Cristo Estabelecido

0

Mostrando por meio de introdução, que Cristo é o exemplo e objeto da fé justificadora.

“Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus e também intercede por nós.” – (Romanos 8.34)

O alvo destas palavras: elas apontam originalmente para Cristo. Cristo, o mais alto exemplo de fé. Encorajamentos para a nossa fé vêm dele.

Estas palavras são um desafio triunfante proferido pelo apóstolo em nome de todos os eleitos, porque assim ele começa no verso 33: Quem intentará acusação contra os eleitos de Deus? É Deus quem os justifica. E então seguem estas palavras: Quem os condenará? ou seja, os eleitos de Deus. É Cristo que morreu, etc. Este desafio encontramos publicado pela primeira vez por Jesus.

O próprio Cristo, nosso único campeão, Isaías 50 (um capítulo feito para Cristo), verso 8: “Perto está o que me justifica; quem vai lutar comigo? Foram as palavras de Cristo, e disse que Deus era quem o justificava, e estas são as palavras de cada crente, a quem Deus justificou. Cristo as proferiu como estando diante do tribunal do sinédrio, quando cuspiram nele, e o esbofetearam, como nos versos 4 e 5, quando ele foi condenado por Pilatos, e então, ele exerceu esta fé em Deus Pai: “Perto está o que me justifica”.

E, assim, nesta sua condenação, ele ficou em nosso lugar, por isso, nesta sua esperança de sua justificação, ele fala em nosso lugar. Além disso, é como nos representasse em ambos. E com base nisto, o apóstolo aqui pronunciou, em palavras dirigidas a todos os eleitos: É Deus quem os justifica; quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus e também intercede por nós. Eis aqui a comunhão que temos com Cristo na sua morte e condenação, sim, em sua própria fé, se ele confiava em Deus, nós também podemos e devemos, certamente, ser livrados. Observemos primeiro a partir daqui, por meio da premissa que se segue a tudo isso, que Cristo viveu pela fé, assim como nós fazemos.

Em João 1.16, é dito que recebemos de sua plenitude graça sobre graça; isto é, a graça adequada e semelhante à sua, e assim (entre outras graças) a fé.
Em primeiro lugar, em certo sentido, ele tinha uma fé para justificação semelhante à nossa, embora não uma justificação pela fé, como nós temos. Ele não foi, de fato, de si mesmo, confiar em outro para justiça, porque ele tinha o suficiente de si próprio (ele é o Senhor nossa justiça), mas ele acredita em Deus para justificá-lo, e recorreu a Deus para a justificação: “Ele está perto” (ele diz) “o que me justifica”.

Se ele tivesse se levantado em sua própria pessoa apenas, não teria havido nenhuma ocasião para tal afirmação, e ainda considerarmos que ele estivesse em nosso lugar, pois quem precisa de tal justificação, se ele não estivesse de alguma forma, perto de uma condenação? Ele portanto, deve ser suposto estar aqui (em Isaías) no tribunal de Deus, bem como no de Pilatos, com todos os nossos pecados sobre ele. E assim, o mesmo profeta nos diz, cap. 53.6, que Deus fez cair sobre ele as iniquidades de todos nós. Ele agora foi feito pecado, e uma maldição, e não ficou em perigo da condenação de Pilatos apenas, mas de Deus também, a menos que o satisfizesse por todos esses pecados.

E, quando a ira de Deus por causa do pecado, veio sobre ele, sua fé esteve com ele, para confiar para confiar e esperar por ele para sua justificação, para tirar todos esses pecados, juntamente com a sua ira sobre ele, e ficar satisfeito e absolvê-lo.

Portanto, no Salmo 22 (que foi escrito para Cristo, quando pendurado na cruz, e fala como se encontrava o seu coração), ele é levado a expressar tal fé, como temos falado, quando ele chamou a Deus de seu Deus, “Meu Deus! meu Deus!”, e então, como que sentindo que ele lhe havia abandonado disse: “por que me desamparaste?”

Sim, ele ajudou a sua fé com a fé dos antepassados, aos quais Deus havia livrado por causa da sua confiança nele: “Nossos pais, confiaram em ti, e tu os livraste”. Sim, nós o veremos aos pés de Deus, menor do que nunca nenhum homem fizera. Eu sou um verme, ele diz, e não homem, e tudo isso, por causa dos nossos pecados.

Agora, sua libertação e justificação de tudo isso, para ser dada a ele em sua ressurreição, era o assunto, o negócio que ele confiava em Deus para ser feito, mesmo que ele devesse ressuscitar novamente, e ser absolvido deles. Então vemos no Salmo 16 (um salmo feito também para Cristo, quando sofresse e fosse colocado no túmulo ), versos 8, 9, 10: O Senhor está à minha direita, não serei abalado; portanto o meu coração está contente, a minha carne também repousa na esperança, ou, como no original, habita em firmeza confiante. Tu não deixarás a minha alma no inferno, isto é, sob o fardo desses pecados, e da tua ira caindo sobre mim por causa deles, nem deixarás o teu santo (em meu corpo) ver a corrupção.

Isto é, em substância tudo o que é dito aqui em outras palavras. Ele está perto de quem o justifica, porque a ressurreição de Cristo era uma justificação dele, como vou mostrar a seguir.

Nem ele exerceu a fé por si mesmo somente, mas também por nós, e que mais do que qualquer um de nós é exercida por ele, para fazê-lo por si mesmo, pois ele em morrendo, e se esvaziando, confiou em Deus, com o mérito de todo o seu sofrimento, havendo muitos milhares de almas para serem salvas, assim, um longo tempo depois, até ao fim do mundo. Ele morreu e confiou tudo o que tinha em mãos a seu Pai, para dar isto em graça e glória, àqueles por quem ele morreu teriam necessidade.

E esta é uma maior confiança (considerando o número infinito dos seus eleitos como ainda estando por vir) do que qualquer homem tem a oportunidade de exercer por si mesmo sozinho. Deus confiou em Cristo antes que ele viesse ao mundo, e salvou muitos milhares de judeus sob sua palavra. E depois de Cristo, em sua morte, o Pai lhe confiou a salvação, mais uma vez, tanto para judeus, quanto para gentios, que viriam a crer nele depois de sua morte.

Em Hebreus 2.12 a 15 – é feito um argumento que Cristo foi um homem como nós, porque ele foi colocado para viver pela fé como nós (o que os anjos não fazem), e para este fim, o apóstolo traz nestas palavras profetizadas por ele, como falando por si mesmo, vou colocar a minha confiança nele, como uma prova de que ele era um homem semelhante a nós. Agora, para o que ele confiou em Deus? Pelo contexto, parece ser isto, para ser a salvação de seus irmãos e filhos, e que ele deveria ter uma semente e um geração para servi-lo, e levantar uma igreja para Deus, para louvá-lo. Foi para isto a sua confiança, e a questão dos seus sofrimentos, anteriormente citada, Salmo 22, do verso 22 até o final.

Aplicação: Como deveria ser a consideração dessas coisas tanto para nos atrair para a fé, e nos encorajar nele, e elevar o nosso coração acima de todas as dúvidas de espírito para crer! Pois neste exemplo de Cristo, temos o maior exemplo de fé que já existiu. Ele confiava em Deus (como vimos) para si, e para muitos milhares. Além disso, mesmo para todos os seus eleitos, e tu não tens o coração para confiar nele por uma pobre alma?

1. Este exemplo de Cristo pode nos ensinar e incitar a crer. Para fazê-lo, Cristo deixou toda a sua glória, e esvaziou a si mesmo, e fez um ato de entrega de tudo o que tinha nas mãos a seu Pai, e isso em uma pura confiança que Deus havia de justificar muitos por meio dele. E se não entregarmos a Deus tudo o que temos, podemos ter a esperança de sermos nós mesmos justificados por ele? E, além disso;

2. Ele pode nos encorajar a acreditar, especialmente contra a grandeza de pecados. Tens a culpa de inúmeras transgressões que te desencorajam de confiar nele? Considere que Cristo foi o maior pecador que já existiu, ou seja, por imputação, pois os pecados de todos os eleitos de Deus foram colocados sobre ele, e ainda assim ele confiou em Deus para ser justificado de todos eles, e para ser levantado sob a ira que lhes era devida. Ai de mim! tu és apenas um pobre pecador, e tua fé, apenas um fardo leve e pequeno colocado sobre ele, ou seja, os teus próprios pecados, comparados com todos os que ele carregou, são, senão como uma unidade para um número infinito. Deus fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós. Cristo confiou em Deus pela sua própria quitação dos pecados de todo o mundo, e quando isso lhe foi dado, ele ainda confiava no Pai, para absolver o mundo por causa da satisfação da sua justiça.

Mas tu queres dizer, que Cristo era Cristo, alguém pessoalmente unido a Deus, e que sabia que podia satisfazê-lo, mas eu sou um homem pecador. Bem, mas se tu creste, e assim te fizeste um com Cristo, então Cristo fala estas palavras em nome tanto de si mesmo e dos seus eleitos, como tem se manifestado, tens a mesma base para pronunciá-las como ele o fizera, e tudo o que o encorajou pode te encorajar, pois ele se encontrava em teu lugar.

Foi somente o teu e os demais pecados dos outros, que o colocaram em perigo de condenação, e tu vês que a sua confiança de antemão era que Deus iria justificá-lo de todos eles.

Tradução, adaptação e redução feitas pelo Pr Silvio Dutra, de um texto de Thomas Goodwin, em domínio público.


DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here