minha sabedoria para trabalharem com habilidade Divina para curar este pecador da maldade de sua alma.”

Enquanto estávamos lendo este capítulo eu não podia deixar de sentir que era um capítulo demasiadamente forte para ser lido em público! Olhei para ele por completo, e disse: “Deveria ler isto?” Algumas de suas alusões são tão dolorosas que se pode pensar nelas, mas não gostaria de explicá-las.
A sabedoria Divina não conseguiria encontrar nada, senão os vícios que são mencionados, para descrever a maldade do coração humano. E, no entanto, depois de descrever o personagem, o Senhor diz: “Tenho visto os seus caminhos, e o sararei. Tenho visto tudo de ruim em seus caminhos e nada tenho percebido de bom neles, todavia, eu conheço toda a sua conduta e vejo a imundície de tudo isso, mas ainda assim virei a ele e o sararei.”

As pessoas às quais se refere o texto de Isaías 57 parecem ter sido bastante apaixonadas pelo pecado. Que colina havia na qual o povo de Israel não tivesse erigido seus altares? Que pedra polida pelo fluxo da corrente, não havia sido consagrada a um ídolo? Qual grande carvalho de Basã não havia sido usado para rituais místicos e diabólicos para os falsos deuses? A terra foi manchada com o sangue de seus filhos oferecidos a Maloque! Sim, ele fediam com seus pecados infames, pois a adoração de seus deuses falsos e suas orgias estavam cheias de lascívia e toda sorte de maldades indescritíveis.

No entanto, o para sempre Misericordioso diz: “Eu já vi isso. Tenho visto por trás da porta o que eles têm feito. Tenho visto nos altos montes o que eles têm feito. Tenho visto as suas abominações nos bosques e matas. Vi como eles estão ansiosos para praticarem o pecado, mas vou curá-los.”

Oh Amado, este texto soa tão estranhamente bom, tão singularmente gracioso, tão primorosamente misericordioso que tem me encantado! Isto é surpreendente. Quando o juízo está pronto a irromper vem uma pausa inesperada, e o que o Puro de olhos diz: “eu ainda os amo! Apenas deixe-os se arrependerem dos seus caminhos e se achegarem ao meu seio e os seus pecados horríveis serão perdoados!”

“Porque todos os tipos de pecado e blasfêmia serão perdoados aos homens.”

“O sangue de Jesus Cristo, Seu Filho, nos purifica de todo o pecado.”

Não pense quanto a esses pecadores antigos, adoradores de ídolos, que o Senhor foi negligente quanto ao que eles fizeram. Não imagine que, quando eles zombavam dele, que era indiferente. Longe disso! Isto provocou Sua mente santa, pois Ele não pode olhar para a iniquidade, e nunca o mal habitará com Ele. Ele é como um fogo consumidor contra o mal e de maneira nenhuma o tolera. E, no entanto, e ainda por Aquele a quem os anjos chamam: “Santo, santo, santo, Senhor Deus dos Exércitos”, o Deus zeloso, o Deus que se vinga do mal e fica irado contra o pecado, Ele mesmo tem dito: “Tenho visto os seus caminhos e irei sará-lo.”

Ah, se Ele fosse indiferente para com o pecado, eu poderia entender o Seu perdão do pecado. Mas quando me lembro que o pecado, por assim dizer, toca a menina dos seus olhos, e entristece o Seu Espírito, então eu fico maravilhado que ao mesmo tempo em que Ele denuncia o pecado, Ele olha para o pecador e diz: com lágrimas de piedade, “Tenho visto os seus caminhos, e irei sará-lo. Ele é meu filho embora ele tenha agido como o filho pródigo. Odeio sua prostituição e a vida desregrada com que ele tem desperdiçado sua propriedade e a minha. Mas amo meu filhos mesmo assim! E quando ele voltar para mim, vou recebê-lo com um beijo, e eu vou dizer: “Trazei depressa a melhor roupa e coloque nele. Coloque um anel no seu dedo e sandálias nos seus pés e comamos e nos alegremos, porque esse meu filho estava morto e reviveu! Estava perdido e foi achado.”

Se você ler o capítulo 57 de Isaías você vai ver que Deus diz que Ele tinha tentado recuperar Israel por castigos. Ele diz: “Por causa da iniqüidade da sua avareza me indignei e o feri. Eu estava irado, e ele continuou obstinadamente no caminho do seu coração.” Você vê, então, que o Senhor provou o homem. Ele disse para si mesmo: “Talvez ele não sinta o mal do pecado. Vou despertá-lo para que veja o seu mal. Essas pessoas adoram deuses falsos. Vou enviar uma fome. Vou enviar a peste. Vou dar-lhes na mão de seus inimigos e depois, talvez, eles vão se arrepender.”

E assim Deus fez isso para Israel e a nação foi levada muito abaixo. Mas qual foi o resultado? Será que eles se transformaram sob a vara da correção e confessaram o seu pecado? Será que eles se humilharam diante de Deus? Não! Ele diz que a nação “continuou obstinadamente no caminho do seu coração.”

Como muitas vezes acontece quando o Senhor começa uma obra da graça nos homens, Ele começa com um terrível julgamento, humilhando-os para que Ele possa levantá-los no tempo devido. Mas quantas vezes estas visitas terminam em decepção! O homem está doente, ele está sofrendo no limiar da eternidade. Ele faz promessas de reforma, mas o que acontece quando ele se recupera? Ora, ele se esquece de tudo isto e fica pior do que antes!

Pior e pior é o caminho dos ímpios, apesar de suas dores serem multiplicadas. Ah, meus amigos, todas as aflições do mundo, exceto a graça de Deus, só vão endurecer os homens, quando eles obstinadamente insistem em não se sujeitarem a Deus.

Quando o Senhor, em Sua misericórdia, envia Providências agudas para agitar os homens em seus ninhos e fazê-los sentir que o pecado é uma coisa má, o resultado geral disto – aparte da graça divina, é que o homem continua em seu pecado, da mesma forma como antes, ou somente foge de uma forma para outra. Ele está ferido pelo aguilhão, mas ele não cede, ele recalcitra contra os aguilhões. Ele acha que Deus o tratou muito duramente. Ele se dirige para mais longe de Deus e corre em desespero. Ele diz que não há esperança e, portanto, ele pode muito bem viver como ele gosta.

No entanto, observe a graça de nosso texto e fique novamente surpreendido! Esta pessoa tinha sido castigada em vão e ainda ficou endurecida por aflições, e Deus diz: “Eu vi os seus caminhos. Tenho visto como ele fica cada vez pior. Tenho visto como ele endurece a sua cerviz. Vi que tem uma testa de bronze e que se atreve a se levantar contra mim, mas, ainda assim, o meu propósito eterno se cumprirá – Eu vou curá-lo, eu vou fazê-lo. Vou deixar o mundo inteiro ver que a graça é mais forte do que o pecado e que a eterna misericórdia não deve ser interrompida, até mesmo por transgressões infames “. Oh, as profundezas do amor divino!

Agora, antes de eu ir para a segunda parte do assunto, devo dizer isso. Eu não estou falando, agora, de casos que acontecem de vez em quando. Não, eu estou falando sobre um grande número de pessoas bem aqui diante de mim. Em grande medida, eu estou falando de mim eu sei que em mim, não havia nada que pudesse ter sido visto pelos olhos de Deus para merecer seu respeito. Eu sei que somente não cometi pecados mais grosseiros por causa da restrição da Sua Graça.

E é pela livre misericórdia soberana imerecida de Deus que sou, hoje, salvo, como o ladrão, que ao morrer na cruz, recebeu a promessa: “Hoje estarás comigo no Paraíso “. Em todo caso, se formos morais ou imorais, a salvação é totalmente uma questão de puro favor! E em todos os casos Deus tem dito praticamente de nós: “Tenho visto os seus caminhos. Eu não consigo ver nada de bom nele. Só vejo o que é abominável, mas, no entanto, vou curá-lo.”

II. O pecador escolhido é o objeto da divida maravilhosa num grau extraordinário. Assim diz o Senhor: “Tenho visto os seus caminhos, e vou curá-lo”.

Ele não diz: “Eu vou, se alguém quiser fazer parte disso.” Não, mas, “eu vou”. Mas suponha que o homem não o quisesse? Que não desejasse ser curado. O Senhor sabe como, sem violar a vontade humana, (o que ele nunca faz), influenciar o coração humano, com pleno consentimento contra sua ex-vontade, e fazer com que este ceda à Sua vontade, apresentando-se voluntariamente no dia do Seu poder! Eu sempre gosto de pensar que, como eu estou pregando aqui: Agora, se há ou não alguém salvo pelo Evangelho que eu prego, isto não depende deles, a saber, virem aqui querendo ou não, pois o Senhor disse:” o meu povo estará disposto no dia do meu poder.” Existe um poder maior do que a vontade humana.

Se Cristo não viesse em busca da ovelha perdida dependendo que ela exercesse a sua vontade para encontrá-lo, Ele iria esperar em vão para sempre!

Não. O Bom Pastor vai atrás da ovelha, a acompanha, e se apossa dela, e a coloca em seus ombros e a leva para casa com alegria.

O Senhor cura o pecado como uma doença. Ele não pode olhá-lo sob qualquer outra luz, sem destruir os homens. Ele diz: “Estas minhas criaturas não me amam. Eles devem estar doentes em suas mentes, eu vou curá-los. Eles não veem beleza em Meu Filho. Eles devem ser cegos, vou abrir os seus olhos.” Assim, misericordiosamente diagnosticado o nosso pecado quanto à sua causa, o Senhor manifesta Sua graça e cura as doenças de nossa natureza. E, bendito seja Deus, a doença que sofremos é uma doença da qual Ele conhece tudo, porque o texto diz: “Tenho visto os seus caminhos.”

Oh Pecador, você não terá que dizer a Deus os sintomas da sua queixa – ele tem visto os seus caminhos! Ele viu através do seu coração e não há nenhum médico para poder lidar com um paciente como o homem, que conheça a constituição do paciente e os seus hábitos, e saiba toda a sua história secreta! Deus conhece tudo isso e, porque Ele o conhece, é uma coisa abençoada que Ele mesmo, com esse conhecimento infinito diga: “Eu vou curá-lo.”

Em seguida, o texto continua a dizer, “também o guiarei.” A pobre alma do homem, mesmo quando curado, não sabe para onde ir! Não há algo mais confuso neste mundo do que um pobre pecador quando pela primeira vez, é despertado. Quando a luz de Cristo vem para os pecadores, eles não sabem para onde ir! Eles veem um pouco, mas a própria luz confunde, como quem sai de um lugar escuro diretamente para uma lugar ensolarado. Mas, agora, o Senhor amoroso chega e diz: “Vou guiá-lo também.”

Oh, quão docemente o Senhor guia os pecadores, primeiro a Seu Filho amado. Então, Ele leva o pecador ao Assento da Misericórdia e diz: “Pedi, e vos será dado, buscai e achareis.” Então, Ele leva o pecador àquele grandioso e velho livro, a Bíblia, e diz: “Leia, e enquanto você ler isso eu vou abri-lo para você. Vou abrir os seus olhos para ver os seus tesouros e maravilhas ocultos, e guiar você em toda a minha verdade.” “Venha”, Ele diz: “Eu vou levá-lo mais longe. Vou guiá-lo em sua vida diária. Vou guiá-lo a respeito de como agir entre os ímpios. Sim, eu vou guiá-lo nas veredas da justiça por causa do Meu nome.”

Agora, não é muito maravilhoso, que Deus guie os homens que anteriormente não eram guiados, homens que, durante anos, fizeram o seu próprio caminho e resistiram a tudo que Seus juízos, e Providências poderiam fazer para transformá-los? “Sim”, Ele diz: “Eu vou guiá-los.” E é maravilhoso quão prontamente os homens serão guiados quando a graça de Deus renová-los! Eu vi o homem valente que costumava ultrajar a Cristo e Seu povo tornar-se um bebê na Graça.

Em seguida, vem a última parte do texto, “e lhe tornarei a dar consolação” pois Deus começa removendo nossas consolações. Ele tira o consolo que uma vez tivemos em nossa falsa paz e ele nos faz chorar por causa do pecado, porque o consolo é prometido àqueles que choram. Mas depois de um tempo ele restaura o consolo para nós.

Que tipo de consolo? O consolo do perdão perfeito, o consolo da aceitação completa. O Pai dá um beijo caloroso no rosto do filho e este é o conforto da Adoção. Considerando que eram herdeiros da ira, nos tornamos herdeiros do Céu e temos o consolo da esperança. Nós recebemos o consolo da comunhão diária, pois somos admitidos para falarmos com Deus e nos aproximarmos dele. O consolo de uma segurança perfeita, pois somos levados a sentir que se vivemos ou morremos, não importa, estamos seguros nos braços de Jesus! O consolo de uma perspectiva abençoada além túmulo, na terra do porvir; o consolo de saber que todas as coisas cooperam para o bem. O consolo de ter os anjos para nossos servidores e o Céu para a nossa casa!

Vá em frente e proclame isto nas esquinas das suas ruas. Vá e proclame nos esconderijos de ladrões! Anuncie isto na prisão, sim, mesmo na cela dos condenados! Vá aos portões do inferno e diga a cada alma que está deste lado do Vale de Tofet e ainda fora de seu eterno fogo que, se os ímpios abandonarem os seus caminhos, e o homem maligno os seus pensamentos, e se converterem ao Senhor, Ele terá misericórdia deles porque o nosso Deus é rico em perdoar!

Proclame isto para si mesmo, pobre pecador, que treme enquanto eu lhe falo e que de bom grado afunda no chão por causa de seu senso de pecado! Seu Pai vem para conhecê-lo agora! Se você não abraçá-lo, a culpa é sua, não dele. Sua voz fala e diz: “Vem, e seja bem vindo. Vem, e seja bem-vindo! Querido filho meu, venha a mim!”
Oh Graça de Deus, traga os grandes pecadores, por causa de Jesus. Amém.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here