Home » Vida Cristã

A Maldita Herança da Cobiça

Avatar de Pr. Eduardo Costa Por Pr. Eduardo Costa em 26 de maio de 2008

Estudos Bíblicos em seu email

Receba Estudos Bíblicos em seu email gratuitamente! Insira seu email:

Gospel+ no Twitter!

ou no facebook

Prezados:

Visite: Gospel +, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

Vamos primeiro ver o que significa a palavra COBIÇA:

do Latim cupiditia, s. f., desejo veemente de possuir; ambição de riquezas; avidez; ganância; cupidez.

Agora, já sabedores do seu significado no dicionário, vamos nos aprofundar na análise dos efeitos da sua prática. Responda com toda a sinceridade: você já teve a experiência de desejar ardentemente algo que outra pessoa tem ou possui? Muitas pessoas, embora não admitam publicamente, já tiveram este tipo de sentimento em suas vidas. O desejo, sem limites, por riquezas é um dos piores sentimentos que o homem pode experimentar; este corrói o fundo da alma, deixando aflito o espírito que não compreende a motivação em atender à sede da alma por riquezas.  O desejo sem limites é pernicioso à medida que deforma o caráter para poder sucumbir à tentação. Todos sabem que o Ter é muito mais valorizado do que o Ser, a sociedade, obedecendo ao plano de Satanás, está caminhando para o caos absoluto, terreno fértil para as manobras do inimigo de nossas almas. Os homens que se entregam à cobiça perderam o sentido pela essência da vida, nada simples do dia-a-dia é interessante, tudo é colocado como rotina e passa a ser um fardo em suas pobres vidas. Não importa a quantidade de dinheiro que o homem venha a possuir, ele, quando contaminado pela cobiça, terá sempre a insaciável sede de querer mais e mais. Nesta fase, não importa mais a observância dos valores da família, que está sofrendo por inanição de amor. Até quando o homem tentará a Deus?

 “Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo.” (Êxodo 20:17)

Deus, Pai do Senhor Jesus Cristo, Criador do homem, foi taxativo em suas ordenanças e os homens teimam em transgredi-las; a cobiça às posses do próximo é fato comum na sociedade; as pessoas se guiam pelo muro do vizinho ou pelas garagens de seus prédios. Há uma competição insana e doentia, por exemplo, entre vizinhos que até sacrificam a subsistência de suas famílias para atendimento às luxúrias do desejo desenfreado para imitarem ou demonstrarem uma falsa prosperidade uns aos outros.

A cobiça pela mulher do próximo merece um capitulo à parte, muitos tratam este assunto com zombaria, não dando o devido valor às conseqüências terríveis que virão sobre os que não observam esta ordenança de Deus. A sociedade está contaminada pela sensualidade, onde homens e mulheres baseiam suas vidas na busca por conquistas, principalmente as que são proibidas por Deus e pelo bom senso. A sensualidade é a arma que dispara a cobiça; ser admirado e desejado é motivação de muitos que buscam saciar a carne, que é finita, e se esquecem do bem maior que poderiam fazer: alimentar seus espíritos que, de tão raquíticos por inanição, buscam alimentos onde não se pode achar. Este raquitismo do espírito explica porque muitos buscam coisas espirituais em objetos sem vida, praticando adoração a fantasias como: duendes, anjos de plantão etc., veja o que diz o Único Deus Verdadeiro:

 “As imagens de escultura de seus deuses queimarás a fogo; a prata e o ouro que estão sobre elas não cobiçarás, nem os tomarás para ti, para que não te enlaces neles; pois abominação é ao SENHOR teu Deus.”  (Deuteronômio 7:25)

Está escrito: é ABOMINAÇÃO ao SENHOR teu Deus. Abominação significa: aversão; repulsão; crime execrável. Depois de atentar para isto será possível que o homem continue a usar do pior cegueira, a espiritual? Através do raquitismo do espírito, o homem chega até a consultar os mortos, transgredindo de forma violenta a ordenança de Deus:

 “ Nem encantador, nem quem consulte a um espírito adivinhador, nem mágico, nem quem consulte os mortos; Pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao SENHOR; e por estas abominações o SENHOR teu Deus os lança fora de diante de ti. ” (DT 18:11,12)

Novamente, Deus afirma que tal ato é ABOMINAÇÃO a Ele, como podem, então, homens buscarem conselhos de pessoas que já morreram? Não enxergam que estão sendo enganados pelas trevas? Peçam ajuda a Deus para que Ele Resplandeça a Glória do Senhor Jesus Cristo sobre vocês, abrindo o entendimento espiritual para discernimento da Verdade. Consultar os mortos é tirar da podridão dos ossos, já enterrados, uma (falsa) iluminação para suas vidas, o simples convívio com os que praticam esta abominação, já acarreta prejuízos imensos aos homens que se contaminam com a influência maligna dos espíritos que jazem nas trevas. Muitos chegam até a fazer pacto com os mortos, que na verdade são demônios travestidos de pessoas que já se foram, para possuírem riquezas; esta prática tem levado muitos diretamente para o inferno onde terão, futuramente, a companhia de Satanás, que já foi condenado para sempre. Meu conselho é que deixem esta prática abominável e que Deus não contará o período da ignorância. Aceite o convite do Senhor Jesus Cristo:

 “Todas as coisas me foram entregues por meu Pai, e ninguém conhece o Filho, senão o Pai; e ninguém conhece o Pai, senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar. Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.” (Mateus 11:27 a 30)

Deus os abençoe!

"As opiniões ditas pelos colunistas são de inteira e única responsabilidade dos mesmos, as mesmas não representam a opinião do Gospel+ e demais colaboradores."


PS.: Comentários via Google+ estão logo abaixo desabilitados no momento.


Comentários via Facebook

Sua resposta

Adicione seu comentário abaixo, ou faça trackback de seu site ou blog. Você pode também assinar esses comentários via RSS.
Seja legal. Não escreva em CAIXA ALTA. Mantenha no tópico. Limite de 3000 caracteres no comentário.

Há 4,983 comentários no Estudos Bíblicos.