As Decisões e Suas Consequências

2

“Contudo, muitos dentre as próprias autoridades creram nele, mas, por causa dos fariseus, não o confessavam, para não serem expulsos da sinagoga; porque amaram mais a glória dos homens do que a glória de Deus.” (Jo.12:42-43).

Determinadas escolhas interferem diretamente nas nossas vidas, acarretando em muitas mudanças. Sejam elas muito importantes ou não, mesmo que indiretamente, teremos suas consequências. Por exemplo, o casamento implica em mudanças significativas na vida das pessoas, pois a partir do juramento é uma nova etapa que se inicia, sendo necessário muitas adaptações.

Diante de tantas decisões na vida, o que dizer quanto à necessidade de servir a Deus?

Deus nos chama a uma vida de relacionamento com Ele, pautada na sua Palavra, isto é, segundo a sua vontade, o que resulta em uma grande mudança de vida.

No texto de Jo.12:42-43 citado acima, vemos o resultado de uma escolha que não agradou a Deus, mas sim os homens, pois mesmo que muitos até creram em Jesus, não queriam perder o status, optaram por agradarem aos homens e não a Deus. O que percebemos é que eles queriam continuar na mesma vida. Uma vez que a escolha de seguir a Jesus lhes implicariam em mudanças, não tomaram a decisão correta, porque eles não queriam ter renúncias.

Precisamos entender que os valores de Deus são os que devem prevalecer em nossas escolhas. São eles que devem nortear nossas decisões. A Bíblia diz: “Há caminho que ao homem parece direito, mas ao cabo dá em caminhos de morte.” (Pv.14:12)
Muitos, em suas vidas, famílias, trabalho, agem da mesma forma. Para não perderem o status ou a vantagem em alguma coisa, acabam ignorando a verdade e abraçando o erro. Seja o que for, em nossa vida, nada pode substituir a vontade de Deus.
O texto ainda menciona que não queriam confessar a Jesus, estavam preocupados com a consequência, mas Mt.10:32-33 diz: “Portanto, todo aquele que me confessar diante dos homens, também eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus; mas aquele que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante de meu Pai, que está nos céus.”

Perguntaram ao Pastor Billy Graham: Por que não se candidata a presidente dos Estados Unidos? Teria grande chance de ser eleito. Ele respondeu: “Não posso baixar o meu nível. Já sou embaixador de Jesus Cristo aqui na terra.” Essa é realmente uma escolha embasada na vontade de Deus.

Outra decisão errada relatada no texto foi que eles amaram mais a aprovação dos homens do que a de Deus. Ou seja, ignoraram inteiramente a vontade do Senhor. Vemos o contrário quando Pedro e João, pressionados pelo sinédrio para não falarem mais no nome de Jesus, decidiram obedecer a Cristo, independente das circunstâncias. Em At.4:18-20 diz: “Chamando-os, ordenaram-lhes que absolutamente não falassem, nem ensinassem em o nome de Jesus. Mas Pedro e João lhes responderam: Julgai se é justo diante de Deus ouvir- vos antes a vós outros do que a Deus; pois nós não podemos deixar de falar das coisas que vimos e ouvimos.
Vale lembrar que nossas escolhas não influenciam tão somente nossas vidas, mas também os que estão ao nosso redor, sejam na família, no trabalho ou em qualquer outro lugar. Sendo assim, muitos também deixam de ser beneficiados pela mudança que deveria acontecer em suas vidas, que resultaria no alcance de outros.

Por exemplo: Ainda que depois de muitos anos, somos resultados das decisões de Lutero na Reforma Protestante. Somos resultados da escolha de Adão no Jardim do Éden. Sobretudo, podemos ser resultados da escolha de Jesus ao ir para Cruz em nosso lugar.

Portanto, que suas escolhas tenham os valores de Deus como resultado final e procure em tudo ter a aprovação de Deus, ainda que tenha a reprovação de todo o mundo.
Deus abençoe a todos.

se preferir pode acessar:
http://pastorronaldomaia.blogspot.com.br/2014/02/as-decisoes-e-suas-consequencias.html


2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here