Home » Capa

Quebra de maldição?

Estudos Bíblicos em seu email

Receba Estudos Bíblicos em seu email gratuitamente! Insira seu email:

Gospel+ no Twitter!

ou no facebook

Quebra de maldição?

Aqueles que acreditam em maldições hereditárias provavelmente nunca leram o que Deus disse por intermédio de Jeremias e Ezequiel:

Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

“E veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo: Que tendes vós, vós que dizeis esta parábola acerca da terra de Israel, dizendo: Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos se embotaram?” Ez 18:1-2.

“Naqueles dias nunca mais dirão: Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos se embotaram” Jr 31:29.

Deus repreende o povo acerca deste provérbio descabido que era proferido em Israel! Acaso Deus seria injusto punindo os filhos em lugar dos pais?
A bíblia é clara:

“De que se queixa pois o homem vivente? Queixe-se cada um dos seus pecados” Lm 3:39.

Haveria como os filhos se queixarem dos pecados de seus pais?
As queixas dos homens são provenientes de seus próprios pecados, sem qualquer referência as ações de outrem.
Jamais Deus trataria os filhos segundo a maldade dos pais Ez 18: 4. Deus não imputa os pecados dos pais aos filhos.
Aqueles que fazem tais afirmações falam segundo as mesmas palavras do povo de Israel: “Contudo, diz a casa de Israel: O caminho do Senhor não é direito” (v.29).
O desejo de Deus é que o ímpio se converta e viva! (v.23), mas as opressões que os homens sofrem aqui neste mundo são conseqüências de seus próprios atos Ez 18:17.
Quanto a utilizar Is 10:27 para falar em quebra de maldição, os seguidores da doutrina da maldição hereditária fazem uma interpretação fora do contexto.
Este versículo fala do livramento de Deus a Israel. Observe que a assíria foi utilizada por Deus para punir a maldade de Israel (vara da minha ira) Is 10:5, porém, mesmo quando fossem punidos não era para Israel temer a assíria Is 10:24. Quando encerrada a ação divina em punir Israel (v.12), a assíria também seria julgada e punida.
Quando Deus executasse o julgamento da assíria, Israel estaria livre.
Onde há maldição hereditária, ou quebra de maldição neste texto?
Vê-se também que não entendem nada de interpretação bíblica ao citarem Ex 20:4-5.
Devemos obedecer a Deus com medo da sua punição ou porque Ele é misericordioso?
É certo que aquele que desobedece será punido, no entanto, o que motiva o homem obedecer é o amor e a misericórdia que Deus demonstrado as suas criaturas Sl 130: 4.

O que diz Ex 20:4-5?
O versículo fala da medida de Deus e do motivo pela qual lhe devemos obediência.
Observe estes versículos:

“Uma coisa disse Deus, duas vezes a ouvi: que o poder pertence a Deus. A ti também, Senhor, pertence a misericórdia; pois retribuirás a cada um segundo a sua obra” Sl 62:11-12.

Esta referência a números remete a uma exatidão, plenitude. Deus é exato, pleno em todos os seus atributos;

“Eis que tudo isto é obra de Deus, duas e três vezes para com o homem, para desviar a sua alma da perdição…” Jo 33:29.

Eliú ao falar da misericórdia de Deus demonstra que ela é exercida de maneira plena, sem restrições, infinitamente, ou seja, duas a três vezes! Haveria uma unidade de medida que pudéssemos mensurar a misericórdia de Deus?

“…que visito a maldade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração (…) E faço misericórdia em milhares aos que me amam e guardam os meus mandamentos” Ex 20:5-6.

(Observe que os textos que utilizam uma seqüência numérica, geralmente aparecem em conexão com textos que falam da misericórdia de Deus)
Estes que apregoam a necessidade de quebra de maldição utilizam-se da mesma artimanha que satanás fez ao enganar Eva. Satanás enfatizou a proibição na ordem de Deus, em detrimento da liberdade que Eva possuía.
Ela podia comer de todas as árvores do Jardim do Éden, mas satanás disse: “É assim que Deus disse: ‘Não comerás…” Gn 3.1. O que Deus disse: “De toda a árvore do jardim comerás livremente…” Gn 2:17.

Da mesma forma que a serpente, os seguidores da ‘doutrina’ da quebra de maldição geralmente utilizam textos que demonstram a misericórdia de Deus, e utilizam para amedrontar os incautos!
Eva possuía plena liberdade, tanto que pôde comer da árvore que lhe fora vetada, mas satanás enfatizou a proibição ao enganá-la.
Versículos como os citados acima apontam para a misericórdia de Deus, e os pregoeiros da maldição hereditária enfatizam uma maldição que não existe, e que também não é hereditária.
Observe que juntamente com os dez mandamentos Deus também apresenta os motivos pelos quais eles deveriam cumprir:

“Não farás (…) porque Eu, o Senhor teu Deus, sou Zeloso, que visito a maldade dos pais (…) e faço misericórdia em milhares aos que me amam e guardam os meus mandamentos” Ex 20:5- 6.

A ênfase deve estar na misericórdia e no zelo de Deus, e não na visita de Deus sobre a maldade dos homens.
Quando Deus diz que visitará a maldade dos pais nos filhos duas a três gerações, fala do mau que reside na natureza do homem. Este mau não se extingue indefinidamente (duas a três gerações), pois refere-se ao pecado de Adão que passa de geração a geração.
Esta maldade que o versículo torna evidente refere-se ao mau que decorre da natureza humana decaída, e Deus há de visitar, ou seja, pedir conta a todos que não se arrependeram.
Por nascer de uma semente corruptível, a semente de Adão, todos os homens carregam em si o mau do primeiro Adão. Somente através do último Adão, que é Cristo, este mau é extirpado.

Mas, àqueles que amam a Deus e que guardam os seus mandamentos, o Senhor faz misericórdia em milhares. Onde o pecado abundou (duas a três gerações) a graça superabundou (misericórdia em milhares).
“Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso todos pecaram” Rm 5:12.
Como o pecado passou a todos os homens, este fato faz com que Deus visite duas a três vezes (indefinidamente) a maldade (pecado original) dos pais nos filhos. Um pecou, logo, todos pecaram, e esta maldade passa de geração a geração.

“Mas não é assim o dom gratuito como a ofensa (…) assim pela obediência de um, muitos serão feitos justos” Rm 5:15-19.

A misericórdia que Deus revelou em Cristo é para a salvação sem relação alguma com a idéia de quebra de maldição, opressão maligna, macumba, encosto e outras crendices.
A misericórdia de DEUS não é demonstrada em mudança na qualidade de vida dos que por ela são alcançados. Jesus não veio cuidar das injustiças sociais.
O evangelho de Cristo não é o da prosperidade. A teologia da libertação e outras coisas semelhantes não é o alvo do evangelho.
Deus visita sim a maldade dos pais nos filhos, visto que, tal maldade está atrelada a incircuncisão do coração. Para eliminar esta maldade é preciso nascer de novo

“Circuncidai, portanto, o vosso coração, e não mais endureçais a vossa cerviz” Dt 10:16.

Paulo demonstra que em Cristo nos livramos desta natureza perniciosa quando recebemos a circuncisão de Cristo Cl 2: 11.
Quando Deus avisa que não se deve transgredir, é porque Ele é misericordioso até mil gerações (indefinidamente Deus exerce misericórdia).
Ele avisa porque é misericordioso, para que o homem não prossiga no mal.
Misericórdia é para aqueles que amam a Deus, ou antes, que são amados por Ele. Já visita do Senhor é certa sobre aqueles que não o amam.
O que está registrado em Êxodo é a mesma lição que extraímos do Sl 130:4. Deus é temido pela sua misericórdia e não pela certeza da punição.
“Mas comigo está o perdão, para que sejas temido” Sl 130:4.

Autor: Claudio Crispim 


"As opiniões ditas pelos colunistas são de inteira e única responsabilidade dos mesmos, as mesmas não representam a opinião do Gospel+ e demais colaboradores."


PS.: Comentários via Google+ estão logo abaixo desabilitados no momento.


Comentários via Facebook

Sua resposta

Adicione seu comentário abaixo, ou faça trackback de seu site ou blog. Você pode também assinar esses comentários via RSS.
Seja legal. Não escreva em CAIXA ALTA. Mantenha no tópico. Limite de 3000 caracteres no comentário.

Há 5,000 comentários no Estudos Bíblicos.